4ª CIRANDA ESPECIAL CAPPAZ

LÁGRIMA

 

AGRADECIMENTOS

Agradeço a todos(as) que participaram desta repentina e pequena ciranda que nasceu de um soneto que escrevi e que teve tantos e tão belos versos que o acompanharam - de forma gostosa e espontânea.
De mãos dadas - cirandando - cantarolamos a temática emotiva e fascinante da "Lágrima": esse Ínfimo Cristal que aflora d'Alma e do Coração aos olhos - seja como testemunho de Alegria, seja como testemunho de Dor!
A presença de todos(as) são Valiosas, Belas, Fraternas e Solidárias, pois, nessa Roda de Paz e de Amor, rimos e choramos... E servimos de consolo uns aos outros - na Igualdade que demonstra que somos Todos Irmãos, pois Filhos de Uma Mesma e Sagrada Fonte de Luz e de Poder!!
Deixo-lhes, aqui, para enriquecer os versos de todos(as) nós, este belíssimo e magistral soneto - do meu poeta-do-coração
e Irmão na Luz - o Querido Augusto dos Anjos!

A Lágrima
Augusto dos Anjos

- Faça-me o obséquio de trazer reunidos
Clorureto de sódio, água e albumina...
Ah! Basta isto, porque isto é o que origina
A lágrima de todos os vencidos!

- "A farmacologia e a medicina
Com a relatividade dos sentidos
Desconhecem os mil desconhecidos
Segredos dessa secreção divina. - "

- O farmacêutico me obtemperou. -
Vêm-me então à lembrança o pai Ioiô
Na ânsia psíquica da última eficácia...

E logo a lágrima em meus olhos cai.
Ah! Vale mais lembrar-me eu de meu Pai
Do que todas as drogas da farmácia!

Paraíba/1909.

Mais uma vez, grato pela preciosa e fraterna Companhia!!


J.J. Oliveira Gonçalves/JJotaPoet@
Porto Alegre, 11 de janeiro/2009. 08h47min -HS

 

 

 

PARTICIPANTES

01. João José Oliveira Gonçalves

02. Regina Coeli

03. Humberto Rodrigues Neto

04. Joyce Lu@zul

05. Aparecida Lourdes Micossi Perez

06. Ilka Vieira

07. Regina Sant'Anna

     08. Maria de Lourdes Maia Gonçalves
     09. Marco Amado
     10. Kedma O'liver
     11. Meimei Corrêa
     12. Ângela B. Mota Torino Paletti
     13. Sidney Santos

 

 

 

01.
Da Lágrima!
(À PoetisAmiga Regina Coeli!)
J.J. Oliveira Gonçalves

A lágrima é o Bálsamo que aflora
Ai, quando dói demais o coração!
Mais belos faz os olhos de quem chora
Pois deixa a nu a íntima Emoção!

A lágrima é o orvalho nacarado
Que rola quando a Vida nos diz não!
É o verso que soluça só e salgado
A Pena que o poeta traz na mão!

A lágrima que é minha é enlutada
E chora a minha Sina assim bastarda
E ri quando se faz rima e canção!

A lágrima copiosa é mesmo a Alma
Que no chorar dos olhos busca a calma
Para agüentar a Vida - esta Ilusão!

Porto Alegre, 30 de setembro/2008. 11h55min
jjotapoeta@yahooo.com.br  - www.jjotapoeta.art.br

 

 

 

02.
Lágrimas, Apenas...
(Ao PoetAmigo J.J. Oliveira Gonçalves,
em agradecimento)
Regina Coeli

A lágrima é a bênção que extrapola
O sacro altar do rubro coração,
E vem banhar os olhos na emoção,
Ou na tristeza que num pranto rola.

A lágrima, uma dor que dentro esfola,
Sai buscando o ombro amigo de um irmão
Ou se espatifa, só, num frio chão,
Beijando, seus pedaços, cada sola.

A lágrima que choro tem Saudade
De ti, de mim ou de qualquer alguém...
E escorre pelo tempo, sem idade...

E se eu soluço, mil engasgos vêm...
Chora-me a alma... Resistir não há de!
São engasgos do Amor que nunca vem...

Rio de Janeiro/RJ

 

 

 

03.
Lágrimas
Humberto Rodrigues Neto


Ah... quanta vez o pranto derramamos
por coisas fúteis ou paixões banais;
quantas vezes em queixas lamentamos
a perda de valores materiais.

Muito sofremos e também choramos
em lacrimosos e doridos ais
pelos que um dia toda a vida amamos
e aos quais no mundo não veremos mais!

Porém, se a mágoa turva o teu olhar,
tira de ti tão depressivo enleio
doando aos tristes o teu dom de amar!

E então verás, nesse teu novo anseio,
que só não encontra tempo pra chorar
o que o gasta a enxugar o pranto alheio!

São Paulo/SP

 

 

 

04.
Lágrimas...
Joyce-Lu@zul

Decidi não mais o amar.
O seu poema joguei ao mar.
Apenas relembro aquele dia:
Uma madrugada triste... e fria.

Quando o encontrei a chorar,
Pediu-me para não o abandonar.
O luar foi palco iluminado
Daquele amor tão decantado!

Quando você olhar a lua
Lembrará que já fui sua.
E eu ao ver o sol-poente
Não mais o terei na mente.

As minhas lagrimas derramadas
Hoje, são montanhas geladas
Como sinais claros da cicatriz
Que você me deixou porque quis.

"IN" A Volta da Lu@zul- pág 67 - 2007

Balneário camboriú/SC

 

 

 

05.
A Lágrima
Cida Micossi

A lágrima foi sempre mui presente
Em minha vida, desde muito cedo
Tão logo me tornei adolescente
Muito chorei: tristeza, dor e medo!

Perdi parentes, lamentei amores,
Sofri também bastantes dissabores
E a lágrima, sempre companheira,
Me molha o rosto pela vida inteira!

Hoje, madura, sinto-me feliz
Não poucas vezes vem alguém, me diz
Que uma luz tenho a me iluminar.

Ouço, sorrio, olho para um canto
A lágrima - emoção, teima em rolar
Junto co’a luz, tenho na face o pranto.

Santos, 26 de dezembro/2008.

 

 

 

06.
Guardador de Lágrimas
Ilka Vieira

Quando a minha lágrima correr,
pegue-me em seu colo,
dê-me seus braços em agasalho,
mostre-me o mais fácil atalho
que a dor não me deixa ver.

Guarde-me como criança,
enfeite minha trança,
conte-me histórias... segredos,
faça descansar a minha guarda,
derrote o monstro do meu medo.

Por fim,
componha uma cantiga bem bonita,
moderna, infantil ou erudita,
transformando essa tristeza
num lago-fortaleza,
guardador fiel
de memória cruel,
intérprete de melodias latentes
que a vida, como serpente,
não me permite esquecer.

Rio de Janeiro/RJ

 

 

 

07.
Lágrimas Verdadeiras
Regina Sant'Anna

Quando derramares uma lágrima,
Que ela seja sentida, não seja só "efeito"
Que venha como um rompante da tua alma,
Lavando e redimindo dores que apertam o peito.
Quando derramares uma lágrima,
Cuida que seja justa e verdadeira,
Que não envolta na mentira desordeira.

Quando derramares uma lágrima,
Que seja real o sentimento criador,
Porque, se assim não for,

Quando as lágrimas sentidas
Rolarem de teus olhos aflitos
Não haverá para contê-las mãos amigas
Só descrédito para os teus conflitos.

Rio de Janeiro/RJ

 

 

 

08.
BANHO DE LÁGRIMAS
Maria de Lourdes Maia Gonçalves

O sabor da lágrima depende do paladar de quem a experimenta,
depende dos motivos e dos sentimentos de quem chora...
A lágrima pode chegar num momento de grande alegria;
nesse caso, ela é doce e brilhante, como são doces e brilhantes as estrelas.
Nas horas tristes, são amargas como o fel do nosso sofrimento.
Invadem a nossa alma, inundam o nosso rosto,
e nublam o sorriso que insistia em brilhar em nosso olhar...
Doces, amargas, agridoces, não importa.
As lágrimas sempre serão o bálsamo dos olhos e da alma:
clareiam os horizontes, aliviam e acalmam o coração soluçante de quem ama!

Maria de Lourdes Maia Gonçalves – CAPPAZ
Itajubá – 10 de janeiro de 2009
(Há exatos 36 anos eu chegava em Minas Gerais. Para ficar!)

 

 

 

09.
GOTAS...
Marco Amado

Noto que gotas caem sobre meu peito...
São resíduos de dores
Que estão guardadas a tempo...
Em meu peito noto então
que lágrimas suaves
rolam de minha face...

Descubro no silêncio de minha alma...
O reflexo da saudade...

Noto que as gotas agora
deslizam pelos meus lábios
Tentando refazer ao meu sorriso...
Mostrando-me que ainda posso amar
E que quando eu novamente chorar
Seja por momentos felizes!

Quero que estas novas gotas
que vierem a cair em meu peito
Sejam lágrimas de felicidade
que brotam de meu coração...
Nascidas desta nova paixão!

(Ocram28/08/04)

 

 

 

10.
LÁGRIMA
Kedma O'liver

Escorre pela minha face
Uma lágrima sentida
Lembram sonhos passados
Amores perdido na vida

Escorrem lentamente
Como rio de águas calmas
Levam toda tristeza
Que aflige a minha alma

Nem sempre consigo parar
Elas teimam em cair
Mesmo enxugando o rosto

Finjo que é por amar
E me ponho a sorrir
Disfarsando meu desgosto.

 

 

 

11.
Lágrimas de um coração
Meimei Corrêa

Chora o meu coração nas noites frias
E minh'alma se perde nesse pranto;
Não há calor e as mãos estão vazias,
Não há mais sonhos, não há mais encantos...

Chora esse coração em dias tristes,
Mas meus olhos são fontes que secaram.
Lembranças dolorosas que persistem
São ilusões que há muito me deixaram...

Chora o meu coração e nessas lágrimas
Jorram os sentimentos, minhas lástimas...
Perde-se no caminho um grande amor...

Chora coração, pois não há mais nada,
Somente espinhos beiram essa estrada...
Há somente você, eu e essa dor...

 

 

 

12.
"A LÁGRIMA"
Ângela B. Mota Torino Paletti

Entra-me
peito afora,ó lágrima silenciosa e fria
do meu caminhar...
companheira amiga
dos meus sonhos...tecelã antiga
de inacabados fios
de solidão e dor.

Entra-me
ó lágrima silenciosa e fria
e ouça-me:
terminado o sonho
não sonha-se mais!
É como um barco esquecido
nas águas escuras e calmas
de um velho e esquecido cais.

Entra-me
inacabada lágrima,
e diga-me:
quando a mágica da vida
transformará em luz
a indecifrada ferida
que sem licença e medidas
a paixão nos conduz?

Entra-me
e deslize no meu peito afora,
sem mais lamento, sem mais demora!...

 

 

 

13.
FLOR DO RIO
Sidney Santos

Rio descendo no leito
Tortuoso caminho
Lágrima escorrendo em meu peito
Retrato de um tempo sozinho

Águas levando saudades
Do tempo de muito calor
Semeando vontades
Em terra de muito amor

Na nascente do rio
Retrato de real valor
Em vez de formar um vazio
Ficou o perfume da flor

 

 

 

SELO DE PARTICIPAÇÃO

Pegue seu selo de participação na Ciranda Especial Lágrima clicando com o botão direito do mouse sobre a imagem e em salvar como.

 

 

 

 

 

 




|| Página Inicial | Voltar | Livro de Visitas ||

 


Arte Joyce Lima Krischke
Formatação Rosângela Coelho
Exclusivo para CAPPAZ - Confraria Artistas e Poetas pela Paz