CAPPAZ - Confraria Artistas e Poetas pela Paz




 
 
 



AGRADECIMENTOS

Cirandando com Zezinho...
(Um dar-se-as-mãos de Amor e Paz...
Beleza e Alegria – numa lídima Igualdade Franciscana!)

Sou um Ser da Natureza!
Tal qual o Zezinho...

O Zezinho é o termo “lingüicinha” que conheci, em Bento Gonçalves, quando lá estive convidado para participar do XIV Congresso Brasileiro de Poesia. Na época, esse cachorrinho era, ainda, bebê – com alguns meses de idade. Então, passeando pela rua central de Bento – cidade bucolicamente poética! – encontrei Zezinho, à porta de “sua” Livraria Água Viva – eis que Zezinho é um cão que já nasceu livreiro... Não sei se esse é fato inédito na vida de um cão. E de um cão tão jovem em quanto Zezinho... Talvez, devesse ir para o “Guiness-Book”.

Através desse cãozinho tão amável e querido, fiz belo e fraterno relacionamento de Bem-Querença com sua família: com o pai, com a mãe, com os dois irmãos de Zezinho. Então, lá vão quatro anos de fascinante Amizade com Zezinho e sua família – que fica barulhentamente alegre sempre que retorno a Bento, para o Congresso, e que chego à livraria, de mansinho, para a primeira visita ao amiguinho “Zé”...

Ah, desde que o conheci, nunca deixei passar um dia sem visitar, brincar e conversar com o “Zé”... Na verdade, eu o visito mais de uma vez por dia. Ainda, em 2006, quando fui me despedir dele e de sua família, numa fria manhã de outubro, disse-lhe que escreveria uma crônica para ele. E o fiz. Com ela, ganhei dois concursos literários. Um em Varginha/MG. Outro, em São Lourenço do Sul/RS. Intitulada “A Ternura do Zezinho”, ela narra nosso encontro, (ou reencontro?), a alegria, a Emoção e, acredito, a crença nesse (re)encontro – ambos como nossas ocultas mas indesmentíveis vestes franciscanas. Por isso mesmo, eu a chamo de “Crônica de uma Amizade Franciscana”.

Assim, eu que adoro Mãe-Natureza e os irmãos-animais, ganhei mais o Zezinho... Que é assim como um filho que, nesta encarnação, nasceu sob outro teto... Um teto de pais e irmãos mui queridos que adoram nosso Zezinho! Digo nosso porque, agora, Zezinho faz parte do mundo mágico e inocente da criança-interior de todos nós que o conhecemos, pessoalmente, e dos que o conhecem por fotos e, ainda, de ouvirem falar nesse pequeno-grande personagem de Bento Gonçalves/RS.

Com certeza, Zezinho nos conquista a todos, com seu jeitinho “baixinho”... Com seu olhinhos vivazes e arteiros... Com seu rabinho a abanar de felicidade quando desses doces e afortunados encontros!

A “Ciranda do Zezinho” sugerida pela Querida Regina Coeli chega ao seu final. Todavia, não termina aqui. Eis que ela não tem fim! Pois será sempre recomeço para quem não a cantou, ainda, e quiser, ainda, cantá-la. Eis que Zezinho é esse amiguinho que será, sempre, cantado – assim como o são as Musas Eternas!

Zezinho fica mais rico... de amigos! De fãs. De admiradores. De poetas. De escritores. De artistas. Afinal, Zezinho já é um artista. Nasceu para sê-lo. Além do que, Zezinho já ganhou tios e tias. E, até, uma avó: a “vó Joyce” – para quem Zezinho sorri... sempre que a reencontra.

Zezinho, parece-me, ganhará o título de “Mascote da CAPPAZ”... Ou, mais ou menos, assim... Zezinho merece! E eu, particularmente, fico orgulhoso e feliz! E sei que sua fraterna e bela Família, também! Enfim, agradeço – emocionado! – a todos(as) que, dando-se as mãos, deixaram que suas Crianças-Interiores cantassem e afagassem esse cãozinho mimoso chamado Zezinho... Com certeza, Zezinho cirandou conosco. E o ensolarado e sorridente Francisco de Assis igualmente cirandou conosco... E a todos(as) nos abraçou e beijou, inclusive, ao Zezinho – esse amiguinho do qual sempre sinto Saudades!

Com meu franciscano abraço – sempre!!
J.J. Oliveira Gonçalves/JJotaPoet@!
Presidente de Honra/CAPPAZ
Porto Alegre, 30 de outubro/2009. 11h17min

 

 

 



INTRODUÇÃO

A quem me lê.

A foto acima mostra o poeta J.J. Oliveira Gonçalves, residente em Porto Alegre (RS), e seu grande amigo, o cãozinho de nome Zezinho.

Zezinho é gaúcho da cidade de Bento Gonçalves, orgulho do Rio Grande do Sul, porque por seu solo passaram patas e mais patas de cavalos transportando bravos cavaleiros que lutaram na Revolução Farroupilha contra a tirania do Império. Hoje, Bento Gonçalves é a terra da uva e do vinho de qualidade.

E Zezinho, o que tem a ver com isso? Absolutamente nada. Zezinho é a tranquilidade em forma de cão. Mora em uma livraria, da qual é atração. Com seu jeitinho garboso e seu corpinho roliço, Zezinho saúda os clientes e também aqueles que nada compram, mas que entram na livraria somente para vê-lo.

E o olhar de Zezinho? Ah, que envolvente e significativo olhar... Um olhar de infinita Paz e de Amizade é o olhar de Zezinho... E foi esse olhar que encantou e seduziu o poeta J.J. Oliveira Gonçalves há quase quatro anos, quando ele conheceu Zezinho. E, anualmente, o poeta vai para o Congresso de Poesia que se realiza em Bento Gonçalves; faz palestras, compõe versos e declama a mais viva de suas poesias: a visita ao amigo Zezinho, que o reconhece, abanando o fino rabinho e se derramando em alegria.

Sim, Amizade é isso. É felicidade no encontro, é carinho e ternura. É simplicidade no gostar e no demonstrar esse gostar, não importando quais sejam as partes envolvidas.

Há pouco, de 05 a 10 de outubro, a CAPPAZ participou do Congresso em Bento Gonçalves, ocasião em que fez realizar seu IV Encontro Nacional. Caminhando por Bento Gonçalves, quase todos da confraria que estiveram lá puderam conhecer Zezinho, o cão-livreiro, e provar da doçura dos seus olhos e se deixar levar no arrastado da sua marcha. E Zezinho e o sentimento da pura e fraterna Amizade foram homenageados — o poeta e confrade J.J. Oliveira Gonçalves ofereceu seus líricos versos ao amigo Zezinho, tatuando em cada uma das pessoas presentes àquele mágico momento a emoção de um sentir que une diferenças e as desconsidera na envolvência dos carinhos e dos puros sentires. Na simbiose do Amor e da Amizade, que não necessita de formas pré-estabelecidas, o sentimento simplesmente acontece e é ele que comanda as ações.

Zezinho é amado por seus donos. É amado por quem entra na livraria. É amado pelo poeta J.J. Oliveira Gonçalves e por todos os demais confrades e confreiras da nossa CAPPAZ que viram nos encontros entre o poeta e o cão o vivo entendimento de que para falar ao coração uma das partes pode claramente andar sobre quatro patas, sobre dois pés... A Amizade não estabelece modelos, mas um sentir que grassa no esplendor do silêncio. Amigos se encontram e nada precisam dizer e fazer, exceto deixarem correr os minutos ao sabor da sensação de que é muito bom se estar junto.

Confrades e confreiras da CAPPAZ, também tive a ventura de conhecer o cão Zezinho e sentir a parceria no gostar que existe entre ele e o confrade e poeta JJota. Também eu, amante dos animais, cruzei o meu olhar com o de Zezinho, o cão-livreiro, crendo firmemente que estávamos todos em uníssono reverenciando a majestude de um sublime momento na experiência do viver — a experimentação do Amor total entre os seres da criação em que pés e patas se confundem, em que somos um pouco do outro e o outro é um pouco de nós na suprema e valiosa transcendência de um ser para um apenas e tão significativo sentir.

Deixemos, pois, nos inundar do sentimento de Amizade e de Carinho entre o homem e o cão e façamos desta Ciranda o estandarte que celebra a pureza e a amorosidade das almas de Zezinho e do poeta J.J. Oliveira Gonçalves.

Zezinho, a mais bela e delicada poesia que, quem sabe, a CAPPAZ tenha declamado no XVII Congresso de Bento Gonçalves...

Amigos de confraria, convido-os, pois, a participar da Ciranda do Zezinho. Sintamos, entreguemo-nos, porque a Vida é entrega...

Regina Coeli Rebelo Rocha,
Presidente Nacional da CAPPAZ.

 

 

 



PARTICIPANTES

1. J.J.Oliveira Gonçalves
2. Ana Terezinha Drumond Machado
3. Humberto Rodrigues Neto
4. Marco A. Amado
5. Sergio Martins Pandolfo
6. Marly F. Tamani
7. Kedma O´liver
8. Fernando Alberto Salinas Couto
9. Cida Micossi
10. Sandra Almeida
11. Meimei Corrêa
12. Carlos Reinaldo de Souza
13. Sidney Santos
14. Eloísa Antunes Maciel
15. Érico Baymma
16. Akasha de Lioncourt
17. Joyce Krischke
18. Regina Azenha
19. Rosângela Coelho
20. Sílvia Araújo Motta
21. Regina Coeli Rebelo Rocha
22. Odilon Machado de Lourenço
23. Daniel Brasil

 

 

 



PARTICIPAÇÕES

1.
Rimas para Zezinho...
J.J. Oliveira Gonçalves

Aqui, venho, co’alegria,
Zezinho, te visitar!
Nas rimas desta poesia
Nossa Amizade cantar!

Amizade é um Querer-Bem
Que vem, cá, do coração!
Da Alma brota, também,
Bem regada à Emoção!

Somente uma vez, por ano,
Este poeta vem a Bento!
Mas é sempre franciscano
Seu sincero Sentimento!

O Zezinho de quem falo
É um cãozinho-criança!
Nos olhos dele eu embalo
De minha infância lembrança!

Sempre amei os animais
E também Mãe-Natureza!
Seus risos escuto e os ais
Seres vivos – com certeza!

Bom Zezinho, fica, aqui,
Na Lira que vem, comigo:
O coração de guri
Deste teu grisalho Amigo!

À Família do Zezinho
Minha mão, franca, estendida!
E convido, com carinho,
A um Brinde erguer, pela Vida!

Porto Alegre (RS), 29 de setembro/2009. 08h56min

2.
Zezinho: cão-livreiro
Ana Teresinha Drumond Machado

Zezinho, tu és nosso amigo leal,
sabes calar; tens calma
... até o silêncio de minh’alma
ouvir, tu sabes, afinal ...

Zezinho, tu és nosso amigo constante.
Quieto, me olhas, me sondas...
Minhas agonias, tu as levas...
Meus pensamentos, tu os lês num instante.

Tu és, Zezinho, nosso amigo leitor.
Dos riograndenses do Sul, primor.
Na solidão, tu és presença;
De nosso coração, benquerença.

Amigo, tu és nosso cão-poesia!
Nosso Quincas Borba CAPPAZ.
Tu és, Zezinho, difusor da alegria
que contagia. O portador da Paz!

Alvinópolis (MG)

3.
Conselhos do Zezinho
Humberto - Poeta

Sou apenas um cãozinho,
mas tenho um nome janota,
pois eu me chamo Zezinho
-o amigão do Jota-jota!

Pelos cães venho falar,
sejam velhos ou fedelhos,
e em prol deles quero dar
a todos alguns conselhos.

Que os cãezinhos sempre aceites
com mimo extremo e profundo,
porquanto somos enfeites
que Deus colocou no mundo!

Se ficam tristes e calam,
vê por que é que estão silentes,
pois os animais não falam
pra dizer que estão doentes.

Não deixes, por vãos engodos,
de dar-lhes os zelos teus,
pois assim como nós todos,
também são filhos Deus!

Se enfermo está o cachorrinho,
não poupes o teu salário,
confia, pois, teu cãozinho,
às mãos de um veterinário!

Casinha simples, asseada,
sem laivos de principesca;
após o banho a escovada,
sadia ração e água fresca!

Não sou pobre, nem sou rico,
mas meu bom trato se nota;
que o diga quem paparico
que é o meu grande amigo Jota!

São Paulo (SP)

4.
Fraterna União...
Marco A. Amado

Como posso eu...
Escrever sobre tão singela e bela amizade
Em que um homem e um cão
Vivem em enorme comunhão...
Talvez narrar essa bela história!...
Em forma de poesia
Ou ser simples e direto
E, num único verso,
Brindar a essa fraterna união...
Onde Zezinho, o cão,
É a estrela,
Alegrando o dia-a-dia
De JJ, nosso grande amigo e poeta,
Com a lembrança por companhia...

Rio de Janeiro (RJ)

5.
Ao Zezinho. E outros bichinhos
Sérgio Martins Pandolfo

Eu também já tive um cão,
mais que um, uma porção;
infelizmente se vão
quando mais caros nos são

Nenhum chamava Zezinho,
mas eram todos queridos;
Leão, Garoto ... carinhos
os tiveram garantidos

Hoje tenho um Leãozinho
pequeno pinscher pretinho
vivo, dócil, espertinho,
que mais retrata um filhinho

Amo animais em geral
(não fôssemos nós isso mesmo),
gato, cão, gavião real,
de todos eu gosto a esmo

Todos me sabem a Zezinho,
mesmo os que são malqueridos:
cobras, baratas... ratinho,
pois da natura acolhidos

Quem dera todos os cães
e outros bichos tão úteis,
tivessem a nós como fãs,
não fossem os homens tão fúteis.

És, Zezinho, ao que vejo,
um perro do qual não corro,
digo mesmo, num lampejo,
taí cão bom pra cachorro

Cão livreiro, coisa rara
(atributo não canino),
Cappazes, a vida amara
ao Zezinho deu bom tino

Zezinho, que Deus te guarde,
tens os carinhos das gentes,
mas, mesmo que isso tarde,
um dia mudam-se as mentes

E, Zezinho, tu serás
um indutor desse lance,
aos animais, tu verás,
vão se dar um’outra chance.

Belém (PA)

6.
O mais novo Confrade
Marly F. Tamani

Era um visitar Zezinho pra lá,
era um visitar Zezinho pra cá,
estranha aquela insistência,
uma extraordinária envolvência.

o que tinha de tão especial?
talvez uma criança excepcional?
fomos enfim conhecer o tal Zezinho
ali na livraria daquela terra do vinho.

Zezinho, cãozinho garboso e terno
me ofereceu suas delicadas patinhas,
uma foto registra esse encontro fraterno.

Zezinho, cão-livreiro que traz no olhar, a paz
tornou-se amigo não somente de J.J.Gonçalves,
mas o mais novo confrade da nossa CAPPAZ.

São Paulo (SP)

7.
Também fiquei Fã
Kedma O’liver

De tanto ouvir falar
No nome do cãozinho
Eu fiquei curiosa
Pra conhecer o cãozinho

Hora marcada, ocupada
Não pude comparecer
Mas procurei depois
O tal cão conhecer

Fiquei muito feliz
Em vê-lo faceiro
Olhar esperto, curioso
Jeitinho bagunceiro

Como amo animais
Principalmente o cão
Zezinho logo, logo,
Conquistou meu coração

Todos da CAPPAZ
Ficaram cativados
E o amigo do J.J.
Por nós foi também adotado.

Santos (SP)

8.
Quem é esse?
Fernando Alberto Salinas Couto

Quem é esse ser charmoso,
cuja presença imponente
que recebe, com galhardia
e seu coração bondoso,
a toda e qualquer gente
que entre naquela livraria.

Quem é esse gauchinho
que, aos sorrisos agradece
estendendo a sua pata?

Pelo churrasco e bom vinho
não tem muito interesse,
mas ao seu querido poeta,
que sua nobreza reconhece,
oferece todo amor e carinho.

Ele é o famoso cãozinho
que já autografa...Zezinho.

São Paulo (SP), 20/10/09

9.
Zezinho
Cida Micossi

Desde o ano anterior
Quando estive lá em Bento
Ouvi falar do Zezinho
Em vários dias e momentos

Propus-me a ir conhecê-lo
Em companhia de seu protetor
Mas compromissos paralelos
Vieram se interpor

Posterguei para este ano
Conhecer a tal figura
E já estava me preparando
Para ver a doce criatura

Eu não sei bem o que houve
Do pessoal me dispersei
E o Zezinho tão meiguinho
Ainda não encontrei

Só acho que o danado
Ouviu a Joyce falar
Que sou da CAPPAZ a carpideira
E fez de tudo pra eu não chegar

Deixando para o ano vindouro
O compromisso a saldar
Vou com o querido Jota
O Zezinho encontrar

E prometo ao nosso amigo:
Procurarei não chorar.

Santos (SP), 20/10/2009

10.
Pureza
Sandra Almeida

meus olhos sorriem
minha mente saúda
manhãs, tardes, noites
a beleza e a pureza
no olhar carinhoso
de todos os cães
se zezinho ou não
fazem o mesmo espetáculo
que o zezinho gaúcho
na visita de seu padrinho
em Bento Gonçalves

Cacoal (RO)

11.
Zezinho, o Cão Amigo
(Meimei Corrêa)

Eu lamento ter perdido
O momento tão sublime:
Zezinho, cão tão querido!
Lá não há quem não o estime.

Gaúcho, educado e culto,
Parece ser tal cãozinho.
Não duvido, nem discuto:
Todos querem seu carinho.

Em Bento Gonçalves mora,
É orgulho dos poetas...
Inspira, cativa e adora
Todos que lhe fazem festa.

O cãozinho é formado,
Tem diploma e tudo mais...
O amigo quer ser amado
Pelos membros da CAPPAZ.

E Jota Jota, imagino
O tamanho da emoção,
Fica tal qual um menino
Em torno daquele cão.

Zezinho se instrui no amor,
Faz estágio na alegria,
Se enriquece no valor
Da famosa livraria.

Além de ser cãodidata,
De muitos é cãopanheiro...
Zezinho não é pirata,
É cãozinho verdadeiro!

Só falta ao nobre Zezinho,
Alimentar-se das páginas
Que ocupam os escaninhos
Da livraria tão mágica.

Será que ele poderia
Ser como o bode Orelana?
Se comer a livraria
Arrotará filigrana.

De tanto espreitar os livros
Tornou-se um autodidata...
Entre os homens, seu convívio
O faz um cão diplomata.

Bem, de aluno a professor,
Deixa uma grande lição:
Exercite sempre o amor,
Deixe em forma o coração.

Preste atenção aos conselhos
Desse amado cãodidata...
Os seus olhos são espelhos
Da amizade em quatro patas.

Finalmente eu me despeço
De todos os meus cãofrades.
Ao Zezinho eu agradeço
Por essa oportunidade.

Chega o poeta Verney
De um passeio lá do morro...
“Mas que bacana, Meimei!
Ficou boa pra cachorro!"

Campos Gerais (MG)

12.
Zezinho, o Mascote da CAPPAZ
Carlos Reinaldo de Souza

Muitos livros e um cãozinho,
tem haver isso comigo ?
- Sim, e seu nome é Zezinho,
nosso irmão e nosso amigo !

Este cão é um amorzinho !
Como os livros tem valor !
- Onde vive este cãozinho ?
- Bento Gonçalves, senhor !

Bendito seja o livreiro,
que adota um cão ao seu lado !
A livraria é um celeiro
de saber e o amor, sagrado !

Portanto, viva o Zezinho
e também o seu parceiro,
o poeta Jota Jota
e seu amigo livreiro !

Nós da Cappaz lhes saudamos,
pois são amigos de fato,
estejam certos, louvamos
este genial contato.

Mascote será, Zezinho,
da Cappaz, de hoje em diante.
E assim, querido cãozinho,
torna a Cappaz radiante !

Conselheiro Lafayette (MG)
Primavera de 2009

13.
Amigo Cãozinho
Sidney Santos

Bom dia Companheiro
Esta é minha saudação
Sou Zezinho livreiro
Do lugar a atração

Amigos da poesia
Também aos que fazem prosa
A todos a alegria
Da minha marcha garbosa

O simples tudo resolve
O doce olhar acalma
O amor tudo envolve
Com a pureza d’alma

Santos (SP)

14.
ZEZINHO...
Eloisa Antunes Maciel

Zezinho, cachorro amigo,
É um cãozinho companheiro...
Quer afeto e quer abrigo,
Tem no homem seu parceiro...

Zezinho gosta de agrados,
Mas demonstra valentia:
Seus latidos, se aguçados,
São alerta de um vigia...

Se a correr, acompanhado,
Às vezes fica pra trás,
Não demonstra estar zangado:
É um cachorrinho de paz...

Santa Maria (RS), 25/10/2009

15.
A Celebridade
Érico Baymma

Era, do alto de seu porte: Zezinho
sequência de notas límpidas
em seu latido sombreado de delicadeza
para que os visitantes o reconhecessem

Muito gentil, rola-se no chão
de pleno orgulho do reconhecimento
do amigo eventual que o mimava
com cafunés e leves mãos na barriga

No alto de seu porte, Zezinho era Zezão
mas, pra não causar confusão a seu dono
deixava-se ver-se mascote, não ferindo orgulhos

Mas sabe muito bem quando a hora chega
Dos passantes, a sobremesa, do dono, o aconchego
Culto, bem relacionado, candidato à presidência

É o Zezinho!

Fortaleza (CE)

16.
Canção de Amor para Zezinho
Akasha De Lioncourt

Às vezes não nos damos conta,
Da importância desse bichinho,
Mas, de tanto amor que ele emana,
Encantamo-nos pelo lindo Zezinho.

No colo de seu paizinho,
O orgulhoso JJota Poeta,
Abana, feliz, seu rabinho,
Enquanto lhe fazemos festa.

Zezinho possui rara beleza,
Fidelidade acima de qualquer suspeita,
São seus olhos, gentis por natureza,
Que cuidam de todos, alerta, sempre à espreita.

Quando aprendemos a amá-lo,
Descobrimos o quão isso é fácil.
Basta com as mãos afagá-lo,
E veremos o quanto ele é dócil.

Gentil, delicado, amigo, amado.
Esse é o nosso querido Zezinho,
Recebe, então, esse singelo recado,
Que para ti foi escrito com muito carinho.

Bauru (SP), 26/10/2009

Homenagem ao Poeta J. Jota e ao meigo Zezinho.
Art by Akasha Designer

17.
Zezinho...
Joyce L. Krischke

Zezinho é um cão especial,
De uma livraria sem igual!
Conheci o cãozinho, lá, em Bento...
Visito-o, a cada evento.

Quando me encontra, sorri,
Late... imagina que não o vi!
Sim, mostra os dentes... amistoso,
Esse pequeno ser... tão mimoso!

Dizem ser o “mascote” da CAPPAZ
Seu título feliz me faz!
Zezinho mora em meu coração!

JJota fez sua apresentação...
Aguardarei a Festa Vinho
Para reencontrar o Zezinho!

Balneário Camboriú (SC), 26/10/2009- 15h30min

(sala de espera da ótica)

18.
Simples Versos
Regina Azenha

Venho aqui falar,
através de simples versos,
a respeito de um cãozinho
que serviu de inspiração
pra "Ciranda do Zezinho"

Embora não o conheça
sei bem o que é receber
o carinho de um bichinho,
porque tenho junto a mim
o Apolo, um lindo cachorrinho

Estes seres de quatro patas
que dizem ser irracionais
na verdade não o são
pois sabem nos amar
de maneira incondicional

Zezinho, Apolo e outros mais
vem ao mundo para nos ensinar
o significado de lealdade...
estão sempre ao nosso lado,
quer nas horas de alegria,
quer nas adversidades.

Santos (SP)

19.
Zezinho
Rosângela Coelho

A Bento Gonçalves cheguei,
Para participar de um Congresso
Pessoas gentis encontrei
Foi tudo um sucesso

O que mais se ouvia por lá
Era sobre o Zezinho da Livraria
Muito curiosa fiquei
Em conhecer tal criaturinha

Zezinho é um lindo cãozinho
De olhos muito brilhantes
Matreiro é seu jetinho
Que nos conquista num instante

Fiquei muito emocionada
Ao conhecer esse cãozinho
E nesses pequenos versos
Homenageio você, Zezinho!

Curitiba (PR), 28/10/2009 - 17:37hrs

20.
Cãozinho Zezinho
Homenagem ao amiguinho de Bento Gonçalves
Por Sílvia Araújo Motta/BH/MG/Brasil

C-Com saudades do Zezinho
Ã-Aqui estou para afirmar:
O-O jeito dele, mansinho,
Z-Zeloso, ao me conquistar..
I-Incentivou-me o carinho
N-Na patinha que soube dar...
H-Hoje posso recordar
O-O quanto aquele cão é respeitado!

Z-Zezinho é lindo e inteligente...
E-É amiguinho de todos, na
Z-Zona central de Bento/RS;
I-Inesquecível na sua Família,
N-Na Livraria recebe cumprimentos.
H-Homens e animais são amigos:
O-Olhinhos despertam bons sentimentos.

Belo Horizonte (MG), 29 de outubro de 2009.

21.
Zezinho, o cãozinho!
Regina Coeli

O que falar de Zezinho,
Se tudo já foi falado...
Zezinho é meigo carinho
Num cãozinho abençoado.

Zezinho é cão lá de Bento
Que do poeta ganhou
Soneto com sentimento
Que a CAPPAZ presenciou.

Zezinho, tão amiguinho,
Toda a gente ele encantou,
Pois ao ver o JJota
O seu rabinho abanou...

JJota e seu amigo
Zezinho, que é cão-livreiro,
Têm na amizade um artigo
Não comprado com dinheiro.

Amizade, um rico bem.
Melhor um amigo-cão,
Que gosta de nós também,
Do que amigo-cachorrão.

Nesta ciranda querida
De JJota e Zezinho,
A CAPPAZ celebra a Vida
Com Amizade e um bom vinho!

Rio de Janeiro (RJ)

22.
Versos a outro cão
Odilon Machado de Lourenço

Ah! Calados amores teus olhos
Teu corpo inteiro anuncia os vocábulos ausentes
No farejar anuncias reencontros
Saúdas os amigos, perscrutas o perigo
Nas saudades ergues o uivo encantador de luas
Suspendes o desespero das memórias, desiludes o tempo...
Cão! Teus latidos são verbos conselheiros
Sensações ganidas de uma alma pura
Disfarçadamente sonolento cuidas o entorno em que descansas
Teus ouvidos são olhares distantes caminhando em teu sono
De profundas escurezas são teus olhos amáveis
Soluças na aflição!
Arfas na glória!
Sentes mais que os homens
Amas por todos que não amam
Sempre à espreita de carinhos não guardas
rancores quando negam-te olhares
Cão amigo!
Compartilho tua paz que é sempre maior
comparada à dos homens
E como percebes os sentidos
E como falas sem falar
Reages magoado aos insultos recolhendo-te à capa de tuas penas
e perdoas ao rumorejo lento da fúria que se apaga em teus ais.

Porto Alegre (RS)

23.
Um Querido Cachorrinho...
Daniel Brasil

Zezinho amigo
Que não é amigo cão
Também é um irmão
Pelas leis espirituais...
No mundo dos animais
Cumpre a sua missão.

Essa função é louvável
De cuidar do seu dono
E mesmo estando no sono
O cão fica de vigia
Cuidando, ali, da família
Sem deixá-la no abandono!

O Zezinho é tudo isso
Mas um pouco diferente
Ele até parece gente
Com sua sensibilidade
Demonstrando amizade
Com seu olhar inocente!

Seus donos amigos
São, lá, da terra de Bento.
E o Zezinho sempre atento
Com meiguice e carinho
É um querido cachorrinho
Dotado de sentimento!

Porto Alegre RS), 29 de outubro/2009.

 

 

 

SELO DE PARTICIPAÇÃO

Pegue seu selo de participação na 9ª Ciranda Especial CAPPAZ - "A Ciranda do Zezinho", clicando com o botão direito do mouse e em salvar como.

 







|| Página Inicial | Voltar | Livro de Visitas ||

 

 

Arte Joyce Lima Krischke
Formatação Rosângela Coelho
Exclusivo para CAPPAZ - Confraria Artistas e Poetas pela Paz
Todos os direitos reservados