Utilize esse comando para parar a música
e os respectivos comandos para ouvir as
demais músicas.
 








PARTICIPANTES

Akasha De Lioncourt (duas participações)
Andrade Jorge
BRita BRazil
Deomídio Macêdo
Diná Fernandes
Edécio Mergener
Élio Cândido de Oliveira
Eloísa Antunes Maciel
Fernando Alberto Salinas Couto
Humberto Rodrigues Neto
João José Oliveira Gonçalves
J Otoniel Poeta
Judite Krischke Sebastiany
(duas participações)
Leonardo André
Luiz Menezes de Miranda
Marcelo de Oliveira Souza
Marco A. Amado
Marina Martinez
Nádia Cerqueira
Paulo Rodrigues
Rosana Carneiro
(duas participações)
Sidney Santos (três participações)
Sílvia Araújo Motta
Sílvia Silva Benedetti
Sônia Rêgo

Tânia Maria de Souza
Vanda Ferreira
Varenka de Fátima Araújo

Vera Passos (duas participações)




Os textos aqui apresentados são cópias fiéis dos conteúdos enviados por e-mail, ficando essa web designer e a CAPPAZ isentas de qualquer responsabilidade pela revisão dos mesmos.


PARTICIPAÇÕES

01.
Canção de ninar
(Para Racquel, quando ela chegar)
Akasha De Lioncourt

Quero fazer uma canção,
Canção que consiga falar,
Do quanto espero impaciente,
A nossa Racquel Ailana chegar.
Desejo que, nesse dia, o sol possa contemplar,
Belas flores as suas pétalas abrirem,
Para a minha princesinha saudar!
Os pássaros cantarão contentes,
Para a minha canção acompanhar
Borboletas coloridas de longe virão,
Para teu lindo berço com belas cores adornar.
Os anjos descerão cantando seus hinos,
Só para nos alegrar e abençoar,
Pois eles nos emprestarão nossa anjinha
Que a nossa existência virá iluminar.
Minha canção de ninar,
Feita de amor para Ailana embalar,
Será pelo meu coração entoada,
No exato momento em que ela chegar.
Meu canto de amor servirá,
Para agradecer a Deus e almejar,
Que saibamos com sapiência e amor,
Aos frutos do nosso amor preparar
Para que a vida lhes seja leve
E que eles saibam caminhar,
Sabendo que, com amor,
Tudo se pode conquistar.
Que venha a nossa Racquel Ailana,
E quem mais Deus permita meu ventre aconchegar,
Para que o lar construído de amor,
Seja abençoado com os frutos mais doces,
E que eles nos façam finalmente crer,
Nas bênçãos do Pai Celestial sobre nós.
E a Luz que sobre nós se irradia,
Possa a todos paz e harmonia oferecer.
Ah, Ailana, doce Ailana!
Meu ventre abençoado há de ser
E, em breve, irei regozijar,
Por tê-la crescendo dentro do meu ser.
Serei sua mãezinha extremosa,
E uma amiga com quem poderás sempre aprender.
Terás um pai amoroso e confidente,
Mas, que zelará por ti extremamente!
E, se Papai do Céu nos permitir,
Terás irmãozinhos tão doces quanto tu,
Que lhe serão amigos preciosos,
Aos quais também dedicarás o teu amor.
Não sei quando virás, mas já te esperamos.
Com todo o nosso amor no coração.
E, quando tu chegares, poderei,
Enfim, cantar pra ti esta canção.



02.
Vinícius, Filho Amado!!!
(Para quando meu bebê chegar...)
Akasha De Lioncourt

Ah, filho amado de minh'alma!
Há tempos te espero, e sei que virás...
Pois, coração de mãe não se engana,
E o meu espera ansioso pela tua chegada!

E serás Marcus, cujo nome traduz força,
Também Vinícius, como o nosso poetinha,
Pois quero que sejais fortes como os cézares,
E também gentil, doce e terno como os poetas!

Filho meu, tão querido e tão amado,
Quero que saibas que chorar não é fraqueza,
Ao contrário, serás nobre se souberes demonstrar,
Tua sensibilidade, fundamental em tua beleza!

Meu Vinícius, tão aguardado por teus pais,
Por ti zelaremos com nossas vidas!
Serás um príncipe e reinarás plenamente,
Amando aos teus, como se parte de ti também fossem.

Terás liberdade ao trilhares teus caminhos,
Verás a teus pais como teus pilares, que te dão sustento
E a quem recorrerás se sofrerdes algum tormento.
Mas, tua liberdade será sempre seu maior tesouro,
E por isso defenda esse bem e o mantém duradouro.

Se caíres, levantar-te-á e seguirás avante!
Pois as feridas se curam, e nos fortalecem!
Saberás discernir o errado e o correto,
E subirás ao topo, terás tua vitória!

E, por tudo isso que te almejo,
Sede bem vindo, filho de nossa alma...


03.
Criança cresce
Vera Passos

Que pena! Criança cresce
Cresce tão de repente!
Seria bom ter sempre esses nossos papos
Falar bobagens,fazer viagens
Ter coragem de ser feliz
Falar de amor
Amar Papai do céu
Que pena! Você às vezes é tão adulta
Fala de fruto, quando ainda é semente.
Você aprendeu demais com a gente.
Vem me dar exemplo
E mexe meu velho templo
Seria bom lhe contar estórias de bruxa
E crer que Xuxa é tão menina quanto você
Seria lindo você pegar a minha mão
Me ensinar a lição
E ouvir você dizer que eu não sei nada.
Qual nada o tempo é macabro
E se não abro os olhos,
Amanhã você já é mulher.
Que pena! o tempo passa.


04.
Criança é assim
Vera Passos

Criança é assim:
Ri na inocência
Ou na dependência
De quem lhe sorri.
Ri das flores do campo,
Dos bichos sem raça
Do amigo oculto
E de quem a abraça.
Criança é assim:
Não tem preconceito
O amigo é perfeito
Está tudo direito
Errado é ser ruim.
Criança é assim:
Brinca na chuva
Chora na dor
Corre na praça
Ri e pirraça
Quando nem se espera
Ou de quem lhe faz graça
Criança é assim.



05.
Criança
Sidney Santos

Sorriso e choro sentido
É da família o artigo
Escrito em letras claras
Pedras de jade raras

Vida com alegria
Dentro do coração
Irradiando simpatia
Expressa na emoção

Mundo de esperanças
Sonho da humanidade
Permanecer alma-criança
Brincando de felicidade

Poeta dos Sonhos



06.
Um dia
Sidney Santos

Lindo fio de esperança
Pipas planando no ar
Sorriso de uma criança
O vôo querendo imitar

Chuva irrigando o campo
Pólen nas mãos do vento
Flores abrindo de encanto
Frutos doce alimento

Jura de não ter fronteiras
Sem ódio e também rancores
União de todas bandeiras
Em uno arco de cores

Colorido expressando vontades
Na tela com grande incidência
Pintando a expressão da verdade
Com a soma das inteligências

Poeta dos Sonhos



07.
Criança ciranda
Sidney Santos

Vamos brincar de roda
Vamos versos cantar
Mesmo fora de moda
Vamos ciranda girar

Fecha os olhos e diz
Qual é teu desejo
E pra me deixar feliz
Só preciso de um beijo

Se um beijo ganhar
Prometo que te devolvo
Ah, se você gostar...
Beijo quero de novo

Poeta dos Sonhos



08.
Meu passado refletido em você.
Deomídio Macêdo

Oi você pequenino, pequenina,
criança hoje em crescimento,
plante e regue a semente da paz
para que ela cresça e floresça neste lindo momento.

Fui assim como você,
brincando, estudando, crescendo, evoluindo,
obedecendo aos meus pais
que me protegiam instruindo.

A conquista foi fantástica
nesta vida abençoada
aprendi a lição que eles me transmitiam
de amar a todos nesta minha jornada.

Abraçava com amor
aqueles que me cercavam
Independente de seita, cor, raça
assim todos eles me amavam.

Aprendi a lição que a vida ensinou
e retransmitindo quero dizer
você sou eu amanhã
retratando meu passado, refletido em você a bendizer.



09.
Criança!
Humberto Rodrigues Neto

Criança, doce e meiga criatura,
a exibir-me um sorriso encantador,
vejo em tua face a exata miniatura
do rosto angélico do Criador!

Nem imaginas o quão espinhosa
é a missão que o Senhor a ti confia:
tornar cad'alma bem mais carinhosa
e a vida do planeta mais sadia.

Tirar do clima os ares pestilentos,
aos rios legar toda pureza dantes;
nos descampados replantar rebentos
em restos de floresta agonizantes!

Gerir o Estado com honestidade,
co'a violência não ter contemplação;
às drogas dar combate sem piedade,
banindo o tráfico com férrea mão!

Afronta, pois, criança, essa missão
que o Senhor do Universo te outorgou,
e que possa alcançar tua geração
tudo aquilo em que a nossa fracassou!



10.
Brincadeira
BRita BRazil

Ainda vou brincar, brincar de adoletá
Ainda vou brincar, brincar de adoletá
Le petit petit pola
Le café com chocolat...

Quero aprender brincadeiras
E dançar vida inteira
Aprender ser criança
É um dom de pureza
É ser só natureza

Vou brincar, cantar, pular
Correr, pintar, girar
Crescer adolescente
Sem deixar nada pra trás
Brincar nunca é demais!

BRita BRazil, Rio de Janeiro setembro de 2011



11.
Meiga e Eterna Namorada!
J.J. Oliveira Gonçalves

Saudades da carochinha
A primeira namorada...
Que a Infância me entretinha
No jardim da avó Amada!

Casei com a passarinha
Minha Alma apaixonada!
Saltitante e faceirinha
Me contou que era uma Fada!

Desde, então, a mimosinha
Em meus versos fez pousada!
A ciciar, minha amiguinha
Fez das rimas sua morada!

Vem me ver, ó, carruirinha
Traze a Infância perfumada!
Neste peito - teu - te aninha
Primavera é já chegada!

À janela, ó, pequeninha
Vem me dar uma espiada!
Vê: quanta Dor que eu não tinha
N'Alma - agora - esparramada...

Em meus Sonhos, mimosinha
Vens de uma "Terra Encantada"...
No Condão de tua Varinha
És "Sininho"... disfarçada!

Nesta manhã, carochinha
Fragrante e ensolarada
O teu cantar me acarinha
Meiga e eterna namorada!

Porto Alegre, 16 de setembro/2011. 07h13min
jjotapoeta@yahoo.com.br - jjotapoesia@gmail.com
http://transmutacoes.zip.net  - www.cappaz.com.br



12.
Coisas de criança
Marina Martinez

Madrugada. Sono leve. Entre os tique-taques do relógio, percebo murmúrios. Presto atenção e reconheço uma voz, antiga e quase esquecida. “Cresceste e me deixaste muitas dúvidas. Por que o cravo brigou com a rosa? Ele saiu ferido, ela, despetalada. Mórbido. Por que atirei um limão verde atrás da sacristia? Achei pura heresia. Acertei no olho do padre; nem sei se merecia. Marcha, soldado, cabeça de papel. Será que marchou direito ou foi preso no quartel? Batatinha quando nasce, bota a mão no coração; menininha que namora se esparrama pelo chão. Ou algo assim. Por que atirei o pau no gato? Ainda bem que ele não morreu. Pior foi dona Chica: se admirou do berro que o gato deu. Insensível. Que história era aquela do pirulito que bate-bate, pirulito que já bateu? Quem gosta de mim não é ela, quem gosta dela não sou eu. E, afinal, quem o pirulito mordeu? E o tal do boi da cara preta? Missão ingrata: pegar criancinhas que têm medo de careta! Cai, cai, balão, aqui na minha mão. Balão de São João? Aceso? Alucinação. E a Teresinha de Jesus, que de uma queda foi ao chão, acudida por três cavalheiros, todos os três chapéu na mão. Se não me engano, um deles disse que, da laranja, queria um gomo, do limão, um pedaço; daquela morena bonita queria um beijo e um abraço. Caiu, da Teresinha, no laço. Outra coisa estranha: ‘nesta rua tem um Bosque que se chama Solidão’. Não consigo imaginar bosque numa rua, em especial quando alguém pensa que “se essa rua fosse minha eu mandava ladrilhar com pedrinhas de brilhantes para o meu amor passar”. ‘Fora da casinha’, sem noção, como o sujeito que ‘pegou no pé da barata’- e não foi Kafka: “A barata diz que tem sete saias de filó; é mentira da barata, ela tem é uma só; ela diz que tem uma cama de marfim, é mentira, a cama é de capim; a barata diz que tem sapato de veludo; é mentira da barata: o pé dele é que é peludo” e por ai vai. Obsessivo/invasivo. Como podes perceber, o fato de seres adulta não eliminou minhas dúvidas e como não me dás a atenção que mereço (e peço) fico atrapalhando teu sono. Podes ter dúvidas maiores, bem sei, mas estas são as minhas, como tantas outras que rodopiam na minha cabeça de criança. Criança interior, mas ainda criança.” Puxei mais o cobertor, cobri a orelha e mandei um recado pra ela: sossega o facho, fica quietinha, ou vais cirandar atrás daquele morro, onde passa boi, passa boiada.Ou, quem sabe, também passa a tal da mula com cabeça decepada. E voltei a dormir. Sem remorsos.



13.
Quero Voar
Luiz Menezes de Miranda

Quero voar
Ir além deste universo
A onde eu possa encontrar
Não só a liberdade
Mas também belos caminhos
A onde eu possa fazer ninho
A onde eu possa ser feliz

Quero voar
Poder ir muito além do arco íris
Das nuvens brancas e macias
Ver estrelas que chamamos de Maria
Pegar carona em cometas
Apreciar várias belezas
Que eu sei, só existe lá

Quero voar
Ir muito além do infinito
Esconder-me em nuvens frias
Procurar o sol que brilha
E quando cansado estive
E a noite chegar
Poder deitar de papo para cima
Olhando estrelas meninas
Feliz tentando contá-las
Fazer a noite a passar

Quero voar
Seguir a riscar e os traços dos cometas
Sem que nada me impeça
Nem tempestades nem trovões
Nada disso me detém
Pois a liberdade me pertence
Tenho o direito de sonhar

Quero voar
Pegar percula com os pássaros
Corre junto com o vente
Esconder-me da noite fria
Do sereno, fazer meu cobertor
Evitando o orvalho
Já sem pressas de chegar
Agora bem devagarzinho
Já deitado no meu sonho
Esperando o frio passar

Quero voar
Não me pergunte pelas asas
Se roubei ou emprestadas
O importante é que eu consiga
Fazer todo o meu percurso
Sem trânsito de empecilhos
Sem ter medo do destino
Sem receio da minha sina
Nesse vôo de criança
Quero me deliciar

Quero voar
Estou em êxtase
Não me impeçam
Por favor, não me acorde
Desse sonho periférico
Nesse espaço sideral
Onde a sonho é quem manda
Sonho ingênuo de criança
Que não tem medo de voar

Voar, voar
Voar, voar
Voar
Além do infinito
Quero que ouçam o meu grito
Eu só quero é Voarrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrr


14.
Borboleta Amarela
Fernando Alberto Salinas Couto

Mamãe e papai sempre dizem
pra nunca dar ouvidos
a quem não se conhece bem,
pois podem ser até bandidos
que nos oferecem amizade,
mas querem fazer maldade.

Também falam pra ter cuidado
quando, a rua, for atravessar,
pois até motorista embriagado,
descuidado, pode nos atropelar..
dizem pra olhar as bicicletas
e não correr atrás de borboletas.

Mas uma borboleta amarela
me tratando como uma criança,
além de ser alegre e bela,
me faz sentir muita segurança,
porque buscando o bem pra mim,
só voa, todo dia, pra um jardim.

SP – 22/11/10



15.
Bicho Papão
Marcelo de Oliveira Souza

Na hora da papinha
Uma colher bem cheinha,
Enchendo a bochechinha
A neném faz uma boquinha
Papando a papinha.

A papa da papinha
Bem gostosa e durinha,
Vai enchendo a barriguinha
Da menina Moarinha.

Numa infância bonitinha
O bicho papão não papa ninguém...
Vira o boneco amigo chamado vintém.
Pois a riqueza que a gente tem
É representada na menina sentada
Comendo a papinha de forma caprichada!



16.
Mundo mágico
Tânia Maria de Souza



Técnica: Mista sobre tela
dimensão: 0,70m x 1,00m



17.
Criança ilusão
Sílvia Silva Benedetti


Criança ternura, doçura pureza,
Brincando inocente na estrada florida.
Criança tranquila, mimosa, dolente,
Sonhando acordada, sem ver como é a vida.

Que pena crescer e ganhar a "vivência",
Sentir do amor, a angustia, carência...
Que pena perder, dos sonhos tão lindos,
A luz da esperança ao sabê-los findos.

Queria que a vida lhe desse alegria
E nunca miséria, incerteza, pavor.
Queria que os homens lhe amassem de fato,
E nunca a deixassem viver de favor.

Que a sociedade em você mais pensasse,
Buscando poupar-lhe da degradação.
Que os "grandes" a olhasse com mais seriedade,
Lhe dessem guarida, amparo, atenção!



18.
Ser criança...I
Diná Fernandes

Um sorriso franco e verdadeiro,
A curiosidade, a perspicácia, o perguntar
E esperar, uma convincente resposta.
É querer sempre desvendar mistérios
Ser criança é também ser adulto,
É não permitir que o peso da responsabilidade
Envelheça o ego interferindo no humor
É viver o lúdico, é soltar a criança
E ser feliz como tal!



19.
Crianças que vejo pela janela
Judite Krischke Sebastiany

Olhando pela janela do meu quarto
Vejo lá embaixo na grama, no pátio
Crianças brincando de esconde-esconde.

São meninos e meninas muito alegres
Corre, gritam, vivem uma aventura
Imaginam situações e se encantam.

Lembram-me uma distante infância.
Penso na leveza própria da criança.
Que é um tesouro a preservar.

Lembro-me de uma inundação em casa.
E a filha dizendo: oba! Uma piscina!
A outra filha pedindo: não chora!

Noutras casa: TV, games, internet...
Comodismo que envenena, suga energia,
Destrói o alegre convívio da infância.

Vamos voltar a brincar de roda,
Esconde-esconde, casinha, mímica...
Paralítico, desenho com giz na calçada.

Vamos conviver, socorrer a infância
Brincar pra valer, pra viver, ser.
Antes que não nos reste vida, energia.



20.
Só para ti
Judite Krischke Sebastiany

Só para ti, criança loirinha
Criança morena ou ruivinha
Só para ti meu sorriso e alegria.

Ouvir tua voz, fala e cantoria
faz renascer em mim a alegria.
Desperta o amor dorminhoco.

Coração quase oco, sem eco
quer resposta, sorriso, leve.
Risada gostosa, pura emoção.

Ao ouvi-la faço uma nova canção.
A paz volta correndo ao meu coração.
Sinto esperança de ver nova nação.

Louvo a Deus por tua vida, criança!
Sinta, hoje, meu abraço e meu beijo.



21.
Crianças amam os seus pais
Acróstico nº 3836
Por Sílvia Araújo Motta/BH/MG/Brasil

C-Crianças que crescem no lar
R-Reconhecem a química familiar...
I-Inesquecível e doce recordação
A-Acompanha a transmutação...
N-Nomes que recebem apelidos
Ç-Carinhosos pelos irmãos menores...
A-Abraços e beijinhos recebidos
S-Sempre diminuem grandes dores...

A-A Família acorda cedo para trabalhar...
M-Mamãe tem sempre algo para falar...
A-A vida estudantil traz o dever escolar
M-Mas à noitinha há sono em boa caminha.

O-Os filhos pequenos, durante os fins de
S-Semana, querem ficar com seus pais...

S-Semana letiva, que conta cinco dias,
E-Exige rígidos cumprimentos de horários...
U-Um sábado em casa pode trazer alegrias!...
S-Somente domingos são extraordinários?

P-Podem ir à casa dos parentes e avozinhos,
A-Abraçar tios, primos, vizinhos, padrinhos...
I-Inventar joguinhos, cantar, saltar e até nadar,
S-Sentar ao chão, sujar a roupa,brincar na areia.

(A química familiar está ficando rara!Que pena!)



22.
Beatriz
Vanda Ferreira

Flor de amor
Rosada pele de cetim,
Mundo azul
Nos olhos da menina

Branca Beatriz
Cheia de louro
Laços de ouro,
Tenra vida
Plenitude histórica.

Netos são mimos
Criam novos tempos,
Comemorativos dias d’avó
Presentes que consagram,
Sagram e abençoam velhas mães.



23.
"Para as crianças"
J Otoniel Poeta

O tema "Poetando para as Crianças"
Nos reporta ao passado e revivemos
No presente:
Elas a brincarem de roda as danças
Todas participando alegremente
Nas festas ali estão elas com seus
olhinhos de admiração!...
Presentes, "o Bolo de Aniversário!"
Bandeirinhas flamulando enfeitando
"Parabéns pra Você!" é a canção
E sobre o Bolo, rodeado de petiscos
Refris; antes de cantarem apagam-se
As velinhas e tudo mais prossegue
Em fervorosa animação!



24.
Ciranda das crianças
Paulo Rodrigues

Vamos, vamos artistas e poetas
as crianças homenagear
com simples versos
e doces palavras a rimar.

Mostre as elas como são queridas
distribuindo doces e bolas coloridas.
Conte histórias de formigas e joaninhas.
Jogue pique-esconde e pule amarelinha.

Sem medo de errar rode o peão.
Pule, cante e gire sem sair do chão.
Brinque de boneca e de carrinho
cuidando do gatinho com carinho.

Desenhe e pinte de azul as borboletas
e abelhinnas brincando nas violetas.
Ouça os passarinhos no jardim a cantar
respeitando a natureza na ciranda a dançar.

Sorocaba/SP



25.
Presente de Natal
Andrade Jorge

Pai Noel, eu quero um presente
bem bonitinho, que ande, corra e converse comigo,
Pai Noel, eu quero aquele que ta ausente,
O presente é o meu amigo.

Pai Noel, esse amigo ria, pulava,
contava estorinhas pra eu dormir,
sempre dizia que me amava,
e não me deixava o frio sentir.

Pai Noel, desse amigo nunca esqueço,
traz ele de volta, traz ... Vai!
Pai Noel! Ainda sou criança não mereço,
ficar longe do meu pai!

Diadema/SP



26.
Ah! Tempos que se foram
Marco A. Amado

Bola de gude, pião
Pipa, garrafão
Pique bandeira, pique lata
Esconde-esconde, polícia e ladrão
Cabra cega, amarelinha
Chiclete cola e paredão
São tantas boas lembranças
Do tempo de criança
Que bate uma saudade
Queria voltar no tempo
Brincar e sonhar novamente
Sem tanta preocupação
Ah! Tempos que se foram
E não soube aproveitar
Pois queria um adulto me transformar
Hoje vejo a falta que me faz
As brincadeiras que deixei de brincar
Os sonhos que deixei de sonhar
E a criança que deixei de ser
Para poder crescer.

Ocram 22/09/11



27.
À criança - Alvo da Esperança...
Eloísa Antunes Maciel

Criança que brinca, que corre e que canta,
Que a todos conquista com sua singeleza...
Criança espontânea, que a todos encanta,
Tua vida é um sacrário de luz e beleza...

Criança confiante no adulto perdido
No mundo confuso, na senda sombria...
À vida conferes um novo sentido,
Ao mundo ofereces a tua alegria...

Criança – esperança, saudamos teu dia,
Por tua presença, tu és poesia,
Que inspira o desejo de um mundo sem dor...

Criança – esperança tu és mensageira
Da paz que se inspira na fé verdadeira,
Da paz que se embasa nos atos de amor!

São Martinho da Serra, 22 de setembro de 2011.



28.
Crianças
Élio Cândido de Oliveira

São flores que devem ser cultivadas.
Produtos do puro amor.
Sensíveis, delicadas como flor
Jamais serem abandonadas.

No choro, a causa deve ser investigada
Carinho e sempre com muita dedicação.
Anjos nossos que nos traz sempre emoção.
Rapidamente as soluções tomadas

Pequeninas precisam de nossa proteção.
No futuro a nossa sustentação
Em cada esboço de sorriso emociona.

O tempo do agora inocente criança
No amanha deste espaço, será pura lembrança
É a própria vida! Que a isso nos condiciona.



29.
Filhos da Rua
Nádia Cerqueira

A cada dia nasce
Mais um filho da agonia
Para compor o quadro do descaso
Da hipocrisia
Esses meninos que são filhos da rua
Que não tem endereço
Nem identificação
Amanhã serão cadáveres jogados
No lixão
E sempre haverá mais um a mendigar
O pão
Com semblante sofrido
Sem direção
Dor e olhar se confundem
Na melancolia e maldição
Pequenos excluídos
Sem forças para vencer
Não sei se o sofrer
Vem do olhar ou o olhar
vem do sofrer!



30.
Outra vez
Sônia Rêgo

Ser criança é uma dadiva
que todos nós já tivemos...
Passamos pela infância
com tanta rapidez
que desejamos agora
ser criança outra vez.

SP – 26/09/11



31.
Inocentes Palavras
Edécio Mergener

Inocentes palavras... Mas puras e verdadeiras
Só gosta de brincadeiras
Com as duas mãos, segura a mamadeira
Insistente pede papa
Até faz chantagem pra poder ganhar
Chorinho fingido, pra pode crescer
Crescer... Crescer... Até estudar
Mas só vai ao colégio se tem lanche pra levar
Só estuda... Se ganha presente
Pequena gente que vai crescendo
Crescendo... Crescendo e aprendendo
Crianças... Nossos frutos Abençoados
Sempre mimados e adorados
No lar é nossa alegria... Nossa doçura
Fazem até travessura, pra não perder
Só querem vencer... Não aceitam perder
Criança que chora e sapateia... Faz birra
E até tira nossa paciência
Mas com reverencia é a alegria da casa.

27/09/2011



32.
A menina
Varenka de Fátima Araújo

Quando pequenina
Trazia papai no coração
Mamãe segurava sua mão
Era a criança feliz

Fui criança levada
Para cada desobediência
O castigo ficar de joelhos
Nada de ficar de cara feia

Fui mimada tantas vezes
No dia da criança, alegria
O brinquedo era boneca
Para ser a rainha do lar

Na escolinha , travessuras
Protetora a professorinha
Gostava de estudar,estudar
Para conhecer o mundo

Nunca perdi de ano
Tinha hora de brincar
Tinha hora de estudar
Horas que se foram...

Menina faça tua hora
Estude para viver na PAZ.



33.
Canção da Primavera
Letra e música de Leonardo André



Primavera, estação da flores,
Há um perfume de rosas no ar
Pelos campos: pastos verdejantes
E o sol, no alto, a brilhar

Borboletas, passarinhos,
As abelhas fabricando mel
Cachoeiras, mares, rios
E as nuvens enfeitando o céu.

Folhas, frutos, arvoredos
Vem a brisa e afasta o calor
Como é linda a Natureza
Primavera, estação do Amor.



34.
Semente de Amor
Rosana Carneiro

Semente de amor
Brotinhos de esperança
Tão frágil, porém tão forte
Alma azul brilhante
É dos teus braços que eu preciso
É no calor da tua presença
Que aqueço minha alma
Para acalmar minha dor
Sanar meus dilemas
O sorriso, a vibração, a alegria contagiante
Me leva sempre de encontro com você
C R I A N Ç A



35.
Alma Infantil
Rosana Carneiro

A fada azul chegou
Trazendo na mão
A varinha de condão

Perguntou ao menino
Se tinha algum pedido
Ele logo disse
Acode o meu cãozinho
Que está aflito...

A fada então perguntou
Para a menininha de vestido rosa
Qual seria seu desejo
Antes de qualquer prosa

A menininha sorridente
Pediu a fada um presente
Queria para que aos amiguinhos
Nunca faltasse carinho

A fada percebeu
Que as crianças ainda eram puras
Que os seus corações
Não vestiam farda escura

Orou e pediu a Jesus
Que continuasse a abençoá-las
E que quando crescessem
Fossem então, perdoadas...








SELO DE PARTICIPAÇÃO

Pegue seu selo de participação na 18ª Ciranda Especial "Poetando para as crianças", clicando com o botão direito do mouse sobre a imagem e em salvar destino como.

 










|| Página Inicial | Voltar | Livro de Visitas ||




 

Arte e Formatação Rosângela Coelho
Tutorial da Tag por Sílvia Terêncio
Exclusivo para CAPPAZ - Confraria Artistas e Poetas pela Paz
Todos os direitos reservados