PARTICIPANTES

01- Akasha De Lioncourt (07)
02- Carlos Reinaldo de Souza (20)
03- Daniel Brasil (04)
04- Élio Candido de Oliveira (25)
05- Eloísa Antunes Maciel (10)
06- Fátima Maria do Nascimento Peixoto (22)
07- Fernando Alberto Salinas Couto (18)
08- Humberto Rodrigues Neto (15)
09- João José Oliveira Gonçalves (01)
10- Joyce Lima Krischke (17)
11- Malú Ferreira (16)
12- Marina Martinez (19)
13- Nádia Cerqueira (14)
14- Odilon Machado de Lourenço (08 e 09)
15- Paola Rhoden
16- Roseleide Santana de Farias (23)
17- Sidney Santos (24)
18- Sílvia Araújo Motta (11)
19- Sílvia Silva Benedetti (13)
20- Sônia Maria Araújo Rêgo (21)
21- Varenka de Fátima Araújo (02 e 03)
22- Vera Lúcia Passos Souza (05 e 06)


 









PARTICIPAÇÕES


-01-
Da Dor Verde-e-Amarela!
J.J. Oliveira Gonçalves
 
Cresci ouvindo: "A vida não tem preço."
Mas hoje ela tem: é o de uma bala!
Da mão bandida é a Vida o endereço
E o governante de ombros dá... se cala!
 
E vai... e segue a vida para o abate
Do cidadão de bem - trabalhador!
Mas o legislador não se abate
Ante esse Luto alheio - em sua Dor!
 
E as vidas vão tombando vida-a-fora
São pássaros sem asas... flores nuas
Agonizando - frágeis! - pelas ruas!
 
À família roubada: só a Saudade
E a triste sensação de impunidade
No soluçar da lágrima que aflora!
 
*Versos que me chegaram ao assistir "Cidade Alerta" - Imagens de uma cidadania "sem pai nem mãe": vilipendiada!!
 
Porto Alegre, 16 de maio/2013. 1h10min
jjotapoesia@gmail.com - www.cappaz.com.br

-02-
A vida que amo
Varenka de Fátima Araújo

É manhã...
Passa triste a brisa
Um vento frio
Um olhar em desalento

Não existe a paixão
Dicerni os sentimentos
Tenho amor pela vida
Superando todos os dias.

Viver é uma dádiva!
Não tem preço.

Salvador/BA

-03-
Não importa
Varenka de Fátima Araújo

O inverno chegou furioso devastando tudo
Um dia sem equilíbrio e totalmente desigual
Caminhei entre as pedras,água enferruja tudo
A sombrinha voou e fiquei ao relento por igual

A roupa pegajosa os pingos fortes ritimados
Trepidei ao ver o rapaz todo ensanguentado
O sangue jorrava pelo rosto,faca lado dado
Nesta vida louca que faz o jogo bem apertado

A morte tem cores quentes e frias,foi arma fria
Falando assim parece que defendo toda causa
Não importa a dimensão do grito,infernal frio

Não importa que vermes devorem milhões de corpos
Não importa que tantos homens sejam truculentos
Não importa que tanta dor que sinto marque meu corpo

Salvador/BA

-04-
A Vida Não Tem Preço...SERÁ?
Daniel Brasil

Concordo, com o J.Jota...
Vai seguindo essa patota
Ambiciosa e desleal...
Pelo caminho do mal;
Nos tirando pra idiota!

A vida não tem preço,
A verdade desconheço,
Perante tanta ganância,
Vida não tem importância
Acabando com nosso apreço...

Nós damos valor à vida,
Esta bênção estendida;
Vida nosso maior bem,
Às vezes ficamos refém,
Num beco sem saída!...

Porto Alegre/RS

-05-
Como ver a vida
Vera Passos

A vida é um suspiro, uma viagem
Lugar ermo, um passagem
Um sentido, um lapso
Às vezes um tempo ingrato
Outras estradas, um desagravo
Muito labor , muito cansaço
Um beijo longo, um terno abraço
Um reencontro, a despedida
Uma estadia no mesmo espaço
Uma linha reta, uma curva, um traço
Luta renhida, um desenlaço
Lá vai o trem contando os passos
Cada estação um novo trato
Encontro fortuito em plena praça
Eu levo a vida no meu compasso
É guerra santa é um amasso, um cansaço
Uma palavra doce, é um melaço
Transporte o amor no seu regaço
Se derem as mãos, estenda os braços
Eleve a alma curta o progresso
Agradeça a Deus o seu sucesso
Festeje a vida ao Sol que nasce
Construa livre seu Universo
Semeie a paz onde quer que passe
Preserve a paz para o regresso

Salvador/BA

-06-
Descobri a vida
Vera Passos

Descobri que a vida é um rio nascendo
De um pequeno fio d’água, se assoberbar
No encontro com outros, abraçar
Abrir novos leitos, seguir os meandros, encher lagos...
Descobri a vida enfrentando obstáculos e terremotos
Apaziguando tremores, rasgando tumores, expurgando dores
Semeando palavras com responsabilidade, colhendo frutos
Planejando a jornada, abrindo estradas de paz em todo lugar
Descobri a vida olhando o futuro, vivendo o presente no tempo seguro
Buscando aventuras, que nos dão prazer
Descobri que a vida não tem mais limite,
Que o homem existe, apesar de partir
Que o caminho persiste, mesmo longe daqui
Descobri que a vida é uma eterna escola
Onde o homem se joga para depois construir
Segue o exemplo dos que passam no tempo
Os que o vento levou, para bem longe seguir
Descobri que a vida é um imenso Oceano,
Onde uma parte dos planos poderá resistir
Será materializado, se levarmos a sério.
Descobri que na vida não cabe tristeza
Que sua beleza, depende de quem a luta imprimir
Que as sementes de flores carecem de amor
Para que possam crescer e um dia florir
Descobri que a vida seria melhor
Se tivéssemos coragem de estender nossas mãos
A quem é oprimido, a quem é tão sofrido.
Emprestássemos os ouvidos e os outros sentidos
Numa terna afeição.
Descobri que a vida, tem que ter alegria
Que toda infância emana energia
As praças resistem se as crianças brincarem
E se os pássaros vestirem suas fantasias
Descobri que na vida não precisa riqueza
Que a alma transborda de luz e beleza
Se olharmos as estrelas na noite enluarada
Se seguirmos o rio caminhando na estrada
E as gotas de chuva forjando a enxurrada
Cuidando dos dons da Mamãe Natureza.

Salvador/BA

-07-
Janelas da Alma
Akasha De Lioncourt


Acordo com os olhos em festa, pensando que mais um milagre aconteceu. Sim, é o milagre da vida que em mim renasceu. Sentada na cama, olho pela janela e penso: essa poderia ser a janela do filme da minha vida e, de repente, uma grande tela surge na minha frente e começa a projetar o vídeo da minha história. Pela janela passam as cenas mais inusitadas, aquelas que sequer meu consciente se recordava. Começo a pensar que muitas coisas poderiam ter sido diferentes se eu tivesse optado por outro caminho, por outra forma de pensar. Vejo momentos que me levam às lágrimas de tanto rir e outros que realmente me fazem chorar. As vitórias, as conquistas, essas que costumamos tratar como coisas naturais e nem sempre damos o devido crédito por acharmos que é autopromoção e isso se chama vaidade ou orgulho. Mas por que não sentirmos orgulho de nossas vitórias? São nossas, são os frutos das nossas conquistas, dos nossos esforços, é preciso que eu aprenda a valorizar esses momentos pois eles são a força propulsora que nos impulsiona a continuar tentando, mesmo que haja o risco de errar da próxima vez.

A ausência forçada de reconhecimento e amor-próprio pode ocasionar a hipocrisia. Somos sim, hipócritas, quando nos lançamos no limbo com medo de estarmos em evidência e assumirmos nossos feitos. Eu mesma tenho sido hipócrita por toda uma vida buscando ficar o tempo todo na sombra sem me dar o devido e reconhecido valor. Pela janela entram as imagens que demonstram que eu acertei muitas vezes, mas esqueci-me de contabilizar essas ocasiões. Entretanto, cada erro, por menor que fosse, não só foi adicionado à minha lista de “fracassos” como serviram de escudo para que eu simplesmente parasse de buscar atingir meus sonhos e meus ideais. Isso sim é hipocrisia pura! Culpar os erros, os pais, os irmãos, os amigos e os inimigos pelo marasmo que se instalou na minha vida. Os erros servem para ensinar que temos opções, precisamos tê-las para saber o que nos serve e o que é descartável. O erro nada mais é do que o resultado de uma tentativa e o que somos nós nesta nossa existência do que meros aprendizes?

Pela janela do filme da minha vida vejo momentos dolorosos que gostaria de apagar, mas não posso. Tenho que aprender que a dor faz parte do processo evolutivo da minha alma e a intensidade dela dependerá do quanto me comprometo com a minha felicidade e com a prioridade que coloco em mim e na minha existência. Pela janela passam também momentos intensamente felizes que ficaram cobertos de teias de aranhas simplesmente porque eu decidi que o quartinho escuro do meu inconsciente era o melhor lugar para elas. Hoje, é o dia de trazê-las novamente à tona e fazer disso um momento em que me conscientizo de que a minha felicidade é única e exclusivamente da minha responsabilidade. Preciso me conscientizar dessa realidade e parar de simplesmente seguir o instinto humano de sempre achar um culpado pelas minhas incertezas e insucessos.

E, diante da mesma janela, observo que até o momento só permiti que por ela saíssem todos os meus desejos, meus monstros interiores, minhas dúvidas... Tudo isso projetado na tela do meu livro pessoal. De repente, percebo que estou novamente boicotando a minha vida, pois pela janela existe fluxo de entrada e saída e até agora eu só vi o que passou para continuar lamentando o passado que não posso mais adulterar. Começo a projetar nela desejos e sonhos futuros tentando não me deixar dominar pelo medo do desconhecido que se avulta na minha frente e não uso o crivo da autocrítica, que é muito rígido comigo, permitindo apenas que as imagens se projetem na minha frente. Nesse exato instante, percebo que não perdi a capacidade de sonhar e que se um dia isso acontecer eu perderei a motivação para viver. O sonho é inerente a todo ser humano e sem ele ainda estaríamos na Idade da Pedra. Deixar então, que entrem a esperança, a fé, a Luz... E até mesmo a sombra, para que eu possa valorizar cada extremo quando com eles me deparar.

E, ao final disso tudo, volto a pensar que o futuro depende do que eu semear aqui, agora, no presente, pois é sempre esse tempo quem mais sofre com a nossa negligência e descaso. Vivemos presos aos fantasmas do passado e sonhando com o futuro e nos esquecemos de que é aqui e agora o momento para tudo isso ser realizado. De agora em diante, vou fazer desse tempo o meu real presente, por estar vivenciando o milagre diário da vida, do amor, da esperança e da vontade de crescer e trilhar mais e mais caminhos, desde que eu os possa escolher. Isso é o que torna a vida repleta de oportunidades e magia. A magia real, palpável, chamada ESCOLHA. Sair do casulo, olhar pela janela e permitir que ela seja tão ampla quanto a porta que insisto em olhar apenas porque foi fechada.

Abro a janela, salto por ela e entro de cabeça na experiência de viver sem medo de ser atropelada pela roda da vida! Assumo com firmeza o meu crescimento e deixo de agir como a criança assustada que sempre fui. Esse é o meu desafio para o hoje. O Amanhã, este depende tão somente das escolhas que eu fizer agora!

São Paulo/SP

-08-
Olhares da alma
Para Eduardo Vaz.
Odilon Machado de Lourenço

Assim que descobriu seus olhos veio-lhe o mundo
Adentrou por ali a paisagem ensolarada
Fez caminhos onde os anjos guardavam a cor da sua luz
Cravou dedos na terra e brotaram milharais de esperança
Acendeu fogueiras - cozeu as espigas colhidas
Nutriu-se da verdade do milho
Recriou-se forte - talhado na voz dos guerreiros
Habitou pássaros distantes e voou para casa
Deitou sua espada ao lado das chamas e falou:
- Vocês meus irmãos esperaram meus olhos
Dou-lhes aqui a ternura da minha alma.

Florianópolis/SC

-09-
De quando Eliza aprendeu a amar
Para Eliza Fialho.
Odilon Machado de Lourenço

O amor veio gestado pacientemente numa gênesis de sonhos
Às vezes é necessário paciência para o amor
Abriu os olhos, amou o sorriso da mãe, o seio de mais amor
Teve ganas de segurar o dedo do pai firmemente e segurou
O amor precisa ser firme para ser belo e sê-lo amor
Desse amor cresceu Eliza que fora amando o mundo
Uma parte crianças sorrindo de felizes amares
Outra parte o mundo que olhava aprendendo do amor
Às vezes é necessário tempo para desabrochar o amor
Por água ao pé da planta é necessário para ver a flor
Cuidar abelhas e beija-flores é primordial para ver o fruto
Mastigar no desejo da fome a carne da terra é puro amor
Eliza rega o entorno daquilo que lhe é amor
No seu sorriso veem-se as plumas da neve caindo de amor
Eliza aprendeu amar por ter amor nos olhos que fita
Eliza ama, pois é necessário amar para ter amor.

Florianópolis/SC

-10-
Vida não tem Preço...
Eloísa Antunes Maciel

A vida é um bem sem preço – É inavaliável...
Pois sua valia aos padrões transcende...
É um bem de natureza inestimável
Que a própria eternidade subentende...

A vida não tem preço, realmente,
Seja qual for a sua dimensão...
S'em flora ou fauna ou vida inteligente,
Pois não se enquadra em bens de transação...

A vida não tem preço - é inegociável,
Por ser um bem supremo, inalienável,
Não se sujeita a nenhum penhor...

Se a vida não tem preço, certamente,
Se é um bem inestimável e imanente,
A sua transcendência é o seu valor!

São Martinho da Serra/RS, 26/05/2013.

-11-
Vida Terrena tem seu Preço
Acróstico-filosófico nº 5140
Por Silvia Araújo Motta/BH/MG/CAPPAZ


V-Vida humana terrena é passageira:
I-Indiscutivelmente, corpo tem mortalidade,
D-Diante de cada VIDA transcendental
A-Aceitação prevê dogma da imortalidade...

T-Transmutação fecunda a Liberdade e a PAZ,
E-Elevação do pensamento ao Senhor DEUS,
M-Maior PAI CRIADOR UNIVERSAL SER capaz,

S-Soberano,Uno e Trino, Salvador, Redentor!
E-Em cinzas, ao pó, todos nós retornaremos:
U-Uma avaliação ao preço da Cruz e do Amor

A-Assumido sem egoismo, junto à coletividade;
L-Líderes humanitários prestarão suas contas...
T-Talentos recebidos? Todos serão cobrados
O-Os humildes serão exaltados...e decerto,

P-Poetas, Prosadores, Críticos, Artistas da Paz
R-Reconhecidos os que cumprem Mandamentos,
E-Em prol da Lei da Santíssima Trindade;
Ç-Coirmãos na terra, no ar, nos pensamentos
O-O tempo urge, na preparação que conduz à LUZ!
---VIDA TEM PREÇO DE CRUZ E DE AMOR!


Belo Horizonte/MG

-12-
A vida é
Paola Rhoden

A história da vida,
das pessoas,
seus amores,
suas lidas,
nada mais é
que pedaços
de um filme de ida,
sem volta, escasso,
do qual Deus
escreveu o texto,
e é Dele
a direção geral
em todo contexto,
e onde por favores,
nos colocou como atores
e nos deu seu endereço
porque a vida
não tem preço

Brasília/DF

-13-
Minhas gavetas...
Sílvia Silva Benedetti


Sob os efeitos da tormenta, resolvi arrumar minhas gavetas. Revisando pequenos objetos, alguns verifiquei que nada mais representam, enquanto outros despertaram algumas recordações de pouca importância e outros sim! ACENDERAM EMOÇÕES.Minhas gavetas agora abertas guardaram por anos a fio sonhos, esperanças saudades, decepções e mágoas. No ápice da tormenta que acontece lá fora, reflito sobre a vida e mais uma vez chego a conclusão de que ela não tem preço. Vejo a pequenez do homem ante a dor e o imprevisto... a grandiosidade do gesto amoroso no carinho, no socorro e no desprendimento. A vida fugaz também repleta de solidariedade, compreensão e altruísmo, que leva muitos a esquecerem de si mesmos e prol do outro. A vida não tendo preço, deve guardar em suas "gavetas" as qualidades definidas em amor, amizade, gratidão e solidariedade. Vou guardar também as saudades do que valeu e foi felicidade.Minhas gavetas terão daqui por diante as cores da alegria, conterão a poesia da esperança. e assim versejando direi:

QUERO VAZIAS DE DORES,
MINHAS GAVETAS TODINHAS,
SEM MÁGOAS NEM DISSABORES,
MINHAS GAVETAS, LIMPINHAS.

NÃO VALE A PENA GUARDAR
AS TRISTEZAS, OS RANCORES,
MAS É BOM COLECIONAR
A GRATIDÃO, OS AMORES.

O MEU TEMPO VAI PASSANDO
VOU MUDAR MEU PROCEDER,
AS GAVETAS ARRUMANDO
POIS AO CERTO VÃO RENDER,

FELICIDADE, ALEGRIA,
E GOSTOSAS EMOÇÕES;
A VIDA COM MAIS VALIA,
SOB NOVAS CONDIÇÕES...

POIS A VIDA NÃO TEM PREÇO,
FORA O QUE ME CAUSE DOR...
NAS GAVETAS, EU MEREÇO,
TER SEMENTEIRAS DE.. AMOR.

Porto Alegre/RS, 27 de maio de 2013

-14-
O roçar do vento
Nádia Cerqueira

A alma humana quando não encontra paz
Tende a se entregar aos devaneios...
Mas quando acordamos, percebemos
Quão é importante o sopro de vida
Que Deus nos deu.
Valorizando a nossa existência, percebemos
Que a vida não tem preço.
É só observar o roçar do vento
Nos galhos de uma palmeira
No limiar do espaço.
A Ele devemos glorificar
Por nos recriar todos o segundos.
E seguimos em frente com o tempo
Aprendendo a sorrir com o que nos falta
E não chorar com o que possuímos.
Sejamos gratos!

Salvador/BA

-15-
O PREÇO DA VIDA
Humberto Rodrigues Neto

Será que seria bom se o homem tivesse
um mundo de eternal felicidade,
livre das chagas e da enfermidade
em que o organismo tanta vez padece?

Será que exposto aos rudes malefícios
dessa violência que nos fere e afoga,
engendraria o homem artifícios
pra dar um basta à perdição da droga?

Nós precisamos, sim, ter os fatais
prantos de dor de tantas provações
pra podermos, em corpos materiais,
limpar noss'alma das imperfeições.

Por termos tido, mui provavelmente,
em eras priscas más inclinações,
nós despencamos, miseravelmente,
para um mundo de provas e expiações!

Bendito sejas, Senhor, por esses maus
instantes de tormento tão precisos;
é neles que galgamos os degraus
da volta a tão sonhados paraísos!

São Paulo/SP

-16-
EMBRIAGUE-SE DE AMOR
Malú Ferreira

Corpo estendido sobre lençóis
Descansa ao contato da brisa.
A mente em movimento...
Adentram sonhos, segredos dúvidas e verdades.
Invoca a Deus a sabedoria dos anjos,
A leveza dos pássaros e a humildade dos pobres.
Respiração ofegante. Medita:
Em meio às tantas incertezas que pairam sobre os humanos.
Nem mesmo a brisa, o aroma das flores.
Adormecem as imagens, quando a “Paz”
Não basta em um único lugar.
Ou simplesmente na imaginação.
O corpo já demonstra sinais de cansaço...
Enquanto que os raios do sol
Dispersam as nuvens negras do céu.
Os rios deixam fluir suas águas.
Nas matas germinam raízes.
No ar, revoadas de pássaros debandam...
No mundo. Um surto do desequilíbrio dos humanos
Reflete-se na mente e atos.
“Vidas” - São construídas sobre alicerces.
“Vidas” - São tão ricas que não têm preço.
Então...
Embriague-se de amor!...

Salvador/BA

-17-
Estou Viva!
Joyce Lima Krischke


Se a vida não tem preço, nós comportamo-nos sempre
como se alguma coisa ultrapassasse, em valor, a vida humana...”
Mas o quê? Antoine de Saint-Exupéry..


Prossigo desejando a Paz e Bem,
Cantando a Vida para a Humanidade
Ah! A vida não tem preço...
Estou Viva!

Parte de um grupo privilegiado,
No laboratório da vida,
Amo e sou amada
Estou Viva!

Sou forte... Também, tenho fraquezas
E, nelas encontro minhas Forças
Devo ser forte pra seguir em Paz...
Estou Viva!

Sim, a Vida é um Bem inalienável
E o seu valor é inestimável
Logo: a Vida não tem preço...
Estou Viva!

Voando nas asas da Fênix,
Ao encontro da Felicidade em Paz,
Reacendo as luzes apagadas...
Estou Viva!

Porto Alegre, 29/05/2013- 02: 36

-18-
O PREÇO DA VIDA
Fernando Alberto Salinas Couto

Como explicar, neste momento
que a vida, por Deus, nos foi dada
e, por isso não nos pertence?
Neste mundo, material e violento,
cada pessoa se julga realizada,
quando mais uma batalha vence.

Mas não percebe a pura verdade
de que sua conquista é ilusória
e não é dono de seu sucesso,
mas deveria mostrar humildade,
agradecendo, a Deus, sua vitória,
uma vez que a vida não tem preço.

São Paulo/SP – 29/05/13

-19-
CIRCO SEM SOLEIL
Marina Martinez

Existe um circo armado em cada esquina.
Moças acrobáticas entregam papéis.
Há bailarino desengonçado,
menino malabarista,
vendedor de olho drogado
e uma grávida, machucada.

E tem menininhas de olhar caído,
que esperam sobras,
encolhidas, na calçada.

Sem esquecer o limpador de vidro:
insistente, com mãos ferozes e cruéis,
olhar zangado e estertores.
Circo irreal. Circo social. Circo de horrores.

Por vezes, ocorrem espetáculos extras:
após o grunhido de uma freada,
resta um distraído corpo estendido na pista.
O preço dessas vidas? Desconheço seus valores.

Porto Alegre/RS

-20-
A VIDA NÃO TEM PREÇO
Carlos Reinaldo de Souza

Brado de alerta, grito no deserto,
ecoa em nossa mente a advertência;
é a voz de um sábio e, embora esteja certo,
persiste em nosso meio a imprudência.

Com a lucidez de um pensador desperto,
em um soneto pleno de eloquência,
com a elegância de poeta experto,
à vida então faz bela referência.

Poetamigo, tua voz elevou
ao céu a consciência já perdida;
e Jota Jota assim se expressou:

“A vida não tem preço; eu te garanto,
é um bem divino, dádiva querida,
é um dom de Deus, um frágil acalanto!"

Conselheiro Lafaiete/MG

-21-
A VIDA NÃO TEM PREÇO
Sônia Rêgo

A violência que vivemos
nos deixa perplexos,
com tamanha desvalorização
da vida que já não tem preço.

Não podemos deixar isso
se tornar normal,
plantando o mal no humano
e no nosso cotidiano.

A nossa indignação
que o lenço paz tremula,
deve ser a válvula
impulsora para protestar.

Mesmo através da poesia,
o amor à vida nos desafia
a gritar para, o mundo,
“vamos a vida valorizar!

São Paulo/SP

-22-
O que vale nessa vida?
Fátima Peixoto

O que vale nessa vida é amar,
O que vale nessa vida é querer,
O que vale nessa vida é saber perdoar,
O que vale nessa vida é lutar,
O que vale nessa vida é sonhar,
O que vale nessa vida é viver...

Amando, querendo,
Perdoando, lutando,
Sonhando...
Vivendo feliz!!!

Cabedelo/PB

-23-
A VIDA NÃO TEM PREÇO
Roseleide Santana de Farias


Aqui me foi dado nascer, Cabedelo/PB, em serena tarde de abril.

Vim igual a tantos abençoados por Deus, com meu direito a vida.
Irmã, filha, neta, sobrinha, esposa, mãe, amiga, a professora, etc.
Detalhes outros, genuínos á cada um de nós, todos importantes!
A vida com mil facetas nos induz, impulsiona a necessárias ações.

Nada na vida é inválido ou perdido, as nossas ações boas ou más,
Além das misérias humanas, têm o mágico poder do tempo onde
O Universo e a sua força, nos impele ao reequilíbrio e a harmonia.

Tudo caminha para o Bem e a Divina Luz, não importa que preço
Está a nos absorver, nos acometer por nossos erros e dos outros.
Meditemos sobre as promessas eternas, difíceis, mas verdadeiras.

Permita-nos Senhor, acertar os passos ao engatinharmos para TI!
Rasga os liames do nosso coração aos valores ínfimos, superficiais,
Expõe nossas almas ao maravilhoso sol de Tua Sublime Grandeza!
Ç+ Ilha sejamos, rodeados, impregnados de vidas e valores éticos,
Onde cada ser faz parte de mim, de nós, da eterna fonte criadora
                                                                          (do Universo!

Cabedelo/PB, 31 de maio de 2013.

-24-
NEGRO Y BLANCO
Sidney Santos

Um coração xadrez
Na cores preto e branco
Em pelo menos uma vez
Do meio até o canto
O sangue continua o mesmo
Forte em sua corrida
Tratando as cores a esmo
Mas dando importância a vida

Sidney Poeta Dos Sonhos
Santos/SP

-25-
VIDA E A QUE PREÇO.
Élio Candido de Oliveira

É estilhaço na estrada, perdida, que aprendi.
Nas alegrias, nos versos, em harmonia..
Tardes marcadas pelo não saber.
Coisas lindas que trouxe prazer.

Mundo que vida, pôde assim e no ser viveu.
No primeiro olhar, primeira vez, estrada.
Que não se vislumbra perigos.
Até ausências não detectadas, nem espera.

No silêncio da noite, no céu azul, lindo.
O perigo, a morte iminente, nem mesmo perceber
Que pena, vida que nasce de pontos microscópio
Cresce, desenvolve, e dos mesmos que lhes criam
Por banalidades vem e lhes fazem cessar a luz.

Na escravidão do poder, dos bens a exterminação.
Esquecem então! Destes pouco será aproveitado.
No cárcere da consciência, ou das grades fechado.
Vida vale na paz e no apraz do amor recompensado.

Ibiá/MG









SELO DE PARTICIPAÇÃO



 
 








|| Página Inicial | Voltar | Livro de Visitas ||

Arte e Formatação Joyce Lima Krischke
Exclusivo para CAPPAZ - Confraria Artistas e Poetas pela Paz
Todos os direitos reservados