CAPPAZ - Confraria Artistas e Poetas pela Paz



13ª CIRANDA MENSAL DA CAPPAZ

CAMINHOS DE PAIS (PAZ)

AGRADECIMENTOS

A quem veio cirandar
Na ciranda da CAPPAZ
Juntando meigo cantar
Ao coral que canta a Paz...

As novas vozes do Amor
Com cheiro de terra e vida
Enfeitando com esplendor
A ciranda tão querida...

Aos que um dia vão chegar
Trazendo a sua canção
Pra nossa CAPPAZ soar
Bem alto ao coração,

O nosso agradecimento
Neste dia especial
De sublime sentimento
A cada Pai - imortal!

Ciranda a cantar lembranças
Acaba e deixa pra trás
O resgate nas andanças
Que cada um sempre faz...

É mais um momento terno,
No caminho da CAPPAZ:
Belo, de Paz, tão fraterno,
Cantando o Dia dos Pais!

Regina Coeli Rebelo Rocha
Presidente Nacional da CAPPAZ


 

INTRODUÇÃO

Ao meu pai
Regina Coeli

Canto hoje uma pessoa
Que faz pouco me deixou;
Cuja voz ainda ressoa
Na lição que me ficou.

Meu papai era o Raymundo
Que Drummond cantou no verso;
Se só rimava com mundo,
Foi pra mim meu universo.

Raymundo cuidou de mim
Do jeitinho que sabia;
Cuidei de Raymundo assim:
Menos do que merecia.

Com muito amor e emoção
Eternizo o meu papai
No verso do coração
Que de mim nunca se vai.

E se choro de saudade,
De compreender sou capaz
Que o Amor é Luz que invade
A nossa vida de Paz!

Não tenho nem mãe nem pai,
Me alimento de lembranças
Queridas, sem nenhum ai,
Daqueles tempos crianças.

A família é como mesa
Que sobre os pés se sustenta;
Falta um pé, falta firmeza,
Mas com escora, ela se aguenta.

É seu, meu saudoso pai,
O meu verso em sinfonia
Com a lágrima que cai
Regando, assim, o seu dia!

 

PARTICIPANTES

1. Marco A. Amado
2. José Antônio Gama de Souza-Balzac
3. Rosângela Coelho
4. Tânia Maria de Souza
5. Sandra Almeida
6. Sidney Santos
7. Luciana Tannus de Andrade
8. Érico Baymma
9. Arnaldo Agria Huss
10. Marly F. Tamani
11. Pablo Silveira
12. Humberto Rodrigues Neto
13. Meimei Corrêa
14. Vanda Ferreira (Bugra Sarará)
15. Fernando Alberto Salinas Couto
16. Eliana Hencklein
17. Akasha De Lioncourt
18. J.J. Oliveira Gonçalves
19. Joyce L. Krischke
20. Anthero Sady Machado Neto (Sady Mac)
21. Sílvia Araújo Motta
22. Cida Micossi
23. Ana Teresinha Drumond Machado
24. Odilon Machado de Lourenço
25. Kedma O´liver
26. Gislaine Wächter
27. Carlos Reinaldo de Souza
28. Fernando Alberto Salinas Couto
29. Regina Coeli Rebelo Rocha

 

PARTICIPAÇÕES

1. TEU ENSINAMENTO...
Marco A. Amado

Oxalá! Quem me dera ter o poder
De alçar o firmamento...
Visualizar a eternidade...
Somente para lhe dizer: oh pai,
A saudade que me invade neste momento

De joelhos clamo ao Grande Arquiteto do Universo
O consentimento de receber o dom
De sobrepujar o tempo e o espaço.
Para aplacar o tormento
Deste coração repleto de saudade...

Pois ao partires deste plano material
Foi profundo...
E angustiante...
O meu sofrimento...

Suplico ao Grande Arquiteto do Universo
Que me deixe trilhar o plano espiritual
Por meros segundos que seja
Pois necessito terminar o aprendizado
Em que me iniciaste...
E que, de forma prematura, vi interrompido...

Necessito deste teu ensinamento
Pois desejo trilhar teus passos...
Passo a passo...
Dividindo e ensinando...
Ao meu filho e ao mundo...
Tudo o que me ensinaste...
E ainda tinhas para ensinar!

(Ocram, Ilha do Governador (RJ), 30/07/09

2. MÃE E PAI
José Antônio Gama de Souza-Balzac

Eu era bem pequeno, mas me lembro muito bem.
Quando à noite me sentia inseguro, carente ou desconfortável eu gritava:
- Mamãe, eu quero água!
Papai lá vinha, solícito sempre, apesar de sonolento e cansado, trazendo num copo a água mais deliciosa e lenitiva do mundo.
Eu já tinha tamanho suficiente para alcançar a talha (filtro) dágua, e tirar a minha água sozinho.
Mas sempre escondi este fato.
Algum tempo depois, descobri que mamãe sabia disto muito bem....
Que isto escondera de mim durante todo tempo.
E que papai sentira muito quando parei de incomodá-la (a ela, mamãe).
Talvez ficara aguardando que eu novamente a solicitasse, para que ele pudesse num só ato praticar dois carinhos.
Para com ela e para comigo.
Era mesmo assim...
Mamãe, o mais zeloso pai; e papai, a mais carinhosa mãe que alguém pudesse querer.
Apesar de não mais pedir, eu nunca prescindi daquela "água" e mesmo que pudesse dizer a eles que já alcanço a talha, não o faria.
Ah...
O amor e suas formas perfeitas...

Leopoldina (MG)

3. MEU PAI
Rosângela Coelho

Nascido na Cidade da Lapa
Desde pequeno labutava
Ajudava seu pai na lavoura
E na escola estudava.

Caçula de uma família de 6 irmãos
Foi uma criança muito levada
Dando muito trabalho à sua mãe
Muito cedo pegou a estrada.

Vida dura na cidade grande
Pouco estudo, emprego não encontrava
Foi ser pedreiro numa empresa
Na qual, doou mais de 35 anos da sua jornada.

Apaixonou-se por uma linda moça
Sua vida então mudou,
Casaram e logo vieram os filhos
E sua luta aumentou.

Hoje, suas rugas mostram sua vida,
Marcada por árdua labuta,
Para deixar a seus filhos
Um legado de amor e boa conduta.

Meu velho e querido pai,
Seu esforço foi recompensado
Seus filhos, pessoas de bem
Agradecem sua luta e seu legado.

Seus cabelos brancos,
Sua face, pelas rugas marcada,
Contam a sua história,
De muito amor, trabalho e glória.

Nunca falamos um ao outro
o que realmente sentimos
Mas nesse dia, meu querido
Quero dizer: EU TE AMO!

Curitiba (PR) - 31/07/2009 - 11h30min.

4. AO MEU PAI MOACIR
Tânia Maria de Souza

Ele era simples...
como simples é um sorriso num rosto alegre...
Ele era tranquilo
quão tranquilo é um lago num campo verde...
Ele era bom
tão bom quanto se espera que seja um homem de paz...

Da vida não exigia nada, apenas lhe era grato
Contentava-se com o pouco que tinha e desse pouco fazia muito
Sua despedida mostrou quão querido era
pois uma multidão lá esteve para dele se despedir:
amigos e amigos dos seus amigos...

Das poucas lições que me ensinou...pois era de poucas palavras...foi:
"Quem encontrou um amigo, encontrou um tesouro."
Essa talvez seja a melhor frase para defini-lo:
Ele era AMIGO!
E amigos de verdade ninguém esquece.

Balneário Camboriú (SC)

5. TRAJETO DE MEU PAI
Sandra Almeida

Seus olhar de intenso brilho,
traduz encantamento
ternura que inveja
versos líricos.

Suas mãos sempre delicadas
denotam sua generosidade
pressentindo nossas necessidades
e fazendo-nos fortes sempre.

Sua voz entoa uma velha canção
vinda do coração, ensinando-nos.
que viver é sempre a arte de
desafiar o tempo a cada instante.

Seu sorriso é manso, tal um rio.
em seu trajeto, límpido, transparente.
E nesse momento sorridentes
abrigamos-nos em seu colo (?) __PAI!

Cacoal (RO)

6. IMAGEM INFINITA
Sidney Santos

Olhar franco e direto,
Palavra com intensidade,
Mostrando o torto e o certo,
Distinguindo mentira e verdade,
No peito amplo coração,
No agir caridade de irmão,
Barco de soltas amarras,
Marinheiro de muitas garras.
Pai, mestre, amigo,
Meu chão, meu abrigo,
História de matizes e brilho,
Ensinando a ensinar meu filho.

São Paulo (SP)

7. AO MEU PAI COM CARINHO
Luciana Tannus de Andrade

Um rosto de esperança
Surgiu à minha frente
De sorriso aberto
E alma contente

Em forma de poesia
Fez-se presente
Encantou-me os dias
E amou-me intensamente

Enxugou-me o pranto
Ensinou-me um canto
Vestiu-se de palhaço
E deu-me um abraço

Fez-me esquecer as amarguras
Sentou-me no colo com ternura
Pôs-se a contar estórias
De São Jorge na lua

Ordenhou vacas
E deu-me de beber
Um copo de leite
Para eu adormecer

Deitou-me na cama
Fez-me sonhar
Que não há nessa vida
Melhor PAI para se amar

Aracaju (SE)

8. PAI PAZ
Érico Baymma

Meu pai, meu verso
Meu uni-verso que destaco
Em pleno vasto alastramento
Dentre os zilhões de pais
Sonhando em paz
Líquida, fluente, sábia
Inverso, percorro
Quero aumentar o socorro
Que a vida tanto merece
Prece construída na subida
Do morro
O morro, ao inverso
Pirâmides de reis e rainhas
Da vida suprimida, imersa
Nas águas dos descontentes
É ao pai, que a tudo vê
Que reclamo uma oração
De amor profundo, legítimo
À comoção de ser e estar
Varanda do meu olhar
Cirandas, olho a olho
Quero encontrar
Apátridas e compadres
Pessoas e pássaros
Cada um em seu caminhar
Distribuindo sonhos reais
As imensuráveis e despojadas
Texturas do encontro do corpo
Das brumas da formação anímica
Tudo contigo em meu pai e o seu
Tudo não é maior que nada
Senão uma pousada em estações
Deste estranho mundo germinante
Pasmo sempre estarei
Vi nos olhos do meu pai
A cor de suas instâncias
As belezas da concretude
Legítima pureza em processo.

Fortaleza (CE)

9. MEU PAI, MEU MODELO
Antônio José Gama Souza

Aquele apito soava
Como um alarme
Em meu coração...

Nos meus cinco anos
Jamais meu entendimento
Comportaria a idéia
De que naqueles bolsos
Donde eu tirava
Ávida e religiosamente
As balas que adoçavam
As noites de minha inocente vida
As mãos que lá as haviam colocado
Haviam trabalhado no mínimo doze horas
Num mesmo dia!

Não há mais apito
Não há mais bolsos
Não há mais balas
E nem inocência!

Nem aquele boné de operário...

O trabalho...
O que seria mais importante?
A vida?
Só de trabalho!
Necessidade...
Conceito...
Conceito público de trabalhador!
Honrado, honesto.
Que dava dignidade,
Que gerava respeito
Que conquistava amizades
Que despertava orgulho!
De trabalhador...
Simplesmente, humildemente.

Que paradoxo!
Orgulho da humildade.
De ser apenas um trabalhador
Digno
E como tal ser respeitado.
E querido!

E o coração cresceu...
De tanto trabalhar
Cresceu para abrigar esperanças
De que sua descendência
Pudesse repeti-lo
Porque havia uma coisa mais importante que o trabalho...
A família, no trabalho!

Dos seus bolsos, meu pai
Tirei doces
Do seu trabalho, meu pai
Tirei vida
Da sua vida de homem, meu pai
Tirei modelo!...

Leopoldina (MG), 27/11/1987.

10. O PAI
Arnaldo Agria Huss

Ainda em recente passado,
mesmo com muito amor
e todo ardor,
sentimentos disfarçados.

Em dias recentes,
a liberdade e a ternura
pelas suas sementes,
plantadas na Terra pura.

Minha singela homenagem
a todos aqueles,
que com seu carinho e compreensão,
estão presentes nesta viagem.

Santos (SP), 30/07/09

11. MEU VELHO PAI
Marly F. Tamani

Era um moço velho
pele suave e cálida
olhos de corça mansa
cabelos de seda palha,
pequeno, franzino
tranquilo amigo...
pai querido.
era um velho moço,
trazia dentro do peito
o mundo em desalento
nos ombros o peso do tempo.
era um amado velho
levou consigo desencanto,
deixou comigo este canto!

São Paulo (SP)

12. TRÊS LETRAS
Pablo Silveira

Uma palavra
Não criada
Criação em si
Primórdio da humanidade
O amor fez carne
No milagre ocorrido
Por um Senhor solitário
A Terra era um pélago
Não havia sorriso.

Mas um Senhor quis sorrir
Criado estava o homem
Nascia o substantivo
Todos quase podem
Mas poucos podem ser
Verdadeiro apoio
Na fraqueza que exige
O aperto de um coração
Contra outro coração
Abraçando-se duas vidas.

Pai que é Deus
O homem pode sê-Lo
Menos na perfeição
Mas no amor que é pleno
Ao filho amado
Amizade, ensinamento, perdão.

Bagé (RS)

13. DIA DOS PAIS
Humberto Rodrigues Neto
(Humberto - Poeta)

Deus: se tens filhos também,
és nosso pai muito mais,
e é mais Teu que de ninguém
nosso "viva!" ao Dia dos Pais!

Por teres por nós, Senhor,
afeto assim tão profundo,
mereces, pois, todo o amor,
dos filhos que tens no mundo!

Se em data tão comovente
não sabes inda aonde vais,
vai lá pra casa com a gente
festejar o “Dia dos Pais”!

São Paulo (SP)

14. O CANTO DO POETA
Meimei Corrêa
(Ao meu pai Argemiro Corrêa,
16/02/1918 – 31/05/1992)

Calou-se a tarde
Em tal meditação...
O céu se fez triste
Ao nosso pesar,
Deitou-se o silêncio...
Na imensidão
Estavam os anjos
A te esperar

Aquela noite
Chegou de mansinho,
Dilacerando
Os nossos corações
E as rimas choravam
Muito baixinho,
Perdidas em tantas
Inspirações...

Mas...
Na melodia da eternidade,
Apesar de toda
A nossa saudade,
Os teus versos são
Como as estrelas...

A viola na mão,
Noutra u’a mala...
O canto do poeta
Jamais se cala
E suas bênçãos
Nós sempre vamos tê-las!

Campos Gerais (MG)

15. TARJA PRETA
Vanda Ferreira (Bugra Sarará)

Tristeza marca
Tatua momento
Velório diante da sepultura

Troveja olhos
Tempestade n'alma
Raios questionadores

Lágrima dói
Por dentro e por fora
Pai é tão importante para morrer!

Funeral fica vivo
Eternamente protagonista
No reino da lembrança

Tarja preta
Na história da órfã.

(pág 18 do livro Bugresia/2006/Vanda Ferreira)

Campo Grande (MS)

16. PAI
Eliana Hencklein

Nos teus olhos eu vejo
O que sabiamente me aconselhas,
E me são valiosas
As palavras que você não diz.
Porque se tua austeridade
Me ensina o valor de ser digno
A tua ternura demonstra,
A importância de ser doce.

Cabem em ti, meu pai...
Os vários homens
Que aprendi a admirar:
Cabem o Homem Seguro,
O Forte,
O Honrado,
O Inteligente,
O Trabalhador,
O Protetor,
O Acolhedor,
O Bondoso,
O Amoroso,
Mas cabe principalmente
O Menino, que me ensina
A importância de sorrir e ser Feliz!

Descalvado (SP)

17. SER PAI
(ao meu pai)
Akasha De Lioncourt

Ser pai é desvendar nas fibras do coração,
O verdadeiro milagre da procriação.
Ser pai, é ter consigo uma paixão,
Que não se acaba, alimentada pela emoção.
Ser pai é transportar dentro do peito,
A sensação de estar fazendo o seu melhor.
Buscar a harmonia, e, do seu jeito,
Dar ao seu filho segurança, fé e amor.
Ser pai é ter sempre a certeza,
De que a missão jamais acaba.
Os filhos crescem, mas sempre necessitam
Da luz paterna que nunca se apaga.
Enfim, ser pai também pode ser,
O padecimento em pleno paraíso.
Mas a missão é nobre, só enriquece,
E será compensada por um lindo sorriso.
Ser pai é descobrir-se em outro ser,
Que leva consigo a essência e o prazer,
Por ter nascido em um berço abençoado,
E por seu pai ter sido muito bem criado.
Ser pai é doar-se infinitamente,
Sem medo de errar, pois é indiferente,
Aprendemos sempre uns com os outros.
E isso nos torna fortes, nos faz contentes.
Os primeiros passos, os primeiros erros,
São mais fáceis se ele estiver por perto.
Para, ao final, nos dizer com certeza,
Que todo o esforço sempre terá valido a pena.
Ser pai é ter a certeza de que para o seu filho,
Ele conseguiu fazer a diferença.

Bauru (SP), 03/08/2009

18. ADEUS, PAPAI!
Vanda Ferreira (Bugra Sarará)

Caladas olheiras fixam dor.
Fingidos sorrisos na brancura dental,
olhos pausados no quê
da tristeza colhida
na divisão da história.

Céu testemunho
De orações;
noites companheiras,
luzes humanas.

Estrada botinada,
areia cravada,
ramos que crescem
adubados com lágrimas.

(pag. 53 do livro Matutações/2007/Vanda Ferreira)

Campo Grande (MS)

19. A FORTUNA DE MEU PAI
Fernando Alberto Salinas Couto

Dois olhares a se cruzarem
e o vírus do amor a vencer
aqueles, raros, seres humanos.
Já se passaram muitos anos
e,por aquelas almas se amarem,
eu viria um dia a nascer.

Ela, representando o paraíso,
cantada em versos e prosas,
alvo específico dos holofotes.
Ele lhe dava segurança e rosas,
suprindo-nos o que fosse preciso.
O grande guerreiro nos bastidores.

Mais do que ela, muito renunciou.
Deixou suas necessidades e lazer,
depositou neste filho toda esperança.
Mas seus grandes anais realizou,
ao me deixar essa suntuosa herança,
pois ele deixou para mim o caráter.

São Paulo (SP), 03/08/09

20. MEU PAI... DURÃO...
(para o meu pai)
Akasha De Lioncourt

Meu pai sempre bancou o durão,
Mas tem um bom coração.
No fundo, lá no fundo, ele é mole,
Como geléia e doce como um torrão.

Aos cinco, me ensinou a ler,
Aos seis, a tabuada eu tinha que saber.
O resultado dessa epopéia,
É a poeta que vocês vão ler.

Seu sonho era ver-me crescer,
Honrando meu nome e meu ser.
Acho que ele conseguiu seu intuito,
E hoje, sou quem sou com muito prazer.

Caminho por longas estradas,
Com passos firmes, sei da minha jornada.
Espero cumpri-la o melhor possível,
E continuar minha caminhada.

Mas sei que, se meus passos titubearem,
Terei apoio e reafirmarei minha coragem.
Aprendi com meu pai a ser persistente,
E, se eu errar, reinicio, sou valente.

Hoje, sei que ainda não aprendi,
Tudo o que ele tem pra ensinar,
Mas temos tempo, esse amigo tão caro,
E pretendemos ainda muito aproveitar.

As lições se sucedem, dia após dia,
Mesmo que eu não consiga compreendê-las.
Sei que com o devido tempo, e paciência,
Eu as trarei comigo, em minha essência.

Bauru (SP) - 03/08/2009

21. 99 ANOS DE PORFIA...
(Ao meu pai José Faustino Gonçalves da Silva!)
J.J. Oliveira Gonçalves

99 anos... tem meu pai
Que, com garra, lutou o Bom Combate!
Jamais lhe ouvi um lamento, mesmo um ai
Quanta vez, fez-se em boi para o Abate!

Criança - lembro bem que sempre o via
À Luta se entregando pra valer!
Mesmo se uma batalha ele perdia
Num Lema ele insistia: Hei de Vencer!

Velho pai, para quantos deste a mão
E, agora, numa muda geriatria,
Aos poucos, tua Existência, se esvazia...

Quem sabe, expies, em densa Solidão
Dois pecados (mortais!) e sem perdão:
Seres honesto e bom! (Pai: que Agonia!)

Perdoa, pai, meus versos tão dolentes:
Mas são do coração mansas vertentes!


Porto Alegre (RS), 04 de agosto/2009. 11h49min

22. PAI DO DROGADO...
Joyce L. Krischke

Pai, também, decantado em seu dia.
Pai que trabalha noite e dia
Enquanto o filho fica sozinho.
Filho criado em desalinho...

Filho sem amor do pai... carente
Pai que volta pra casa silente
Pai retorna à procura de Paz.
Filho espera amor... Pai não traz!

Pai acorda, o filho pede AMOR...
A DROGA preenche o (des)amor...
Agressão física é sentida!

Pai, acolha seu filho num abraço,
Mesmo nos dias de cansaço...
Dê ao filho Amor e Paz - na vida!

Rio de Janeiro (RJ), 31/07/2009 - 14h20min

23. MEU FILHO CALÇOU MEUS SAPATOS
José Antônio Gama de Souza

Eu o vi...
Calçando meus sapatos
Eu me vi...
Calçando meus sapatos
Quando eu era ele
Quando calcei os sapatos
De meu pai
Eu me vi nele
E ele era eu
E eu sou ele
Eu era ele
Meu filho...
Meu pai...
Eu...
Eu sou seu pai
E eu vi meu pai
Eu sou meu pai
Ele é meu pai
E meu filho sou eu
Eu me vi
Eu os vi
E eu nos vi
Quando meu filho calçou meus sapatos
E saiu...
Para a vida!

Leopoldina (MG)

24. PAI
Sady Mac

Segura a minha Mao com firmeza
Guia meus primeiros passos inseguros
Mostra-me o caminho a seguir
Em ti eu confio sem medo de cair...

Quero acariciar teus cabelos
Grisalhos, prateados, sei lá...
Tão lindos a encher meus dedos
De menino curioso a te amar...

Vamos andar por ai Correndo estradas
Brincando de esconde, esconde
Dois moleques suados fazendo arte
Felizes, sem ter pressa na vida...

Deixa-me sentar ao teu lado, abraçado
Ouvir tua voz, me aconchegar em seu peito
Me sentir tão valente, sem medo do mundo
És minha fortaleza onde me protejo de tudo...

Pai me acolhe em teu sorriso puro
Sou homem criança que ainda quer colo
Tão dependente de ti estou aqui
A buscar em teus braços a minha paz interior...

Guaíba (RS)

25. CAMINHOS DE PAIS RESPONSÁVEIS
13ªCiranda/CAPPAZ - Acróstico nº 2464
Por Sílvia Araújo Motta

C-Caminhos de Pais responsáveis
A-Anunciam a gestação programada,
M-Maestros de gestos e ações memoráveis,
I-Inesquecíveis, junto à mãe amada...
N-No colo, carregam o bebê nascido,
H-Homenagens merecem o ano inteiro!
O-O Dia dos Pais, por gosto, foi escolhido:
S-Segundo Domingo do mês de agosto.

D-De mãos dadas os pais seguem
E-Estradas iluminadas de amor...

P-Pais de filhos adotivos também
A-Amam, apadrinham de verdade,
I-Interagem altivos na família,
S- Semeiam alegria, paz, felicidade.

Belo Horizonte (MG), 5 de agosto de 2009.

26. PAI
Cida Micossi

Homem comum, homem-herói.
Pai passarinheiro,
Tinha sempre uma ave por cuidar no viveiro.
Pai companheiro,
Deu-nos o amor que não se obtém com dinheiro.
Praticou o Bem, a Caridade,
Alegria, Sorriso, Honestidade...
Pai, quanta Saudade!
Na sua maleta de ferramentas, operário de todos os ofícios,
Um favor, um conserto, não media sacrifícios.
Homem Bondoso, sempre uma palavra amiga!
Com alegria de viver enfrentava o sofrimento...
A falta de ar... A fadiga...
O trabalho insalubre veio sua vida abreviar
E fez-se a hora de você nos deixar.
Mas tenha a certeza, Pai querido,
De que você jamais será esquecido.

Santos (SP), 05/08/2008

27. CAMINHOS DE PAIS NA VELHICE
13ª Ciranda/CAPPAZ - Acróstico nº 2465
Por Sílvia Araújo Motta

C-Com alegria o Pai, até chora:
A-Anuncia a paternidade querida...
M-Mais tarde escuta, aconselha,
I-Indica ao filho o melhor caminho,
N-Na vida de quem lhe espelha:
H-Hombridade, integridade de caráter,
O-Ostenta, enquanto pode entregar
S-Sua forma verdadeira de amar.

D-Depois de doar-se tanto na vida,
E-É tempo de descansar na velhice,

P-Para receber o que fez por merecer:
A-Amor, compreensão, paciência,
I-Imprescindível PAZ para irradiar
S- Sabedoria, na voz da experiência.

Belo Horizonte (MG), 5 de agosto de 2009.

28. ÉS UM RETRATO EM NOSSA ALMA
(Ao meu pai José Vasconcellos Drumond)
Ana Teresinha Drumond Machado

Quanto tempo vivemos juntos... Papai!
Quão pouco foi ele para que o escutasse
e com teus retos exemplos aprendesse...
Deliciar-me com tua sabedoria de pai...

Em meu ser, tu és perfeito retrato ditoso.
Lembro-me bem, e ainda, de tuas mãos,
Grossas veias – rio azul caudaloso –
pois nelas, meu grande pai, há leais belezas

de nobre vida que transcende à morte.
Est’alma de filha (aguaça de amor e de afeto) o forte
respeito deseja expressar com estratos
de gratidão - imensamente gratos –

por seres aos filhos o farol do bem,
da honestidade; à vida, nosso norte!
Papai! Tu és querida paternidade
escolhida pelo Supremo Pai...

.... Não para a nossa glória, nem a tua,
mas, certamente, a d’Ele foi e será.

Alvinópolis (MG)

29. CAMINHOS DE PAIS IRRESPONSÁVEIS
13ª Ciranda/CAPPAZ-Acróstico nº 2466
Por Sílvia Araújo Motta

C-Caminhos de solidão e tristeza
A-Às vezes são trilhados, com certeza:
M-Mãe guerreira é chamada “pãe”
I-Insiste e persiste então, não consegue,
N-Na identidade, o nome de um “pai”
H-Hosanas não traz ao filho incapaz,
O-O amor é que faz encontrar a PAZ,
S-Sublimar a dor que do peito não sai.

D-Dia dos Pais podemos presenciar
E-Em muitos locais, ausência de um pai.

P-Pais, onde estão seus belos holofotes?
A-A estrada escura traz luta renhida...
I-Importantes exemplos evitam mortes...
S-Ser pai é ser presença na vida dos filhos.

Belo Horizonte (MG), 5 de agosto de 2009.

30.DAQUELAS HORAS
(A Olizon, meu pai)
Odilon Machado de Lourenço

Saíamos nas encantadas luas do rincão
Éramos silêncios a mirar os campos...
Nas águas serenamos a tarde dos verões singelos
Partilhamos ternas aventuras
Abrimos livros e lavras
Plantamos sonhos nos caminhos das distâncias
Ombro a ombro falquejamos a vida nascida em nós dois.

Porto Alegre (RS)

31. CAMINHOS DE PAIS
Kedma O'liver

Lembranças ainda vivas
De muitos anos passados
Páginas da minha vida
No coração são guardadas

Caminhos que eu cruzei,
as mãos dadas com meu pai,
lugares por onde andei
não esquecerei jamais

Hoje apenas lembrança
Saudades no peito jaz
Nos olhos lágrima dança
Mas me sinto em paz

Sei que estás muito bem
E isso me deixa feliz
Te amei e fui amada também
És sempre o pai que eu quiz.

(Te amo Paizão, para sempre.)

Santos (SP)

32.PAI
Gislaine Wächter

já foste jovem, lindo e sorridente
me carregou no colo
passeamos de mãos dadas
pescarias...
você tocando gaitinha de boca,
festas e alegrias...
proteção de pai

o tempo passou
já estás velhinho...
cabelos grisalhos
manias, teimosias
remédios....
histórias e encantamentos
lembranças....
proteção de filha...

Balneário Camboriú (SC)

33. AO MEU PAI
Carlos Reinaldo de Souza

Vou descrever, nestes humildes versos,
tudo que evoca um passado feliz.
Meus sentimentos, falhos e dispersos,
porém, não retratam tudo que eu quis !

Pai, lembro-me de ti, ainda menino,
ouvia tua voz, firme e calorosa.
Eu, que me julgava tão pequenino,
sentia minh'alma mais valorosa !

Teu semblante era austero e jovial,
coerentes eram as tuas lições,
em se tratando do bem ou do mal !

Como bom mestre, externavas brandura,
sabias separar bem as funções,
ótimo pai, exalavas ternura !

Conselheiro Lafaiete (MG)

34. CAMINHOS DE PAIS (PAZ)
Fernando Alberto Salinas Couto

A todo pai, é dado escolher,
com toda liberdade,
o que, nesta vida fazer.
Calçar a responsabilidade
ou vestir a camisa do lazer.

Aquele que se ausenta,
mesmo estando presente,
vai na trilha da tormenta,
pois fugindo da missão
e, pelo caminho, cadente.,
anexo a cada provação
acumula dívida crescente.

Seja no além ou na terra,
Já perdeu qualquer guerra.

Aquele que se faz presente,
ainda que distante,
segue o caminho da paz,
eis que só o bem produz
pela estrada do amor,
mesmo entre flores da dor
estará no caminho da luz
e o seu destino é a PAZ.

Fel, sorve quem deixa dor.
PAZ, quem semeia amor.

São Paulo (SP)

35. Caminhos de Pais (Paz)
Regina Coeli Rebelo Rocha

Caminho na voz do poeta
Que banha a lavra seleta
No mistério da emoção
De escutar no tempo a voz
Que entrecortada nos nós
Espana de si os pós
E ressoa ao coração.

Caminho na voz do filho
Que vence cada empecilho
E vem também cirandar
Vence o choro na garganta
Se abraça à lágrima e canta
A dor de si desencanta
Para o pai homenagear.

Caminho na voz da história
Um detalhe na memória
Que o poeta vem cantar
No verso que vai rompendo
Sua vida alvorecendo
Até ver o pai morrendo,
Pra eternidade voltar...

Caminho a voz da razão
E o pedido de perdão
Por não ter feito bem mais
Nos anos de convivência
Lutando com a impaciência
De um não suprir da carência
Do que ficou para trás...

Caminho tua voz, meu pai
No final, sem nenhum ai
No teu gesto derradeiro
Ajeitando o meu cabelo
Com carinho, num desvelo
Que sabias, ao fazê-lo,
Unia-nos por inteiro.

Caminho na voz do Amor
A transformar em louvor
O entendimento na Vida
No respeito ao nosso pai
Na ciranda que aqui vai
Chorando o verso que cai
Ao hoje ou à despedida...

Caminho a voz da ternura
Sem cobrança ou amargura
No poema que viceja
Chuva em terra despertada
Pra dar flores, semeada,
E com Amor, adubada,
Chegando à Paz que se almeja...

Caminho a voz do meu crer
No dia a amanhecer
Sem tempo e nenhuma idade
Que os papais moram na gente
No corpo e na nossa mente
Assim tão completamente
Anoitecendo em saudade...

Caminho tua voz em mim
Descobrindo cada afim
Do pai na filha tatuado
Detalhes tão parecidos
Num ontem, despercebidos,
Hoje nos mostram unidos,
Mais que um viver lado a lado...

Caminho a voz do amanhã
Cirandando esta manhã
Que vem o pai festejar
Cada lembrança, um abraço
Cada abraço, mais que um laço
Em cujas fitas me enlaço
Pra nunca desenlaçar...

Caminho a voz da ciranda
Que chora, mas não desanda!,
Num canto de Amor e Paz
Por quem nos deu de sua vida
E até depois da partida
Sopra brisa revivida
Que consolar é capaz!

Rio de Janeiro (RJ)

 

SELO DE PARTICIPAÇÃO

Pegue seu selo de participação na 13ª Ciranda Mensal CAPPAZ - Caminhos de Pais (PAZ) "Dia dos Pais", clicando com o botão direito do mouse e em salvar como.

 







|| Página Inicial | Voltar | Livro de Visitas ||

Arte e Formatação Rosângela Coelho
Exclusivo para CAPPAZ - Confraria Artistas e Poetas pela Paz
Todos os direitos reservados