INTRODUÇÃO

Simplesmente... Mulher!

Alea jacta est... E Deus fez a mulher. Lançou-a, como lança a Semente, na terra fértil, o Semeador. Seareiro de Almas, Deus lançou, desde aí, a sorte do homem. E quis que a mulher fosse a companheira - em contraponto - do homem. Não sua antagonista. Que macho e fêmea se completassem, complementassem - não só anatomicamente mas, também e ainda, espiritualmente. Que um fosse o Pedaço que faltava ao outro. E já que chega a metáfora do "pedaço", conta uma lenda lírica e romântica que Deus fez a mulher de uma costela de Adão... E, numa espécie de Paraíso em que esse homem - Adão - vivia, só e macambúzio, surgiu a mulher com toda sua sensualidade, seus encantos, seus perfumes, seus segredos, seus mistérios, seu coração amante, sua Alma diáfana, enfim, sua inerente feminilidade. Claro, com todos esses cativantes ingredientes, (ou temperos), nos rastros dessa beleza deidítica de corpo e Alma, trouxe uma árvore mágica com um fruto doce e inebriante, metaforicamente feminino chamado maçã... Dizem, também, que da copa dessa árvore, se espreguiçando pelo tronco, deslizava uma profana, esperta e tentadora serpente... Bem, lenda ou não, vejo tudo isso como uma ritualística veladamente bela e amorosa. E por que não dizer, ainda: erótica e saborosa?
Ah, a mulher... Tanta coisa a ser dita. Coisas novas e mesmo repetir o que já foi escrito, musicado, cantado e declamado sobre a mulher. Porque mulher é palavra e é silêncio... É canto e é encanto... É música e é poesia... É o poema declamado e aquele, ainda, em germinação... Eu, por exemplo, rimo mulher com minha Solidão feita de Outono e Ocaso! Para o poeta, a mulher é a Musa. A Amada. A Amante. É o verso. A rima. E a estrofe. É a borboleta no colorido e fragrante de sua poesia. E é também a flor na cálida textura de suas rimas. Para mim, mulher é esse Ser que Amo desmesuradamente... Esse Ser que conheci e comecei a Amar em minha mãe e em minha avó materna! Que, depois, continuei a Amar em minhas tias, minhas primas, minhas professoras... Em minhas namoradas, minha mulher, minhas filhas, minhas amigas... Enfim, é esse Ser que se insinua no verso e desafia a rima...
Ah, mulheres corpóreas e incorpóreas... Etéreas e em carne-e-osso... Mulheres são caixinhas de surpresa. Contêm mágicos Segredos... São lágrimas inexplicáveis. E sorrisos sem razão. São arrufos intempestivos. E arrulhos que vêm da Alma: feminina, grácil, desconhecida... A Alma humana era insondável, para mestre Machado - o de Assis. Imagine-se, então, o quão insondável e impalpável é a Alma de uma mulher!
Mulheres? Amo-as, sim! Porém, jamais as entenderei... Por isso, apenas posso dizer alguma coisa sobre elas. Não as posso conceituar. Menos, ainda, defini-las. Todavia, nada me impede - pois herdei a curiosidade latente dos gatos! - esta minha tentativa doida, (inútil e vã?), de decifrá-las... E, de repente, fico a filosofar com meus pacienciosos e mudos botões, que é (bem) melhor que seja assim. Não o fosse, possivelmente, perderia a graça. E, a Vida, seria mais patética do que já é. O único risco é que a mulher, de repente, num misto de gracejo e de vaidade, diga: Me decifra ou te devoro! Poeta -confesso que valeria a pena! Afinal, minha Musa - que é bela, Etérea e terrível! - me devora todos os dias! Bebe meu Sangue. Lambe-me os ossos! Revolve-me as entranhas. Tirana e pausadamente, me diz (como se não doesse!): são ossos do ofício...
Convidado a escrever a introdução da Ciranda/CAPPAZ, de fevereiro/2011, eis-me, aqui, trazendo minha palavra singela e amorosa de poeta e de homem-comum, neste 8 de Março: Dia Internacional da Mulher.
Ah, sim... Mulher - Simplesmente Mulher! E tudo está dito! Sucinta, lírica e poeticamente!

J.J. Oliveira Gonçalves/JJotaPoet@!
Presidente de Honra/CAPPAZ
Porto Alegre, 16 de fevereiro/2011. 14h13min -ha

 

 

 

PARTICIPANTES - 1ª PARTE

01- João José Oliveira Gonçalves
02- Sônia Dias Freitas
03- Arthur Jaak Wilfrid Bosmans
04- Sidney Santos
05- Marina Martinez
06- Élio Cândido de Oliveira
07- Haydée S. Hostin Lima
08- Marco A. Amado
09- Sérgio Martins Pandolfo
10- Ana Teresinha Drumond Machado
11- Edécio Mergener
12- Rosângela da Silveira Coelho
13- Mírian A. Rocha
14- Tânia Maria de Souza
15- Eloísa Antunes Maciel
16- Sílvia Silva Benedetti
17- Alzira Souza da Silva (Mendi)
18- Rosana Carneiro
19- Kátia Pérola
(duas participações)
20- Flávio Martinez
21- Fernando Alberto Salinas Couto
22- Odilon Machado de Lourenço
23- Eliene Dantas de Miranda
24- Lourdes Ramos
25- Stela Emília de Gusmão
26- Iraildo Dantas LUA
27- José Roberto de Assumpção
28- Paola Rhoden
29- Akasha De Lioncourt
30- Deomídio Macêdo
31- José Antônio Gama de Souza - Balzac
     
(quatro participações)

PARTICIPANTES - 2ª PARTE

32- Leonardo Andre
33- Sônia Rêgo
34- Kátia Pérola
35- Sílvia de Lourdes Araújo Motta
     
(duas participações)
36- Élio Cândido de Oliveira
37- Fátima Peixoto
38- José Augusto Silvério. ZITO
39- Marco A. Amado
40- EstherRogessi
41- Gislaine Wächter
42- Carlos Reinaldo de Souza
43- Paulo Rodrigues
44- José Maria de Jesus Raimundo Silva
45- Adriana Pontes Mendes
46- Neneca Barbosa
47- Diná Fernandes da Silva
    
(duas participações)
48- Marina Martinez
49- Joyce Lima Krischke

 

 

 

Para ver a ciranda, clique:

 

 

 

SELO DE PARTICIPAÇÃO

Pegue seu selo de participação na 28ª Ciranda Mensal CAPPAZ "Simplesmente... Mulher!", clicando com o botão direito do mouse sobre a imagem e em salvar destino como.

 

 

 

 





|| Página Inicial | Voltar | Livro de Visitas ||

 

Arte e Formatação Rosângela Coelho
Exclusivo para CAPPAZ - Confraria Artistas e Poetas pela Paz
Todos os direitos reservados