INTRODUÇÃO

O DIA MUNDIAL DO LIVRO E DO DIREITO DO AUTOR

A comunicação escrita existe desde os primórdios dos tempos – a princípio, em forma codificada – simbologia. Forma peculiar a cada época, adequada às possibilidades e realidade de cada povo. Através dela – a escrita, chegamos ao conhecimento e a concretização do abstrato – sentires, ideologias; vemos materializado, transformado em livros, o que, dantes, se tornava impossível – a intelectualidade do ser; o potencial criativo - o real e o surreal, dessa forma, chegando-se a imortalização do finito.
A escrita tem o poder de produzir em nós, imagens e imagens – é fonte fotográfica;
icentivadora às múltiplas leituras; máquina do tempo; mágica em realização de desejos.
Através da escrita catalogada, em páginas numeradas e reunidas – o livro, chegamos, hoje, ao conhecimento de gênios, tais quais: Miguel de Cervantes, Garcilaso de la Vega, William Shakespeare, Vladimir Nabokov, Maurice Druon e tantos outros de variadas nacionalidades.

Comemoramos no dia 23 de abril, O Dia Mundial do Livro e do Direito do Autor.
A United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization (UNESCO), fundada aos 16 dias do mês de novembro de 1945, objetivando promover a paz a segurança e proteção aos direitos autorais, no âmbito educacional mundial - ciência, cultura e comunicações, comemora todos os anos no dia 23 de abril “O Dia Mundial do Livro e do Direito de Autor.” Data que foi criada na XXVIII Conferência Geral da UNESCO, entre 25 a 16 de novembro de 1995 e escolhida por nessa data precisamente no ano de 1616 terem falecido – Miguel de Cervantes, William Shakespeare e Garcilaso de la Vega – homenagem póstuma.

Outrossim, nessa mesma data, morreram ou nasceram escritores e/ou poetas conceituados.

A Lei protetora dos direitos autorais é a Lei 9.610/98.
“O artista cria não se apropria.”

EstherRogessi
1ª Vice-presidente Nacional CAPPAZ
Recife,19/04/11 às 15h18mn

O PLANETA TERRA

"A Terra é azul!", exclamou o cosmonauta russo Yuri Gagarin, maravilhado com o que viu há exatos 50 anos, aquando de sua pioneira viagem ao espaço sideral, ao observar nosso "rotundo Globo" do alto de sua espaçonave Vostock-K que colocaria a cápsula Vostok 3KA, batizada de Lastochka, em órbita terrestre.
Quatro anos antes os russos lançaram, com sucesso, o primeiro satélite artificial da Terra: o Sputnik I, e o primeiro ser vivo no espaço, a cadelinha Laika, abrindo a corrida pela conquista espacial.
E a Terra é azul porque o mar ocupa a maior parte do planeta, cerca de 70% da superfície terrestre, por isso que muitos o chamam, poeticamente, de "o planeta água"; isso em razão de que o planeta Terra possui mais água do que qualquer outra substância em sua estrutura. Mas atenção: a maior parte desse mundo de água, pela hipersalinidade, é imprópria para a vida do homem e de outros animais. Somente uma pequena quantidade, representada pela água doce (rios, lagos, aquíferos) é adequada à vida animal.
O homem, similarmente ao que acontece em relação ao planeta que o abriga, também tem a conformar seus tecidos cerca de 70% de água, elemento imprescindível à sua existência. É imperioso, condição sine qua non para a continuidade da vida animal na face da Terra, o bom trato e o bom uso dessa "água boa", como é igualmente imprescindível cuidar bem e com sabedoria da água dos oceanos, eis que essa é também a fonte de uma variada e preciosa vida marinha, de onde provém grande parte da alimentação do homem e de outros animais da superfície.

Parabéns CAPPAZ
Sérgio Martins Pandolfo/PA
Belém, 21 de abril de 2011

 

 

 

PARTICIPANTES

01- Marcelo de Oliveira Souza
      (duas participações)
02- Sidney Santos
03- Sandro Nicodemo
04- Vanda Ferreira
05- Deomídio Macêdo
06- Sílvia de Lourdes Araújo Motta
07- Mariângela Rodrigues Repolês
08- Adriana Pontes Mendes
      (duas participações)
09- Leonardo André
10- Pablo Silveira
11- Sílvia Silva Benedetti
        (duas participações)
12- Marina Martinez
         (duas participações)
13- Fernando Alberto Salinas Couto
        (duas participações)
14- Marco A. Amado
        (duas participações)
15- Sônia Rêgo
        (três participações)
16- José Antônio Gama de Souza - Balzac
17- Joyce Lima Krischke
        (duas participações)
18- José Augusto Silvério
        (três participações)
19- Odilon Machado de Lourenço
        (duas participações)
20- Akasha De Lioncourt
21- Rosana Carneiro
22- Flávio Martinez
23- Alzira Souza (Mendi
24- Tânia Maria de Souza
25- Fátima Peixoto
26- Paulo Rodrigues
        (duas participações)
27- Edécio Mergener
28- Renata Rimet
29- João José Oliveira Gonçalves
30- Pinho Sannasc
         (duas participações)
31- Ana Teresinha Drumond Machado

 

 

 

PARTICIPAÇÕES

Os textos aqui apresentados são cópias fiéis dos conteúdos enviados por e-mail, ficando essa web designer e a CAPPAZ isentas de qualquer responsabilidade pela revisão dos mesmos.

-01-
Água nossa de cada dia.
Marcelo de Oliveira Souza

Com o surgimento da Organização das Nações Unidas os grandes problemas que surgem tendem ser resolvidos de uma forma globalizada.
Assim foram criados dias especiais para que as pessoas possam parar para refletir sobre inúmeros problemas, como a problemática da crescente escassez da água.
A maior parte absoluta do nosso planeta é constituída de água, provavelmente por isso que as pessoas têm a idéia de que esse precioso liquido seja interminável, resultando em um gasto desenfreado do conteúdo, quem for mais atento perceberá que os rios estão sumindo, dando lugar às valas de esgotos, as fontes naturais também; as lagoas diminuem a cada dia e em pouco tempo a água potável vai ser mais um motivo para as reações bélicas.
Muitas campanhas são feitas, como o dia mundial da água, contudo para termos realmente uma consciência vai demorar muito, as crianças ainda mostram ter uma sensibilidade quanto ao assunto, porém quando chega à adolescência, todo aquele aprendizado de proteção à natureza se esvai como uma pororoca nervosa na região amazônica.
É muito triste saber que em países lindos como o Brasil as suas florestas estão sendo dizimadas, os seus patrimônios naturais dilapidados, porém o mais triste ainda, é saber que diante de toda a falta de estrutura que o governo insiste em dizer que proporciona aos seus cidadãos, como saúde, educação, moradia, nós ainda completamos esse tripé incluindo o desperdício de água a essa lista de direitos básicos jamais adquiridos para uma vida digna.

Salvador/BA

-02-
Degelo das Calotas Polares
Marcelo de Oliveira Souza

Muitas pessoas ainda não perceberam o mal que estão fazendo à natureza, quando utilizam desodorantes com CFC, estimulam o desmatamento, ou atacam o nosso ecossistema.
É discutido intensamente esse tema em diversas reuniões entre governantes, mas como a industrialização é um fator preponderante para o desenvolvimento da humanidade, fica-se em uma discussão interminável, sem chegarmos a um denominador comum.
Dentro dessa celeuma, o nosso ambiente vai perdendo gradativamente toda a sua flora e fauna, e quando percebermos de verdade, aí será tarde demais.
Pensemos um pouco, tudo vai se acabando, se esgotando... quando percebermos, estaremos iguais a um casal de urso, preso num iglu descongelando, à beira do fim.

Salvador/BA

-03-
Autor agradece O Livro
Sidney Santos

O livro, a história
No escrito, a memória
O conto a fantasia
Na leitura, a alegria
Compêndio, a razão
No romance, coração
Súmula, extrato
No sagrado, oração
Na convenção o contrato
No encanto o poema
Na minha página, poesia
Paixão, meu tema
No amor, minha autoria

Santos/SP, 25 de abril de 2011

-04-
Livro
Sandro Nicodemo

Clique na imagem para ampliar.

São Paulo/SP

-05-
Amante da Poeira Vermelha
Vanda Ferreira

Desvenda a fórmula
para a boa forma de vida.

Viaje!

Embarca para: lua, sol,
águas doces de rios,
cenários poéticos,
romantismo
ou rochas lendárias.

Escolhe um desses palcos,
alguns ou todos.
Descobre os inúmeros outros,
diversificados
e por ora não revelados.

Campo Grande/MS

-06-
O Livro e o Autor.
Deomídio Macêdo

Papeis, papiros, folhas soltas, esvoaçantes, manuscritas, impressas de histórias e estórias concretas, inocentes, verdadeiras do passado e do presente que se consolida com a tinta que espalha pela caneta ou computador através das mãos dos escritores, poetas, jornalistas que atualizam as notícias cotidianas da vida do cidadão.

A história reaparece vivaz, viajando pelo tempo, chegando às gerações atuais tornando imortais os atores do processo, incrementadas nas linhas que se alinham nas letras, palavras, frases, contos, romances e nas parábolas apresentadas por Jesus à humanidade.

Livros da Bíblia, poéticos, romântico, espirituais, eletrônicos que surgem a todo instante formando bibliotecas ambulantes, públicas, digitalizados nos circuitos integrados da eletrônica, que chega pela aeronave da evolução trazendo conhecimentos enriquecendo o espírito que vivifica.

Viva! o dia mundial do livro.

Viva! o autor e seus direitos editoriais.

Guanambi/BA

-07-
Planeta Terra
Acróstico-geográfico-histórico nº 1130
Por Sílvia Araújo Motta

P-Planeta terceiro em ÓRBITA DO SOL!
L-Linda esfera depois de Mercúrio e Vênus,
A-Anterior à Marte, Júpiter, Saturno, Urano,
N-Netuno. Possui um SATÉLITE natural
E-Especial aos olhos do coração: a LUA,
T-Toda nua, símbolo do casal apaixonado.
A-Atmosfera interage com os seres VIVOS,.

T-Tem condições únicas, Placas Tectônicas,
E-Em grandes quantidades de ÁGUA,
R-Retém o forte Campo Magnético,
R-Revela VIDA aos seus habitantes!
A-A forma real da Terra é chamada Geóide.

P-Planeta Terra tem aproximadamente
L-Linda forma esférica, mas
A-A sua rotação causa uma deformação.
N-Na forma achatada aos pólos
E-É chamada de terra elipsóidal...
T-Tem a cor azul, dizem os astronautas
A-A cor prateada eleita por namorados.

T-Terra com aquecimento global
E-Esquecida de seu valor total.
R-Representa a forma real GEÓIDE:
R-Revelada irregular, ondulada,
A-A mais complexa, matematicamente.

P-Planeta Terra na época atual é o único
L-Local, onde se comprova existir VIDA.
A-A BIOSFERA apareceu há 3,5 bilhões de anos,
N-No conjunto de SISTEMAS VIVOS.
E-É composta pelos seres e pelo ambiente.
T-Tem seus BIOMAS que têm na habitação:
A-A FAUNA E A FLORA, peculiares.

T-Tem BIOMAS pobres em plantas
E-E animais nos Pólos Norte e Sul.
R-Ricos Biomas, na linha do Equador!
R-Recebe influência na área Continental:
A-Altitude, luz, calor, clima, latitude.

P-Providências nacionais urgentes,
L-Leis e Ações com prioridade vital...
A-Autoridades, internacionais agora,
N-Na real necessidade moral mundial
E-Estão alertas e pesquisam conscientes!
T-Totalmente abandonada, sinalizam:
A-AMAZÔNIA implora clemência!

T-Terra soberana de raríssima beleza,
E-Elegante-vestida de esperanças-
R-Responde a gritar, com certeza,
R-Reage por AMAR jovens, crianças,
A-Adultos que são partes da natureza.

P-Pode a humanidade/autoridade na Terra,
L-Lutar pela ÀGUA, FAUNA e FLORA?
A-Acabar com a escalada CRIMINOSA,
N-Nascente e crescente que a vida encerra?
E-Enérgica proibição à QUEIMADA
T-Traz fiscalização poderosa,
A-Atende à Floresta que chora!

T-Terra fértil, agradável, maravilhosa!
E-É indescritível o ato de COVARDIA
R-Relacionado à conseqüência assombrosa...
R-Riquezas que esgotam toda a sua valia,
A-Agora, a natureza implora o SOCORRO!

P-Plantas com excesso de clorofila,
L-Levemente balançadas pelo vento,
A-Apresentam gratuitamente, alento
N-Nas flores perfumadas. A Flora
E-E a Fauna, de mãos dadas ao relento.
T-Todo o céu azul, SEM NIMBOS...
A-A humanidade, com seus talentos...

T-Tudo é PAZ E AMOR, sem guerra!
E-Exercício de FRATERNIDADE universal
R-Resgatada a liberdade total na terra,
R-Razões de sobra, no valor transcendental,
A-Ao mar, apenas a calmaria encerra.

P-Progresso, não necessariamente,
R-Razão justifica à total destruição!
O-O que fazer? Há outros caminhos
G-Garantidos nos espaços da mente;
R-Revisão de conhecimentos e aplicação...
E-Espécie Humana compartilha tudo
S-Sem equilíbrio, o mal uso contamina!
S-Sua área usada pôe o planeta doente.
O-Os seres vivos exigem ambiente sadio.

E-E Movimentos Ambientalistas crescem...

D-Diante do exposto, vale lembrar:
E-Esperança de um futuro melhor,
S-Sobrevivência da vida humana
T-Tem dependência vital de valor.
R-Redução da poluição é urgente,
U-Utilização de novos métodos agrícolas,
I-Instalação de Filtros nas Indústrias...
Ç-Convém ampliar o uso da energia solar.
Ã-Amanhã depende do HOJE eficiente!
O-O que você que me lê e crê pode fazer?

T-Terra é um Jardim Especial e único!
E-É aqui que os seres vivos encontram
R-Reais condições para a sobrevivência.
R-Representa e oferece abrigo/alimento,
A-Afinal, alterações trazem conseqüências.

É-E o Jardim Terrestre que está doente!

J-Jardim que não pode ser trocado,
A-Abandonado pela humanidade,
R-Resultados de estudos da diversidade
D-Demonstram características do equilíbrio,
I-Ideais condições em cada comunidade!
M-Mãos humanas geram o desequilíbrio.

E-Existe cura para nosso Planeta Enfermo?
S-Se a poluição, efeito estufa, doenças
P-Provenientes das ações do humano
E-Estão a causar muitos problemas...
C-Contaminação do ar, solo e água...
I-Introdução de venenos nas plantações...
A-A radiação nuclear e o lixo atômico...
L-Liberdade no planeta traz risco ecológico

Belo Horizonte/MG

-08-
Madre herida en vida vacía
Mariângela Repolês

Seno de la madre tierra aculada
llorando gime dardos sollozada
se muere en sol lírico matadero
a escurrir en pisadura del pueblo.

Sombra mendicante seca nublada
en bando de mil aves asustadas
pesadilla en vida misteriosa
muerte de astros en metamorfosis.

Por sierras vapores rosales expiran
en gotas al viento se cauterizan
tiempo agrio se encoge en mañas
añil sin olor ah... se desengaña .

Madrugadas en horas plañideras
ah... sorben lágrimas en correderas
ojos rumoreando en agua callada
se van en solitaria cabalgada
 

*.*.*.*

Mãe ferida em terra vazia
Mariângela Repolês

Ah... seio da mãe terra acuada
chorando geme dardos soluçada
se morre em sol lírico matadouro
a escorrer em pisadura do povo.

Sombra mendicante seca nublada
em bando de mil aves assustadas
pesadelo em vida misteriosa
morte de astros em metamorfose.

Por serras vapores rosais expiram
em gotas ao vento se cauterizam
tempo agre se encolhe em manhas
anil sem cheiro ah... se desengana .

Madrugadas em horas carpideiras
ah... sorvem lágrimas em corredeiras
olhos fofocando em água calada
se vão em solitária cavalgada.

Alvinópolis/MG

-09-
Querido Livro
Adriana Pontes Mendes

Ah! O livro...
Mergulho na fantasia.
Desnudo da poesia.
Guia que nos conduz por caminhos harmoniosos,
faz-nos sentir flutuantes.., nas asas da imaginação;
explodir em sentimentos.., chorar de alegria.
Olhares atentos..,mergulhados em fantasias voam, tais quais, o vento.
Conduz-nos ao pranto e alegria!
Pulsar de corações a cada desfecho.., encantamento.
Com ele - o livro – fazemos viagens; aprendemos métrica; conhecemos a linguagem
...Caminhamos em mundos repletos de paisagens, sem sair...

Recife/PE

-10-
Aos Edificadores Literatos – escritores, poetas.
Adriana Pontes Mendes

Espero que os queridos escritores levem aos leitores, sempre, encantamento e oportunidade de dias melhores, através de suas mensagens poéticas; que tenham um caminho literário promissor; que seus escritos, quer poéticos, quer narrativos, engrandeçam vidas.
O que ler cresce em conhecimento.

Recife/PE

-11-
Terra em Agonia
Leonardo André

No princípio fez-se a luz
e, sobre mim, Deus espalhou a natureza:
os rios corriam felizes por sobre as pedras
e os mares espumavam sua alegria.

Pássaros entoavam lindas canções
sobre as copas de árvores verdejantes
e todos os seres interagiam,
respeitando meus recursos naturais.

Mas, eis que surgiu você:
forte, imponente, transformador,
altivo, inteligente, falador
e estranhamente racional.

Sua chegada mudou meus rumos...
onde havia árvores, surgiram prédios;
onde havia flores, surgiram estradas;
onde havia o verde, rugiram armas de fogo.

Todo o melhor de mim eu lhe ofereci
e, mesmo assim, você me destruiu
com fumaça, fogo e cimento;
derrubando minhas florestas.

Minhas águas tornaram-se poluidas,
minhas nuvens pesadas e escuras;
onde cantava feliz o beija-flor,
hoje choram tristes os seus filhos.

São Paulo/SP

-12-
O livro noutro livro se refaz
Pablo Silveira

O livro noutro livro se refaz
como numa livraria de verão,
em que o mundo lê através
de uma veneziana a estrela
que nasce em meio às pedras
do riacho em festa.

A leitura comove, na verdade,
não pelos sonhos dessangrados
da memória, mas pelo que pode
ser alcançado como luz,
que se reflete em um azulejo
azul, muito azul... comparável
ao oceano d´alma .

O livro não é uma simples teoria,
que foge pelo ralo do discurso,
mas a vida que ganha a palavra
adornada pelo fio de um louro ramo,
que se entranha no bosque das releituras.

Ao leitor resta o livro,
assim como para o café
restam três colheres de açúcar,
já que o adocicado prazer
pelo fértil se dá em terras
lavradas por digitais
sentidos de sóis vindouros...

Bagé/RS

-13-
Alerta
Sílvia Benedetti


É previsto a cada dia,
Problema de gravidade,
Que "matará" elegria,
Quer no campo ou na cidade.

Quem avisa é bom amigo,
Há muito isso se diz.
Com você e até comigo,
O futuro nos prediz

Haverá falta de água!
Urgente é economizar.
Haverá sede, de água,
Vamos racionalizar!

Cuidado com desperdício,
Torneiras com vazamento,
Usuário! como é difícil
Eis que chega o bom momento

De tomarem providências,
Encontrarem soluções,
Que atenuem carências
E grandes complicações...

Em toda a TERRA o alerta!
A ÁGUA ESTÁ SE ACABANDO
E, cada torneira aberta,
É a sede, que vem chegando!

Preservar a natureza,
Evitar a poluição,
Poupar água,que beleza!
Faz parte da solução!

Porto Alegre/RS

-14-
Livro Vida
Marina Martinez

O importante de um livro
é que ele contém muita vida.
E cada vida pode ser um livro, creio.
Meu prefácio foi embebido em pranto.
acalmado por minha mãe, no seio.
Cresci, folheei e preenchi páginas diversas,
percebi dores, riso, acalanto,
desvendei mistérios, vi sombras e cores,
ri, chorei, decifrei conversas.
Tantas histórias percorri, com a alma pura,
em livros escritos a várias mãos,
onde todos veem diferente a cada leitura.
Biografia que restará comigo,
meu livro é experiência que não acaba.
E quando a vida terminar
será guardado em algum armário antigo.

Porto Alegre/RS

-15-
TERRA, o planeta
Marina Martinez

“A Terra fala para aqueles que a ocupam.”

Esta frase faz parte de um texto que recebi. Poucas coisas mais podem ser citadas sobre o tema que já não tenham sido ditas. Todos os campos do conhecimento humano já explanaram (e continuam a manifestar) suas teses, opiniões, teorias. Coloquei o título Terra, o planeta por ser aquele em que vivo, portanto, para mim, é O planeta e não apenas mais um no trânsito celeste. Acredito que ela fale para aqueles que a ocupam. Como em tudo, há extremistas e acomodados, violentos e impotentes, estudiosos e indiferentes. Como em quase todos os diálogos, aquele que ouve, muitas vezes, não presta atenção na mensagem (ou se faz de desentendido) e, portanto, a informação se dilui, da mesma forma como se dissolvem os solos, crescem os mares, vulcões se inflamam, geleiras se derretem. Acredito que há mensagens espalhadas no mundo inteiro, que a Terra realmente “fala” para e com aqueles que a ocupam. Ao perceber que não é entendida, demonstra, com exemplos (quase sempre trágicos) o recado que está mandando há muito tempo. Felizmente, dentre tantos prejuízos e perdas, é na terra, mesmo hostilizada, que ainda brotam alimentos e flores. A sua maneira, embora amargurada, ainda tenta dialogar.

Porto Alegre/RS

-16-
O Planeta Terra
Fernando Alberto Salinas Couto

Fim de uma noite de amor,
levanto, corro e abro a janela
para agradecer ao Nosso Senhor
e, mesmo com suave neblina,
me deslumbra uma estrela
que despede-se da madrugada.
Espetáculo que me fascina,
revelando infinito esplendor
de um planeta que nos dá vida.

Nos sustenta com o alimento,
enquanto sua água nos purifica
e dos animais ganhamos carinho.
Planeta que, neste infinito,
em um abençoado momento
e numa inspiração mágica
Deus nos deu como ninho.

Qual pássaros, com sabedoria,
preservando a sua morada,
já passamos do dia e hora
de superarmos toda covardia
e defender esta terra amada...
O momento exato é agora,
de nos unirmos, com dignidade,
salvar a Terra para prosperidade.

São Paulo/SP, 30/04/11

-17-
Dia Mundial do Livro
Fernando Alberto Salinas Couto

Ele sempre nos leva a viajar,
imaginariamente, pelo mundo,
aumentando nosso conhecer
e até nosso modo de falar,
dando-nos um saber profundo
que com ele só pode crescer.
Ele é o amigo mais fiel

que nos aconselha calado,
guardando nossos segredos
e perpetuando, no papel,
todo infinito saber acumulado,
sobre qualquer tema ou enredo.

Ele é o livro, nosso amigo,
seja digitado ou tradicional...
Sem medo de errar, eu digo
que nunca haverá amigo igual.

São Paulo/SP, 30/04/11

-18-
Planeta Água...
Marco A.Amado

De mares azuis
De matas multicoloridas
Animais exuberantes
Rios plácidos
Planeta Terra ou Planeta Água
Beleza que contagia
Aos olhos e corações
Vejo-te hoje
Maltratado, surrupiado
Esquecida natureza
Dolorosamente magoada
Essa que não se defende
Contra a cobiça
O roubo
O abuso que
Impusemos a ela
É fácil sentir sua tristeza
Transformadas em desolações
São tsunamis, tremores de terra
Vulcânicas erupções
Ar, rios e mares poluídos
Mas, apesar de nossa intervenção
E de suas autodefesas
Mantém com certeza
Ainda muita beleza
Que temos o dever
De preservar
E respeitar

Ilha do Governador/RJ, Ocram 28/04/11

-19-
Transforme, Escreva...
Marco A.Amado

Sinta, analise
Conscientize-se
Traduza a inspiração
Que chega às asas do vento
Crie, mescle as palavras
Transforme, escreva
Não tenha medo
É sua nova criação
Será única
Mas não será mais sua
Pois o papel
A roubou de ti
Agora pertence ao mundo
Onde outros olhos
Irão ler
Sentir
E até se inspirar
Mas fique feliz
Pois a finalidade
De sua criação
Algo que lhe chegou gratuitamente pelo vento
Foi alcançada
Acariciar e enternecer
Através das palavras
Não apenas seu coração
Mas outros
Que hoje delirão de emoção.

Ilha do Governador/RJ, Ocram 28/04/11

-20-
Planeta Terra
Sônia Rêgo

Nossa Terra que pisamos.
Esse ar que respiramos.
O alimento diário.
O agasalho aconchegante...

E nesse mundo benfazejo,
terra de sertanejo, de urbano,
metropolitano, suburbano..
Esse que habitamos e amamos.

Nos perdoa planeta Terra,
pela água que desperdiçamos,
pelo ar que poluímos,
pelos rios que sujamos...

nossos mares sujos
e as nossas mãos também
Terra querida, que nos dá vida
e nos leva daqui para o além.

São Paulo/SP, 01/05/11

-21-
Dia Mundial do Livro
Sônia Rêgo

Meu livro, grande companheiro,
nos momentos em que viajo
em suas páginas fagueiras
vou nos arredores do mundo.
Meus sonhos fecundos
resolvo realizar.

Vamos juntos, folha por folha,
voar nas asas do tempo,
nos espaços que invento
para podermos campear,
seja em qualquer lugar.

Livro de cabeceira, de bolso,
de escola, de poemas, de ouro...
Meu tesouro, que guardo na memória
lendo sua história,
faça a minha trajetória.

São Paulo/SP, 01/05/11

-22-
Direitos Autorais
Sônia Rêgo

Direito autoral não tem rima,
mas todo escritor estima
que seus direitos autorais
sejam reconhecidos.

Mas hoje é muito esquecido
esse propósito conquistado,
para nosso deleite oferecido...

É tão bom ser autor,
melhor ainda compor,
sem nunca esquecer dois detalhes:
a humildade, gratificante
e a inspiração doada, vem de onde?

São Paulo/SP, 02/05/11

-23-
O Autor
José Antônio Gama de Souza-Balzac

É um semeador de árvores
Um distribuidor de sorrisos
Um espiador de espelhos alheios
Um escritor de versos concisos

É um ajuntador de letras
Um construtor de livros
Um brincador com as palavras
Um catador de jóias e lixos

É um perdedor de direitos
Um pacificador de conflitos
Um sonhador de esperanças
Um ouvidor de sussurros e gritos

Mas o autor é antes de tudo
Um sacerdote, cujo altar é o Livro
Onde oferece seus sacrifícios
E expõe sua alma fervorosa e livre!

Leopoldina/MG, 20 de janeiro de 2007.

-24-
Ah, Natureza!
Joyce L. Krischke

Ah, Natureza! És tão bonita!
Tudo que abrigas me encanta
De Deus és beleza infinita
Tens perfume, teu cantar me acalanta...

Pintas mil cores em nosso jardim
Chuva na terra perpassa olor
Nas flores vejo a mão de Deus em mim
Que nelas mostra o Seu amor!

Também, junto à água, sinto-me feliz!
Sol... Lua... Estrelas bordadas no céu
Refletem o mundo que sempre quis...

Até os animais nossos maninhos
Participam da orquestra ao léu...
Juntam-se ao coral dos passarinhos!

Balneário Camboriú/SC, 29/04/2011- 17h50mim

-25-
Belezas do Planeta Terra I
José Augusto Silvério

Clique na imagem para ampliar.

Santa Rita do Passa Quatro/SP

-26-
Belezas do Planeta Terra II
José Augusto Silvério

clique na imagem para ampliar.

Santa Rita do Passa Quatro/SP

-27-
Meu Caminho de Paz.
José Augusto Silvério Zito

Levo a vida com alegria.
Carrego no peito muita euforia.
Tenho o prazer de viver,
Isto é o meu sol do dia a dia.

Não uso o espaço da minha vida,
Para guardar dores e tristezas.
Assim vou passando meu tempo,
Curto a vida com muita sutileza.

Não carrego nada de ódio.
Pois ele é muito pesado.
Não vou pro caminho do mal,
Sigo sempre pro outro lado.

Amigos, vou angariando onde passo.
Com honestidade vou a vida levando
Os meus princípios fiéis, trago de berço.
Assim meu terço de glorias vou desfiando.

Meu cartão de visita é um sorriso,
Que as vezes vale mais do que o real,
Do que o dólar, do que a libra ou o ouro.
Da pra viver de maneira mais legal?

Sou da felicidade o peregrino.
Vejo no caminho as portas se abrindo,
E as crianças num sorriso lindo gritando.
Olhem!!! O irmão de Jesus vem vindo.

Santa Rita do Passa QUatro/SP

-28-
Terra
Odilon Machado de Lourenço

Caríssima Terra - quero dizer-lhe que te amo
Quero mostrar-lhe que toda minha carne vem do teu ventre
Que toda minha arte e as varreduras provocadas por mim veem de ti
Que por tua causa as rosas vêm serenadas beijar minha boca
Por tua causa eu largo sementes no teu dorso
Colho tudo que oferece-mes do teu seio de mulher que ama a todos
E rego meu jardim e faço nascer contigo todo o amor
E caminho feliz em tua orbe de quase insuportável beleza
Rolo em tuas areias e avanço ao mar entranhado em teu cerne
E corro, navego, suspiro, me ponho sublime em teu corpo.

Florianópolis/SC

-29-
Livro
Odilon Machado de Lourenço

Pergaminho rasurado de tinta folheado em minhas mãos sou teu habitante
Pássaro falante das línguas voo contigo pelo tempo envelado em tuas asas
Garimpo em tuas esquinas coroadas de verbos
Semeio em tua voz...
Pedra entalhada de imagens sou teu operário
Teus labirintos, teus enganos, tuas belezas impossíveis
As folhas passando a urrar liberdade
Argila cunhada de rúnicas mensagens sou tua lira
A carta desse rei sem reinado, sem posses, sem bibliotecas, sem papel de padaria
Livro sem dono queimado na praça teu censor está morto
A palavra revidará cada chama, nenhuma cultura pode morrer em tuas páginas.

Florianópolis/SC

-30-
Ladrões de Sentimentos
Akasha De Lioncourt

Meus versos vem da alma,
Nos meus dedos criam forma.
Ao final da composição,
Escorrem, livres, para o papel.
São filhos das emoções,
Retém muitos sentimentos.
Não roubem de forma alguma,
Meus pequenos pensamentos.
Equivale a um sequestro,
Um crime de grande monta.
Não pelo valor da obra,
Mas pela dor da usurpação.
Por isso, defendo os direitos
De quem vive para compor.
Seja em verso, seja em prosa...
Rima rica ou rima solta.
Não se usurpa as emoções,
De quem expõe seu coração.

São Paulo/SP

-31-
Dia mundial do livro e do direito autoral
Rosana Carneiro

Colocar no papel, os sentimentos que percebo que está pairando ao meu lado, sem me dar conta que eles existem e tem o poder de me fazer sentir quando escrevo, como se eu fosse um médium, esperando o espírito penetrar em meu ser, colocando pra fora o que há de mais sublime dentro da alma do ser humano: os sentimentos.
Isto é poetar! Isto é fazer poesia...Isto é escrever.
Sem o autor não haveria a escrita, não haveria o livro, não haveria a inovação.
É através dos escritos que deixamos a nossa alma exposta e é exatamente por causa disso que devemos sempre nos lembrar que atrás de frases e livros, há quem as juntou e escreveu.
Sem os devidos créditos não poderíamos aplaudir e relembrar o dono de tantas realidades e imaginações que nos são agraciados a todos os momentos que os olhos percorrem as sílabas que compõem cada palavra única que cada alma expõe através da escrita.
Todo ser humano pode escrever, mas muitos conseguem transmitir através da escrita aquilo que corre dentro das veias do seu corpo.
Não é justo esquecer que cada ser é único e que NINGUÉM é substituível.

São Paulo/SP

-32-
Educação...
Flávio Martinez Guebara

A educação é a mola propulsora para uma sociedade civilizada. Sem educação nada prospera na honra e na dignidade do cidadão. Direitos e deveres são cumpridos, somente, por cidadãos educados e comprometidos com a ordem e o bem estar de todos. Educar-se é usar do bom censo e da consciência no amor e na paz!
Sejamos educados e cappaz (es) de provar nossos ideais como cappaz(es) que somos!

Diadema/SP

-33-
Lamento de uma flor.
Alzira Souza (Mendi)

Sou flor singela de rara beleza
Mas sou frágil e sensível ao raio do sol
Tenho vida, mas sou criatura indefesa.
Um ser insensível veio talhando arvores
Destruindo tirando o meu direito de viver
Sinto que estou a fenecer em cada arrebol.

Eu que vivia ditosa e alinhada
Meu perfume em cada manha exalava
Quando numa mesa eu era adornada
Em um ramalhete os amantes eu aproximava
Nas mãos do poeta eu fui à inspiração
Dos músicos fui às letras e a eterna canção.

Estou sentindo enfraquecida
O sol escaldante a me molestar
Nem lágrima da chuva, nem chão orvalhado.
Minhas folhas estão secando e caindo
Minhas pétalas estão se diluindo
E com esse aniquilamento vejo minha morte chegar.

E nesse lamento sentindo abordar seu fim
Para mãe natureza fez seu ultimo pedido
Nos derradeiros suspiros foi logo dizendo assim.
Querida mãe minhas forças se esgotaram
Não adiantou implorar por ostentação
Mas minhas sementes na terra ficaram
Para dar continuidade a minha criação.

Querendo dividir todo seu sentimento
A mãe natureza todas as arvores chamou
Gotas de água jorraram naquele momento
Eram lágrimas, pois toda a árvore nessa hora chorou.
Molhando a terra dando vida aquelas sementinhas
Pois quem ama chora, e quem não chora nunca amou.

“Tudo que nasce cresce e morre tem vida própria”.
“Então não destrua a natureza, não roube uma vida”.

Criciúma/SC

-34-
L I V R O S ...
Sílvia Benedetti

Livros: estórias...
Sonhos, sentimentos!
Maratonas da vivências,
Clamor, emoções,
Anseios,dependências.

Vidas neles contidas,
Livros tantos, extensos,
Tesouros de experiências,
Lutas, sagas, tradições,
Sentenças, clemências.

Nos livros, a história
Legado perpetuado,
Herança das façanhas
Que atravessam o tempo,
Silentes, falando aos corações.

Porto Alegre/RS

-35-
O Gato e o Planeta
Tânia Maria de Souza

Clique na imagem para ampliar.

Técnica mista sobre eucatex.
Medidas: 1,00x0,70m.

Balneário Camboriú/SC

-36-
Um livro...
Fátima Peixoto

Um livro é um filho gerado com carinho que esperamos à hora de nascer, cada palavra, cada verso, cada página preenchida, vai doando nossos sentimentos, momentos felizes, momentos tristes, momentos de sonhos, momentos de desejos, momentos de inquietudes... Passa a ser nosso espelho, nas entrelinhas um pouco da nossa alma.

O livro para cada leitor terá uma interpretação única, muitas vezes até fugindo da pretensão do autor, a leitura nos dá essa oportunidade de sermos únicos nos pensamentos, na imaginação, na criação, uma viagem interior belíssima.

Cabedelo/PB

-37-
Primeiros passos
Paulo Rodrigues

“Primeiros Passos” é o sonho de um poeta se incendiando.
É sua vida exposta em paginas abertas,
seus sentimentos,
suas emoções
sendo doadas placidamente nas livrarias.

Seu censo critico sendo ironizado nas mesas de bares
por comedores de capim.
Seu amor fora de moda incompreendido
por quem se diz “modernosamente” moderno.

“Primeiros Passos” é a cruz e a cora de espinho
que todo poeta teima carregar antes do fim.

“Primeiros Passos” é razão de viver do poeta.
É seu inicio, meio e fim.
É sua imagem sem roupas no espelho alheio.
É seu verso louco fugindo da escuridão do anonimato
sem se importar com as pedras do caminho.

“Primeiros Passos” é a luz para os sentimentos engravetados
que sem incentivo não desabochoram.
É a lembrança voltando aos olhos alheios
É a vergonha estatelando no abismo.

“Primeiros Passos” é a tela que exibe cruamente o poeta
em seu estado febril, melancólico, desiludido,...
É a pintura da doçura e da humanidade do poeta
na solidão de seu mundo ideal.

Sorocaba/SP

-38-
Livro da Vida
Paulo Rodrigues

Páginas em branco
esperando as pinceladas do artista,
do poeta os versos,
do romancista o amor,
as belas histórias de aventuras
vividas nas asas da imaginação.

Viagens em versos,
em prosas.
Doces partidas
sem destino predestinado,
sem ponto de chegava:
uma viagem pelo reino das palavras.

A infância reinventada,
os amores desnudos,
as alegrias gravadas,
as tristezas esquecidas,
em cada folha do tempo,
tempo menino sorridente
em cada livro devorado,
no silêncio da manhã de inverno.

Sorocaba/SP

-39-
Planeta Mãe
Edécio Mergener

Planeta que flutua
Ao redor do sol, levando a lua
Que leva ha nos todos sem se cansar.

Estamos com os pés no chão
Mas você voa como um avião
E fica no espaço a rodopiar.

Você que nos cria e reproduz
Que nos da o dia e nos da ha luz
E ao redor do sol fica há dançar.

Planeta terra em forma de esfera
Como uma laranja você espera
Pelos homens há te cuidar.

Planeta que é mãe e nos cria
Que nos da ha noite e também o dia
Planeta que é nosso e vamos amar.

São José dos Pinhais/PR

-40-
Escrito com amor, direito do autor
Renata Rimet

O que rabisquei de forma tão furtiva disseram ser poesia
Estava ali, num rascunho esquecido
Na última folha do caderno envelhecido
Algumas atividades até por fazer
Mas aquele rascunho chamava todos a ler
Deixei de ser aluno relapso
Aquele que esquece a resposta e o resultado
Passei a ser o “Poeta” mais festejado
Vi meus versos copiados
Distribuídos e anunciados
Perdi o controle do que foi escrito
Deixei de ser proprietário
Sou autor e respeitado
Mas as palavras divulgadas
Tomam a dimensão do mundo
Meu nome é poeta e devo ser citado
Jamais esquecido
Enquanto versos , rimas e toda harmonia
Torna-se magia no sonho de quem lê
Nas mãos de quem copia
Na voz de quem recita
Na felicidade em cada estrofe
da eterna poesia...

Salvador/BA

-41-
Gaya...
J.J. Oliveira Gonçalves

A Terra é minha Mãe - e a respeito
E a louvo na modéstia do meu verso!
Sou apenas inquilino no Universo
Um arredio poeta - do meu jeito!

Do Ventre-Azul de Gaya eu procedo
Um Ser da Natureza – eu não esqueço!
Sou o Fim e, sendo o Fim, sou o Começo
De Outra Era eu vim – e é meu Segredo!

Ao Coração da Mãe eu volto - um dia
Ao Útero materno - e Pó serei
No abrigo de seu Seio generoso!

E o Espírito, enfim, feito em Poesia
Estrela habitará... E, então, serei
Eterno, intermitente e Luminoso!

Porto Alegre/RS, Outono/2011.

-42-
Paz na terra
Pinho Sannasc

Não sei se é demasiado o meu desejo
Não sei se é pretensão da minha parte
Eu Nem mesmo sei se sequer mereço
No entanto, eu quero aproveitar o ensejo
E humildemente levantar este estandarte

Não peço luxos e muito menos riquezas
Nem tampouco eu peço fama ou igual
O que desejo é um presente sem preço
Não há uma jóia de semelhante beleza
E assim, portanto eu peço algo especial

Eu quero a união de todas as pessoas
Quero a conservação do nosso planeta
E da natureza cujo eu tenho tal apreço
Dona dos rios, mares, riachos e lagoas
Que tanto enche de alegrias este poeta

Eu quero um mundo todo reconstruído
Sem avareza, inveja e sem ganância
Pois nunca é tarde para um recomeço
Se o mal pode e deve ser substituído
Nós não podemos perdera esperança

Por isso mesmo, é que insisto e peço
Sobretudo que se cessem as guerras
Embora eu sequer saiba se mereço
Reitero meu pedido nestes de versos
Pois o que mais quero é paz na terra

Salvador/BA

-43-
Direito Autoral
Pinho Sannasc

Os textos são livres
Livres e até Libertos
Letras de rumos incertos
Formando teores diversos
Palavras que formam versos
Versos que encantam o mundo

Quem os escreve não são seus donos
Porque o texto, ele é livre

E mesmo não tendo um dono
E sendo por si só, essencial
O texto como todo filho
Tem por ventura seus pais

Assim como um belo quadro
Pintura de um grande artista
Como a canção que se ouve
Como o invento do inventor

E por ter um pai, um criador
Um genitor intelectual
Peço carinho com a obra
Todo respeito ao autor
E ao seu direito autoral

Salvador/BA

-44-
Rap da leitura
Ana Teresinha Drumond Machado

Dizer que não há quem lê
Neste nosso Brasil varonil?
É puro pretexto.O que não falta é texto!
O que não falta é contexto!
Não seja nunca um desses ... imbecil.
Isto não é 1º de abril.

Tentam mudar a educação.
Mas isto não precisa não.
Tem gente por aí que nem tem educação
Cultiva a cultura! E é bamba na leitura.
Conhece Drummond , Lorca e Bandeira
Porque como leitor levanta sua bandeira
De pensador... de escritor

Pelo amor de Deus me ajudem!
Criançada! Coma livros
Coma livros como X-bacon
Beba livros como Coca .
Isto é ... Isto é ... Isto é ... Isto é muito bom...
... muito bom! Como bombom.
Isto é muito bom! Isto é muito bom!

... os pensamentos logo fluem
Isto é muito bom!
Seja livre...leia livros...
Leia livros ... seja livre.
Seja esta sua curtição.
Faça isso o seu condão.
Isto é muito bom!

Meninada! Garotada !
Não fique aí sem fazer nada.
Não deixe a vida te levar...
Leve a vida... leve o livro
Leve encanto a todo canto.

Neste nosso Brasil varonil?
Rimador não tem valor.
O que não falta é texto!
O que não falta é contexto!
Não seja nunca um desses ... imbecil.
Hoje é 23 de abril.

Alvinópolis/MG

-45-
O Livro...
Joyce Lima Krischke

Leiam... leiam muito- Livro faz bem!
Traz cultura e felicidade,
Em qualquer que seja a idade...

É fiel e companheiro, também
Oferece alegria... soa belo tom!
Ah, escolha sempre o que é bom!

É como alma gêmea... é irmão

Que trazemos em nosso coração!

Balneário Camboriú/SC, 29/04/2011= 02h0min

 

 

 

SELO DE PARTICIPAÇÃO

Pegue seu selo de participação na 30ª Ciranda Mensal CAPPAZ, clicando com o botão direito do mouse sobre a imagem e em salvar destino como.

 

 








|| Página Inicial | Voltar | Livro de Visitas ||

 

Arte e Formatação Rosângela Coelho
Exclusivo para CAPPAZ - Confraria Artistas e Poetas pela Paz
Fundo musical: Letra e música do Confrade Leonardo André
título: Sonho de criança