-Colocar no HEAD---------------

Utilize esse comando para parar
a música de fundo e os respectivos
comandos para ouvir as demais
músicas.





 

INTRODUÇÃO
"O Bicho-Homem: Feitor da Vida?"

Dia 05 de junho é comemorado o dia internacional do meio ambiente. Quando era criança e estava na escola lembro que essa era uma data trabalhada pelas professoras, data na qual lembrávamos o zelo pela natureza e fazíamos cartazes exaltando a “preservação” da natureza. O tempo passou, cresci, entrei para a faculdade de biologia e comecei a questionar se tínhamos realmente algo a comemorar nesta data... Hoje, bióloga, mestre em ecologia e professora de ciências, trago a triste certeza de que não temos nada a comemorar. Vejo o governo aprovando um Código Florestal que legaliza de vez a devastação do muito pouco verde que ainda nos resta, vejo o IBAMA liberando a construção de uma usina que irá trazer perdas irreparáveis para a flora, a fauna e o “bicho-homem”, vejo cada vez menos árvores na cidade onde moro, vejo professoras tratarem com desprezo os animais abandonados e o sofrimento daqueles que morrem para serem servidos em suas mesas... Em meio a esse caos tento, todos os dias, mostrar aos meus alunos o que é de fato ser “humano”. É um árduo trabalho de formiguinha tentar sensibilizar alguém que está crescendo em um mundo como o nosso, onde desde muito pequenininho se aprende a “atirar o pau no gato” e que “mais vale um pássaro na mão do que dois voando”. Ainda hoje fui questionada por um aluno sobre o meu vegetarianismo: “A senhora deveria comer peixe, pois peixe não tem alma, está na Bíblia.”, respondi que há alguns anos para encobrir a ignorância e a conveniência da escravidão também se dizia que os negros não tinham alma; o aluno deu um sorriso amarelo e ficou pensativo. Dia 05 de junho ficarei de luto, pela natureza, por mim, por meus alunos e por todas as crianças condenadas a um futuro ao estilo Niemeyer, com muito concreto e poucas árvores... Imagino que num futuro, não muito distante, essa será apenas mais uma data em nosso calendário e que o ser “humano” terá apenas uma lembrança muito remota de seu real significado.

Candice Salerno Gonçalves
Consultora para Assuntos do Meio Ambiente
CAPPAZ/RS

 





PARTICIPANTES

01- Candice Salerno Gonçalves (Introdução)
02- Marco A. Amado
03- Edécio Mergener
04- Humberto Rodrigues Neto (duas participações)
05- BRita BRazil (duas participações)
06- Haydée S. Hostin de Lima
07- Mariângela Repolês
08- Deomídio Neves de Macêdo Neto
09- Paola Rhoden
10- Sidney Santos
11- Sílvia Silva Benedetti (duas participações)
12- Daniel Brasil
13- Fernando Alberto Salinas Couto
14- José Antônio Gama de Souza - Balzac
15- Fátima Peixoto
16- Sônia Rêgo
17- Roberto Bordin
18- Odilon Machado de Lourenço
19- Celso Corrêa de Freitas
20- Eloísa Antunes Maciel
21- Gislaine Wächter
22- Tânia Maria de Souza
23- Vanda Ferreira
24- Judite Krischke Sebastiany
25- Diná Fernandes
26- José Augusto Silvério
27- Glória Dávila Espinoza
28- J. R. Cônsoli
29- João José Oliveira Gonçalves
30- Paulo Rodrigues
31- Carlos Reinaldo de Souza
32- Marina Martinez
33- Rosana Carneiro
34- Akasha De Lioncourt
35- Joyce Lima Krischke
36- Ana Maria Cardoso
37- Flávio Martinez Guebara
38- Ana Teresinha Drumond Machado
39- Karina Salerno Gonçalves (Encerramento)




Os textos aqui apresentados são cópias fiéis dos conteúdos enviados por e-mail, ficando essa web designer e a CAPPAZ isentas de qualquer responsabilidade pela revisão dos mesmos.

PARTICIPAÇÕES

-01-
MEIO AMBIENTE...
Marco A. Amado

 

Só falar é fácil!
O difícil é fazer
Pois se fala muito
E nada de real se faz
Preservar o meio ambiente
Não é só uma obrigação
Porque é bonitinho!
É necessidade
Em prol de nossa preservação...

Ocram 05/06/11- RJ


-02-
AMAR E TAMBÉM CUIDAR DA NATUREZA
Edécio Mergener

Ser feliz, ter amor e viver bem
Não é somente, amarmos uns aos outros
Mas também amarmos a natureza

As arvores precisam respirar o ar puro
Afinal nos também precisamos do oxigênio para respirar
Se não cuidarmos da natureza
A vida corre sério risco

Temos que cuidar dos nossos rios
De nossas matas, que são partes de nossos pulmões
Cuidar dos nossos pássaros
Dos nossos animais
Das arvores
Das flores
E da água que bebemos.

Se um dia acabarmos com a natureza
Com certeza não estaremos mais aqui

Da natureza tiramos nosso alimento
Que nos sustenta
Tiramos toda a matéria
Para fabricar tudo o que precisamos

Vamos cuidar do nosso meio ambiente
Pois assim estamos cuidando de nos mesmos.


-03-
PREITO À NATUREZA
Humberto Rodrigues Neto

Ah... Natureza! Que cruel regime
te impõe o homem, perdulário e ateu!
Agride fauna e flora, alheio ao crime
de estragar o que Deus nos concedeu!

O ar, o sol, o azul que esmalta o espaço,
o homem faz réus de equívocos critérios;
enche os céus desse trágico bagaço
de pós mortais e gases deletérios!

Quando se rouba à mata a ave inocente
e polui-se a mercúrio a água dos rios,
é nessas horas que o Senhor pressente
o quanto somos maus e somos frios!

Da árvore que estala, vindo ao chão,
evola-se um lamento ao infinito,
mas não o ouve o autor da infanda ação,
pois só Deus é capaz de ouvir tal grito!

Natureza: viemos de outras plagas
pra crescer nos reencarnes sucessivos,
mas te enchemos de pústulas e chagas,
inda presos a instintos primitivos!

Falhos que somos desde os cromossomos,
de nós tirai, Senhor, machado e serra;
lembrai-nos que, afinal, nada mais somos
que meros forasteiros sobre a Terra!

-04-


DISPAREI
BRita BRazil

Será o Homem contrario à Natureza?
Ele não se adequa, não se adapta, não se integra, não se entrega.
Será que somos realmente da Terra, ou viemos do espaço para destruí-la?
Claro, aí está o elo perdido: então somos nossos próprios alienígenas.
Se para pisar neste solo temos que asfaltá-lo, afastá-lo,
por cimento no chão, tampar sua respiração, calar sua pulsação.
E isto é chamam de progresso, e até de evolução!

Por que ainda hidroelétricas, se já temos a solar?
Por que cortar as árvores, para nos colocar?
Somos menos pássaros, menos cheiros, menos verde.
Somos aço, somos ferro, somos prédios juntos, grudados
Somos conjugados, isolados, corredores, elevadores
Somos postes, somos fios de alta tensão
Somos muros, arames farpados
Somos carros, somos caros
coisas fúteis, inúteis
somos lixos,
desperdícios.
Somos a consequência de um raciocínio ilógico.
Somos a propaganda enganosa, omissão às crianças,
vendendo à elas o dano à Terra, em seus objetos de diversão.
A Economia gasta fortunas em sonhos fantásticos, vendendo ilusão.
Cadê o projeto pro mundo?
Ele é privado, comprado, corrompido, isolado, exaurido.
Os Governos trabalham para poucos.
Somos empresas, somos números de identificação
Protocolados. Sem registro, não se é cidadão. Prisão.
Somos coisas, somos datas, somos o Homem, que ainda está por vir.
Mas pra ele existir, vai depender de uma milagrosa transformação.
E de muita ação.

-05-
ÁGUAS
Haydée S. Hostin Lima

Chove escorrem as águas
chuva no meio fio
nas ruas e avenidas.
Águas empurram o lixo
aos bueiros negros
galerias coletoras dos restos da cidade.
Um turbilhão vai desaguar
corrente nos arroios suburbanos
celeiros da escória liquida
na sujeira planejada dos lixões.
E segue o caminho água que vai ao rio
engrossa o caudal dos navegantes
das imigrantes sementes precisadas de um cais.
Águas transitantes de vida
esperam navegar de purezas
batem-se nas margens
pedindo passagem
para serem destinadas ao mar.
Águas passageiras da alegria
emprestam ao mundo rude
seu transporte e sua corrente
ilusão de paz e o mundo
sempre quer mais:
água na taipa do açude
água de cantar no poço
água boa de cacimba.

O mundo te nega a cada hora
te sorve te precisa te chora
te mata te lambe tudo chão.

Água da chuva água do riacho
água da lagoa água da moringa
água de beber na mão.

-06-
Bicho hombre
Mariângela Repolês

El hombre con su sarcasmo aniquila
con el dinero elite domina
y por el pueblo la tuba declama
en cuyo Dios el amor se derrama.

Ah… se desdeñan en pedofilia
cuerpos inocentes en tiranía
seres incultos que a nadie ama
bicho hombre con alma deshumana.

Gobiernos omisos desajustados
en podredumbre desencadenados
olvidándose de sus semejantes
sobre la pobreza trillan errantes.

*.*.*

Bicho homem
Mariângela Repolês

O homem com seu sarcasmo aniquila
com o dinheiro elite domina
e pelo povo a tuba declama
em cujo Deus o amor se derrama.

Ah… se desdenham em pedofilia
corpos inocentes em tirania
seres incultos que a ninguém ama
bicho homem com alma desumana.

Governos omissos desajustados
em podridão são desencadeados
se esquecendo de seus semelhantes
sobre a pobreza trilham errantes.

-07-


OS TEMPOS SÃO OUTROS
Deomídio Macêdo

Seu minino! Seu moço!
O qui é qui tá acunteceno?
Isso que nóis tá veno hoje em dia,
diferente do passado.
Lá atrás, nóis vivia em paz.
O mundo era mió.
Inté o só era mais fri.
Chuvia poco no sertão, é bem verdade.
Mas pudia isperar.
Em oitubru a dezembru,
a chuva caía enverdeando a plantação,
engordano os animá.
Quando a chuva vinha.
As barrage transformava numa cascata abastada,
radiano nosso oiar.
Mas agora é diferente,
A chuva tá minguano.
A quentura aumentano,
intristeceno a todos nóis.
Dia, após dia,
ano, após ano,
a Barrage vai secano.
A terra isturricano.
E o home vai sofreno,
carregando sua cruz, que ele mesmo construiu.
Seu minino, seu moço, é preciso parar pra pensar um bucadim.
E cuidar do planeta,
que viaja no ispaço.
Como diz os home da ciênça.
Seu minino, se nóis não parar pra pensar um bucadim.
Essa grande bola vai continuar viajano no ispaço,
sozinha,
intristecida,
sem ninguém.
Seu moço, vamo parar pra pensar um bucadim,
ainda é tempo de sarvar essa nave ispaciá.

-08-
A vida
Paola Rhoden

Pode ser o que parece
E o que fazemos dela também.
Só o ser humano é responsável
Por tudo que acontece,
Mais ninguém.
A maneira como o planeta é tratado,
mostra o resultado,
nos acontecimentos diários.
Acontecimentos vários.
No sorrir das pessoas,
E na ave que voa.
Somos responsáveis,
Por todos os duráveis,
E perecíveis, que somos nós.
Devemos pensar, não somos sós.
Por isso e pela moral
Cabe a todos que vivem
A felicidade geral.

-09-
PRESERVA - AÇÃO
Sidney Santos

Pesquisar para esperanças
Reverter o que está errado
Ensinar nossas crianças
Ser humano de valor elevado
Envolvimento ecológico
Respeito à flora e fauna
Viver em um mundo mágico
A poesia n’alma
Risos e sonhos de calma

Santos 5/6/2011

-10-
HOMEM / ANIMAL
Sílvia Silva Benedetti

Há tanto pranto e dor por esta Terra,
Há fome, desamor, tanto tormento,
E o homem, tão cruel fazendo guerra
Alheio ante o horror do sofrimento.

Tanta miséria,tanto desalento,
Que me fazem quastionar: onde o aminal? :
Na fera irracional, qua ante o alimento,
Ataca para viver, não por mal?

Vejo assim, animal dentro do homem
Insensível, belicoso traiçoeiro,
Para cuja crueldade ainde se somem...

Ofensa à natureza, descabida
Ingratidão de modo tão grosseiro
À quem a vida... Bem viver convida.

-11-
SONHO ECOLÓGICO
Sílvia Silva Benedetti

Eu queria voar
E, lá do alto,
Sentindo a plenitude
Da liberdade,
Olhar tranquilamente
As matas verdejantes
Observando feliz,
A pujança das cidades claras,
Na Terra
Livre da poluição.

-12-
CONTRA-SENSO
Humberto Rodrigues Neto

Quem dera, oh... Deus, o ser humano fosse
mais fraternal e mais cristão, de sorte
que não herdasse o instinto de Mavorte,
contrário à vida, que é tão bela e doce!

Quanta alma pura fez de Ti o suporte,
e ao mal que nos judia contrapôs-se!
Quanta alma vil, de Ti distante, pôs-se
a criar engenhos de tortura e morte!

Estranha grei de gênios e estafermos,
num conúbio de crentes com pagãos,
eis o que é o homem nos exatos termos!

Sujeito a instintos nobres ou malsãos,
concebe a Ciência pra salvar enfermos
e inventa a Guerra pra matar os sãos!

-13-
Resposta da Natureza
Daniel Brasil

-14-
A VIDA E O HOMEM
Fernando Alberto Salinas Couto

Seria esse bicho-homem
algum feitor da vida?
Os feitores se julgavam
melhores que os escravos,
qual hoje o homem acredita
ser o melhor dos seres vivos.
Para sobrevivência do planeta,
quem se acha, da vida, feitor,
precisa de uma lição completa
para saber um pouco de amor.
Foi o mais puro amor que levou
o nosso Criador a idealizar
tudo com que Ele presenteou
esse fascinante universo
que mal podemos retratar,
escrevendo em prosa ou verso.
Acorda homem. Não és feitor
da própria vida ou da morte,
pois sequer suportas a dor
quando ela se revela forte
mostrando toda tua fraqueza
diante da nobre natureza.

SP – 07/06/11

-15-
A NATUREZA DO HOMEM
José Antônio Gama de Souza-Balzac

O homem cria um filho e o domina
Não lhe dá a atenção e nem lhe impõe limites
E o perde para o mundo
Por antes não conseguir dominar-se.
E flagela-se na autoculpa...

O homem vê outro homem e o domina
Não lhe mata a fome e nem lhe faz justiça
E o percebe contra si
Por antes não conseguir dominar-se.
E desespera-se na autopiedade...

O homem deseja uma mulher e a domina
Não lhe entende as razões e nem lhe dá amor
E a anula para a vida
Por antes não conseguir dominar-se.
E incomoda-se na auto-infelicidade...

O homem conquista a natureza e a domina
Não lhe ouve os clamores nem lhe admite sinais
E a arruína sem ciência
Por antes não conseguir dominar-se.
E suicida-se na autodestruição...

E por antes não conseguir dominar-se
Pois não aprendeu a harmonizar-se,
O homem perde-se
O homem agride-se
O homem anula-se
O homem arruína-se.

O homem, dominador e dominado
Não consegue ver o perigo...
É da natureza do homem?
É a natureza do homem?
É o homem da natureza?
É do homem a natureza?

Leopoldina, MG.

-16-


Ambição humana
Fátima Peixoto

A natureza...
Resistindo à ignorância humana,
Que destrói por ambição,
Por ganância...
Não respeita o ar que respiramos,
Não respeita fauna e flora,
Não respeita seu próprio irmão.
O ser humano,
Polui, desmata, mata,
Destrói seu próprio habitat.
A natureza clama por educação, solidariedade,
Respeito, amor...
Para que possa cumprir sua função de proteger,
Um planeta que chora.

Texto produzido para ciranda da CAPPAZ

-17-
FEITOR DA VIDA?
Sônia Rêgo

Se julgas, ó homem
que dominas a vida,
por que não a conservas
com boas medidas?

Cuide, então, da tua saúde
e dos irmãos que te rodeiam...
Cuide dos animais e florestas
que todos os dias te presenteiam.

Abra teu coração para o bem,
não querendo o mal de ninguém.
Observe teus sentimentos prementes
A inveja, grandeza, superioridade,
de certa forma, são grandes maldades,
mas fazem mais mal aos que sentem.

A vida não tem feitor,
só a Deus devemos dar bênçãos.
Nada nos é dado por acaso.
Fazemos, do nosso caminho,
o ninho no qual vamos deitar;
por isso, muito cuidado, homem,
para depois não reclamar.

SP – 08/06/11

-18-
Por causa de outros homens
Roberto Bordin

Homens, mulheres e crianças
Morrem por causa de outros homens
Pela ignorância de outros homens
Pela beligerância de outros homens
Pela arrogância de outros homens
Pelo fanatismo de outros homens
Pela falta de diálogo com outros homens
Por causa desses homens
Os homens], as mulheres e as crianças
Não amarão ninguém
Não terão um filho
Não plantarão uma árvore
Não escreverão um livro
E os outros homens
Continuarão a matar
Mais homens,
Mais mulheres
Mais crianças
Que morrem
Por causas que eles não entendem
Por motivos que ignoram
Pela futilidade do próprio Homem!

-19-
Queimada
BRita BRazil

-20-
Aquele que sabe que sabe
Odilon Machado de Lourenço

Para Karen Pires.

Vem do fundo dos séculos a imagem encavernada
São ancestrais mastigando o que as mãos encontraram em veredas
Vem no sílex empedrado o sangue da caça pintada em memórias rupestres
Habitando silêncios vem o índex perdido nos ventos do tempo
Há raios guardados em brasas sob cinzas quentes
Paus de guerra...
Há coisas colhidas nos caminhos
Pontas de ossos de caça e de guerra
Metais derretendo nas longas fogueiras crepitando quimeras
Falares antigos nas bocas anciãs
Coisas do pão e da guerra
Do povo emigrando...
Ora era o fogo, ora era o trigo, ora era o ouro, ora era nada
Ora era o campo, ora a pirâmide, ora a igreja, ora era a fábrica
Ora era livre, ora era louco, ora era preso, ora era a farda
Ora na árvore, ora no solo, ora no mar, ora no muro
Ora eram flechas, ora castelos, ora navios, ora aviões
Ora era o soco, ora era a clava, ora o cavalo, ora uma bomba
Ora a memória, ora não lembro, ora os avós, ora era o pai
Ora a palavra, ora uma sombra, ora não sei, ora o que há.

-21-
5 DE JUNHO-DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE E DA ECOLOGIA
Celso Corrêa de Freitas

Lá fora, vozes clamando no deserto pregam que precisamos cuidar do nosso Planeta Terra. Alguns apegados a religião buscam no Rei Davi e o seu salmo 37:29 a razão para não temerem:
“...Os justos possuirão a terra e residirão sobre ela para sempre.”
Com certeza Davi, ao compor tão belo cantito, não tinha a dimensão da capacidade destrutiva do ser humano nos dias de hoje.
Onde está o nosso compromisso com a nossa casa universal, a primeira e única morada pois dela viemos e a ela voltaremos.
Estamos todos os dias agredindo-a e depredando-a, sob o rótulo de conquistadores, desbravadores e construtores do progresso.
Viva o progresso, mas viva ainda mais aquele que cuida dos ecossistemas, cuida das águas, do solo, do ar, do mar e da totalidade da grande nave mãe denominada planeta terra.
Alguém além de alguns poucos já ouviram falar na Carta da Terra?
Um dos documentos mais importantes assinado pelos governantes humanos ao final do século XX.
Por acaso ela está afixada nas Escolas, nas igrejas e Templos, Nas repartições ao lado da foto dos senhores Prefeitos, Governadores e Presidentes?
Precisamos nos decidir, ou cuidamos da nossa casa ou ela vai cair. A chapa...quero dizer, o telhado está ficando cada vez mais quente. E as geleiras derretendo em níveis assustadores.Tal situação afeta até, embora passe despercebida a relação, as nossas relações sociais. Isso explica a nossa convivência tão diferente, injusta e destrutiva”.
Precisamos gritar...como diria Roberto...Um erro não concerta o outro...
Precisamos promover uma ação para proporcionar uma reação...Acabar com o desmatamento, por fim a poluição dos mares e dos rios. Preservar a água. Terminar com a poluição sonora e visual. Extinguir os agrotóxicos. Não jogar lixo nas ruas, calçadas e praças. Acabar com as drogas, parar de fumar e de beber. Abominar a promiscuidade. Transar com segurança e amor. Primeiro para não virar transmissor de doenças sexualmente transmissíveis, segundo para não gerar filhos por gerar. Banir as pichações em muros e prédios. Transformar pedintes em cidadãos. Deixar as aves livres no seu habita natural. Não pescar predatoriamente. Reurbanizar favelas e não permitir mais construções irregulares.
Humanos conscientes, Deus contente e a terra seguindo em frente para todo o sempre!

-22-
NAQUELA PRAÇA
ELOISA ANTUNES MACIEL

Naquela praça em que eu sentava, outrora,
Havia muitas flores coloridas...
E quando declinava a luz da aurora,
Os pássaros cantavam despedidas...

Naquela praça havia o alarido
Da passaredo e da garotada...
Se não havia a placa “Proibido”,
Aquela praça era preservada...

Mas o que é da mesma praça, agora?...
Não há mais alegria à luz do Sol...
E o passaredo, triste, foi embora,
Não há mais “sinfonias de arrebol”...

Não sei decerto que determinantes
Ocasionaram tal degradação...
Apenas me consolo, por instantes:
A praça clamará por redenção...

-23-
Somos assim?
Gislaine Wächter

Bicho é bicho
Não raciocina,
Mas defende
Impõe
Protege

Homem é homem
Raciocina?
Defende?
Impõe?
Protege?

Bicho homem é mais bicho e é homem
Porque raciocina
Porque se adapta
E assim defende
E asim impõe
E assim ataca

Homem bicho é mais homem e é bicho
Porque não raciocina
Porque é ganancioso
Porque é egoísta
Porque assusta
E assim ataca
Assim impõe
Assim destrói

E onde estou?
Aqui... às vezes meio bicho
Outras meio homem
Mas de alguma forma
Tentando ajudar nosso planeta...

-24-
Tânia Maria de Souza

Clique na imagem para ampliar. 

TÍTULO: PARQUE ECOLÓGICO RAIMUNDO MALTA - BALNEÁRIO CAMBORIÚ/SC
TÉCNICA: ACRÍLICA SOBRE TELA

-25-
CONGO, sintomatização e estratégias para a paz
Vanda Ferreira

Bichos são semelhantes enquanto dentre de suas espécies, de seus habitats. Por exemplo, se formos estudar o macaco-prego, assunto fartamente debatido e que encontra-se, já, muito bem estudado, teremos o mapeamento da cultura deste bicho, quanto a todos os aspectos de sua existencialidade. Os costumes, a alimentação, a procriação, a diversão, os medos, o significado de existência. Igualmente teremos imediatamente informações que definem exatamente outro ser animal, seja vertebrado, invertebrado, mamífero, silvestre ou doméstico.

Já com relação ao ser humano, dificilmente teríamos, de imediato, uma planilha, ou um mapeamento quanto aos aspectos sociais, ideológicos, culturais, e outros, do homem.

Encontraríamos grupos miseráveis, pobres, remediados, ricos, milionários, bilionários e xis-lionários, no tocante ao dinheiro.

Encontraríamos grupos de homens crentes, ateus, ritualísticos, romeiros, vagantes.

Homens vegetarianos, carnívoros e homens que não se alimentam de nenhum ser vivo ou produto animal, classificados e nominados de veganos.

Ainda posso citar o gigante leque exibindo a sociedade humana em diversas classes compostas numa escala de zero a dez, no fator ignorância. Neste leque veremos a classificação de homens sábios e homens letrados, muitas vezes separados os letrados dos sábios, e homens sábios e analfabetos, muitas vezes integrados em um mesmo grupo.

Na classe humana há gritantes e expressivas diferenças, enquanto há uma definida, densa e significante propriedade de consideração determinando que a humanidade seja feita de semelhantes, é claramente visível a distinta ifinidade de classes de seres humanos. É mesmo muito complexo o bicho homem. Cada vez mais estou convencida de que o ser humano está em experimento, e este experimento se desenvolve lentamente rumo a excelência. No entanto, flagro-me por muitas vezes remoendo medos com relação ao sucesso e sobrevivência da humanidade.

Trecho de meu livro inédito
"CONGO, sintomatização e estratégias para a paz"/ prosa/filosofia
(ainda em elaboração/finalização).

-26-
Por um motivo ou por outro
Judite K. Sebastiany

Como já dizia o nosso amigo poeta
bem CAPPAZ de se expressar:
cada um faz a cama em que vai deitar!

Se você não quiser cuidar do planeta,
do sol, da água, terra, planta e animais
por ser bem humano e generoso;

Pelo menos cuida dela ao pensar
que um dia vai precisar de um pequeno lugar:
terra, céu ou mar, pro seu corpo repousar.

.... para sempre!

Pensa que quando fores, outros ficarão.
Ficarão com o quê? Onde estarão?
Num jardim ou na desolação?

-27-
A Terra está no Limite
Diná Fernandes

clique na imagem para ampliar.

-28-
NÃO HÁ EU.
José Augusto Silvério

clique na imagem para ampliar.

Não há o vesso,
Sem o avesso.
Não há morada,
Sem o endereço.
Não há o fim,
Sem o começo.

Lugar do rio
É no leito.
O lugar do pulmão
É no peito.
Contrario de torto,
É o direito.

Não há o tarde
Sem o cedo,
Não há a coragem
Sem o medo.
No fim da mão
Esta o dedo.

Não há o engano
Sem a certeza.
Não há o rio
Sem a correnteza.
Não há o bruto
Sem a sutiliza.
Não há o churrasco
Sem a cerveja.

Não há a fé.
Se não se crê.
Não há o livro
Se não se lê.
Não há eu
Sem você.

-29-
Fuego del cadalso a ojos vacuos de amburana cearensis
Gloria Davila- Perú

Soy...
moud,
muud,
hammaca...
hammmaccccccccca
amburana cearensis
hija y madre,
padre y abuelo
de
loros machacos
pumas,
águilas,
jaguares
y caimanes
deslizándose dócilmente
en anatomías de cuerpos
tupidos de pigmento en arco iris
de aire puro
en simbiosis.
Soy fuego
y sombra
si tú lo quieres
hamaca,
cruz,
cadalso
o
portal de luz
bebida de
calma
de guerra
y látigo de
fuego
hielo
tibio
y candente.
Soy...
esencia
de tu vida
de tu muerte,
de tus ojos
que hoy son
gruesas
gotas de rios
en raudas caidas
de plata
o diamantes ocultos
en tupidas selvas vírgenes,
y tu vienes mezquino
y resumes
mi cuerpo
a páginas antiguas
de alcobas
de alhelí
orquideas
o
nauseabundas
repleto de alcoholes
en tanto
oigo el canto
de mis tristes aves
que a mi puerto arriban
dibujando sonrisas
hecho sólo ecos
que a tu razón
le son
nada o poco,
indiferentes.
Soy la Madre Diosa del Mundo,
soy...
esfinge elemental
ritual de imágenes
Iaooooo, iaaaaaoooooo…
alma primordial,
soy del viento la cumbre
y de la mar sus profundas aguas.
Hoy...
te miro desde aquí,
de mi elaborada sabia
en sumun de raíces
fundidas de tierras profundas
entre ronsocos,
jabalíes,
shapajas
setas rojas
añujes,
manatíes
que en danza triunfal
pipean
el humo del toe
pero,
eso soy si lo quieres
y
acaso no
tus manos
tus garras
o pezuñas
tu cuerpo
y mente
tu magma
y etérica esencia
pero...
no olvides
que mientras
en tu altar
Sueñas
espejos mágicos
no habrá máñanas.
Soy tu esencia
tu alimento
tu pútrido vientre
o tu límpido fin
hecho sonajas,
tu génesis,
el alfa y omega
Soy…
soy eso
y mucho más
un árbol (sombra)
hecho cenizas
de perdidas semillas
que arrastran cadenas
desde ayer
hoy y siempre.
¡Eso soy…, si tu lo quieres, sólo sombras y muerte!

-30-
Natureza Só
J.R.Cônsoli

Veja esses campos de amarelas flores.
que o sol afaga e a água fria beija,
que tem por teto o céu e suas cores,
e por assoalho a terra benfazeja.

Veja o mar , suas ondas debruçantes,
que se arrebentam em pedras colossais,
como se monstros fossem... espumantes,
lançando à terra formas espectrais.

Veja também, do homem, a mão profana,
que a natureza humilha e desampara,
fazendo da virtude coisa rara.

Veja seu coração feito de pedra,
onde mora a arrogância e o ódio medra,
que tudo quer pra si, que a tudo afana.

-31-
Mulher e Mãe!
J.J. Oliveira Gonçalves

A natureza é uma mulher cheirosa
Um poema concreto... Alquimia!
Em cada verso seu é generosa
Em cada rima a noite tece e o dia!

Bela mulher - amante e carinhosa
Também é Mãe e nutre cada cria!
Magoado o Ventre - chora silenciosa
E o bicho-homem ri de sua Agonia!

Sucumbirá ao Caos - infelizmente
Este Planeta-Azul que Deus nos deu
Pois ambicioso o homem se perdeu

E Ser da Natureza não é mais!
É o mais cruel, ah, sim, dos animais:
Um misto de Infeliz, Feitor - Demente!

Porto Alegre, 18 de junho/2011. 12h21min
jjotapoeta@yahoo.com.br - jjotapoesia@gmail.com
http://transmutacoes.zip.net  - www.cappaz.com.br

-32-
Acredito no Amor - Tenho esperança nos homens!
Paulo Rodrigues

Eu poderia perder meu doce canto
maldizendo o bicho-homem
e seus assassinados em busca do progresso.

Eu poderia encher meu peito de tristeza
chorando a dor da Mãe Natureza
com seus filhos rios sedentos de humanidade,
com suas filhas flora desfloridas no ventre materno
e sua flauna enjaulada sem piedade
na festa do pão e do circo.

Eu poderia amofinar em desatino,
padecer nos desastres desnaturais,
nas guerras sem motivo em busca do poder,
na miséria consumindo o futuro da nação.

Mas eu recuso perder minha doçura!

Eu acredito no Amor
e tenho esperança nos homens.

Eu canto o Amor e a Paz aos corações famintos.

Só o Amor será capaz de sanar
as dores,
a tristeza
e acalmar as tempestades
que impede o belo nascer do sol na nossa vida!

Sorocaba - SP

-33-
O BICHO-HOMEM: FEITOR DA VIDA ?
Carlos Reinaldo de Souza

O HOMEM SE JULGA O FEITOR DA VIDA,
COMPARA-SE AO CRIADOR DO UNIVERSO,
NÃO VÊ A NATUREZA COMBALIDA,
CLAMANDO POR SOCORRO ANTE O PERVERSO.

SENTINDO-SE O SENHOR DA NATUREZA,
IMPÕE SUA VONTADE AOS VEGETAIS,
QUE NÃO PODEM REAGIR, SEM DEFESA,
E SE CURVAM ANTE SERRAS MORTAIS.

É SEU DESEJO CONQUISTAR A TERRA,
ARROGANTE, SEM DÓ NEM PIEDADE
E NO CORAÇÃO A MALDADE ENCERRA.

QUEIMA FLORESTAS, COM ATROCIDADE,
E MATA OS ANIMAIS, EM CRUEL GUERRA,
TUDO NA MAIS PERFEITA IMPUNIDADE !

-34-
Bicho-homem: feitor da vida?
Marina Martinez

Feitor é aquele que faz.
Respondendo à pergunta,
creio que bicho-homem é feitor.
Ele faz e desfaz todo dia,
quebra e depois junta.
Bicho-homem ou homem-bicho?
Culpado por ser quem é?
Sempre criticado como se fosse lixo,
na verdade me parece um perdedor.
Perdeu muito da sua natureza,
quem sabe se para sobreviver,
quem sabe para criar novos caminhos.
Não me sinto capacitada para julgá-lo,
seja homem-bicho ou bicho-homem.
Qualquer um dos dois é uma pessoa
que jaz, na vida, em seus torvelinhos.

-35-
TUDO ERA PERFEITO
ROSANA CARNEIRO

Tudo era perfeito
Cheio de estrelas e a lua
Borboletas nas flores
Até passarinhos na rua

Quando a noite chegava
Os pardais iam para os ninhos
Suas casinhas nas árvores
Onde trocavam carinhos

A água era limpinha
A gente podia até nadar
Tinha peixe, marreco e pato
Para nos alimentar

O sonho corre pela lembrança
Fazendo-me recordar
Da horta no fundo do quintal
Do sabiá, feliz a cantar

Havia simplicidade
Não tinha ostentação
Tudo era simples
Havia a preservação

Foi um tempo lindo
Delícias que não voltam mais
Tempo passa, mas a lembrança fica
Da natureza, de amor e da paz...

O bicho – homem é CAPPAZ de reconstruir o planeta.
Façamos nossa parte, responsabilizando-nos por nossos atos.
Eu e você
Nós somos CAPPAZes...

-36-
O bicho Homem
Akasha De Lioncourt

O bicho se chama Homem
Dito ser civilizado.
Mas quem que é que está destruindo
O futuro da Humanidade?
No princípio era mais simples,
As pessoas sobreviviam,
Mas inventaram a posse,
E, com ela, viramos presas.
O Homem é o Lobo do próprio Homem,
Como Thomas Hobbes bem dizia,
Matamos e destruímos,
Apenas para firmar soberania.
Esse poder desenfreado,
Que causa medo e repúdio,
Fez mudarem os valores,
E com eles, toda a vida.
Hoje, matamos o planeta,
Como se nada significasse,
Derrubamos nossas matas,
Sem qualquer dó ou piedade.
Não somos os donos do mundo,
E nem parecemos os filhos do Dono.
Esquecemos da Igualdade.
Da Liberdade e da Fraternidade.
Só resta pedir, sem cessar
Que possamos um dia acordar.
Antes que a vida valha tão pouco,
Que seja permitido matar.
Embora isso seja ambíguo,
Pois matamos todos os dias,
Matamos o ar, a água, a natureza e a vida.
E, não sei, sinceramente,
Aonde poderemos ir parar.

20 de junho de 2011

-37-
ADEUS MÃE-TERRA...
Joyce Lima Krischke

 

Nossas gaivotas onde estão?
Sua praia, pedaço de areia...
Nossas conversas sobre sereia...
Há aterro... corta-me o coração!

Perderam seu espaço... têm fome!
No lugar da praia há aterro
Gaivota foi pra o desterro?
Homem constrói e gaivota some

Quanto desamor à natureza!
Até sofá e fogão vi no mar!
Mas continuo... não canso de bradar:

Por favor, cuidem da Mãe Natureza!
Vejam o “bicho homem”: ele erra!
E gaivotas dizem: Adeus Mãe Terra...

Editado em – Interfaces de Amor e Paz - Antologia CAPPAZ –Vol.1-2010
Página 107

-38-
CUIDE BEM DO SEU QUINTAL
Ana Maria Cardoso

Do meio ambiente é preciso
Eliminar a crescente poluição
Por meio da nossa consciência,
Cidadania, atitude e ação

É responsabilidade de todos
Preservar a divina natureza
Garantindo a sua riqueza,
Diversidade e rara beleza

Ao ar a sua pureza
À terra a sua fertilidade
E às águas a sua vitalidade

A preservação do nosso planeta
É importante, fundamental e vital.
Que cada um cuide bem do seu quintal!

-39-
Bicho-homem? Feitor da terra
Flávio Martinez

Clamar pela consciência do ter...
não consegue absorver
o valor do universo!
Caminho do consumismo,
derrota da natureza,
aflora a destruição.
Progresso vive o reverso
Bicho-homem, ser racional,
vergonha descomunal
Sensação de impotência
PLANETA IMPLORA CLEMÊNCIA.
A DIGNIDADE IMPLORA DECÊNCIA
Vida sem segurança,
mal futuro para as crianças.
Dormir que provoca a morte.
Bicho-homem... Desesperança.

DIADEMA - JUNHO-2011

-40-
“O Bicho-homem: feitor da Vida?” ‏
Ana Teresinha Drumond Machado

É triste pensar que a natureza
fala e que o gênero humano
não a ouve. (Victor Hugo)

Enquanto elemento
destruidor
da natureza,
o bicho-homem
faz dela único refúgio ...
Não vê o seu clamor
com certeza.

Desagregado da fauna ...
desconexado da flora
é mero espectador
contemplativo
do parque
por onde vagueia
ao fugir
da sauna urbana.
Mas ela chora...

O homem admira
o habitat da ave,
das flores – suas cores ...
No entanto a nave
passa por horrores.

Não poderia o homem
preferir ser um zeloso
feitor da vida
a ser negligente
morador malfeitor?

Alvinópolis/MG

 





ENCERRAMENTO

Pensar na Natureza é algo que nos desperta os mais diversos e, muitas vezes, antagônicos sentimentos. Causa-nos alegria, regozijo, encantamento, quando nos deparamos com as belezas magníficas com as quais a natureza nos presenteia todos os dias. Outras vezes, o furor e a magnificência de seus fenômenos impressiona-nos e nos traz um sentimento de temor, de insignificância e de respeito. Ainda, em outros momentos, ao presenciarmos as bestialidades cometidas pelo ser humano, agredindo ao meio-ambiente das formas mais vis e mesquinhas, exterminando recursos naturais, poluindo céus, mares, rios, terra, pondo fim à existência de tantas espécies animais e vegetais, os sentimentos se embaraçam, se entrelaçam num feixe de revolta, incompreensão, tristeza, desânimo, vergonha e de desesperança no futuro do homem e do planeta.

As manchetes dos meios de comunicação são prova bastante contundente das catástrofes ‘naturais’ cada vez mais comuns e recorrentes, nos mais diversos cantos do mundo, conseqüência inevitável de uma relação de exploração e desrespeito da raça humana com o meio em que vive, esquecendo que este é o seu único lar que lhe oferece abrigo, fontes de energia, alimento e beleza. A Natureza é amiga do ser humano, mas o ser humano, na verdade, não é amigo de ninguém, nem de si mesmo. Não pensa em quão cinzento será o futuro das novas gerações por conta dos desmandos e dos descasos que o homem tem hoje com o planeta. Somos os únicos responsáveis pelo sofrimento e pela escassez de vida das próximas décadas. Hoje, as pessoas matam umas às outras por dinheiro e poder, mas, em alguns anos, as pessoas se matarão por água potável, comida, um lugar ao sol (se ainda houver).

Até quando o planeta azul será azul?? Até quando resistirá a tanta brutalidade e violência?? O planeta está doente e a doença somos nós; somos os ditos “racionais” - únicos animais que exterminam com o próprio habitat. Numa visão um tanto quanto ‘poliana’ de ser, diríamos que, no futuro, a Natureza seria apenas algo para recordarmos em livros e imagens, mas é muito provável que não estejamos mais aqui no futuro e, por conseqüência, não haverá nada para ser lembrado. Do pó viemos e ao pó retornaremos: é assim que, paulatinamente, promovemos nossa ‘auto-extinção’ e sumiremos da face da Terra sem deixar vestígios de nossa genialidade, das coisas grandiosas que a humanidade realizou e que, realmente, merecem reconhecimento. Preservar o planeta e a natureza é a única garantia de perpetuação de nossa espécie neste mundo e é inconcebível pensar que grandes mentes e intelectos, que governantes e empreendedores de todas as ordens não são capazes de chegar à conclusão tão óbvia, reunindo e agregando esforços para conter os danos já causados ao meio-ambiente e buscando reverter o que ainda é possível.

É triste, mas vivemos num mundo de egoístas e acomodados, que pensam que promover mudanças é algo que dá muito trabalho, gastos e dor de cabeça e que, afinal, todos estes problemas serão da responsabilidade das futuras gerações resolverem. O poder exercido pela economia mundial - que visa apenas aos máximos lucros e aos mínimos custos - nos engessa a todos, restringindo-nos a uma vida medíocre e sem propósitos, esteriliza nossa capacidade de crítica, ação e reação, e aqueles poucos que não se rendem ao ‘sistema’ são taxados de loucos, idealistas e inconvenientes. O momento para repensarmos nossa atitude frente ao meio-ambiente já passou. Já estamos recorrendo atrás dos prejuízos, ou,melhor dizendo, já estamos sofrendo suas duras conseqüências. Façamos, então, jus aos atributos de racionalidade e humanidade de nossa espécie, começando por aquilo que está ao nosso alcance fazer, tendo atitudes ecologicamente corretas, posturas sustentáveis de consumo, amparando e protegendo aos animais e repondo à natureza tudo aquilo que ela nos dá de graça, sem cometermos abusos, excessos... O planeta não suporta mais nossa ‘infantilidade’. Ou bem evoluímos ou seremos apenas mais uma vaga lembrança na cartilha do tempo e do universo.

Porto Alegre, 29 de junho, 2011.
Karina Salerno Gonçalves.




SELO DE PARTICIPAÇÃO

Pegue seu selo de participação na 32ª Ciranda Mensal CAPPAZ - "Bicho-Homem: Feitor da Vida?", clicando com o botão direito do mouse sobre a figura e em salvar como.

 










|| Página Inicial | Voltar | Livro de Visitas ||




Arte e Formatação Rosângela Coelho
Exclusivo para CAPPAZ - Confraria Artistas e Poetas pela Paz
Todos os direitos reservados