AGRADECIMENTOS/ENCERRAMENTO

Não conheço coisa mais encantadora que sorver a passagem do tempo, com alegria e amor no coração. Por isso, quem convive comigo já me ouviu dizer que “conheço muitos jovens, com mais de 90 anos, na carteira de identidade e muitos velhos, com 15 anos na tal carteira, pois o peso da idade depende do estado de espírito de cada um.

Nesta ciranda, a CAPPAZ objetiva reconhecer os méritos do idoso exemplo de vida, buscando motivar aos jovens a enriquecerem suas vidas com ideais e anelos nobres.

Outrossim, embora conveniências diversas tenham determinado a comemoração do dia do idoso em 1º de outubro, todos os dias são desse ser privilegiado que, por graça divina, constitui-se no principal elo de progresso da humanidade, além de usufruir dessa evolução, com todos seus méritos.

Diante dessa realidade e viajando pela arte e pelos textos das confreiras e confrades participantes, em cada frase, em cada verso, cresce nossa admiração e respeito a todos os idosos, ficando aqui, nosso agradecimento a todos artistas, escritores, poetisas e poetas que colaboraram para abrilhantar este momento sublime.

Fernando Alberto Salinas Couto
Confrade Efetivo Seccional São Paulo/SP

 



INTRODUÇÃO

É natural que sentimos o tempo passar, deixando suas marcas em nossa pele e ganhando prata nos cabelos.
A experiência adquirida é como grande tesouro que guardamos no baú da nossa vida.
Para comemorar este acúmulo de juventude, a CAPPAZ comemora, junto com o Centro Social Leão XIII, na Rua Santa Maria Goretti, 179, na Vila Maria - São Paulo - SP, no dia 01/10/2012, às 14 horas, o Dia Internacional do IDOSO.
Neste dia, a CAPPAZ estará presente, levando a paz e o bem através dos poemas dos confrades e confreiras, que poderão declamar pessoalmente, cantar, festejar, neste dia tão especial, a jovialidade dos homens e mulheres que fazem parte desta idade tão especial.
Venha prestigiar o evento em homenagem ao idoso com seu poema na ciranda CAPPAZ - mês de setembro e com sua presença lá no Centro Social Leão XIII.

Rosana Carneiro
Presidente Regional de São Paulo
acumulando com Presidente Seccional de São Paulo

 



PARTICIPANTES

Akasha De Lioncourt
Carlos Reinaldo de Souza
Celeste Farias
Débora Acácio
Deomídio Neves de Macêdo Neto
Diná Fernandes
Edécio Mergener
Eliene Dantas de Miranda
Eloísa Antunes Maciel
EstherRogessi
Fernando Alberto Salinas Couto
Isabell Sanches
José Otoniel da Costa
Joyce Lima Krischke
Judite Krischke Sebastiany
Malú Ferreira
Marcelo de Oliveira Souza
Marco A. Amado
Maria Fernanda Reis Esteves
Nádia Cerqueira
Odilon Machado de Lourenço
Paola Rhoden
Rosana Carneiro
Roseleide Santana de Farias
Sidney Santos
Sônia Dias Freitas
Sônia Rêgo
Varenka de Fátima Araújo
Vera Passos



Os textos aqui apresentados são cópias fiéis dos conteúdos enviados por e-mail, ficando essa web designer e a CAPPAZ isentas de qualquer responsabilidade pela revisão dos mesmos.

PARTICIPAÇÕES

-01-
O Velho Limão
Marcelo de Oliveira Souza

Sentado esperando
O velho amanhece sonhando
Com o dia de amanhã
Ele vai passando.

O ponto da sua vida
É um permanente assento
Sem motivo aparente
Ele fica indolente.

Numa tristeza atroz
Ele se lembra da infância
Da sua filha querida
Tão amada e desejada...

Tanto carinho perdido
O limão amargo de hoje
É a personificação da tristeza...
Expulso de sua casa ao amanhecer.
Vai para o ponto de novo descansar
Da humilhação diária que ele tem que passar
Regurgita toda sua angústia
Levanta e vai andar
Anda, anda e volta
Pois a noite é a única a te acompanhar.

Recebendo-o na velha alcova
Que por muito tempo foi de alegria
E renovação do lar...
Sem nenhuma compensação
Sem nenhuma emoção
Só uma prole ingrata
Que atormenta seu coração!



-02-
Sou um ancião
Nádia Cerqueira

Faço das minhas lágrimas meu oceano
particular
dos sonhos não realizados, renovo as forças
para que a descendência continue
a lutar.

Faço das memórias passadas o êxtase de estar vivo
As descriminações, abandono, não me intimidam
são apenas partes do eterno racismo.

Estou aqui, e, nenhuma dor me fez sucumbir...
Só a matéria se desbota com o tempo
E ainda há esperança e força
pra reagir.

E antes de ser tragado pelo Alzheimer
ou qualquer outro mal
Exploro meus sentidos para que minha
passagem não seja banal.

Com serenidade, vou sarando
as feridas...
Com o medo vencido, aprendi a não valorizar o corpo
mais que a própria vida.

Tenho fé, ânsias, ideias
espírito jovem , ainda em evolução
Não me deixo levar pela humanidade insana
O sol ainda vive nessa carne de ancião!



-03-
O Idoso - Hoje
Fernando Alberto Salinas Couto

Somente pra quem sabe viver,
idade avançada é experiência,
suas atitudes, exemplo de vida,
rugas não representam sofrer
e disso tem plena consciência,
podendo sorrir, até na partida,
quando um prateado já se faz,
nos cabelos, saudando à paz.

SP – 13/09/12




-04-
Memória
Sidney Santos

Experiência, sabedoria
O poder de transmitir
Vida e alegria
Ontem e no que há de vir
Canto de saudades
Valor das reminiscências
Estima em existir
Despertar de consciência

Santos, 13/9/2012
Poeta Dos Sonhos



-05-
Melhor Idade
Varenka de Fátima Araújo

As pessoas na sua trajetória
Vivem para o amor
Para semear a mãe terra
Os filhos seguem seus caminhos
Como manda a natureza
Para glorificar os antepassados

A ferro e fogo os que lutam
A quem chegue a glória
A juventude, força da Nação
A velhice o respeito e sabedoria
Sem prantos, nem dores e rancores
Viver a melhor idade

Nunca deixe que os outros...
Percebam que estás a fraquejar
Algum repouso, enfim, para prosseguir...
Declamas teus vários casos em versos
Cantas com melodia sonora os amores
Com letras que perdurem por toda vida

Que os imprudentes
Estes não chegam a lugar nenhum
Quem fica parado é poste
Com tuas poesias embalem os enamorados
Jamais serás jogado ao relento
Que está vivo de cabelos brancos é uma dádiva.



-06-
Sou Idoso, sim... Senhores e Senhoras...
Eloísa Antunes Maciel

Senhores e senhoras, de outra idade,
Eu peço vênia pra me apresentar:
Sou idoso nesta tal Modernidade,
E sobre isso quero vos falar...

Sou apenas um idoso que preserva
Os seus valores, com dignidade...
Sou alguém que nessa idade ainda conserva
Princípios de honradez e de hombridade...

Minha memória?...Ah! Eu a conservo,
Embora um tanto decodificada...
E como idoso atento eu observo
Declínios de memória na moçada...

Enfim, senhores e senhoras, peço
Que me compreendam nesta condição...
Se neste simples versos me despeço,
Eu retribuo vossa compreensão...



-07-
Não se envergonhe da Idade
Diná Fernandes de Oliveira Souza

Os anos passam, o tempo resseca o vigor, nem sempre o ardor arrefece , bom é não brigar com os anos idos. Como um bom vinho velho, a idade tem que trazer algumas vantagens.
Manter a capacidade de aprender e ensinar é algo gratificante, compartilhar experiências é prazeroso.
Não querer se acomodar é fator básico para manter uma mente jovem, viva. Manter-se laborativo e participante é primordial. Muitas pessoas se envergonham da idade, talvez pelas limitações impostas, pelo aspecto físico, as ruguinhas no rosto, as manchas senis, as mãos envelhecidas, e com isso se entregam e envelhecem sem se dar conta do quanto ainda é capaz. e esquecem da bagagem que acumulam em suas mentes, e que chamamos.
de experiência, e quão significativo é tudo isso!
Penso que manter um calendário com mais planos que saudade seja algo renovador.
Os jovens nos derrubam facilmente, muitos talvez não cheguem até onde chegamos,
desvalorizam e deterioram suas vidas, creio que ao atingirem a terceira idade, não terão uma boa qualidade de vida.

dinapoetisadapaz.

-08-
A idade do idoso
Akasha De Lioncourt

Há alguns meses eu estava viajando em férias e uma coisa me chamou a atenção: havia, em um determinado restaurante um estacionamento e dele tomava conta um senhor com cerca de setenta anos de idade. Fiz questão de fazer uma foto com o “jovem cuidador” de veículos estacionados e mostrar meu chapéu novinho em folha e meu sorriso “colgate” para o clique sem flash da minha máquina digital. E então perguntei a ele porque ficava ali, sob a chuva, cuidando de carros se nem sempre ninguém ajudava com um real sequer. E ele me disse que havia se aposentado por tempo de serviço e não encontrava mais nada para fazer. Isso me fez pensar no desvalor que nossa cultura ocidental tem com os chamados idosos. Aqui, nossos velhos são fardos tão pesados que costumamos transferir a responsabilidade a terceiros para que cuidem deles nos asilos e casas de repouso. Aqui, um homem com mais de 40 anos é inapto para buscar um novo emprego e sua experiência conta pontos (negativos, claro!) nessa busca incessante por trabalho digno que lhe permita o sustento de sua família. Aqui, um aposentado só serve para jogar xadrez na praça com os amigos e ser tratado como um inútil pelo resto da família e nunca paramos para pensar no potencial que eles possuem para contribuir para o nosso crescimento, seja pessoal, seja econômico, seja humanitário. Também não paramos para pensar nos nossos idosos na faixa dos 18 a 30 anos, talvez um pouco mais, talvez um pouco menos mas infelizmente os que mais preocupam. Esses idosos desperdiçam sua existência com dramas familiares, vícios diversos e, principalmente, falta de amor. Falta amor por si mesmo, falta amor pelo próximo e por Deus acima de todas as coisas. Eles também são idosos vítimas do sistema pois não há mercado de trabalho para quem nunca trabalhou na vida e então nos sobra uma faixa etária muito pequena de seres aptos a construir um país inteiro com seu trabalho e sua mão-de-obra especializada. E se nossos idosos ensinassem nossos pequenos idosos? Talvez a experiência que falta para uns sobre para os outros... Seria uma boa saída para readaptarmos nossos valores carcomidos pelo preconceito e pela mania de digerir os enlatados dos países de primeiro mundo?

Não sei... Não sou a dona da verdade absoluta e jamais tentei ou tive a pretensão de sê-lo, mas já passei pela fase idosa número um e caminho para a fase idosa número dois. Nesse intervalo procuro absorver todo o conhecimento que me for concedido e pretendo utilizá-lo mais adiante, quando ninguém mais quiser saber a opinião de uma pobre poeta proseadora cuja vida está se apagando... Só sei de uma coisa: não quero passar por esta vida em vão e muito menos ver a minha e a sua geração ser dizimada como se idade fosse uma doença contagiosa letal. A idade não incapacita, o preconceito sim. E viva a diversidade!

-09-
Gerúndio de mim
Maria Fernanda Reis Esteves

Sentindo que o tempo
estava passando
assustei-me um pouco
por vê-lo fugindo

Disse à juventude:
não te vás embora!
mas ela enganando-me
acabou partindo...

Deixou-me inquieta,
mesmo angustiada,
pretérito verbo
do meu desencanto
que quero encerrar

O pavio da vela
quase se apagando
implode de novo,
renovando os votos
de manter a chama
da vida latente.
Renasce de novo,
gerúndio de mim,
escolhendo o presente.

-10-
A idade e seus ultrajes
Débora Acácio

Não!
Voltando em minha infância vejo
Que tinha ânsia em envelhecer; esquecendo.
Algumas vezes de alguns bons momentos viver.
O tempo que eu achava que corria fracionado
Hoje vejo que era muito acelerado...
Vejo-me correndo pela barra da saia da minha mãe a quem amava e ainda amo com muita paixão.
Quem me ensinou a respeitar o bom velhinho; o ancião.
Aos 15 anos eu urgia em viver os 20.
E achava muita elegância aos zeros que o tempo, a vida na idade acrescentava. E mais ainda quando a mulher sabia se comportar dentro do intervalo da sua idade. Talvez pré-julgando aquela de 50 que se comportava como a de 20 que eu achava errado.
Mas meus botões adolescentes como sempre, se comportavam.
Se entendiam como se velhos fossem
E tão bem se davam.
Aos 30 pela minha nada mole vida, pela minha pressa em envelhecer, esqueci de amadurecer.
De crescer...
E atropelei algumas etapas que deveriam ser vivenciadas, experimentadas após os 30 e com uma certa estabilidade financeira e emocional. Mas a vida é tão mágica que às vezes penso ser surreal.
E me ensinou que quando Deus quer mesmo que eu não queira, eu vou saber crescer, sorrindo e algumas vezes chorando. Mas, vivendo como tem que ser.
Cada ano, acrescentado neste meu viver.
Pouco tenho do que me arrepender exceto do que não fiz, pois tudo que fiz a luz da minha razão no momento, naquele instante considerava como certo.
Chegando aos 40, antes me aterrorizava. Mas hoje me sinto sim como dizem por ai:
-Na idade da loba.
É quando enfrento meus medos em silêncio...
É quando grito meus sons às vezes mudo e outros estampados; não nas minhas rugas, mas nas minhas ações. Nas minhas atitudes.
E que venham os anos, que marquem na pele a minha história.
Em cada sulco, em cada ruga. Uma cor, uma marca de vida, de experiência...
Onde em cada novo amanhecer
Irei tecer com o mesmo amor, o mesmo carinho cada página na história da minha arte de envelhecer.

26/06/2012

-11-
O Idoso - Feliz
Sônia Rêgo

Primeira, Segunda, Terceira...
Que idade que se tem ???
Se pela vida passamos
correndo
e se de alguma maneira,
felizes estamos
vivendo...
Idade?
Não importa pra ninguém...

São Paulo/SP - 18/09/12

-12-
As Estações da Vida
Eliene Dantas de Miranda

Quando criança a vida
Era felicidade plena
Primavera em flores
Com visões multicores!

No verão da existência
Calor da paixão se instala
O Amor abrasa o peito
Incertezas vem e abala.

Sorrateiro vem o outono
Passos largos, sofreguidão
Secam folhas, caem flores
Dissabores vem, solidão

Gelado inverno d’alma
Parado fica-se a pensar
Saudades sim de outrora
Tristeza vem em relembrar

Primavera: cheia de amor
Verão: vigor e emoção
Outono: triste solidão
Inverno: dor e reflexão

Primavera e o verão
Inverno e o outono
São ciclos da uma vida
E as estações do ano

-13-
O Idoso – Hoje
EstherRogessi

A abrangência de leituras que o tema proporciona e as variantes que se apresentam, transporta-me ao passado, para chegar ao presente. Houve um tempo – lá no passado e bem passado – que os muitos anos eram denodo, referencial, de sabedoria e equilíbrio. O idoso era tipo enciclopédia ambulante - viva. Dessa forma, buscado e respeitado, por todos, inclusive pelos jovens. Esses achegavam-se a ele – o idoso –, em busca do conhecimento sobre suas raízes – deveriam ser preservadas. O ancião ensinava e repassava experiências, aconselhava. Era honrado. Hoje, há um total descaso concernente ao idoso. Desde o sistema até a família. Ao que contribuiu com a própria vida, para o engrandecimento do país resta, uma aposentadoria vergonhosa, que não lhe permite comprar sequer os remédios que necessita, menos ainda, viver dignamente. Buscando essa dignidade, muitas vezes, é conduzido ao perigo da procura, aos agiotas legalizados – sistema bancário encontrado pelas esquinas da vida – ao que está se afogando, crocodilo se apresenta como que tronco, que lhe compromete o mísero salário, através dos empréstimos oferecidos, como se não lhe bastasse os impostos que realmente, e,literalmente lhe é imposto. Como toda regra tem exceção, a enciclopédia viva de ontem se tornou, o ser ultrapassado – hoje. Nessa condição, deixado para trás, inclusive, pela própria família que, lhe nega o direito do convívio familiar; de ver crescer os netos, sua posteridade, internando-o em “casa de repouso,” onde repousa em pranto silente, à espera do dia de visita dos entes queridos que, aos poucos se extingue, até a mais completa solidão.

Recife, 19/09/12
05:h01min

-14-
Daqueles que vivem mais
Odilon Machado de Lourenço
Ao caro amigo Paulo Cesar Marroni Vitolla, subidor de montanhas.

Passamos a primaveril infância descobrindo mundos
Nos erguemos acima da terra como árvores, sóis e luas brilhantes
Nos galhos de nós pousam os pássaros cantantes da vida
Caminhamos nas sombras dessa mesma árvore todo um caminho
Apanhamos os frutos dessa planta nascida dos veios da luz
Provamos o doce paladar do rito da vida brotada no tempo
E o tempo veio à relva beijar estações aprazíveis de amores
Os dias passam pelo vão dos sentidos aumentando essa árvore
O caule engrossa de sonhos e fica mais forte, mais livre e mais terno
Subimos montanhas e verdes cataratas sublimaram a força de nossas raízes
E os desertos também nos vieram demonstrar o tamanho que somos
Ventos fortes quebraram os galhos golpeados de invernos
Sementes florescem e crescem ao entorno da seiva fluída que sai dessa árvore
Seguimos mais amplos, engalhados de pássaros que voaram pra longe
Humildemente nos vemos nessa árvore pomposa de sombras à espera do outono.

-15-
O Idoso - Hoje
Isabell Sanches

Pessoas das quais trazem consigo todo dom da sapiência que ao longo da vida se junta muitas experiências.
Devemos sempre por olhos decrépitos buscar caminhar e se espelhar a seus bons exemplos eles tem muito a nos dizer...
Ser idoso é somente a contagem do tempo, hoje os idosos vêm a cada dia se cuidando mais, e o interessante disso é que:
Se cuidar faz bem ao ego. Vejo que os centros de convivências são de auto-ajuda, onde se descontraem
Dançam, fazem cursos, tratamentos médicos isso é de suma importância
Hoje alguns idosos estão se aproximando até mesmo das modernidades
Muitos são encontrados nas redes sociais, em escolas;
Já conheci um senhor com setenta anos que se tornou um advogado, a idade não o impediu de lutar pelos
seus ideais esse ato ficou como um grandioso exemplo a muitas pessoas que acham que ser idoso é se tornar
um trapo jogado pelos cantos. Na verdade a velhice só se consta é nas pessoas que cruzam os braços, param
No tempo e desistem de manter suas atividades sejam elas quais forem.

-16-
Meu "Herói" Envelheceu
Deomídio Macêdo

A tela cinematográfica ilumina-se no Cine Sorbone na cidade de Guanambi – BA na década de 70, que exibe o filme: O FILHO DE TARZAN, estrelando Johnny Weissmuller e Maureen O´sullivan, versão brasileira, Herbert Richers, diretor Richard Thorpe, produção Sam Zombaslist, duas sessões.
As crianças que até então faziam algazarras se calam com os olhos vidrados na tela preto e branco que mostra a floresta com vários animais como: Zebras, crocodilos, garças, leopardos, leões, elefantes, cobras, gorilas, girafas, árvores admiráveis, rios caudalosos, montanhas, povos indígenas, e outras civilizações e uma família constituída por Tarzan, Jane, Boy e a macaca Chita, que moram naquele ambiente natural e que já faziam parte nas tardes de domingo daqueles pequeninos telespectadores.
O eco do grito de Tarzan pulando de cipó em cipó defendendo a floresta, os animais emocionava-me sobremaneira preenchendo o meu coração infantil de muita felicidade.
No final da sessão transferia para mim, ainda criança à responsabilidade, a garra, a determinação, a luta heroica de Tarzan, um atleta forte, excelente nadador, ser mitológico, lendário, representado por Johnny Weissmuller, criado por Edgar Rice Burroughs, e assim, aquele menino hipnotizado saia pelas ruas da sua cidade juntamente com os amigos representando o grande herói das telas brasileiras, versão Herbert Richers.
Tarzan o herói dos meus sonhos infantis se confunde com o próprio Johnny Weissmuller que o interpretou durante muitos anos hipnotizando meninos e meninas que hoje estão adentrando no mundo da terceira idade.
Aquele jovem ator, bonito, atlético, que lutava com leões, que voava em cipós, que mergulhava em rios caudalosos, que emitia um eco estridente emocionando a todos nós pequenas criaturas, morre no México aos setenta e nove anos gritando em noites insones acreditando que ele era o próprio Tarzan.
O idoso – hoje foi uma criança;
O representante de Tarzan Johnny Weissmuller, também envelheceu;
Você envelhecerá;
Respeitemos, pois, o idoso de hoje que é a nossa realidade de amanhã.
Que eu “Espírito” possa continuar firme, forte, atlético, heroico, amando e defendendo a natureza como sempre fez o personagem TARZAN que nunca envelhecerá continuando sempre jovem, atlético, heroico, com seu grito de guerra: “ooooooh-ohohohooo-hohohoho!”.



-17-
Feliz Ano Novo, Feliz Primavera!
Celeste Farias

Aos queridos pais e mães que deixaram de viver a tão linda jovialidade para nos prestar um grande cuidado e um infinito amor.

Cresci, corri brinquei,
Das vossas lágrimas nem pensei,
Tão pouco da labuta e da dor astuta,
Das madrugadas que acordastes,
E dos alimentos que nos destes.
Tantas foram as noites perdidas,
Choros, dores ou más notícias,
O tempo passou, a luta continuou.
Andastes para nos dá o pão,
Mas o sofrimento não foi em vão.
Crescidos, meninos e meninas,
Embelezando essa linda família,
Que é a tua, que é a minha, que é a nossa.
Vivenciando essa primavera,
Falando dos amores e dos carinhos,
Lembrando dos cravos e rosas,
Estamos de prosa.
E digo: Feliz Ano novo,
Pois estamos aqui de novo,
A brindar a jovialidade do amor
E o amor jovial.
Sensações que passam,
Não há nada igual,
Viver a beleza, viver a alegria,
Todos na juventude com amor e harmonia.
Tempos passados,
Lembranças de dor,
Porém com muito amor,
Para nós dispensados.
Não haverá sequer uma flor,
Que seja tão bela,
A denotar tanto amor,
Que o papai e a mamãe nos dedicou.

Querido cravo e querida rosa...
Obrigada, Feliz Ano Novo, Feliz Primavera,
Sem a sua vida a minha não seria uma Aquarela!

24/09/12



-18-
O Trabalho do Idoso
Edécio Mergener

Quando vejo o sucesso
Do País em progresso
Fico imaginando com emoção.

De um trabalho bem feito
Que merece o respeito
E nossa consideração.

O trabalho do Idoso
Esforçado e corajoso
Que plantou a semente.

Estes heróis que hoje cansados
Abatidos e calejados
Trabalharam fielmente.

Rosto desfigurado... Sorriso de criança
Mas que traz na lembrança
A vida dura no passado.

Sem tecnologia eles não desistiram
E com suas mãos construíram
Um futuro planejado.



-19-
Idoso
Vera Passos

A beleza do idoso está na conquista da sabedoria, no aprendizado das superações, no contornar os obstáculos, no exrecício da paciência, no controle do instinto, no prazer de olhar a vida, na observância detalhada dos caminhos percorridos... a flexibilidade no julgamento das atitudes alheias o faz mais leve. Estou aprendendo a entender o aparecimento das rugas como marcas positivas das vivências; o embranquecer dos cabelos como a marca do tempo que demonstra a resiliência; o falar pausadamente como a necessidade primordial de saber usar as palavras, como bálsamo, aos que ouvem; o saber ouvir, olhando nos olhos do interlocutor, encarando a alma que, muitas vezes grita a atenção; o andar cauteloso para que não venha derrubar o irmão que passa apressado, na ânsia de viver o máximo. O idoso é o espelho para o jovem na justiça, na ponderação, no respeito, no carinho, na atenção... como o lago que mostra tudo ao seu redor, inclusive ele mesmo.

-20-
Cidade Grande
Malú Ferreira

Pessoas adultas
Ansiedade
Crescer
Árvores
Teatros iluminados
Largas avenidas
Cidade grande
Bons que se tornam maus
Dos pequenos que suplicam
Dos adolescentes que se transformam em pivetes
Da riqueza
Da pobreza
Olhos entristecidos
Cidade grande
Das madames
Dos patrões
Velhas e velhos
Pobres velhos...

-21-
Ciudad Grande
Malú Ferreira

Personas adultas
Ansiedad
Crescer
Arboles
Teatros iluminados
Largas avenidas
Ciudad grande
Buenos que se tornan malos
Dos pequeõs que suplican...
Dos adolescentes que se transforman em Rateros
La riqueza
La pobreza
Ojos Entristecidos
Ciudade grande
Las damas
Los patrones
Viejos e viejas
Pobres viejos...

Libro Ritual de Voces.

-22-
A velhice
Paola Rhoden

Observando uma flor,
E a beleza de sua cor,
o pensamento me levou,
em caminho que chegou
a lugares onde,
na maioria das vezes,
só se vê de longe
o mundo cá de fora,
que para eles,
embora,
já há muito deixou de existir,
pois só resta o ir.
Asilos, indiferentes,
Seres, esquecidos.
Abrigos decadentes,
Sem amigos,
Sem amores,
Sem favores.
Pessoas não mais queridas,
São apenas restos de vidas.
E disse:
Ah! A velhice.

-23-
O Idoso - Hoje
Otoniel - (J.O. Poeta)

Parte é do ciclo da natureza os seres nascerem
Se criarem e vivendo à terceira fase chegarem
Da vida, atingindo o mais alto degrau em idade
Quando passam a conceber com mais realidade
Pois, a experiência dos anteriores anos vividos
Faz sentirem-se conhecedores desinibidos

A sociedade de hoje tem como o idoso valorizar
Passando com consciência reconhecer e reservar
Para ele um bom lugar onde possa o homenagear
Os novos homens da atualidade sabem essa idade
Ser a todos que no limiar da vida tem-na como realidade
Doando ao idoso de hoje, aquilo que será seu mais tarde

Cabe a todos nós, humanos proporcionar ao Idoso
O que houver de melhor: O respeito, amor e o conforto
Em todos os sentidos, pois muitos estão apenas retribuindo
O que deles receberam quando ao mundo foram vindo
No "Dia Internacional do Idoso" façamo-nos presentes
Proporcionando a ele e a todos os meios de se sentirem
Alegres e contentes!

-24-
Idosos e Paz
Judite Krischke Sebastiany

Idosos existem de todos os tipos
Mas todos muito saudosos.
Alguns amargos e tristes
outros mansos e humildes

Alguns, realizados e agradecidos
Passam amor e esperança
Alguns, ansiosos por realizar
Outros querem muito remoçar.

Não é possível recomeçar.
Mas é possível aproveitar
Passado e tempo presente.
Ensinar lições de VIDA e PAZ.

-25-
Cabelos Prateados
Marco A. Amado

Olho meus cabelos prateados
Meu corpo encurvado
Dizem que sou idoso
Mas minha alma é jovem
E não importa o que digam
Enquanto houver vida
E o Grande Arquiteto do Universo permitir
Viverei plenamente
Pois viver é isto
Nascer, crescer, envelhecer e partir.
Por isto enquanto tiver forças
Viverei.

RJ- Ocram 25/09/2012

-26-
Vó Carmem
Soninha Poetisa



Para falar do idoso,
Vou falar da minha querida avó.
Muito vaidosa,
Fez muito por nos.

Baixinha, mas muito brava,
Reclamona como ela só,
Com quinze filhos,
Oito ela cuidou,
Sete, Jesus Cristo chamou.

A vida lhe machucou,
Mas nunca tirou o seu brilho.
Um dia ela dormiu,
E nunca mais acordou.

Faz cinco anos que ela partiu,
A saudade é tanta,
Que às vezes choro,
Mas agradeço a Jesus,
Por ter colocado em nossas vidas,
Está vovó tão querida,
E amada para sempre, por todos nos.

-27-
O Idoso
Soninha Poetisa

Não tem sentido,
A falta de respeito pelo idoso.
Fez tanto por todos,
Hoje, merece respeito e conforto.

O envelhecimento tarda, mas não falha,
Com o idoso, temos muito a aprender.
Vamos proteger e dar carinho,
Tirar todo espinho do seu caminho.

Deu tanta contribuição,
Com muita dignidade, sempre nos acolheu.
Antes que seja tarde,
Vamos dizer, gostamos muito de você,
Precisamos agradecer, aos nossos queridos velhinhos.

-28-
Vivendo a Melhor Idade
Rosana Carneiro

A vida passou
Tempo demais voou
Sem chance de dar meia volta
Vamos seguir...
Enfrentar o que tem por vir.
Garra, paciência e determinação
Enfrentamentos, decepções
Tudo pode-se esperar
Até flertes e paixões
Sorrisos, danças, obrigações
Nunca desistir, fazer o bem
Calma...Vivamos com fé
Procurar ocupar-se, ir além
Hoje, viver a melhor idade
Banhar-se na águas da vida
Voar no céu da maturidade
Conseguir sorrir e dizer
‘’Valeu a pena essa minha liberdade
Valeu viver a MELHOR IDADE!''

-29-
À minha veneranda Mãe.
Roseleide Santana de Farias

FRANCISCA, eis o teu nome, minha veneranda mãe!
Reflete-se em minha mente o teu meigo, belo rosto
Anima-me a doce esperança de encontrar-te um dia
Neste universo, na longínqua ou próxima paragem.
Cisma-me aquela bela cintilante estrela distante, e
Introspectiva, fico a meditar nas emoções perdidas,
Sofrendo a saudade que me dói no peito, ausente do
Cálido coração que tanto alento me dava nesta vida.
Assim eras tu minha mãe, tão alegre e extrovertida!

Sempre transmitias esperanças, tão sábia, querida, tu
Animavas á todos e enérgica dizias “não” á covardia.
Nada te amedrontava, eras de fé e talvez escondesses
Temores, doenças, sofrimentos a acometer-te um dia.
Altaneira, corajosa, boa nordestina tal qual o meu pai
Nascidos na linda Alagoa Grande, no brejo da Paraíba,
A tua alma, coração, tuas lembranças à mim confiavas.

Desalentos, cansaços, temores, também tuas saudades
Envolvidos no tempo e a velhice que sutis te chegavam.

Fugidios, amorosos, ternos, foram os nossos momentos.
Assim unidas nós ficamos até o fim desta jornada, mãe!
Ríamos e cantávamos,ao som dos acordes do teu violão
Inquieto, sonoro, que nos enternecia nas tuas bondosas,
Amáveis mãos. Dizias agradecer à Deus, porque o Nosso
Senhor filhos teus não te levara. Isto seria a grande dor
no teu CORAÇÃO DE MÃE!

-30-
O Idoso - Hoje
Carlos Reinaldo de Souza

Mesmo com passo incerto
e com postura dorida,
segue o idoso liberto
do sofrimento da vida.

Foi seu passado sofrido
e muitas lutas venceu,
porém não está abatido
pois com a vida cresceu.

Foi um exemplo de vida,
belas ações implantou,
teve existência querida,
sempre os amigos amou.

Levanta, então, a bandeira
das suas lutas e glórias,
e sua face altaneira
expressa paz e vitórias!

-31-
Parabéns Idosos- Hoje e Sempre!
Joyce Lima Krischke

Eu te saúdo- Idoso – no teu Dia Mundial*!
No dia em que mundo reconhece e agradece a tua vida.
Vida que dedicaste à família, ao trabalho e à sociedade.
Hoje, vives a etapa mais preciosa e bela da tua vida.
O mundo presta homenagem àquele que Hoje está no por do sol
da existência.
Momento mágico, pois não existe Idade para Deus.
Presente, passado e futuro para Deus é uma nuvem branca que
flutua no céu do universo da vida.
Já percorreste os mais diversos caminhos...
Hoje, volves teu olhar às recordações das paisagens típicas – Quadros da Vida!
Passam na tua mente imagens de alegrias, de tristezas, de amigos, de incertezas e de poemas da vida...
Vives a etapa da colheita farta dos frutos que semeaste.
Hoje- tens as mãos enrugadas e a voz suave, como sinal que o decurso do tempo marcou.
Hoje, teu andar é lento e cauteloso. Outrora, tuas pernas correram e saltitaram pelas avenidas e becos sem saída.
Hoje, é hora de festejar a felicidade do teu longo viver!
Hoje, o cálculo de ganhos da vida revela acúmulo de experiências e doação...
Viver o momento do idoso – Hoje, é uma arte nem sempre fácil!
Meu desejo que, Hoje e sempre, continues acumulando e distribuindo Fé, Amor e Paz, pelos caminhos da existência!
Parabéns Idosos- Hoje e Sempre!
Porto Alegre/2012. ( Homenagem ao Dia do Idoso)

*No mundo, 600 milhões de seres humanos têm mais de 60 anos.
Dia Mundial do Idoso- criado por recomendação da ONU em 1999.




SELO DE PARTICIPAÇÃO





FUNDO MUSICAL

Hino do Idoso
Kleber Santos

Quando me ponho a pensar
Nos dias maus que se passaram
Fico então admirar
O que os idosos conquistaram
Eles mostraram seu valor
E querem agora o seu penhor

Refrão; 2X
o idoso tem o seu valor
Gritemos todos sem cessar
ele é um professor
Minha homenagem eu quero dar

O estandarte levantou
no vigor de seu viver
Nunca a um filho negou
Nem dinheiro e nem saber
Só foi Deus quem amou
Esse idoso pra valer

Refrão; 2X
o idoso tem o seu valor
Gritemos todos sem cessar
ele é um professor
Minha homenagem eu quero dar

A jornada não termina
com idoso a viver
ao ver mexer a retina
ele é gente pra valer
se a voz ele soltar
o respeito tem que ter

Refrão; 2X
o idoso tem o seu valor
Gritemos todos sem cessar
ele é um professor
Minha homenagem eu quero dar











|| Página Inicial | Voltar | Livro de Visitas ||


Arte e Formatação Rosângela Coelho
Exclusivo para CAPPAZ - Confraria Artistas e Poetas pela Paz
Todos os direitos reservados