AGRADECIMENTO/ENCERRAMENTO

Encerramos o ano CAPPAZ com a Ciranda de Natal, esse ano com o tema O Natal Existe.
Sim, o Natal existe para aqueles que acreditam no amor, na fé, na esperança de um mundo sem violência, na solidariedade e na tolerância entre os povos.
Agradeço a todos os Confrades e Confreiras da CAPPAZ, que compareceram  a essa ciranda, trazendo em suas palavras a certeza de que o Natal Existe!

Desejo a todos um Feliz Natal!

Rosângela Coelho
Presidente Regional Paraná





INTRODUÇÃO

O Anjo apareceu e anunciou: O Menino Jesus vai nascer!
Glória a Deus nas alturas e Paz na Terra aos homens de boa vontade!
A cada ano, quando se aproxima o Natal a energia se renova e mexe com nossas mentes e corações. Ouvimos da nossa voz interior as palavras :
AMOR, AMIZADE, FRATERNIDADE.

FELIZ NATAL, FELIZ ANO NOVO!

Elzio Luz Leal
Confrade Seccional Rio de Janeiro/RJ





LISTA DE PARTICIPANTES

Akasha De Lioncourt
Alzira de Souza
Carlos Reinaldo de Souza
Celso Corrêa de Freitas
Deomídio Macêdo
Diná Fernandes
Elzio Luz Leal
Eloísa Antunes Maciel
Esther Gonçalves
Fernando Alberto Salinas Couto
Gislaine Wächter
Humberto Rodrigues Neto
José Otoniel da Costa
Joyce Lima Krischke
Kátia Claudino Caetano Pereira
Marcelo de Oliveira Souza
Marco Amado
Maria Fernanda Reis Esteves
Maria Helena Sarti
Mariângela Repolês
Marina Martinez
Odilon Machado de Lourenço
Paola Rhoden
Paulo Rodrigues
Rosana Carneiro
Rosângela da Silveira Coelho
Sidney Santos
Sílvia Araújo Motta
Sílvia Silva Benedetti
Sônia Maria de Araújo Rêgo
Tânia Maria de Souza
Varenka de Fátima Araújo
Vera Lúcia Passos Souza
Weber Müller





PARTICIPAÇÕES

-01-
O Natal Existe
Rosângela da Silveira Coelho



Curitiba/PR



-02-
Missão de Natal
Marcelo de Oliveira Souza

Esse Natal teve uma nuance muito especial, pois o ano que está terminando nos proporcionou diversas facetas.
Muitos falaram até que o mundo iria terminar, mas estamos aqui comemorando mais uma festa natalina, contudo temos que perceber que quanto mais o tempo passa a união da família fica mais difícil, o mundo digital tomou os lares para alegria e tristeza de todos nós, temos que saber ponderar e saber orientar os nossos queridos, para o poder da informação digital.
O romantismo do cartão de Natal está se diluindo, agora tudo é virtual, mas o amar nunca pode ser virtual, é o sentimento mais sólido do mundo, inclusive dessa época em que muitas famílias estão reunidas, lembremos sempre que a nossa reunião não existiria sem o nascimento de Jesus Cristo, muito menos sem a união da família, onde mesmo na dificuldade seguiram em frente.
Vamos seguir em frente no amor, na paz e na solidariedade, não pensemos ser o centro do mundo, pois o mundo gira, precisamos apenas que ele gire em paz dando paz e recebendo mais paz ainda para que com saúde possamos cumprir a nossa linda missão na terra.

Salvador/BA

-03-
O Natal existe para quem sofre?
Acróstico-realista nº 4711
Por Sílvia Araújo Motta/BH/MG/Brasil

O-O NATAL existe...e para todos, CRISTO nasceu!

N-Nos corações alimentados de pão, paz e amor...
A-Alegria é a vitória de quem na vida venceu!!!
T-Triste é a noite de NATAL de quem tem dor...
A-Alguém que vive em um país onde há guerra,
L-Luz falta, alimentação foge da mão e do sabor!

E-É inaceitável ver a humana desigualdade!
X-X da questão: cresce o comércio inevitável!
I-Impossível é cruzar os braços à realidade!
S-Sofrer não basta! Promessa é inacreditável!
T-Ter ATITUDE pessoal, grupal, nacional
E-É o primeiro passo para o Natal Universal!


---Falar não basta! É preciso agir!---

Belo Horizonte, 1º de dezembro de 2012.



-04-
"Em verdade vos digo...
Humberto Rodrigues Neto

que nem sempre o Natal é dos lojistas,
nem, tampouco, dos finos restaurantes,
os quais contam, quais meros comerciantes,
com vossas propensões materialistas...

Nem culpeis as indústrias da alta moda
de enriquecer mercê do cristianismo,
já que atendem ao vosso egocentrismo
de ser destaque em festas da alta roda...

Eu não condeno que ao seu capital
o negociante o justo lucro tome,
mas que não ouse a um pobre, morto à fome,
fechar-lhe a porta neste meu Natal...

Em todo lar há sentimentos ledos,
mas de quem sou, nenhum de vós lembrais;
até os `meus pequeninos´ gostam mais
do bom velhinho que lhes traz brinquedos...

E em tal data, por todos festejada,
mostrais de vós mesquinhos aparatos,
prendas levais a asilos e orfanatos
e o ano inteiro não lhes dais mais nada...

Mesmo ante a mágoa desses vãos engodos
entendo vosso espírito imperfeito,
e a ir ver-vos no Natal jamais rejeito,
levando a minha paz ao lar de todos...

E se fizerdes do Natal bom uso;
se o tornardes da fé divina messe,
e orardes ao Senhor singela prece,
não mais serei ali um mero intruso”!

São Paulo/SP



-05-
O Natal Existe
Weber Müller

O Natal existe aos olhos de todos
O Natal existe, mesmo diante de tantos engodos
O Natal existe e ninguém duvida
O Natal existe pra toda vida!

O Natal existe dentro de cada um de nós
O Natal existe porque nunca estamos sós
O Natal existe na melodia de cada voz
O Natal existe mesmo num mundo atroz!

O Natal existe na dor do meu irmão
O Natal existe no vazio do coração
O Natal existe para nossa salvação
O Natal existe e disso eu não abro mão!

O Natal existe nos olhos da inocente criança
O Natal existe para nossa esperança
O Natal existe na verdadeira aliança
O Natal existe sem cobrança!

O Natal existe e ponto final
O Natal existe, ele é imortal
O Natal existe na beleza natural
O Natal existe e, para mim, é essencial!

Quem disse que o Natal não existe?
Quem disse isso, apenas inexiste
Sim, o Natal existe!
O Natal existe , sem ele eu fico triste!

O Natal existe nas noites frias e nas tardes de verão
O Natal existe no cair das folhas do outono e nas cores da bela estação
O Natal alivia as dores e renova a minha emoção
O Natal é melodia , é suave canção!

O Natal existe; disso eu tenho certeza
O Natal existe na mais singela beleza
O Natal existe na extrema pobreza
O Natal existe pra nos encher de riqueza!

O Natal existe na mãe que perde o filho
O Natal existe na incerteza do andarilho
O Natal existe no trem que sai do trilho
O Natal existe no mais intenso brilho!

O Natal existe na voz embargada
O Natal existe na lágrima derramada
O Natal existe na tristeza sufocada
O Natal existe na alegria anunciada!

O Natal existe no pão nosso de cada dia
O Natal existe na luta por moradia
O Natal existe na educação para todos, sem utopia
O Natal existe na saúde , sem demagogia !

Quem disse que o Natal não existe?
Ora, o Natal existe e persiste...
Sim, o Natal existe!
Não cai de moda, não faz cobrança e nunca desiste!

O Natal existe! É aniversário do Rei Jesus!
O Natal existe, enchendo-nos de luz!
O Natal existe, e por si só, se traduz!
O Natal existe e nos inunda de PAZ, que a todos conduz!

Guaçuí/ES



-06-
O Natal de nossos corações
Paola Rhoden

Ver as pessoas sorrindo
As ruas enfeitadas
Luzes o ar colorindo
Praças iluminadas
Traz a lembrança de que
Podemos sempre trazer
O espirito natalino
Quando estendemos a mão
Não só aos pequeninos
Mas a todos os irmãos
Em toda hora do dia
Não importa que dia seja
Importa é que esteja
Irmanado em confraria
Porque afinal,
Todo dia é Natal.

Brasília/DF



-07-
Ternura
Sidney Santos

Natal, renascer de esperanças
Festa de brilho e luz
Sorrisos plenos em crianças
Caminhos que o amor conduz

Noite de estrelas brilhando
Em tempos de real valia
Coro de vozes cantando
Ao Menino e Virgem Maria

Salve crianças de sempre
Nos quatro cantos da Cidade
Vivas à ternura presente
Na árvore da felicidade


Santos, Natal de 2012.
Poeta Dos Sonhos



-08-
Natal
Maria Helena Sarti

O Natal existe, o que não existe mais são os sentimentos natalinos. Tudo virou luzes de neon. O consumismo consumiu com os sorrisos, com a expectativa, com a infância.
Tem coisa mais terrível do que o mundo eletrônico? Ele comeu o pão de mel, a bolacha enfeitada com bolinhas coloridas; o peru assando mais de quatro horas. a família reunida e Jesus Cristo na ponta da mesa abençoando o seu dia.
O Natal existe, sim, e continuará existindo,no entanto as pessoas...

Campo Grande/MS

-09-
O Natal Tem Seus Milagres
Celso Corrêa de Freitas

O barulho se fez ouvir; lá no fundo, onde eu estava... Eu tinha acabado de entrar em casa, chegando para almoçar. Vi, meu filho Caio, no topo de uma escada, junto ao muro. Ele olhava em direção ao quintal do vizinho. Menino curioso... Pensei!

O estrondo foi logo após eu cumprimentar Solange (minha mulher) e lhe perguntar pelo nosso outro filho, o Cássio.

O fato nos levou para a área de serviço da nossa casa, onde o Caio, ainda no topo da escada, ao nos ver, gritou...

- Pai, Mãe, o Cássio caiu do telhado.

Tudo passou a fazer sentido para nós, corri em direção ao que me apontava para um desfecho de...

A nossa vizinha, já estava com o seu portão aberto, o que facilitou a minha rápida entrada naquele cenário onde o telhado não resistira ao peso do meu filho de nove anos. E eu o avistei...

Lá estava ele, lívido. Seu rosto era uma folha virgem de papel, onde podia ser lido:
-Pai, eu só queria pegar a minha bola!
Ao redor dele, pedaços de telhas ao chão, sobre a máquina de lavar, sobre o tanque. A bola perdera para ele todo o seu encanto. Era um mundo que não girava mais.

Abracei-o com toda a extensão dos meus braços. Apalpei-o todo, em busca de alguma fratura. Certifiquei-me de que não havia nele nenhum ferimento além daquela pequena escoriação nas suas costas e aquele enorme abalo no seu orgulho.

Levei-o de volta para casa. Um banho para acalmar o seu coraçãozinho e o quarto para algumas horas... Não o coloquei de castigo, apenas pedi que ele usasse aquele tempo para refletir sobre o acontecido, agradecer ao seu anjinho da guarda e principalmente a Deus, por nada de ruim ter lhe acontecido naquela tarde.

Ele entendeu, quando precisei sair para voltar ao trabalho, dei-lhe um demorado beijo e lhe falei:
- Filho, você acabou de viver o seu primeiro milagre... e no Natal.

Toma muito cuidado daqui para frente viu. Você não é importante só para nós. Mas precisa se cuidar e não se arriscar a toa.

Ele sorriu e disse, segurando as minhas mãos:
- Obrigado Pai!
Eu lhe respondi...

(HOW, HOW, HOW).

Esta expressão veio forte a minha cabeça. Pensei até em repeti-la, mas acabei agradecido; olhando pra além da cama onde meu filho naquele momento dormia parecendo um anjo, nos braços da sua mãe, dizendo:
- Te agradeço também meu Pai!

Praia Grande/SP

-10-
Presépio de Natal
Maria Fernanda Reis Esteves

Há no ar um misto de alegria,
Os sinos replicam
Cânticos de paz, serenidade
Esperança e harmonia
Celebra-se a família,
Os afetos, a amizade
Por uma noite
A humanidade esquece
As diferenças
É branco o manto da concórdia
As crianças fazem rodas de mãos dadas
Sem cor, raça, ou credo
O amor anda no ar
A amizade é o mais belo presépio
E, afinal...
O Natal existe!

Setúbal/Portugal

-11-
Feliz Natal
Rosângela da SIlveira Coelho

Curitiba/PR

-12-
Natal
Sílvia Silva Benedetti

Os sinos tangem vibrantes
Os seus sons contagiantes
Anunciam que é NATAL!
As casas bem decoradas,
As ruas iluminadas,
Anunciam que é NATAL!

São cânticos de esplendores,
São presépios com mil cores,
Na evocação de Jesus.
São mensagens bem urdidas,
E belas palavras ditas,
Na evocação de Jesus..

O manto da paz, descerra,
Tentando mostrar a Terra,
Vivenciando o NATAL.
Nas mesas postas, as ceias,
Árvores de presentes cheias,
Vivenciando o NATAL.

Mas longe da fantasia,
Da mentirosa utopia,
Há pranto, há muita dor!
Há pobreza que esfomeada,
Perambula pela estrada,
Meandros de desamor.

Ha descalabro e demando,
Tristes males dizimando,
Enquanto chega o NATAL!
Há desvios de dinheiro,
Esvaziando o celeiro,
Enquanto chega o NATAL!

NATAL! quanta hipocrisia,
enquanto a crueza fria,
Despreza o ensino cristão!
QUE IRMANA E NÃO DISCRIMINA,
Que ajuda ampara e anima,
Na bênção da compreensão.

Meu Deus, se o NATAL EXISTE,
Mostra que ainda persiste,
A sementeira do amor;
E que vicejem exemplos,
Da caridade nos templos
Do Mestre consolador.

Que haja NATAL luzeiro,
Espargindo ao mundo inteiro,
A paz, a fé e a razão!
Que haja NATAL DIVINO,
Com as graças do Deus-menino,
Nas sendas da perfeição.

Porto Alegre/RS

-13-
O natal existe!
Kátia Claudino Caetano Pereira

Olhe para o céu!
Veja a estrela guia
como brilha hoje no firmamento!
Há muitos anos, ela avisou que o Messias chegou para nos salvar.

Veja sua luz... perpassa paz!
Amor e harmonia.
Vamos sorria!
Leve a todos a boa nova!
Propague a esperança de dias melhores!
Afirme com fé...
O natal existe!
Para a gente se amar,
perdoar e ser feliz.

Não importa se o irmão é rico ou pobre.
Muito menos a raça e a sua cor

Basta apenas abraçar o mundo.
Dar as mãos, ser presente!
Ser solidário, ser generoso!
Repartir o pão com cada necessitado.
Confraternizar com amor e muita paz este momento de alegria.
Amar verdadeiramente de igual para igual cada ser vivente aqui na terra.

O natal existe!
Devemos nos amar a cada dia
Porque somos criados por um Deus
que é amor...

Pseudônimo - Kátia Pérola - Ourinhos- SP.

-14-
O Natal Existe
Fernando Alberto Salinas Couto

O Natal existe na casa ao lado,
nas luzes embelezando as ruas.
Mas, e quem está no cerrado?
E as crianças que vivem nuas?

Nos Shoppings, vitrines belas,
presentes, tudo que se consome.
Mas esquecemos que, nas favelas,
Adultos e crianças sentem fome.

Porém, há certos grupos bondosos
que promovem campanhas lindas,
amenizando os dramas dolorosos
daquelas famílias mais esquecidas.

Vemos poéticas cirandas nascendo,
apesar de que a realidade é tão triste
e só isso nos mantém acreditando
que, neste planeta, o Natal existe!

SP – 01/12/12

-15-
Em seu ventre um anjo cochila
Mariângela Repolês

Logo que soube da noticia que um novo ser cochila - ainda off-line - a fazer arruaça no ventre de minha filha e a acender estrelas
nas manhãs de meu genro, com ele minha família fez um pacto de alegrias.
De tamanha surpresa me refiz e um pouco confusa voltei ao passado provocado por ecos de minha memória.

Através das lentes de aumento a luz deste tesouro recém adquirido, entra e sai pelo diafragma de minhas pupilas como se ela pudesse
parar o tempo neste instante e uma alegria sem fim pudesse - de repente - entrar pela janela de minha barriga, atravessar minha alma
trazendo outra vez meus filhos para perto de mim e o vento frio congelasse todas as imagens dentro de minha entranha.

Em uma viagem sensorial pela quarta vez - agora completarão quatro netos - os pensamentos inquietantes desta avó fotografa os mistérios
e segredos da gravidez, muito além de toda alegria nela contida. E ela transportando-se para longe, se vê a desvendar e entender a teia simbólica
de uma gestação que para ela - em seu tempo - não foi uma tarefa nada fácil, ao contrario, foi traumática, todavia foi um preâmbulo de uma felicidade maior.

Este ano vou fazer um presépio imaginário onde minha alma respira e suspira contagiando meus dedos sobre o teclado do computador.
Ah… os presépios de minha antiga casa, meu Deus, que saudade!
E a menina que vive dentro de mim não quer sair de perto deste presépio que tanto a encantou.
Deito na cama de meu passado e me ponho alegre com os Natais de minha infância.

Não durou mais que um tempo de rezar um Pai Nosso quando a jovem, que também me coabita, chega e não consegue arredar o pé diante de um ventre - em estado de graça - de uma futura mãe que já tem dentro de si a leve seiva renascentista que nutre o embrião de uma poesia que adocicará sua vida para sempre.

Com os pés no chão e sem medo dos desafios, conto os meses esperados desta gestação que possui uma beleza artesanal realizada por entes queridos,
como se a mesma fosse uma árvore natalina.
Como uma menina vou trocando cada mês passado por uma peça dessas bem típicas do Natal. Ali cada peça há de traduzir todos os laços familiares que nos une.

Não haverá necessidade de muitas lâmpadas para iluminar minha casa porque rodeando o outro lado deste recinto sagrado, em seu útero existe uma nova estrela guia vozeando sobre seu ventre manjedoura. Não hesito em afirmar que uma barulhenta claridade embala o fruto revelado, e que o mesmo já abençoado brilha com sua luz própria.

Com o toque de celebração vou comemorar esta maternidade de emoção infinita, onde o amor se fez carne e habita entre nós. Vou dependurar na porta principal de minha casa, uma guirlanda de alecrim cheiroso com a poesia inspiradora das palavras:
“Não temeis pois achaste a graça diante de Deus, Hosana nas alturas”
Nesta entranha - a mais pura era da inocência - um anjo cochila, antecipando uma nascente primavera que ali se reflorirá em julho ou agosto, mês do aniversário de sua mãe.

Na parte mais alta da árvore - com direito a fita vermelha e dourada -
o anjo Gabriel enrolará uma barriga com papel natalino e escrito estará “Ave, cheia de graça, o Senhor está contigo, bendita és tu entre as mulheres.” E toda a dinastia de serafins e querubins em coro cantarão recordando Dolores Duran “hoje eu quero a rosa mais linda que houver e a primeira estrela que vier” para enfeitar este oratório de um leonino ventre grávido.

Os cacos de espelhos que teciam os lagos do presépio de meus dias infantes, os substituirei pelos olhos empapados dos futuros pais, em mil pedaços de felicidades.
Nas águas amnióticas se azularão as gotas de incenso com as fragrâncias habitadas nas mirras dos sonhos desmaiados.
Assim não mais duvidarei que o cheiro dos anjos existe em pequenos frascos e até mesmo nas águas uterinas.

Neste novo capítulo, outra vez meu marido e eu somos os pastores que encordoando nossas vozes agradecidas solfejamos - em um papel de seda sobre um pente -a versão brasileira da música Jingle Bell, pastoreando a vida que em nós dois ainda reside.


“Bate o sino pequenino
Sino de Belém
Já nasceu Deus menino
Para o nosso bem

Paz na Terra,pede o sino
Alegre a cantar
Abençoe Deus menino
Este nosso lar”

Com passaporte direto para o paraíso, a avó agora costura com seus dedos tímidos desenhos em forma de arabescos com detalhes exclusivos, com ponto tramados em guipure, o fio umbilical de um ser vestido de Papai Noel que bate à porta de sua alma onde cabem todos os sonhos alinhavados em frivolité durante os nove meses da lua.
Ela sorri em paz e seus olhos sossegados vão dormir com as luzes do Natal dentro deles,a ouvir o silêncio da noite que cocoricou, como se fosse quase a missa do galo de sua infância.

Alvinópolis/MG

-16-
En su vientre un ángel dormita

Mariângela Repolês

Luego que supe de la noticia que un nuevo ser dormita - aún off line - a hacer alboroto en el vientre de mi hija y a encender estrellas en las mañanas de mi yerno, con él mi familia hice un pacto de alegrías.
De tamaña sorpresa me rehice y un poco confusa me volví al pasado provocado por ecos de mi memoria.

A través de las lentes de aumento la luz de este tesoro recién adquirido, entra y sale por el diafragma de mis pupilas como si ella pudiese parar el tiempo en este instante y una alegría sin fin pudiese - de repente - entrar por la ventana de mi barriga, atravesar mi alma trayendo otra vez mis hijos para cerca de mí y frío viento congelase todas las imágenes dentro de mi entraña.

En un viaje sensorial por la cuarta vez - ahora completarán cuatro nietos - los
pensamientos inquietantes de esta abuela fotografía los misterios y secretos de la gravidez, mucho alén de toda alegría en ella contenida. Y ella transportándose para lejos, se ve a desvendar y entender la tela simbólica de una gestación que para ella - en su tiempo - no fue una tarea nada fácil, al contrario, fue traumática, todavía fue un preámbulo de una felicidad mayor.

Este año voy hacer un pesebre imaginario donde mi alma respira y suspira contagiando mis dedos sobre el teclado de la ordenadora. Ah… los pesebres de mi antigua casa, mi Dios, ¡que saudade! Y la niña que vive dentro de mí no quiere salir cerca de este pesebre que tanto la encantó. Me echo en la cama de mi pasado y me pongo en alegrías con las Navidades de mi infancia.

No duró más que un tiempo de rezar un Padre Nuestro cuando la joven, que también me cohabita, no consigue apartar el pie delante de un vientre - en estado de gracia - de una futura madre que ya tiene dentro de si la leve savia renacentista que nutre el embrión de una poesía que endulzará su vida para siempre.

Con los pies en el suelo y sin medo de los desafíos, cuento los meses esperados de esta gestación que posee una belleza artesanal realizada por entes queridos, como si la misma fuese un árbol natalino. Allí cada pieza ha de traducir todos los lazos familiares que nos une.

Como una niña voy cambiando cada mes pasado por una pieza de esas bien típicas de la Navidad. No habrá necesidad de muchas lámparas para iluminar mi casa porque rodeando el otro lado de este recinto sagrado, en su útero existe una nueva estrella guía voceando sobre su vientre pesebre. No hesito en afirmar que una bulliciosa claridad embala el fruto revelado y que lo mismo bendecido ya brilla con su luz propia.

Con el toque de celebración voy conmemorar esta maternidad de emoción infinita donde el amor se hice carne y habita entre nosotros.
Voy a colgar en la puerta principal de mi casa, una guirnalda de alecrín oloroso con la poesía inspiradora de las palabras:
“No temáis pues hallaste la gracia delante de Dios, Hosanna en las alturas”
En esta entraña - la más pura era de la inocencia - un ángel dormita, anticipando una naciente primavera que allí se reflorecerá en julio o agosto,
mes del cumpleaños de su madre.

En la cumbre del árbol - con derecho a cinta roja y dorada - el ángel Gabriel enrolará una barriga con papel natalino y escrito estará “Ave, llena de gracia, el Señor eres contigo, bendita eres tú entre las mujeres” y toda la dinastía de serafines y querubines en coro cantarán recordando Dolores Duran “hoy yo quiero la rosa más linda que hubiere y la primera estrella que viniera” para engalanar el oratorio de un leonino vientre embarazado.

Los cacos de espejos que formaban los lagos del pesebre de mis días infantes, los sustituiré por los ojos empapados de los futuros papás, en mil pedazos de felicidades .
En aguas amnióticas se azulearán las gotas de incienso con las fragancias habitadas en las mirras de los sueños desmayados.
Así no más dudaré que el olor de los ángeles existe en pequeños frascos y hasta mismo en aguas uterinas.

En este nuevo capítulo, otra vez mi marido y yo somos los pastores que encordonando nuestras voces solfeamos - en un papel de seda sobre un peine – la versión brasileña de la música Jingle Bell, pastoreando la vida que en los dos aún reside.

“Bate la campana pequeñito
campana de Belén
ya nació Dios niño
Para lo nuestro bien

Paz en la Tierra, pide la campana
Alegre a cantar
Bendiga Dios niño
Este nuestro hogar”

Con pasaporte directo para el paraíso, la abuela costura con sus dedos tímidos, dibujos en forma de arabescos con detalles exclusivos, con punto entretejido en guipure, el hilo umbilical de un ser vestido de Papá Noel que bate a la puerta de su alma donde caben todos los sueños hilvanados en frivolité durante todos los nueve meses de la luna.
Ella sonreí en paz y sus ojos sosegados se van a dormir con las luces de la Navidad dentro de ellos, a oír el silencio de la noche que cocorocó, como si fuera casi la misa del gallo de su infancia.

Alvinópolis/MG

-17-
O Natal Existe???

Gislaine Wächter

Papai Noel me responda
Tantos pedidos te fazem
Você anota todos eles?
Ou tudo isso é uma "viagem" ?

Você que trabalha tanto
E Papai Noel virou...
Fica esquentando a cabeça
Vou dar conta de tudo ou não vou?

Ah se as pessoas lembrassem
Que Jesus nesse dia nasceu
Quem sabe seria mais belo
Que um presente todo seu...

Abraços, beijos e alegria
Nesse dia sempre tem
Mas copie cole, copie cole
Em todos dias do ano também...

Todo o amor do mundo
Jesus nos passou com carinho
Então lembre do Aniversariante
E siga o seu caminho...

Natal tempo de pensar
No que eu fiz ou não fiz
Programe para 2013
Paz Amor e um mundo Feliz!

Balneário Camboriú/SC

-18-
O poeta e o Natal!

Elzio Luz Leal

Foi Jesus quem nos deixou os maiores legados, os melhores ensinamentos,os princípios que norteiam a vida...

Foi Ele quem nos mostrou que o caminho não termina aqui, que a vida continua. E voltou para nos comprovar a sua teoria!

Mesmo assim a incredulidade continua... A humanidade ainda não aprendeu a ser humana... Convivemos com as desigualdades, norteando-nos pelo princípio do egoísmo.

"Farinha pouca, meu pirão primeiro!"

Mas para nós, poetas, qual foi o legado principal de Jesus?

O que podemos pinçar entre tantos ensinamentos, parábolas e exemplos?

No meu entendimento, para nós poetas, ele legou a palavra...

Não a palavra do púlpito, a palavra do pregador ou a palavra enganosa...

Para nós, poetas, ele legou a palavra artística, do esteta que molda as formas e prepara uma poesia que seja capaz de encantar as pessoas, de distribuir belezas, de despertar sentimentos nobres, de falar de AMOR!

Eis aí, a nossa importância, nobres poetas! Nós estamos entre aqueles que foram escolhidos porque temos a capacidade de despertar o AMOR ...

E o AMOR é o tema central da pregação do MESTRE DOS MESTRES... E nós estamos aqui, agora, como MISSIONÁRIOS DO AMOR!

Que o AMOR se faça entre tudo e todos porque só o AMOR constrói!

FELIZ NATAL, COM MUITA PAZ, HARMONIA E AMOR, QUE SÃO OS PILARES DA FELICIDADE!

Rio de Janeiro/RJ



-19-
Anuncio de Natal
Sônia Rêgo

As notas musicais
anunciam o Natal.
Festejamos o nascimento
de um rei
que nos mostrou o amor
verdadeiro, eu sei...
a caridade como missão
Ensinou, da paz, o valor
e o perdão em nosso coração.
Feliz Natal aos capazes
de praticar, dia à dia,
a bondade que Jesus irradia!

SP – 08/12/12



-20-
O Natal Existe...
Eloísa Antunes Maciel

O Natal existe...Sim. E como existe!

Existe desde o advento...

(Ou talvez antes, pelo fato de haver residido na esperança alimentada por famintos de justiça e paz, por desejosos de fraternidade verdadeira)...

O Natal do Cristo existe em espírito e verdade, na fé que tende a remover as montanhas da indiferença e os entulhos do desamor; nos sentimentos vivificados dos verdadeiros cristãos; nos testemunhos de caridade e do legítimo amor ao próximo; nas expressões de boa-vontade daqueles a quem o Messias se referiu como dignitários da paz e semeadores do Bem...

Esse Natal (em espírito e verdade) existe à revelia de mundanas ostentações ditas natalinas, como banquetes, cerimoniais pagãos e excessos de toda ordem...

O Natal existe, sim, na sua excelsa magnitude; atende pelo nome de Fraternidade – e tende a materializar essa sublime virtude através de atos que redimem e promovem o ser humano, sua condição humana e sua origem divina; no seu existir e seu devir...

O Natal existe, sim! E como existe!

Basta que sejamos verdadeiramente cristãos para reconhecer essa sublime realidade... E que, sobremaneira, estejamos unidos, em espírito e verdade, nesse autêntico espírito natalino.

Um feliz (e autêntico) Natal! Pleno de paz e fraternidade universal!

São Martinho da Serra/RS

-21-
O natal existe

Paulo Rodrigues

O natal existe quando o perdão
se faz presente
e a esperança brilha contente
no coração dos homens.

O natal existe quando as sementes
do Amor e da Paz são semeadas
e o Bem é colhido diariamente
nas nossas palavras e atitudes.

O natal existe

O natal existe na inocência das crianças
que colocam meias debaixo da cama
esperando o bom velhinho.

O natal existe nas árvores enfeitadas
de belos sorrisos e na doce felicidade
das mesas fartas de amigos e familiares
que durante o ano partiram
no calor do desamor.

O natal existe na distribuição
de presentes para as crianças carentes,
no carinho das visitas aos acamados
e na semeadura da esperança
de uma nova vida
aos condenados da Justiça.

O natal existe porque existe
o Amor, a Fé e a Esperança.
E dentre esses três,
o maior é o Amor.
O amor não é apenas o caminho
para a felicidade.
É a própria felicidade.
Ame –se.
Ame e faça o Bem ao próximo
e você nunca terá um único dia triste
nem passará rapidamente.

Sorocaba/SP

-22-
O Natal existe?
Marina Martinez

Um dia do ano chama-se Natal.
É dia-santo e o mundo inteiro se abraça.
Luzes, cânticos, presentes, guirlandas.
Comemora-se um aniversário, também.
O aniversariante? Nunca O encontrei.
Nenhuma festa requisita sua presença,
os presentes não são dele. Nem os brindes.
Batem os sinos pequeninos de Belém.
Alguém perguntou: por quem os sinos dobram?
Creio que soam para acordar consciências.
Ou para manter pessoas acordadas.
Afinal, existe a ceia da meia-noite, aparências.
Almoço especial. Bicicleta nova, na praça.
O aniversariante? Ausência presente, para poucos.
Fugi da pergunta: O Natal existe, é realidade?
Sim, até é feriado: festas, consumismo, simulação.
Quanto a fraternidade, perdão, respeito,
amai-vos uns aos outros, humildade,
o Natal perdeu sentido. Naufragou num abismo.
Que repouse em Paz. Para a eternidade.
A mesma Paz aconselhada pelo aniversariante,
que ironia, aos homens de boa vontade.

Porto Alegre/RS

-23-
Menino Jesus
Odilon Machado de Lourenço

Andava por aí um Menino
Nascera assistido pela natureza
Feliz era o Menino
Crescera no amor da família
Estivera sempre atento ao amor
Sabia Ele os significados de tão bela palavra
Exercia-a como bem maior
Carregava-a em seus olhos e gestos
Crescia o Menino
E os espinhos e farpas
Da vida apregoaram suas mãos
Conheceu o avesso do amor
Caminhou estradas, campos, cidades, navegou...
Voou, viu tanto mundo, tantas gentes...
Nesses tantos olhava e sentia
Buscava e nada, nada de amor
Lhe deu vontade de nascer de novo.

Florianópolis/SC, 04-12-2012.



-24-
Nascimento da flor
Odilon Machado de Lourenço

Nasceu uma flor na terra revolvida pela bomba
Terra revirada, sem adubo, mas a flor nasceu
Vieram os olhos das pessoas famintas e viram a flor
Não criam que terra tão infértil poderia dar vida
Regaram a flor, cuidaram que a mesma crescesse
Veio todo um povo ver a flor
Sua fome era grande
Nada nascia na terra revirada
Só aquela flor teimosa nasceu ali no lugar da bomba detonada
Devia ser uma ilusão aquela flor
Vieram nações inteiras ver sua cor
A flor impávida crescia ali no lugar da bomba detonada
Floria vermelho, vermelho bem tinto
Que nem sangue era a flor
A civilização inteira à viu ali no lugar da bomba detonada
Trouxeram adubo para a flor
Era tanta terra fértil que chegava dos mundos diversos
Que uma nação formou-se em torno da flor
Nem parecia que houve guerra
Que gentes morrerão sem que a morte avisasse
Sabe-se que depois da flor ninguém teve fome, nem terra revirada.

Florianópolis/SC, 04-12-2012.

-25-
O natal existe...
Tânia Maria de Souza

...no coração de quem realmente
consegue amar o seu próximo,
mesmo quando este é seu
pior algoz.
...num gesto de tolerância, diante
de uma situação que nos causa bronca.
...na capacidade de perdoar, verdadeiramente,
àqueles que nos magoam.

Só então o Natal realmente existe. Caso contrário,
é mera festa de luzes, cores, comidas deliciosas e
troca de presentes.

Balneário Camboriú/SC

-26-
O Natal Existe
Rosana Carneiro

Estava chovendo muito e eu precisava me aquecer.

Era dezembro, estava quente, mas a chuva me resfriou de uma tal forma que começava a tossir.

Corri perto da marquise daquela loja e observei que era noite de natal, porque na televisão mostrava a contagem regressiva e mostrava fogos de artifícios no céu.

Eu estava ali, aos 1O anos, com os pés no chão, roupas molhadas e com frio.

Não tinha casa, não tinha comida, não tinha abrigo.

Sentei ali, encolhidinha e fiquei observando os carros na rua, as pessoas que vinham e iam apressadas.

De repente um carro para e um senhor desce.

Chega perto de mim e diz:

- Feliz Natal, menina...Quer vir comigo, passar algumas horas num cantinho quentinho na companhia de minha esposa?

Eu não acreditei muito, porém olhei para o carro e estava lá, uma senhorinha com os cabelinhos brancos, sorrindo para mim.

Uma força estranha invadiu meu corpo e eu me levantei e senti confiança naquele bom velhinho.

Ele me deu a mão e eu o acompanhei.

Ele abriu a porta e eu nós seguimos para uma casa muito simples, mas com a mesa farta, cheia de brilho e árvore de natal.

Ali eu tomei banho quentinho, vesti roupas secas, comi, bebi, senti o conforto de um abraço, de um beijo.

Quando já estava tarde, eu perguntei por que eles fizeram isso e que já estava na hora de eu ir andando.

A senhorinha me disse que ela tinha dois filhos adultos e que ela e o marido se sentiam muito sozinhos nas noites de natal e que eles resolveram que em todos os natais eles iriam fazer uma noite especial para águem especial e que eles faziam isso sempre e que convidavam as crianças para ficar com eles.

Infelizmente nenhuma criança quis ficar com eles e que seria muito bom eles poderem dividir o carinho que eles tinham para com outras pessoas.

Me senti tão acolhida que, os abracei e disse que poderiam contar com meu carinho para sempre.

Hoje, minha querida senhorinha e o meu querido senhorzinho moram no céu e eu agradeço todos os dias por Deus ter enviado o seu filho em forma de senhorezinhos para me acolher.
São Paulo/SP



-27-
O Natal Existe
Rosana Carneiro

Natal da cor do Sol
Com calor e luz
Onde o amor impera
Na força do Menino Jesus
Este é o natal
Que desejo de coração
Para você, meu amigo
Com toda admiração
Agradecendo o pão de cada dia
Que alimenta a esperança da nossa alma
Com paz e alegria.

São Paulo/SP



-28-
Alegria numa Noite de Natal
Deomídio Macêdo

A lua cheia ilumina a noite anunciando o natal.

Em cada residência, árvores de diversos tamanhos chamejam triunfantes para celebrar a noite daquela data especial.

Um homem caminha apressado pelas ruas, carregando duas caixas de porte médio, ao tempo que o vento assanha seus cabelos ondulados.

Um capote cobre o seu corpo protegendo-o do frio que chega de mansinho invadindo toda a cidade.

Uma residência de família de classe média alta lhe chama a atenção. Ele pára por um instante em frente aquela casa, e através da porta entre aberta percebe-se a movimentação e a alegria daquela família em volta da árvore de natal que acolhia vários presentes. A lareira aquece aquele lar e os sorrisos estampados nos rostos demonstravam a alegria de cada um deles.

O farol de um carro o desperta de sua imaginação que o conduzia a sua infância distante, e ali relembra as noites tristes de natal, por ter sido uma criança pobre. Ao acordar dos seus pensamentos longínquos, num gesto automático, continua a caminhar apressadamente buscando o seu destino.

Mais adiante, desce uma escadaria que o conduz a cidade baixa. O quadro agora é outro, as residências de classe média alta vão ficando para trás, dando lugar a casas mais simples, casebres.

A lua continua a brilhar no céu iluminando os dois cenários.

O jovem rapaz pára mais uma vez, olha para trás, e observa o topo da escadaria pensando alto sorrindo: Disparidades sociais, quanta diferença! Mas, o espírito de natal também se faz presente nessa comunidade.

Retoma a caminhada, atravessa uma praça semi iluminada. Chega a uma casa simples cujo letreiro anuncia: Educandário Irmã de Fátima.

Ao adentar aquela residência, o moço foi recebido com entusiasmo e muita alegria por várias crianças, meninos e meninas que o cercam com euforia, demonstrando com aqueles gestos o conhecerem. O jovem mancebo abre os braços e acolhe cada uma delas com carinho, ao tempo que abre as caixas distribuindo os presentes e bombons que trouxera e diz: Feliz natal criançada.

A Irmã Fátima fundadora e coordenadora daquela instituição surge à porta, sorridente, com sua indumentária de freira. Impunha suas mãos sobre aquele grupo e num gesto de carinho, abençoa aquele personagem que sempre trás alegria para os órfãos do Educandário Irmã de Fátima.

Qual o seu nome, onde mora, qual a sua profissão e religião? Não importa! Ele é o anjo da paz, do amor, da solidariedade.

Sejamos anjos nesse natal, buscando os infortúnios ocultos, e que possamos transformar todos os dia em dia de natal.

Muita Paz!

Salvador/BA

-29-
Para Papai Noel ou Mamãe Noel

Varenka de Fátima Araújo

Chegou a hora de falar de muitas coisas papai Noel.
O tempo passa, mudam o tempo
O meu pedido neste natal.....
Que o cérebro sendo a maior riqueza, todo cuidado
Que construísse mais escolas para os pequeninos
Que cada criança aprendesse a desenhar
Que a literatura fosse uma disciplina curricular
Que cada um plantasse uma muda para florir
Que não adianta estudar sem ter cultura
Que respeite o desejo da criança dando limites
Que aproveite o tempo enquanto pequeninos
Que seja bondoso com os mais velhos de cabelos brancos
Que não existe um pequenino totalmente mau
Que o bem está dentro de cada um e vence
Que por ter escolhido seus pais,viva com equilíbrio
Que nunca desanime com uma pedra
Que virão outras pedras no caminho
Que sendo ofendido, perdoe para ser feliz
Que penetre nos sonhos sem tapetes e devaneios
Que brinque e encha o ninho da infância com harmonia

Salvador/BA

-30-
Natal em tempos modernos
Akasha De Lioncourt

Eu acredito no Natal. Vejo-o como um momento em que reunimos as pessoas que amamos e celebramos um amor universal simbolizado pelo nascimento de Cristo. Acredito que nossas esperanças, nossos sonhos, anseios e desejos se renovam em comunhão e é um excelente momento para nos mantermos em reflexão.

Mas deveríamos manter essa chama todos os dias e não apenas em uma data especial. Para todos os que creem em uma trajetória de redenção por toda a humanidade, acredito que é exatamente isso que Cristo pretendia: que sua passagem por este planeta trouxesse o Amor como o princípio para todas as coisas. E para que possamos vivenciar esse amor é necessário que haja Fé. Essa fé inabalável que tão poucos experimentam e quando a alcançam nada mais é importante.

Estamos vivendo uma falta de fé imensa, as pessoas pensam no lado comercial da festa e se esquecem de que o objetivo principal dessa data é celebrar a vida, o amor, a esperança, o perdão. Estamos nos transformando em máquinas e brincando de Deus. Com isso, abrimos espaço para o aumento da violência e a perda de valores que nos mantém mais próximos do processo de evolução espiritual.

Isso me faz lembrar de Charles Chaplin e seu “Último discurso”: ‘não sois máquina; homens é quem sois’. E ele estava certo, não precisamos ser tão materialistas a ponto de nos afastarmos de Deus mas podemos permitir que o amor seja um sentimento mais atuante em nossas existências.

E é exatamente isso que eu gostaria de ver acontecer. Não só no Natal mas em todos os dias do ano que o precedem e os que vêm depois dele. Esse é meu pedido para o Papai Noel sempre: que amemos mais, ampliando nossa capacidade de compreensão e aceitação para as coisas que não podemos mudar e que iniciemos o processo dentro de nós mesmos, pois quando realizamos as mudanças de dentro para fora, acabamos por refletir no ambiente em que convivemos e atraímos para cada um de nós o que enviamos de forma vibratória.

Da mesma forma que a criança aprende por um mecanismo de repetição e tem por alicerce principal o que vê os pais fazendo, também os adultos acabam por captar ao seu redor as energias positivas que nos elevam e nos transformam de forma positiva. Que sejamos sempre recipientes e emissores de luz e amor. Esse é o meu maior desejo de Natal para todos nós.

Paz e Luz sempre!

São Paulo/SP, Natal de 2012.



-31-
O Natal Existe
Esther Gonçalves

O tempo do Natal se aproxima,
Flor espiritual que aquele a alma,
Nos fortalece, guia e ilumina...
Com o presente da vida,
Nos brinda.

O Natal existe...
Nos berços infantis,
A fauna e a flora agradecem,
Há hinos de louvor no céu, na terra, no mar, no ar...
O Universo inteiro comemora...
Vozes ecoam no Infinito...
"É Natal!!!"

Uma nova vida se faz,
Um coração novo e cheio de cor,
Abre-se com a luz do amor...
Bendito Natal do menino Jesus,
Que a todos conduz...
Por um reto caminho...

O DO AMOR!

Seja CAPPAZ de doar um abraço,
Uma palavra sinceras,
Um pedido de perdão,
Perdoar,
Sorrir,
Compartilhar...
DEUS é amor, é vida!

Neste Natal,
Renasça das cinzas!

Não é o fim do mundo,
Mas, um novo começo...
Com JESUS!

A CAPPAZ vos deseja
Um Natal maravilhoso
E um ano abençoado por DEUS,
Em nome do menino JESUS...

Que assim seja!

São Luís/MA



-32-
Oração de final de ano
Alzira Souza

Senhor meu Deus
Do hoje e do amanha
Que Cuidas da minha vida
Que Velas por meu sono
Hoje venho agradecer
Pelo término desse ano

Agradeço pela vida
Por toda graça recebida
Pelo perfume da flor
Pelo sol que me aqueceu
Pelo dia que choveu
Pelo ar que respirei
Pelo amigo que conquistei.

Agradeço pela dor
Por viver um grande amor
Pela mão que me ajudou
Pelas alegrias divididas
Por todas as dores abatidas.

Agradeço por meu trabalho
Por cada gota de orvalho
Pela noite de luar
Pelo encontro com o mar
Pela fantasia a navegar
Pela inspiração em cada poetar

A ti peço perdão
Pelo tempo que perdi
Pelo silencio que eu fiz
Pela mão que não ofereci
Pelo erro que pratiquei
Pelo amigo que magoei.

A ti peço perdão
Por não ajudar meu irmão
Pelo amor que desprezei
Pela ausência de oração
Por minha falha compreensão.

Acreditando na sua existência
Daí a mim um Feliz ano novo
A todos meus amigos também
Pedindo que nos abençoe
Que nos guarde e ilumine Amem.

Criciúma/SC



-33-
O Natal Existe
Carlos Reinaldo de Souza

O Natal é uma Criança,
mas em alguns corações,
ainda falta esperança,
ainda existem senões.

O Menino, em segurança,
em seu bercinho repousa.
Ele é a eterna esperança,
do homem que luta e ousa.

Assim o homem caminha,
filho de Deus Infinito,
em fuga da dura rinha.

Buscando um mundo contrito,
longe da vida mesquinha,
em Paz com Cristo Bendito!

Conselheiro Lafaiete/MG, 15/12/2012



-34-
Bate o Sino...
Esther Gonçalves

Bate o sino na Catedral,
Do céu cai a chuva de fininho,
A natureza canta,
Os cristãos festejam...
Jesus chega à meia noite,
Perdoando pecados,
Aliviando dores,
Curando enfermos,
Libertando os cativos,
Expulsando demônios,
Dando nova vida aos seres...
E ainda há aqueles que não acreditam
Em sua existência!
Só lembram nos momentos de amargura ou dor...
Seja como for...
Jesus é o Salvador,
Sua Missão não acabou...
Ele é paz, é vida,
Tudo em fim...
É o Senhor dos Senhores,
Seu reino não tem fim!
E como presente...
Ainda temos a esperança da Vida Eterna,
Para todos os que Nele acreditam...

Brindemos ao Senhor dos Senhores,
Ao Deus, e ao Filho também!
Jesus é o Filho...
O Ser Supremo, Menino, Homem!

E nessa Noite de Natal,
Tudo é luz,
É festa,
É magia...
O Espírito Natalino,
A todos contagia!

Viva o Natal!
Viva o Menino Jesus,
Por todo o sempre...
Assim seja!

Amém!

São Luís/MA



-35-
Meu Melhor Presente de Natal...
Esther Gonçalves

Final de ano chega de mansinho,
Invadindo a tela do meu coração,
Contagia-me o espírito natalino,
A família alegra-se com carinho.

Uns vêm do Norte - outros do Sul,
Do país de todas as cores - Brasil,
Ver, rever, abraçar, beijar, amar.,
Festejar o Natal do menino sutil.

Esse menino é chamado de Jesus,
É o Filho de Deus - luz que reluz...
Melhor presente de Deus - Jesus!

Ele curou muita gente - sim senhor,
Mostrou que há vida após a morte,
Para todos os que Nele crê com amor!

São Luís/MA



-36-
Natal de Lembranças...
Esther Gonçalves

Como é gostoso esse clima de final de ano,
Tantas lembranças se faz em minha mente,
Quantos momentos bons - união em família,
O tempo, a distância não consegue apagar...

Meninas, meninos, família unida, nosso lar,
Papai, mamãe, irmãos, tios, avós, amigos,
Na mesa, uma oração - no coração, o amar,
Muitas bênção recebidas para compartilhar...

Natal de presentes mil e muitas lembranças,
Bonecas, carros, roupas, fartura de amor... E
O menino Jesus enchia-nos de esperanças!!!

Restaurava os corações com o Espírito Natalino,
Agradecíamos as bênçãos concedidas, fazíamos
Novas petições a Jesus - nosso Deus menino!

São Luís/MA



-37-
Que Grande Alegria...
Esther Gonçalves

Comemorar o Natal na Ilha do Amor,
Família reunida - beijos e abraços,
Fortalecendo a união - os laços,
Privilégio que me faz sentir mui calor!

Como é gostoso esse clima natalino,
Comidas típicas, bebidas, presentes,
Tornando nossa vida mais contente,
Brindemos então ao Jesus menino...

Amo unir minha mão à tua e poder
Caminhar lado a lado - natal afora,
Sem pressa, vivendo intensamente...

Cada segundo com alegria e prazer,
Dando 'boas vindas' ao 'ano novo' agora,
Pequenas coisas - fazem-me contente!!!

São Luís/MA



-38-
Soneto de Agradecimento
Esther Gonçalves

Agradeço ao Senhor, por esse ano que passou,
Ergo minhas mãos para o alto - louvando...
Sigo minha vida, com a família - caminhando.
Olho para trás e vejo as marcas do que ficou.

Vivi momentos maravilhosos com os meus,
Família unida - amigos - irmãos e poesia,
Trabalho - para acompanhar - à luz do dia,
Realidade vivida - sonho dos filhos seus!

Obrigada Senhor, pela chuva, pelo sol,
Pelos peixes, aves, pássaros, fauna e flora,
Alimentos na mesa - sempre, sem demora...

Frutas, verduras, legumes, flores, girassol,
Até pelo irmão que nos visitou naquela hora,
Desejo a todos um 'Feliz Ano Novo'... Agora!

São Luís/MA



-39-
Natal de passarinho
Vera Passos

Sobre a copa da mangueira
Um casal de passarinhos
Pela vez primeira, dança o sexo faz ninho
Nos bicos trazem gravetos, folhas secas a luzir
Fazem leito e com jeito vão dormir
Eu na minha ignorância, penso que vão cair
Gritam ,pulam , trocam beijos e carinhos
Sob a luz do sol brilhante, verão nem chegou
A Terra está diferente, no inverno fez calor
Passarinho lá do mato, hoje mora no asfalto
Tão pequenos, sem vergonha
Na minha frente faz amor
Comem lixo, badameiros
Põe ovos e faz ninho, no meio do meu terreiro
Só libertam os filhotes, quando estão na maioridade.
Na semana do natal, parece até carnaval
Bicos rompem redoma, ouço canto repetido
Um dia deixam cidade, dão asas a liberdade
Dão adeus a hibernagem
Desaparecem na folhagem
Retornam em novo janeiro.

Salvador/BA



-40-
Fraternidade no Natal
Vera Passos

Somos todos irmãos, filhos da promissão
Mãos estendidas, mãos dão guarida
Mãos que acenam, mãos que abraçam
De dia, à noite, em qualquer ocasião

Mãos apontam a estrada da libertação
Afagam a criança, mostram o caminho
Acompanham o sozinho, oferecem o ninho
Acalmam o faminto, repartem o pão

Mãos que se estendem ao outro e o retiram do chão
Tocam uma música, embalam crianças
Desenham as letras, ensinam lição

Mãos que pintam a aquarela, adornam a mesa
Alimentam a pureza do sonho infantil
Mãos que alimentam a ternura
Levam a cura sem qualquer restrição

Mãos que preparam o Natal e cultivam o perdão
Que anulam o mau, que fazem a exceção
Que escolhem o amor, para acolher o irmão.

Salvador/BA



-41-
Natal que quero
Vera Passos

Abomino o Natal forjado pelo comércio
Quero um Natal singelo, simplório, de luz
Sei que são delírios, mas posso sonhar:
Os homens pintando aquarelas,
Os coros de músicas belas,
Uma casa simples, com muitas janelas,
A brisa entre e saia todas as manhãs,
Atravesse a sala ensaiando o bom dia
Um Sol amarelo emanando energia
À noite sentada ao batente
Uma Lua enorme beijando o mar
À espera da estrela no seu transmutar
E ao fechar os olhos dormir sem medo.
Na madrugada, ouvir o rio entre as pedras cantar
Abrindo os caminhos do novo lugar
Pássaros construindo seus ninhos
A semente, à margem esquecida, germinar
Ao nascer do dia, alegria estampada no ar
Como na infância, espalhar sorrisos, brinquedos compartilhar
Se for preciso desfilar nas ruas, brincar nas praças
Voltar ao doce abrigo,a sala humilde, de um lar
Abraçar os amigos que perduram no tempo
Nos pretéritos caminhos do Rio Jiquiriçá
Águas tranquilas, gotas transparentes
Chuvas intermitentes, nuvens carregadas
Burricos na estrada, rio a transbordar
Barquinhos na enxurrada, fantasia do nada...
Aos que seguem o vento e se aprumam nas plumas
Devemos ao Pai, agradecer e orar
Por fim na madrugada , depois de olhar as estrelas
Abraçar a Terra Mãe, de onde provém o manjar.

Salvador/BA



-42-
Mês do Natal!
Otoniel -J.O. Poeta

É parte da mais remota tradição religiosa
No mês de dezembro ser comemorado
Com o espírito voltado à reflexão ditosa
Ao acontecimento cristão mais sagrado:
O nascimento de Jesus, filho de Maria e José
Um casal de vida dedicada ao Deus Pai Eterno
Tempo de nascermos de novo sem dúvida é
Servindo-nos do exemplo dado por Ele, terno
O Cristo de Nazaré

Sendo Deus fez-se homem aos demais em
Igualdade
E sentir bem próximo de nós o quanto era
A nossa fragilidade
Na cidade de Belém, Maria dá luz àquele
Menino, uma excentricidade
Que por circunstâncias acidentais nasce
Numa humilde manjedoura
Demonstrando desde já a sua condição
De pobreza
A ser seguida por toda humanidade vindoura
Apesar d’Ele como Deus ser digno de toda Realeza

Foi por amor que o Pai Eterno o designou
A assumir as nossas culpas, nos ensinou
Que a Ele recorresse dizendo: “Sou o Caminho
A Verdade e a Vida”... Havemos de crer que
Ele continua nos amando como sempre amou
Neste Natal, visitemos o Seu Presépio e O adoremos
Querendo Ele que sempre O amemos também
Conscientes de que veio para o nosso bem!

Nas igrejas,os sinos badalam sons de alegria
Em nossas casas, nas praças, ruas e avenidas
Todas enfeitadas e iluminadas em harmonia
Em lugar de destaque ergue-se a “ Árvore”
Comemorativa, aos nossos olhos, uma atração
Sugerindo elevarmos a Deus o nosso culto
De Oração!

Jandira/SP



-43-
Natal
Marco Amado

Natal não é só o tempo
De ser cappaz,
Saber compartilhar,
Doar-se, sorrir,
Abraçar e cantar.

É também o tempo
De rasgar o peito
Deixar fluir a emoção
Que provem do coração

Descobrindo a solidariedade
A caridade, fraternidade,
Amor e paz
Momento único de reflexão

Feliz Natal

OcramIlha, 12/12/2012



-44-
O Natal Existe!
dinapoetisadapaz

Nasce Jesus Menino
Grande presente divino
Tão pobre e pequenino
Nosso Deus peregrino

Na humilde estrebaria
A gloriosa mãe Maria
E todo povo de Belém
Escuta o sino... Blém,blém

Renasce a esperança
de ventura e bonança
É hora de refletir
Amor e Paz difundir

Que seja a noite de Natal
Um momento especial
Para toda humanidade
Um mundo de serenidade

Cabedelo/PB



-45-
O Natal Existe!
Joyce L. Krischke

Os sinos batem para anunciar o Natal
Tradição milenar espiritual
Conclamam fé nos campos e nas cidades
Ao silenciar nos deixam saudades...

Sim, ouvimos cânticos nos ares
Corais... sons melódicos sem pares!
O Natal existe dentro em nós
Reunidos em família ou sós...

Em todo lugar, tudo é Natal
Comemorado com amor fraternal
Ouçam: o mundo não é só desgraças
Mesmo havendo guerras e ameaças

Cristo proclama o nosso Natal
Com Seu exemplo de Amor sem igual
Natal existe com Amor e Esperança
Fé e Paz que nos enchem da confiança

O Natal Existe!

Salvador/BA, 15/12/2012







SELO DE PARTICIPAÇÃO






MÚSICA DE FUNDO

O Natal Existe
Autor: Edson Borges

Quero ver
você não chorar
não olhar pra trás
nem se arrepender do que faz...

Quero ver
o amor crescer
mas se a dor nascer
você resistir e sorrir...

Se você
pode ser assim
tão enorme assim
eu vou crer...

Que o Natal existe
que ninguém é triste
e no mundo há sempre amor...

Bom Natal um Feliz Natal
muito Amor e Paz pra Você.
pra você!












|| Página Inicial | Voltar | Livro de Visitas ||




Arte e Formatação Rosângela Coelho
Exclusivo para CAPPAZ - Confraria Artistas e Poetas pela Paz
Fotos do Top: Árvore de Natal por Sebastiana Corrêa
Presépio de Jornal por Joyce Lima Krischke
Música de fundo de autoria de Edson Borges
Todos os direitos reservados