ENCERRAMENTO

Final da Ciranda: O Holocausto
É com imensa preocupação que percebo que os comportamentos perversos reincidem, nos meios onde as pessoas se dizem conectadas , globalizadas, onde crescem os grupos religiosos e ou filosóficos, falam-se tanto em Deus, em Jesus e em nome Desses, matam-se. O descalabro da 2ª Guerra Mundial, pelos idos de 1939 e 1945, criado pelos nazistas, deixou seus seguidores tão malvados quanto os que usaram o monopólio, preconceito e a segregação das minorias mutiladas e mortas . O holocausto não foi apenas a estupidez de uma época, se assim fosse não se perpetuaria nos tempos atuais. Os genocídios, as barbáries, os crimes hediondos, fazem, infelizmente, parte da nossa vida cotidiana. A cupidez dos criminosos de hoje, em nosso País, refletem como no espelho, a herança dos que deixaram arquivados , nas mentes doentes dos seus admiradores. No Brasil, a falta de estudo de alguns seguidores, um miscigenado que liderava o movimento nazista, não tinha conhecimento de que que Hitler tinha como objetivo apenas preservar a raça ariana.
E nós queremos arte, paz, solidariedade, amor...comportamentos e sentimentos contrários à VIOLÊNCIA.

Vera Lucia Passos
Presidente Seccional Salvador/BA

 





INTRODUÇÃO

O dia 27 de Janeiro foi adotado como Dia Internacional de Comemoração em Memória das vítimas do Holocausto pela Assembleia-geral das Nações Unidas em Novembro de 2005 através da Resolução A/RES/60/7. Na resolução a Assembleia-geral condena "sem reservas " todas as manifestações de intolerância religiosa, incitamento, perseguição ou violência contra pessoas ou comunidades por causa da sua origem étnica ou crença religiosa, quando estas aconteçam. Para evitar outro genocídio a ONU, por seus integrantes, decidiu criar o Dia Internacional de Comemoração em Memória das vítimas do Holocausto.
Esse tema comemorativo consta dos objetivos gerais da CAPPAZ e por sua relevância foi escolhido para tema da 60ª Ciranda mensal.
O que é Genocídio?
“O termo "genocídio" não existia antes de 1944; ele foi criado como um conceito específico para designar crimes que têm como objetivo a eliminação da existência física de GRUPOS nacionais, étnicos, raciais, e/ou religiosos. Em contraste, "direitos humanos", tais como definidos pela Declaração dos Direitos do Cidadão nos Estados Unidos ou pela Declaração Universal dos Direitos Humanos das Nações Unidas de 1948, dizem respeito a direitos INDIVIDUAIS.
Em 1944, Raphael Lemkin (1900-1959), um advogado judeu polonês, ao tentar encontrar palavras para descrever as políticas nazistas de assassinato sistemático, incluindo a destruição dos judeus europeus, criou a palavra "genocídio" combinando a palavra grega geno-, que significa raça ou tribo, com a palavra latina -cídio, que quer dizer matar. Com este termo, Lemkin definiu o genocídio como "um plano coordenado, com ações de vários tipos, que objetiva à destruição dos alicerces fundamentais da vida de grupos nacionais com o objetivo de aniquilá-los". No ano seguinte, o Tribunal Militar Internacional instituído em Nuremberg, Alemanha, acusou os líderes nazistas de haverem cometido "crimes contra a humanidade", e a palavra "genocídio" foi incluída no processo, embora de forma apenas descritiva, sem cunho jurídico.
Em 9 de dezembro de 1948, sob a sombra recente do Holocausto e em grande parte pelos esforços incansáveis de Lemkin, as Nações Unidas aprovaram a Convenção para a Prevenção e Punição de Crimes de Genocídio. Esta Convenção estabeleceu o "genocídio" como crime de caráter internacional, e as nações signatárias da mesma comprometeram-se a "efetivar ações para evitá-lo e puni-lo", definindo-o assim:
Por genocídio entende-se quaisquer dos atos abaixo relacionados, cometidos com a intenção de destruir, total ou parcialmente, um grupo nacional, étnico, racial, ou religioso, tais como:
(a) Assassinato de membros do grupo;
(b) Causar danos à integridade física ou mental de membros do grupo;
(c) Impor deliberadamente ao grupo condições de vida que possam causar sua destruição física total ou parcial;
(d) Impor medidas que impeçam a reprodução física dos membros do grupo;
(e) Transferir à força crianças de um grupo para outro.
Embora muitos casos de violência contra determinados grupos hajam ocorrido ao longo da história, e mesmo após a Convenção haver se tornado válida, o desenvolvimento internacional e jurídico do termo concentra-se em dois períodos históricos distintos: o primeiro, a partir da criação do termo até sua aceitação como lei internacional (1944-1948), e o segundo, desde que ele foi efetivado através do estabelecimento de tribunais para o julgamento de crimes internacionais de genocídio. A prevenção do genocídio, também parte integral da Convenção, é um desafio que nações e indivíduos ainda enfrentam. “
(Fonte de pesquisa - Google)
A CAPPAZ aguarda a participação de todos os seus membros, nesta Ciranda Mensal- através dos diversos meios de expressão e comunicação de cada um.
Será uma alegria contar com suas presenças em matéria de relevante significação para a CAPPAZ.
Balneário Camboriú/SC, 12 de janeiro de 2014.

Joyce Lima Krischke
Presidente-Fundadora CAPPAZ





PARTICIPANTES

01  Akasha De Lioncourt  25
02  BRita BRazil  04
03  Carlos Reinaldo de Souza  26
04  Celeste Farias Dias  22 e 23
05  Deomídio Macêdo  13
06  Elzio Luz Leal  21
07  Fátima Peixoto  11
08  Fernando Alberto Salinas Couto  06
09  Humberto Rodrigues Neto  09
10  Isabell Sanches  18
11  João José Oliveira Gonçalves  24
12  Joyce Lima Krischke  14 e 20
13  Judite Krischke Sebastiany  08 e 10
14  Marcelo de Oliveira Souza  01
15  Odilon Machado de Lourenço  15 e 16
16  Paola Rhoden  05
17  Paulo Rodrigues  12
18  Roseleide Santana de Farias  19
19  Sidney Santos  03
20  Sílvia Araújo Motta  02
21  Sônia Rêgo  07
22  Vera Lúcia Passos Souza 17






PARTICIPAÇÕES

-01-
Holocausto
Marcelo de Oliveira Souza

Corpos nus perfilados
Tristeza estampada
Da última viagem,
Imputada pelos canibais.

A cruz maculada pela suástica
Olhos manchados de pus
Segue adiante no seu passeio.

Na viagem sem volta
Aceitamos o destino impassível
Resignado com o alto comando
Numa ordem sepulcral.

O tempo marca os corpos
O Holocausto no claustro,
Numa dor e lamento
De um sofrimento
Que nunca mais vai terminar...

Salvador/BA



-02-
LIÇÕES DO HOLOCAUSTO DURANTE A II GUERRA MUNDIAL-DIA 27 de JANEIRO

Acróstico-Histórico Nº 5469
Para os 69 anos do final do Holocausto)
Por Silvia Araújo Motta/BH/MG/Brasil

L-Lições são avaliadas desde a Resolução 60/7 de 01-01-2005,
I-Instituída pela ONU: Organização das Nações Unidas;
Ç-Consequências trágicas na História da Humanidade...
Õ-O TEMA evoca as experiências horrendas vividas:
E-Envio de homens, mulheres e crianças às câmaras de gás,
S-Sem defesa, após a chegada, aos Campos de Concentração.

D-Dia Internacional da Memória do HOLOCAUSTO:
O-O 27 de JANEIRO foi aprovado pela Assembleia-Geral/ONU

H-Hoje, devemos aprender o respeito pelas DIFERENÇAS,
O-O respeito pelas Religiões, pelas Etnias, por nosso próximo;
L-Lembrar do GENOCÍDIO acometido pelos Nazistas e Adeptos:
O-O que ceifou a vida de milhões de judeus, dois milhões de
C-Ciganos, quinze mil homossexuais e outros incontáveis...
A-A data nacional da lembrança é adotada por várias Nações
U-Une esforços de cooperação para mobilizar a sociedade
S-Sem violência, sem discriminação para prevenir futuras reações!
T-Todos devem seguir a Declaração Universal dos Direitos Humanos.
O-O mundo busca a PAZ Mundial que é colocada nos corações.

---HOLOCAUSTO? NUNCA MAIS!---
Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, 15 de janeiro de 2014.

-03-
NUNCA MAIS
(27 JANEIRO - Dia Internacional em memória das Vítimas do Holocausto)
Sidney Santos

Não à perseguição
Nunca mais, preconceito
Amor no coração
Paz, o maior conceito
Respeito a todos os povos
Esperança em tempos novos

Santos, 27 janeiro de 2014.

Sidney Poeta Dos Sonhos
(Amante da Liberdade)

-04-
HOLOCAUSTO?


NÃOOOOOOOOOOOO
OOOOOOOOOOOOO
OOOOOOOOOOOO
OOOOOOOOOOO
OOOOOOOOOO
OOOOOOOOO
OOOOOOOO
OOOOOOO
OOOOOO
OOOOO
OOOO
OOO
OO
O

(BRita BRazil)

-05-
Holocausto
Paola Rhoden

O que eu poderia achar de poético em matança de pessoas inocentes?
Quem sabe na cor dos olhos daqueles que horrorizados seguiam, como bestas assustadas, rumo às câmaras assassinas açoitados pelo medo e a desesperança? O que posso fazer hoje, além de sentir repulsa daqueles que sem piedade tocavam como manadas os assustados seres sem defesa?
Perguntas sem respostas. Mãos amarradas pelo tempo. Sou nula para dizer em versos a indignação de não ter nascido antes para gritar, quem sabe também morrer como tantos, para tentar evitar tão hediondo crime.
Só posso orar pedindo: holocausto, nunca mais.

Brasília/DF

-06-
HOLOCAUSTO NUNCA MAIS
Fernando Alberto Salinas Couto

Permita-nos, amado Deus
que de todos sacrifícios,
necessários pra se evoluir,
deficientes, ciganos, judeus,
nunca mais de genocídios,
voltem sequer poder ouvir.

Não se fale mais em guerra,
ódio e preconceito de raças,
dos quais já estou exausto.
Ó Deus, permita, nesta Terra,
a fraternidade entre massas...
nunca mais o cruel holocausto.

Que todo mal fique para trás
e o mundo todo viva em paz.

RJ – 17/01/14

-07-
HOLOCAUSTO NUNCA MAIS
Sônia Rêgo

Durante a segunda guerra mundial,
judeus, ciganos e outros mais,
eram sacrificados em holocausto,
pelos nazistas tão desiguais.

A guerra acabou em 1.945.
Hoje, muitos anos após,
ainda há resquícios dessa barbárie.
Mendigos, mulheres, crianças...
sofrem agressões parecidas.

Sem omissão ao que acontece
façamos uma prece, ao Pai,
por esse povo que ainda padece
imolações, expiações tão cruciais.

Chega de tanto desrespeito,
violência, racismo, preconceito.
Todos nós pedimos paz...
Holocausto nunca mais!

RJ – 17/01/14

-08-
Holocausto nunca mais...*
Judite Krischke Sebastiany

Loucura generalizada.
Loucura de um líder desumano.
O cúmulo da discriminação.
Desumana ação. Assassinatos.
Brutais assassinatos.
Nunca mais. Jamais.
Lição aprendida.
Humanidade restaurada.

Atenção! Vigilância!
Ainda há mentes doentias.
Medicina. Prevenção.
Compromisso de todos nós.

A paz se constrói a cada dia.
Em cada gesto e ação.
Em cada luta e denúncia:
Saúde é prioridade!

Educação. Saúde.
Justiça. Humanização.
Somos todos irmãos.

*Lembrei das cenas que vi no Museu do Holocausto em Jerusalém. Muito chocante!
Porto Alegre, 18/01/2014

-09-
FORA O HOLOCAUSTO!
Humberto Rodrigues Neto

Sendo senhora de realeza tão tamanha
de homens de gênio, e das finanças tendo o fausto,
vai precisar de longas eras a Alemanha
para extirpar da sua história o Holocausto!

Mas o seu povo, um dia deu-se às vis sequelas
de perturbar-se, e de manter o ouvido mouco
à raiva, ao ódio, à ânsia de sangue, enfim, àquelas
perorações mefistofélicas de um louco!

Votando um ódio irracional pelos judeus,
esse discípulo fiel de Satanás
matava à fome os descendentes dos hebreus
e enviava o resto para as câmaras de gás!

Ainda haverá, por este mundo, muita guerra,
muita maldade em proporções irracionais;
muito extermínio ainda haverá por sobre a terra,
mas que o Holocausto não se veja nunca mais!

São Paulo/SP

-10-
Holocausto: nunca mais?Nunca Mais!
Judite Krischke Sebastiany

Muitos anos de conflitos e assassinatos.
Pequena parte registrada em filmes.
Relatos de sofrimento e dor
Divulgados em livros e filmes.

Desde Anne Frank até Victor Frankel.
O Menino do Pijama Listrado!
Do início ao fim: muito chocante.
Vidas inocentes sendo destruídas.

No museu do Holocausto;
Em Jerusalém as lembranças.
Para ninguém esquecer.
Para não mais acontecer.

Não queremos revanche.
Mas conscientização.
Muitas gerações marcadas
Por uma liderança insana.

Sinal de alerta todos os dias
Especialmente para os jogos
De nossos jovens e crianças.
Jogos de destruição e morte.

Mentes sendo preparadas
Para serem desumanas
Assassinos de sangue frio.
Cuidado! O amanhã virá!

E será fruto do que cultivarmos hoje!

Porto Alegre, 18 de janeiro de 2014.

-11-
Quantos...?
Fátima Peixoto

Vamos falar de vida,
Falar de solidariedade,
Falar de união,
Falar de paz, esperança.
Sentimentos que humanizam,
Que unem povos,
De diferentes raças, crenças...
Sem preconceitos, sem exclusão.
A morte é certa, para que antecipá-la,
Matam-se os seres humanos,
Quando são violados seus direitos básicos,
Quantos não morrem de fome?
Quantos não morrem de frio?
Quantos não morrem pela violência?
Quantos não morrem pela prostituição?
Quantos não morrem envolvidos pelas drogas?
Quantos não morrem por falta de amor ( depressão)?
Quantos não se sentem no meio de um HOLOCAUSTO nos dias de hoje?
Quantos...?

Texto produzido para 60ª Ciranda Cappaz
"Holoucasto nunca mais"

Cabedelo/PB

-12-
Holocausto
Paulo Rodrigues

Que os campos
sejam concentrados
de flores coloridas,
abelhinhas e beija-flores
levando a vida de flor em flor!

Que as câmaras
sejam preenchidas
com a suave brisa
do fim da tarde morena,
onde casais trocam juras de amor,
promessas e sonhos!

Que não haja “falsos lideres”
doutrinando a superioridade
de uma raça e etnia!

Que todos sejam tratados como irmão
e convidado para o café da tarde
de doce aroma vindo da cozinha!

Sorocaba/SP

-13-
LUZ APÓS TEMPESTADES.
Deomídio Macêdo

A turbulência surge na Alemanha,
ceifando vidas, vidas e vidas!
No período da 2ª guerra mundial.
Em nome de uma raça pura
que brota da mente doentia,
viciosa, imponente
do ditador: Adolf Hitler.
Judeus, ciganos, homossexuais,
opositores políticos,
eram ceifados impiedosamente
nos campos de concentrações.
Crianças eram separadas dos pais.
Famílias dizimadas pelo ódio arbitrário,
numa perseguição política, étnica, religiosa e sexual.
O holocausto deixou a sua nódoa marcada na histórias,
e nos corações de todos os povos.
A turbulência passou como passa todas as tempestades.
E o sol brilhou novamente para todos, só para lembrar que somos irmãos,
sem nenhuma distinção.

Holocausto, nunca mais!

Salvador/BA

-14-
Holocausto Nunca Mais
Joyce Lima Krischke

Balneário Camboriú/SC

-15-
Quando o corvo diz nunca mais
Odilon Machado de Lourenço

Do outro lado do arame a fuga roçava as mentes
Do outro lado da mira os olhos eram de adeus
Os campos não tinham flores para tantos funerais
Levavam embora os judeus por serem judeus
Levavam os ciganos por serem ciganos
Nos hospícios nenhum doido para guardar a doideira
Levavam os loucos só por trazerem loucura
Se não tivessem a estética iam à viajem do trem
Depois o trem ia embora deixando as gentes nos campos
Gentes carimbadas na carne
Dormitando amontoadas desmaiavam famintas
Engolindo gás tornavam-se átomos de fogo
Abraçavam o corpo ao lado empilhado na cova
A cova da memória que não cala a palavra Holocausto.

Balneário Camboriú/SC, 16-01-2014.



-16-
Um trem para Treblinka
Odilon Machado de Lourenço

Um trem sem janelas passa nos trilhos da Polônia
Fora a paisagem tem imagens da Polônia
Longa viagem da angústia dentro do trem na Polônia
Insones horas noturnas em vagões na Polônia

A máquina puxa o trem pelos trilhos da Polônia
O vento é puro e sereno sob o morno sol da Polônia
Passageiros buscam frestas dentro do trem na Polônia
Das durezas brotam lágrimas em vagões na Polônia

A longa fila de aço vai parando numa estação da Polônia
A noite veio terrível sobre o chão da Polônia
O ar tem medo de entrar nesse porão na Polônia
Um banho com a cor da morte desaba sobre a Polônia.

Balneário Camboriú/SC, 15-01-2014.

-17-
HOLOCAUSTO
Vera Passos

Hebreus antigos massacravam suas vítimas,
Queimava-as, era sua lei.
O tempo passa, corre e o mal não perdoa...
Voa e retine, implacavelmente.
Nas suas leis medonhas, acorda na matança cruel,
Desperta o sabor do fel no peito austríaco/alemão.
E os irmãos Judeus são desacordados, mutilados, na guerra...
E vem da Palestina, que até hoje vive a sina de sofrer.
Nos campos de concentração, haja dor, haja horror...
Ausência do amor em terras alemães...
Hoje o holocausto, mata, até a esperança de viver
Pela pedra, pelo pó, pela erva...
A vida perde seu valor.

Salvador/BA

-18-
HOLOCAUSTO NUNCA MAIS
Isabell Sanches

Que a perseguição se transforme somente feito torrentes de desejos abundantes pela harmonia
e que em cada peito pulse o respeito e nos prevaleça sempre em dias vindouros a esperança de um mundo mais humano,fraterno e fecundo
A declaração dos direitos humanos é universal que os nossos direitos tenha reconhecimento igual enfim:
que a paz e a união possa sempre reinar em nossos corações a cada instante do nosso "existir".

Cachoeiro de Itapemirim/ES

-19-
Holocausto
Roseleide Santana de Farias

HOLOCAUSTO, profundos sacrifícios de vidas,
Ostenta a indiferença humana pelo outro Ser
Levando a destruição da vida, os atos indignos
Onde persevera o ódio, menosprezo, maldade
Companheiros da ambição, orgulho, vaidades.
Aonde iremos parar e qual é o nosso futuro?...
Universo, Cosmos, divindades, onde estás com
Seus mistérios e poderes infindos, permissivos,
Trazendo a liberdade à alma humana capaz de
Orgulhosamente sacrificar a tudo e a todos que
               (Tu Senhor, amorosamente criastes!?

(27/01) - Dia Internacional em homenagem
             as vítimas do Holocausto, genocídio
             da 2ª Guerra Mundial.

-20-
REFLEXOS DA 2ª GUERRA NUMA CRIANÇA BRASILEIRA
Joyce Lima Krischke

Hoje, perdi as rimas ao meditar sobre a 2ª guerra mundial e o holocausto...
Reporto-me aos anos de 1939 até 1945, quando, ainda muito criança, tive a infelicidade de vivenciar momentos difíceis, na minha tenra idade, embora residindo no Brasil.
Durante a guerra conheci uma menina que tinha, apenas, 7 anos de idade.
Ela era loira de olhos azuis , usava tranças e trazia um sobrenome estrangeiro. Seus ancestrais eram de origem alemã.
Quando ela tinha apenas 5 anos de idade, iniciou-se a 2ª grande guerra mundial , comandada pelo nazista Hitler.
Hitler e seu exercito perseguiam em especial os judeus, as pessoas deficientes, as crianças, as mulheres e os idosos, etc.
Esses atos perversos, estão a disposição de todos na internet, para que nunca mais venha ocorrer matança tão cruel.
Os reflexos da maldade de Hitler se espalharam... Atingindo pessoas inocentes e até crianças no Brasil.
“a exemplo daquilo que vemos- hoje- nos jornais do Brasil”. “ou seja, pessoas sendo agredidas nas ruas, sem nada terem feito, estabelecimentos comerciais saqueados e apedrejados, trabalhadores, especialmente”
Naquela época, brasileiros diversos- ditos “colonos” foram presos, no Brasil sob falsa acusação de serem nazistas. Sim, isso ocorreu no Brasil durante a 2ª guerra mundial de 1939 até 1945.
Naquela época, já havia o “bullying” e, uma menininha inocente foi “perseguida por seus coleguinhas”, com a indiferença dos professores.
A menina era arrastada pelos corredores da escola, puxada pelas tranças, beliscada, etc.
Na escola nunca a chamavam pelo nome e, sim pelo apelido de “alemoa nazista” ou alemoa batata come queijo com barata.
Os pais da criança, mudaram a mesma de escola, por três vezes. Mas tudo em vão. Os maus tratos se repetiam, sem que a mesma fosse alfabetizada. Uma professora particular alfabetizou a menina.
O “bullying” não é uma situação nova nos dias de hoje, é antigo... Ele pode destruir a paz das pessoas .
Precisamos estar em paz com nós mesmos, para passarmos a paz para os outros e para o mundo.
Não podemos desconhecer as lições do passado, para evitarmos novos conflitos pessoais, locais ou até mundiais.
Renovo o convite para a participação na 60ª ciranda CAPPAZ- holocausto- nunca mais- como uma reflexão profunda para a manutenção da nossa paz , da paz no mundo e a manutenção vida no planeta terra.

Balneário Comburiu, 25 de janeiro de 2014(68 anos após o término da 2ª Guerra Mundial, sentido a cada dia que passa a proximidade de outra grande guerra...)

-21-
Holocausto do ser.
Elzio Luz Leal

Amante de qualquer vida,
Não importa qual ela seja,
Se é curta ou comprida,
De um micróbio ou narceja,
De uma árvore ou inseto...
Mas a vida que lateja,
Que brota da energia,
Que vibra na consciência,
Toda vida, de Deus é cria!
Não existe vida sem morte,
Que na vida faz um corte,
E outra vida recria.
Quem somos nós pra quebrar,
Esse ciclo virtuoso?
Não pode o homem matar,
O que é divino e formoso...
Mas o homem é insensato,
Não obedece a natureza,
E assassina, de fato,
A um outro ser, com certeza,
Simplesmente para exercer
E assumir o poder!
Assim, sem regras e normas,
São homens em suas formas,
Mas bestas no interior.
Matam, dizimam, exterminam,
Os outros povos arrasam,
Em nome só do poder.
A morte espalham aos milhares,
Massacram famílias e lares,
É o holocausto do ser...
Aprenda, oh, homem, insensato,
Não queira ser Deus, oh, ingrato,
Um Deus da destruição...
Seja um parceiro da vida,
Faça dela a acolhida,
E do amor, a multiplicação!

Rio de Janeiro/RJ

-22-
Sucessão na Septilha
Holocausto – O veneno consciencial
Celeste Farias Dias

Diante da septilha do fiasco, exclamam para
os súditos, os reis de catástrofes e perdições:
– Tomai e bebei deste veneno consciencial, carnal
que aniquilará o teu corpo e sacrificará a tua alma.
Fazei na superioridade do teu ser, nesta loucura que embriaga,
no devaneio desta voz que te faz crer, e verás a escuridão
que será praga e que conviverá em tuas eternas lembranças.

Belo Horizonte/MG, 30/01/14



-23-
Sucessão na Septilha
Holocausto - Amargas lembranças
Celeste Farias Dias

Confusão, desastre, Nagasaki,
Imolação, mortificação, aberração,
Carnificina, massacre, chacina,
Suplício, extermínio, judiação,
Nazismo, guerra, destruição,
Tortura, expiação, holocausto...
Nunca mais, meu irmão!

Belo Horizonte/MG, 30/01/14

-24-
Holocausto!
J.J. Oliveira Gonçalves

Doença, fome, miséria
Na guerra de todo dia
Quase morta inocência
A velhice já morreu!

Bicho-homem em si mesmo
Por dinheiro se perdeu.

Natureza e animais
Agonizam ante algozes!
Estes tempos tão bicudos
De alegrias quase nada
Suspiro leva-me à infância
Aos meus alegres brinquedos
Onde eu sonhava acordado
Ungido de Paz e Bem!

Tempos de agora tristonhos
No meu Brasil condenado
Apunhalaram meus Sonhos
Novos nazistas medonhos
Vestidos de "de menor"
Matam em novo holocausto
Em diuturno terror
Pelas ruas do Brasil!

Porto Alegre, 30 de janeiro/2014. 13h20min - ha

-25-
Holocausto
Akasha De Lioncourt

Peço desculpas aos amigos,
Confrades e confreiras Cappazes.
A ciranda que hoje se encerra,
E, da qual eu talvez não faça parte,
Possui um tema doloroso,
Que enegrece a história da Humanidade.
Um cego com olhos perfeitos,
Guiando míopes moralmente mal formados,
Causou grande dor em todo o planeta,
Em nome de uma Nação deturpada,
Que acima de tudo e de todos se julgava.
Página triste para nossas memórias,
Vítimas inocentes de um ato inglório.
Assim foi em todo o holocausto, E
assim será sempre que alguém insano
Decidir brincar de ser Soberano.
Em memória desses seres humanos,
Que morreram naqueles campos,
Hoje, meu coração ainda chora,
Mas leva consigo a certeza,
De que Deus não os abandonou,
Naquela derradeira hora.
E foi esse pensamento de amor,
Quem me ajudou a escrever,
Esse pequeno amontoado de versos,
Que todos vocês irão ler.

Guarulhos/SP, janeiro/2014

-26-
ACRÓSTICO DO GENOCÍDIO
Carlos Reinaldo de Souza

Hitler, mentor do holocausto,
O maior crime da História.
Louco foi seu crime infausto;
O pior: a morte inglória.
Com muita dor, o ato hostil,
Atingiu a Humanidade,
Ultrajou de forma vil,
Semeou fatalidade,
Torpes golpes contra a paz,
O terror noss'alma invade!

 

 





SELO DE PARTICIPAÇÃO













|| Página Inicial | Voltar | Livro de Visitas ||




Arte Joyce Lima Krischke
Formatação Rosângela Coelho
Exclusivo para CAPPAZ - Confraria Artistas e Poetas pela Paz
Fundo Musical: Guerra da trilha sonora de "A Lista de Schindler"
Todos os direitos reservados