ENCERRAMENTO/AGRADECIMENTOS

Aos Confrades e Confreiras que contribuíram para o brilhantismo da Ciranda, cujo título : "Mãe, mestra de amor", através dos seus textos, o agradecimento da Direção da CAPPAZ. Esperamos contar com todos vocês, na próxima, a fim de alimentarmos o nosso site e ao mesmo tempo expressarmos as nossas ideias e sentimentos. Muita PAZ.

Vera Passos
Presidente Nacional

Chamo de puro amor, os versos, prosas dos confrades e confreiras da CAPPAZ, que participaram da Ciranda "Mãe Mestre do Amor". Uma chuva de palmas para todos.

Varenka de Fátima Araújo
Seccional Salvador/BA

 






INTRODUÇÃO - CONVITE

Estamos no mês de maio, mês das MÃES. Enviem seus textos os quais serão postados no SITE CAPPAZ. Título: Mãe, mestra do amor!
Às mulheres que se dedicam a formar famílias, educar os filhos, na missão sublime do amor.
Neste domingo, as nossas homenagens a quem por instinto ou por amor, gera vidas.
Às mulheres que se dedicam a educação através de gerações, o nosso carinho e gratidão.
Às mulheres que recebem no ventre até que o fruto amadureça para conhecer a luz.
Às mulheres que ao fruto conduz, no caminho reto, o nosso respeito.
Às mulheres que mesmo não tendo gestado, nem parido, adotam pelo coração, aos que foram abandonados, o nosso amor.
Às mulheres que além de tudo, trazem em si o desejo de PAZ. Muita PAZ!!!!!!!
À MÃE ABNEGADA DA CAPPAZ, a nossa PRESIDENTE/FUNDADORA, Joyce Lima Krischke e a todas as MULHERES DA CAPPAZ, MUITA LUZ!
FELIZ DIA DAS MÃES!

Vera Passos
Presidente Nacional
Presidente Seccional Salvador/BA

 



PARTICIPANTES


01 Akasha De Lioncourt 34
02 Alina Tolotti 11
03 Audelina Macieira 02
04 Branca Tirollo 26
05 BRita BRazil 09
06 Carl Elísio 28
07 Carlos Alberto Barreto 18
08 Carlos Reinaldo de Souza 22
09 Celeste Farias 33
10 Deomídio Macêdo 32
11 Eda Thereza Piccinin Bridi 40
12 Edvaldo Rosa 12
13 Eloísa Antunes Maciel 27
14 Fátima Peixoto 14
15 Fernando Alberto Salinas Couto 10
16 Humberto Rodrigues Neto 06 e 16
17 Jeferson Alves Bandeira 37
18 Joyce Lima Krischke 03 e 39
19 Judite Krischke Sebastiany 38
20 Luiz Menezes de Miranda 35 e 36
21 Marcelo de Oliveira Souza 01
22 Mariângela Repolês 20 e 21
23 Michelle Zanin 04
24 Odilon Machado de Lourenço 23 e 24
25 Retijane Popelier 19
26 Rosana Carneiro 17
27 Rosângela da Silveira Coelho 15
28 Roseleide Santana de Farias 08
29 Sidney Santos 07
30 Sílvia Benedetti 25
31 Valter Bitencourt Junior 29
32 Varenka de Fátima Araújo 30 e 31
33 Vera Passos 05
34 Vera Trindade 13

 

 

 

PARTICIPAÇÕES

-01-
Sorriso de Mãe
Marcelo de Oliveira Souza

Com um grande coração
Ela torna-se mãe
Uma vida
Gerando vida.
Os anjos comemoram
Uma grande emoção.

Muitos obstáculos se somam
Mas o sorriso de mãe continua
A vida segue
O filho cresce ou some...

A vida tem destas coisas
Mas a mãe está ali
V i g i l a n t e
Mesmo diante
Do maior dos problemas.

Nessa vida nada é perfeito
E nada é tão intenso
Como o Sorriso de Mãe
C o n s t a n t e ...
Que abraça o mundo
Somente num segundo.
Doravante
Não esqueça
Que esse sorriso
Eterno nesse momento,
Onipotente...
I n f e l i z m e n t e
Não é eterno como o seu amor.


Girleide, esposa do confrade Marcelo, e sua filha Moara.

-02-
A mãe do mundo
Audelina Macieira

é a minha, a sua , a nossa
mainha, mãezinha, mãe
nossa madrinha e irmã
que acolhe nosso olhar
E ensina o amor ao amar
Mãezinha, sorri e chora
mas , não se apavora
com as dores do parri
desperta do sono assim, forte
e RI.
menina frágil poesia , flor de lótus
mãezinha, madura, balança a criança
nos braços e lhe entrega a alma do futuro
assim, brincando leva a vida carregando o mundo
nas costas, vai lá e protege sua criança
a multidão que vai em paz

-03-
Mãe Mestra do Amor
Joyce Lima Krischke

(Para as mães do mundo)

Mãe acalanto... melodia divina!
Ah! Mãe em cujo seio o amor germina
Desejando ao filho felicidade
Mesmo distante... na saudade.

Oh, mãe! Belo exemplo de ternura
Abelha rainha- toda doçura!
É fonte de conselho e carinho
Acolhedora ave, no seu ninho.

Enfrenta embates com sofreguidão
Faz da sua vida uma oração
Mãe rosa entre espinhos
Exemplo que aponta caminhos!

Retrata a bandeira da vitória
Estendendo as mãos, sem buscar a gloria!
Mãe coragem, fé, renúncia e perdão...
Sim, mãe “Mestra Do Amor”: Poema-canção.

Balneário Camboriú/SC, 04/05/2014

-04-
Mãe
Michelle Zanin

Mãe tu me carregaste nove meses em teu ventre, deste-me a vida.
Ensinou-me a falar, andar, comer...
Sempre te vi como um exemplo de mulher lembro que na infância almejava ser igual a você, colocava seu sapato de salto alto, me sentia o máximo, achava que já era gente grande.
Você sempre demonstrou por mim um verdadeiro amor incondicional, foram tantas noites em claro, apenas para me convencer que não havia nenhum monstro dentro do meu guarda roupa.
Sempre me incentivando, estimulando a dar meu melhor, me ensinou que tudo que é feito com amor gera bons frutos.
Mostrou-me que o diferente também é belo, que existem várias realidades, disse uma vez que há diversos tipos de pessoas, muitas diferentes da gente, mas que todas têm seu valor e devem ser respeitadas.
Contava-me histórias de fadas e princesas,queria me poupar do mundo que muitas vezes é triste e desigual.
Aos poucos fui crescendo, ficando independente, hoje já sou plenamente capaz de cuidar de mim. Mas não fique abatida, nunca me esquecerei de você minha linda mamãe, sei que perante seus olhos sempre serei uma eterna criança, por isso ás vezes finjo que ainda sou uma, somente para te fazer rir e poder ver teu doce sorriso.
Ao longo da vida vamos encontrando diversos tipos de amor: amor de amigo, amor de namorado, amor de pai, mas sem dúvida o maior de todos sempre será amor de mãe. Um amor muitas vezes incompreendido, somente quem de fato é mãe sabe o que é senti-lo.
É um grande equívoco dizer que toda mulher nasce pronta para ser mãe.
Mãe não é quem gera, é quem cria, com amor, carinho, dedicação, muitas vezes abdicando suas vontades e desejos, mãe não é somente uma virtude é um dom divino.
Por isso me sinto honrada de poder dizer que tenho uma mãe, a qual considero uma rainha, a donzela dos olhos verdes.
Neste dia especial certamente lhe entregarei rosas vermelhas, pois são delicadas e tem um tom vermelho energizante, que lembra o amor que sinto por você.
Sei que esta é mais uma data tornada comercial, mas mesmo assim pretendo comemorá-la, porque representa o que personifica o ser mulher.
Essa é uma singela homenagem a todas as Mães.


Confreira Michelle Zanin com sua mãe Elisabete.

-05-
Mães, mestras do amor
Vera Passos

Das terras astrais trazem às batalhas
O que lhes escolhem, na via de luz
Mulheres benditas, bordadas de faces
Faróis da estrada, indicam a jornada, ao parto seduz
Se guardam, se privam, se rendem à luz
Amor sem limites, sem doses, à vida conduz
Protegem o fruto na terna redoma
Até que se rompa a nova cortina.
O gérmen maduro, deixa o escuro e a via reluz
E abrem as asas ao vento e leva o alento
Aos que buscam o cais
Na luta profana, se enche de garra
Ao corpo agarra e o feto plasmado, sublima o cuidado,
Para a vida de paz
Mulheres, mestras do bem, doam o teto
E quando convém, oferecem o colo,
A base, o solo, ao fruto bendito, que veio de outrem
Mães que assumem a sua missão, educam e estendem a mão
Deixam seu trono, perdem o sono, nas noites de dor
Doam ao verbo, o doce licor, na dose de amor

-06-
MÃE!
Humberto Rodrigues Neto

Tu foste, mãe, na treva a claridade,
na dor meu riso e na tormenta o norte,
a doce companheira e a consorte
das minhas horas de infelicidade!

Que anjo não foste, toda vez que a sorte
não me sorriu! E com que imensidade
de amor, desvelo e angelical bondade
tu me ensinaste a ser paciente e forte!

E hoje a alegria anda a sorrir nos ares...
é o “Dia das Mães” numa porção de lares
e eu vou fingindo que inda o comemoro!

Mas teu espírito, a me amar afeito,
vem doer tão docemente no meu peito,
que eu cerro os olhos... Pendo a fronte... E choro!

-07-
PRINCÍPIO
Sidney Santos


No ventre, emoção
Nascimento, alegria
Mãe é coração
E sobretudo, poesia

É abrigo, calor
Rota para um caminho
São abraços de amor
Beijos de carinho

Favo de ternura
Anjo doce e sublime
O remédio que sempre cura
Estrela do meu filme

Sidney Poeta Dos Sonhos
da minha Santos Querida

-08-
“Mãe: Mestra do Amor”
Roseleide Santana de Farias

Contemplo o céu nesta manhã de Maio
Suas nuvens brancas e outras sombrias,
Que levadas ao sopro do vento, se vão,
Tentam levar para longe minha agonia!

Na mangueira trinam os belos rouxinóis,
Acordo ao cantar alegre dos bem-te-vis!
Agradeço a Deus as bênçãos que recebi,
O aconchego dos teus braços ao nascer!

O brilho do sol que teima em aqui chegar,
Trazendo alegria, beleza, luz, vida e calor,
Vão afastar de mim esta imensa saudade,
Que deixa o coração triste latejar de dor!

Ah, minha mãe, são tantas as lembranças
Dos teus carinhos em cuidados, proteção.
Na minha estrada, senti as dores, agonias;
Mas, foste o anjo companheiro na aflição!

Passa o tempo, quase 10 anos, você partiu!
Para os amorosos braços do Nosso Senhor.
Creio minha boa mãe, todo o BEM mereces,
Por tua vida e ser “Mãe: Mestra do Amor”!

Manhã de 06 de Maio de 2014.

-09-
MÃE

Ser mãe não é só parir
É sentir seu bebê em si.
Umas o jogam no lixo,
Outras o põe no altar.
Mas a mãe de verdade
Sabe como seu filho criar.

Elas enfrentam noites em claro
Consolando choros que falam
Se dando de dia e à noite
Infinita dedicação.

Guerreiras, trabalhando ou não
Sustentando ou com ajuda
Elas educam seus filhos
Com resignação.

Renunciam com muita coragem
Na vida, outros prazeres
Transformando simples crianças
Em grandes seres.

A minha, se foi ao infinito
Mas nesta vida é presente
Guiou-me na estrada da arte
Mostrando caminhos completos
Complexos da criação.

A cada dia agradeço
A ela tanta percepção
Que me fez olhar pra tudo
Com tanta indagação.

À minha mãe querida
Minha determinação
Teimosia e persistência
Ousadia e realização!

BRita BRazil 6/5/14

-10-
MÃES MESTRAS DO AMOR
Fernando Alberto Salinas Couto

Mães solteiras, mães casadas,
separadas e até avulsas...
Vítimas de estupros violentos,
mal faladas, solitárias, amadas.
Alvos de intrigas e repulsas,
cujas vidas arrastam ao vento.

Mães que vivem na incerteza,
sem apoio, dinheiro ou alento,
na expectativa de vida melhor,
longe da miséria e da torpeza,
para seu, vulnerável, rebento,
ao qual dá toda a vida e amor.

Mães, são mulheres especiais,
fontes de paz e destemidas,
compreendendo os nossos ais.
Eternos esteios de nossas vidas,
nos libertam de qualquer dor,
por serem as mestras do amor.

RJ – 05/05/14

-11-
OUTRAS VIDAS...
Alina Tolotti

MÃE,
Se outra vida eu tiver(e terei.)
(...Não estou pronta nem zerada
de minhas imperfeições nesta...)
Quero voltar tua filha
para aprender contigo...
Aprender a mais Amar,
aprender a me doar,
a me dividir
e a me somar...
Nunca subtrair...
Pois, teu Amor,
nunca foi de menos!!!
Quero voltar tua Mãe,
se assim for designado
por Deus...
Para dar pra Ti
todo carinho e Amor
que me destes nesta vida!!!
E se outra chance ainda eu tiver,
quero voltar tua irmã...
Pra ser tua companheira
desde os tenros anos de nossa
terceira vida.
Tudo isso Mãe,
pra te dizer
que sempre fui muito
feliz contigo...
E se chance Deus me der,
quero te fazer feliz comigo!!!
Que nossas Almas se encontrem...
Este é meu único pedido !
Com Amor

Alina Tolotti

Venho por meio deste parabenizar as Mães desta bela confraria!
Desejo tudo de melhor ao lado de seus estimados filhos!!
Felicidades sempre!!!

Alina

-12-
Para a minha mãe... Eudália Martins.

Mãe querida, o brilho em minha vida é dádiva de Deus, sobre mim, e sobre ti, que deu-me a existir com teu corpo que gerou-me, com teu carinho que me formou por todos os anos em que eu já existi!
Se beleza existe no que faço, certamente é porque ela existe também em ti!
Em teu olhar que vislumbrando os meus espaços, também enxerga os meus passos e se alegra!
A tua felicidade é fermento que faz com que em mim esta beleza, este brilho, se multiplique, para além de sua sensibilidade, de mãe, de amiga, de companheira de estrada, nesta senda, nesta saga de minha, nossa, vida!
Assim se sou, devo em grande parte e medida a ti!
Que se abrindo a meu pai, Pedro Rosa, fez-se jardim, em que arado pelo amor, entre os dois, ante o calor dos sentimentos, e umedecido pelas lágrimas trazidas pela dureza da vida, acolheu a semente, da qual eu vim...
Jardim este, preparado pela sua humanidade, e de meu pai, mostrou-se pronto para que Deus fizesse a sua obra: Eu!
Assim, eu me alegro com sua alegria por minha existência, assim, me regozijo pela sua alegria pela minha lide diária, pela minha obra!
Pois eu vim de ti, e a ti e a meu pai devo honras e dar todas as glórias... Infeliz do filho que renega a sua gênese!
Mãe, eu te amo sem conta e sem medida! É a alegria de minha vida!
Deus abençoe a senhora!
Deus abençoe a senhora, agora, e enquanto existir!

Edvaldo Rosa

-13-
Mãe – mestra do amor
Vera Trindade

Mãe,
Amor maior não pode haver
Mulher melhor nunca vai ter
Porque só tu
Só tu que és mãe
É que sabe ser

Teu ventre é o berço do mundo
Tuas mãos – sinais de amparo
Em teu olhar mil direções
E um coração de amor profundo

Mãe,
Amor maior eu nunca vi
Ninguém no mundo supera a ti
Porque só tu
Só tu que és mãe
Sabe servir.

-14-
Amor de Mãe
Fátima Peixoto

Amor de mãe é incondicional,
Mãe, cuida, protege defende,
Renuncia sua liberdade,
Abre mão muitas vezes dos seus sonhos,
Para que seu filho ou filha possa crescer saudável,
Com uma mãe presente,
Que afaga, acaricia, acolhe, protege,
Orienta, educa ...
Dá exemplos,
Mãe é aquela luz que ilumina os nossos caminhos,
Tira os espinhos, as pedras, nos ensina a caminhar.
Mãe é a segurança que não estamos sozinho.
Que apesar de tudo vai sempre nos amar,
Com as nossas virtudes e limitações.
Quando ela parte deixa um vazio no coração,
Mesmo de longe não deixa de nos amar,
É um amor infinito, insubstituível.

-15-
Mãe: Mestra do Amor!
Rosângela da Silveira Coelho


Confreira Rosângela com sua mãe Neusa.

-16-
MÃES ESPECIAIS
Humberto Rodrigues Neto

Nos longos vãos dos corredores, ou nos bancos
lá da AACD, mães fatigadas, mas serenas,
ao peito arrimam, sejam claras ou morenas,
míseros filhos, mutilados, tortos, mancos!

Precoces rugas pela face... Alguns fios brancos
entre os cabelos, não refletem mais que amenas
e leves provas ante as mudas e árduas penas
de ver um filho se arrastando aos solavancos!

Mas em nenhuma, cujo filho é a inglória palma,
a gente nota um leve ar de oculto pranto,
mesmo um gemido a perturbar-lhe a altiva calma!

É que aos pequenos deficientes Deus quer tanto.
que os não confia a quem não traga dentro d'alma
o amor sem termo que há num mártir ou num santo!

-17-
A MÃE
Rosana Carneiro 

A menina se torna mocinha
Aprende a brincar de boneca
Embala, dá comidinhas
Troca as fraldas, é sapeca.

Cresce mais um pouco e aprende
A secar louça, varrer a casa
Enrolar as meias, colocar a mesa
Começa a criar asa.

Sorri ao olhar para o espelho
Passa batom e sombra
Já sabe ajeitar o cabelo
Essa menina virou modelo?

O tempo passa e ela namora
Não demora e pensa em casar
Sorri, conta pra mãe
A data vai marcar

De repente vem a notícia
A menininha da mamãe
Dará um presente a ela
Ela também vai ser mãe

A barriga cresce, o tempo ajuda
O enjoou vem e ela tem tontura
Depois tem desejo de comer
Brigadeiro com verdura

Chega a hora, vai nascer
O coração dispara e cresce
Dentro dele há muito mais amor
Que uma avó nunca esquece

Agradece com todo carinho
A oportunidade que a vida deu
A menina desde pequena
Aprende a amar a Deus.

Ama também o pai
A família e o irmão
Aprende a amar o neto
Que preenche o coração...

É muito bom ser mulher
Melhor ainda é ser mãe
Mas quer ser mais feliz?
Seja avó quando puder...

-18-
TRISTEZA

Chuva caindo, nesta manhã tão fria
De mim, ideias iradas ressoltam
Para viver de tédio, melancolia
Por amores que vão e não voltam,

Nesta manhã fria, chuva caindo...
Estático, uma visão incolor
A criança – presentes à mãe, sorrindo,
O homem – beijos e afagos, ao amor.

Apesar do frio, há gente a viver
Neste gélido mundo revoltante
Porque têm um motivo a suster...

Eu, só... Vida miserável e torta,
Pois o meu amor, está tão distante...
E a minha mãe está rígida... Morta...

Carlos Alberto Barreto, in “Só...”, Ed. Cepa, 1998.

-19-
Mãe
Retijane Popelier

-20-
Uma triste despedida(Mamãe)
“O que se faz na vida se ecoa na eternidade”
Mariângela Repolês

Minha mãe se foi, se fez retirante
de anjo se revestiu exuberante
não é blasfêmia dizer que foi pura
por certo estará com Deus nas alturas.

Se fechou na pupila azul a vida
abrindo-se em plena paz esculpida
ao resplendor de um coro bizantino
de novo a renascer no Deus divino.

Foi a alma em tropel doce galope
descansando o corpo em tão verde solo
este anjo que se desperta a viver
e ao céu subindo para renascer.

Deixando uma fragrância de alecrim
dois olhos se fecharam para mim.
Vida se calou. Ascendeu-se ao céu.
Maria se foi com flores e véu.

-21-
Una triste despedida
Lo que se hace en la vida hace eco en la eternidad”
Mariângela Repolês

Mi madre se fue, se hice reticente
se revistió de un ángel inocente
no es blasfemia decir que fue pura
breve estará con Dios en las alturas.

Se cerró en pupila azul la vida
abriéndose en plena paz esculpida
el resplandor de un coro bizantino
de nuevo a renacer en Dios divino.

Fue el alma en tropel dulce galope
descansando el cuerpo en tan verde suelo
este ángel que se despierta a vivir
cielo subiendo para renacer.

Dejando una fragancia de alecrín
dos ojos se cerraron para mí.
Vida se calló. Se ascendió al cielo.
María se fue con flores y velo.

-22-
Mãe, Mestra do Amor!
Carlos Reinaldo de Souza

Quis o destino que partisses cedo,
foste um farol com muita Luz e Amor,
muito saber e a força de um rochedo,
faço esta prece e canto em teu louvor!

Mestra suprema teu maior segredo,
me ensinaste com muito vigor,
lição sublime que aprendi sem medo:
seguir os passos de Nosso Senhor!

Primeiro passo dar provas de Amor,
e conceder ao próximo o Perdão,
viver em Paz e assim não sentir dor!

Enfim, seguir a vida em Liberdade,
amando sem limite o meu irmão,
com muita Fé, em nome da Verdade!

-23-
Tatuagem
Odilon Machado de Lourenço

No mar Celinho puxa as redes
As vezes vem corvina
Outras brotam brotas dos panos dados ao mar
Celinho vai puxando nos velhos braços de amar
Passam estações e Celinho vai pescando
As vezes tainha, anchovas, cação...
Cuida Celinho os peixes pequenos que
voltam outra vez para as águas do mar
Quando o barco ancora ou fica à rolo
Celinho bebe café com leite, come pão e frutas
Fica ali pensativo sentado à borda do barco
olhando as águas que se enrugam no seu rosto
Celinho silencia como o mar
Por debaixo da manga da velha roupa do velho
brotam palavras na pele
Na carne pintada de Celinho aquelas letras
tortas são herança
As palavras levam para o mar o que está em terra
e no coração de Celinho
Amor de mãe.

09-05-2014.



-24-
Mulheres de maio...
Odilon Machado de Lourenço

Nascidas da terra vertida nas águas do céu
Seus ventres de flores dão vida aos frutos de carne e mel
Olhares de amores surgem na luz, na voz, na aflição!
Beijos de mares alongam suaves seus braços de ondas molhadas de fé
Geram raízes, caminhos e coisas saídas dos gestos amados de mães
Carregam sementes e lançam à terra chuvas de sol
São elas vertentes de águas correntes, lavas quentes, rochas, pães
Flores que vivem florindo e dizendo sorrindo que somos amor
São elas que ensinam o voo ligeiro da vida e da dor
Por elas se sabe o caminho do meio, do seio e da cor
São elas as vozes no mundo emanadas do pólen voador
Mulheres plantando, regando, suando, teimando na faina o grito da flor
Reluzem seus passos no olhar que protege, encanta e desaba no amor
Entre tantas minha mãe!

04-05-2013.

-25-
Penso nas MÃES ESQUECIDAS
Silvia Benedetti

No segundo domingo de maio, o dia das Mães! O comércio já está preparado com inúmeras sugestões de presentes. Tudo perfeito, de acordo com nossa sociedade consumista.
Ser MÃE para o poeta é PADECER NO PARAÍSO. Será verdade? nos dias que correm, tudo está diferente e, as mães, onde estão? Já sei: elas estão nos escritórios, nas faculdades, nos estabelecimentos bancá...rios e algumas em casa com a premência da vida moderna, a mulher precisou sair, para trabalhar, e as crianças, cada vez mais cedo são deixadas na creche, na escolinha ou similares. Estas mães, quando retornam ao lar, precisam organizar, suprir, e dar atenção aos pequenos carentes da sua companhia. Esta mulher se desdobra em dupla tarefa e algumas delas até fazem as vezes do pai ausente; quando vão dormir por certo estão exaustas.
Enquanto isso, há mães que nem em casa trabalham. Possuem empregadas, babás e só se preocupam com futilidades: desfecho das novelas, fofocas da vizinhança etc. seus filhos são cuidados por pessoas estranhas que não as AMAM de fato; crescem como plantas, sem trato afetivo, carinho e dedicação. Estas são as MÃES com -EME- minúsculo, pois mais valorizam o BOTOX e o SILICONE, as revistas e manchetes sociais, as informações sobre vida de artistas, jogadores e políticos, do que a sua PRESENÇA NO CRESCIMENTO DOS PRÓPRIOS FILHOS.
Existem também as mães pobres, e acomodadas, que NADA fazem para melhorar suas vidas. Ficam esperando que as coisas lhes caiam do céu, lamentando-se da sorte, não buscando aprender coisas que possam lhes render alguma ajuda financeira. Quantas dessas mães deixam os filhos rolando pelas ruas,onde vivenciam e aprendem tudo o que não deveriam aprender e praticar.
Existem, porém, outras mães: As MÃES ESQUECIDAS! Mulheres simples, pobres, que verdadeiras heroínas anônimas, raramente são lembradas. São mulheres incultas, mal vestidas, mas verdadeiros exemplos de amor e dedicação aos seus filhos. Mulheres MÃES que moram em vilas, favelas, cujos peitos flácidos são a única fonte de sustento dos seus filhos. restando para o depois, apenas uma incógnita. Mães que não aparecem nas colunas sociais, que não frequentam academias e apenas malham seus corpos em frente ao tanque de lavar roupas, no vai e vem da vassoura, do ferro de passar ou da enxada, no caso da mãe que vive no campo.
Estas são as MÃES ESQUECIDAS pela mídia, esquecidas pelo comércio, pois suas imagens nada vendem, a não ser uma cobrança diferente. ESTAS MÃES, em grande maioria, mal soletram, mal assinam os próprios nomes, mas querem que seus filhos estudem, que sejam pessoas trabalhadoras e honestas. Pobres mães que temem pela sorte dos filhos ante os riscos das drogas e dos pedófilos, pois não rara vezes eles ficam sós, enquanto elas vão para o trabalho, na busca de obter o pão de cada dia.
DESTAS MÃES ME LEMBRO AGORA, QUANDO SE APROXIMA O SEGUNDO DOMINGO DE MAIO.
MÃE ESQUECIDA: que haja, no dia em que és homenageada, brilhos de novas esperanças em teu olhar, ao imaginares teus filhos como homens e mulheres de BEM, além de carinhosos e reconhecidos.

-26-
MÃE! MESTRA DO AMOR
Branca Tirollo


Sobre mães, todas são belas.
No retrato que a vida traz
Não existe mais singela
Bravuras não lhe faltam, jamais.

Uma delas me encantou
Além da minha, veja bem.
Foi a mãe do filho haitiano
Que num gesto soberano
Trata o menino tão bem

Mãe que se apresenta
Tirando do sofrimento
Lições de vida sem fim
Ensinando com amor
Como se nasce uma flor
Em meio a um pé de capim.

Sobrevivendo as mínguas
Ainda assim se opõe
Na veste que o seu filho
Apresenta-se para encantar
Nem mesmo os biscoitos de barro
Impede que a mãe, num estalo.
Vista o filho para estudar.

Durante as aulas ele canta
Pra mãe que está na lida
Em pé e com a mão no peito
Em posição de respeito
Mal conhece sua língua
Mas com bravura entoa
Hinos com todo louvor
A mãe que com muita dor
Amassa barro, faz o pão.
Sobre a única razão:
Ser a Mestra do Amor.

-27-
MÃES MENSAGEIRAS DE AMOR...
Eloísa Antunes Maciel

Elas se distinguem entre as mães simplesmente biológicas:

Na dedicação e afeto constantes;
na vigilância amorosa e discreta, no cuidado genuíno em que exercem a sua providencial proteção, cuidando que essa seja justa, sábia e eficaz...

Diferem das mães simplesmente biológicas – capazes de rejeitar o feto, o recém - nascido, o bebê, a criança e, até mesmo o filho – ou filha - adolescente, por desconhecer – ou negar- suas peculiaridades evolutivo-comportamentais...

E diferem frontalmente daquelas (pseudo) mães que nem mesmo chegam a exercer o ato de parturição, pela recusa frente a essa eventualidade, optando por expulsarem o embrião ou feto pela via do aborto provocado...Falsas mães..Seres indignos do adjetivo maternal...

Em feliz contra - partida, as mães mensageiras do Amor desvelam-se através da maternidade amorosa e responsável, consciente e comprometida com a feliz destinação dos seres humanos gerados em seu ventre, nutridos com o seu carinho e protegidos pelo seu zelo de verdadeiras depositárias da genuína função da Maternidade essencialmente humana...

Nossa homenagem a essas... verdadeiras mães!

-28-
MÃE MULHER DIVINA
Carla Elísio

Mãe mulher divina...
Que a todos vem encantar...
Só nasceu para se mãe...
Quem possui o dom de amar...

Mãe determinada...
Contém a força e coragem...
Parabéns pelo seu dia...
A ti dedico esta homenagem...

Como é puro este coração...
Que nasceu a padecer...
Onde deixa de viver...
Para o filho ver crescer...

Seja qual for o teu nome...
Maria, Madalena ou Simone...
Mas se ela se chama Rosa...
É a mãe mais preciosa...

Obrigada minha mãe...
Por ser amiga verdadeira...
Em todos os momentos...
Minha eterna companheira...

Vai sempre compreender...
Os momentos em que eu errar...
E se um dia eu chorar...
Minha lágrima vai enxugar...
E se de ti eu precisar...
Seu amor não vai negar...

Mãezinha do meu coração...
É com muita emoção...
Que declamo este poema...
Ao som desta canção...

Meu amor em cada verso...
Pois você é pra mim...
A melhor mãe do universo...

Uma declaração de amor...
Para uma mãe amada...
É sempre uma bela poesia...
Que vale a pena ser declamada...

-29-
Mãe
Valter Bitencourt Junior

Desejo para todas as mães do mundo, um dia de muita alegria e poesia, pois elas merecem muito, porque mãe é vida, é quem faz o máximo para ver o filho feliz, e neste dia especial, nada é tão bom que ver uma mãe sorrindo, uma mãe feliz, por saber que o filho a ama.

Mãe é um dos seres mais lindo do mundo, e que merece todo o prestígio, como diz muitas pessoas, e artistas: "Amor de mãe é sempre", e não deixa de ser único, e verdadeiro, mãe ama, e muito o filho, e o filho aprende a amar a mãe, desde quando era um simples feto, até o nascimento.

Não tem uma pessoa melhor que a mãe pra incentivar o filho, motivá-lo, a buscar sempre o melhor, para educar, para dar o verdadeiro amor, e carinho, para mostrá-lo, que não é um ser sozinho, que tem uma mãe, que sempre estará no lado, fazendo o possível para ver o sucesso do filho.

Mãe é tudo, mãe é natureza, é o ar que respiramos, mãe é tudo aquilo que vivemos, que sentimos, mãe é quem cuida, quem oferece ao filho o brilho que o olho transmite.

Meu Deus tem muitas crianças precisando de uma mãe, de um pai de um lazer, e neste dia especial, que estas crianças encontrem uma família, tem muitas crianças que perderam a mãe, e somente tem um pai, ou vice-versa. Tem mãe que é pai, tem pai que é mãe...

Minha mãe pra mim é ouro, é tudo, é vida, que me gerou com muito carinho e amor, é quem quer a cima de tudo o meu bem, é quem eu mais prestigio, minha mãe é tudo, minha mãe é única.

-30-
Mãe
Varenka de Fátima Araújo

Altos e baixos, da nossa mãe
Corpo e cabeça, do nosso mundo
Fios de cabelo para embalar

Forte e poder, porque é amada
A mola do mundo, profundo amor
Vidas doadas, por toda vida

Para mim é um, sempre ensino
No peito guardo um lugar seu
E mesmo quando se vai, fica guardada.

-31-
Uma mulher especial
Varenka de Fátima Araújo

Ela tinha uma cintura de pilão, pernas torneadas, uma mistura de Marta Rocha e Maria Bonita, foi muito cortejada, mas escolheu um homem intelectual e pobre. O vento bateu forte no casal, venceram com muita luta e dignidade. Herdei a sua coragem mamãe.Mil beijos na sua face que amo do meu modo, minha mãe Maria Albaniza Araújo.

-32-
PEDIDO FILIAL
Deomídio Macêdo

Minha mãe, meu amor, minha querida.
Aconchega-me em teus braços,
como um dia aconchegou-me em teu ventre.
Embala-me com suas canções de ninar,
como outrora me oferecia o peito cantando para mim.
Abraça-me para que eu sinta seu coração
palpitando junto ao meu.
Pegue a minha mão, dando-me segurança
como fazia quando eu era criança.
Beija-me com ternura aliviando minha dor,
como fazia na minha peraltice infantil, quando caia e machucava.
Mamãe, conduza-me hoje e sempre.
Te amo e agradeço imensamente pelo teu amor maternal e sublime.
Beijos mamãe.

-33-
Cor de vida
Celeste Farias

Os primeiros dias em vida foram abstratos,
até saber que viria de um ser iluminado
com tom de alegria, cor de vida, figura elementar,
linda, vivendo para mim, palpitando, acarinhando.

E ainda em ponto, um tanto desconfigurado,
voava alimentado pelo sonho do Ser,
mergulhado em seu mar de límpido amor,
envolvido pelos sentimentos navegados;

Lembro de ti matiz, ,colorindo os meus
pares de septênio nas nuvens das luas,
nos raios do sol, do sim ao não, velejando,
da emoção à razão, arco-íris da minha vida.

Eu criatura, desenho-te em versos, vejo-te em cor,
rasbisco-te em afeto, pinto-te com intenso amor,
chamo-te de azul, amarela, preta, rubra, branca, lilás,
mas só consigo definir-te como MÃE: mestra do amor.

-34-
Para a minha mãe
Akasha De Lioncourt

Falar sobre mãe é complicado,
Porque todos já disseram tudo,
Mas encontrei uma maneira sutil,
De escrever algo inédito, contudo.

Decidi falar sobre aquela,
Que me trouxe ao mundo certa vez,
E tornou-se a pessoa mais importante,
Preenchendo minha vida desde a meninez.

Minha mãe é um ser iluminado,
Guerreira, sábia, amorosa.
Ninguém pode mexer com seus filhos,
Pois ela vira uma fera poderosa.

Sua fé também é um grande exemplo,
Sua proximidade com o Criador.
E ensinou-me desde pequenina,
Que não somos nada sem o seu Amor.

Angelical, gentil, carinhosa,
Dedicação é seu adjetivo mais bonito.
Assim é a minha amada mãezinha,
E é disso tudo que eu necessito.

Maio de 2014

-35
AS MÃOS DA MINHA MÃE
Luiz Menezes de Miranda

As mãos da minha mãe
Diante dos meus olhos
Mostram-me as cicatrizes
Que a vida esculpiu

As mães da minha mãe
Hoje gastas pelo tempo
Pelo tempo, de ser mãe
Sendo escrava desse tempo

As mãos da minha mãe
Acalentaram o meu sono
Amenizando o cansaço
De um dia de criança

As mãos da minha mãe
Afagaram a minha face
Amenizando a dor
Pelas quedas do destino

As mães da minha mãe
Tornaram-se grandes
Amparando os meus sonhos
Quando tentei no céu chegar

As mãos da minha mãe
Sovaram minhas nádegas
Para que eu ressentisse
O valor da obediência

As mãos da minha mãe
Juntaram os meus sonhos
Quando na queda da desilusão
Não conseguir sustentar a fé

As mãos da minha mãe
Só ficavam quietas
Em posição de oração
Quando agradecia a Deus

As mães da minha mãe
Tremeram de medo
Quando o destino lhe disse.
Ele agora é meu

As mãos da minha mãe
Já não sovam mais o pão
Já não lava mais o chão
Já não mexem mais panelas

As mãos da minha mãe
Vivem firmem em orações
E com gestos de carinhos
Entrelaça o seu terço

As mães da minha mãe
Abandonaram o trabalho
Ociosas só lhe restam
O terço em oração.

As mães da minha mãe
Hoje recebe o meu carinho
Com beijos e afagos
De um filho agradecido



-36-
MEU GRANDE AMOR
Luiz Menezes de Miranda

Está fixa em minha memória
Essa dor que mata a gente
Quando me lembro do passado
Tentando rever o seu rosto original

Em tua face aprecio o desgaste
Que o tempo e a idade, aliados
Esculpem rugas lapidadas
Dando marcas ao seu passado

Relembro mãe,
O seu colo ainda quente
Seu avental a me abanar
Refazendo-me da queda

O seu beijo carinhoso
Sempre foi milagreiro
Que nenhum farmacêutico
Conseguiu a formula aviar

Várias vezes você foi o meu remédio
Nos tombos que a vida me causou
Tudo por pertinência do desejo imbuído
Quando tapei os meus ouvidos

Hoje diante de ti, mãe
De pés e mãos atados
Vejo forçosamente
Você voltando ao passado

Contenho as lágrimas
Por você não lembrar
Os seus olhos olham ao longe
E por mais graça que eu possa fazer
Insistem em não me reconhecer

Alzheimer, essa praga infernal
Essa doença brutal
Diluindo a sua memória
Destroçando sua gloria
Lhe fazendo muito mau

O tempo está passado
E não consigo me acostumar
Estou tentando fazer
Que as minhas lembranças
Sejam as suas lembranças
Para você não me esquecer

Sei que chegará o tempo
Em que você
Não vai saber quem eu sou
Mas sempre terei em mente
Que você mãe é o meu grande amor.

-37-
Mãe
Jeferson Alves Bandeira

Mãe,

posso me derramar em palavras,

e sei que jamais encherei
teus constantes abertos braços
de lições, conselhos e ditados,

prenhes de preces e acalantos.

-38-
Ser mãe hoje
Judite k.S

O mundo globalizado
Faz tudo generalizado
Problemas iguais
Norte e sul: dor e solidão.

Muito barulho e stress
Pouca atenção e amor.
Nesses dias uma so busca:
O colo da mãe: aconchego,

Atenção individualizada,
Pessoal, interpessoal.
Mãe personal training,
Personal escuta, colo.

Faz falta. Mas...
Onde está?
Alguem sabe?

Está no olhar, no colo,
No silencio de Maria
Maria de José.

Eu mãe: saudades e expectativas
Ontem repleto, amanhã esperança
Hoje paciencia de esperar
Nove meses ou mais

Para acalmar o coração..
Oração e ansiolítico.
Aguenta coração!

-39-
Mães dos meus netos
Joyce Lima Krischke

 

Para ler, clique na imagem acima.Caso o arquivo abra no Microsoft Power Point, pressione a tecla F5 para iniciar a apresentação.

-40-
ROSA ESTELA
EDA THEREZA PICCININ BRIDI

A menina nasceu em berço de ouro.
Não, berço de metal que reluz
Era berço de amor, paz e muita luz.

No aconchego do lar de Lúcia e Luiz,
a menina cresceu feliz,
entre a roça, a escola e brincadeiras,
correndo pelo potreiro... Subindo nas macieiras...

Moça bonita, de um lindo sorriso.
Doce, formosa, recatada.
Por ela encantou-se o italiano Guilherme.
E foi por ele muito amada.

Sob as bênçãos do Vigário,
na Capela de Arroio Bonito,
diante da Padroeira Nossa Senhora do Rosário,
selaram juras de amor infinito.

Mulher de fé, virtuosa.
Esposa dedicada, companheira.
Mãe presença! Mãe extremosa!
A família... Sua preocupação primeira.

Fortunata, Alarico, Eda, Augustinho,
Lourdes, Maria Joana e Teresinha,
seus filhos amados,
suas joias preciosas,
cuidava com imenso carinho.

Sábia... Com palavras certas
e o coração cheio de bondade,
num ambiente de desvelo e harmonia,
os filhos conduzia,
no caminho do bem e da verdade,
do amor e da paz.

Dinâmica, inteligente, mulher de visão.
Empresária.
Na fábrica, no comércio, no balcão,
foi do marido a parceira solidária.

Um dia, a rosa deixou o seu perfume...
A estrela, nesta dimensão, parou de brilhar...
E foi ao encontro do Criador.
Guilherme foi na frente o céu preparar
para seu grande amor.
E, juntos, em sintonia com os anjos,
estão na luz e na paz do Senhor.

A ti, flor em pessoa, mãe querida,
a minha homenagem de gratidão.
É também de cada meu irmão.
Pelo carinho e a mão sempre estendida...
Eterna lembrança no meu coração!
Mãe amada!

 

 

 

SELO DE PARTICIPAÇÃO

Para pegar seu selo de participação, clique com o botão direito do mouse sobre a imagem e em salvar como.

 

 

 

FUNDO MUSICAL

Mãezinha Querida
Compositores: Getúlio Macedo E Lourival Faissal
Cantam: Agnaldo Timóteo e Ângela Maria

Minha mãezinha querida
Mãezinha do coração.
te adorarei toda a vida
Com grande devoção.
É tua esta valsinha
Foste a inspiração
Canto, querida mãezinha,
A tua canção.
Alegria, um prazer
Uma grande emoção
Neste dia te dizer
Com muito amor e afeição
Ó minha mãe, minha santa querida,
És o tesouro que eu tenho na vida
Eu te ofereço esta linda canção,
Mãezinha do coração!

 

 









|| Página Inicial | Voltar | Livro de Visitas ||
  

 

 

Arte e Formatação Rosângela Coelho
Exclusivo para CAPPAZ - Confraria Artistas e Poetas pela Paz
Todos os direitos reservados