69ª CIRANDA MENSAL CAPPAZ
ENCERRAMENTO E AGRADECIMENTOS
Carlos Reinaldo de Souza

A Ciranda "Letra é Vida" chegou ao seu final, cheia de vida.
Afinal, ela enfoca as letras, que são a própria essência da vida!
Tivemos boas participações, embora aquém da meta da confreira Eliene.
Na abertura, a confreira Sílvia Araújo Motta analisou, com profundidade,
o significado das letras, das palavras e das frases na construção de textos,
na elaboração de ideias e na expressão de sentimentos. Ela fez uma análise
dos valores políticos da Educação e da Cultura, que sinalizam e conduzem
as ações humanas, em todos os campos do conhecimento.
Dando continuidade a estes pensamentos, os confrades e as confreiras foram
enfáticos ao discorrer sobre as íntimas relações entre as letras e o sentido da
vida.
Alguns afirmaram que o transcorrer da vida é como se fosse uma leitura, ora
enfocando alegrias, ora retratando as dificuldades inerentes à própria existência.
Outros constataram que as letras tem vida expressa em notícias, cartazes,
cartas de amor, músicas, poesias, livros, biografias, História etc.
Muitos escreveram poemas de amor e carinho à mulher amada, compondo as
palavras a partir de letras isoladas que, juntas, davam sentido aos sentimentos.
Sem perder o romantismo, alguns escolheram os meandros da Filosofia para
traçar as relações entre as letras e o sentido da vida, enquanto outros criaram
palavras-chaves, a partir de cada letra do alfabeto. Também foram percorridos os
caminhos da infância e da adolescência, trazendo à luz suas memórias, através
das letras.
O trabalho também foi reverenciado, assim como outros fatos relevantes ao longo
da jornada do homem na Terra. A passagem pelos bancos escolares, a lembrança
das salas de aula, as relações entre professores e alunos e até o Dia Nacional da
Alfabetização foram lembrados e valorizados.
Ficou bem claro que as letras são capazes de mudar o mundo e vida dos homens
e que elas podem direcionar a humanidade para o bem ou para o mal.
Tudo dependerá do enfoque de cada um, podendo a leitura ser uma alavanca para
melhorar o mundo. Houve, também, brincadeiras como a descrição de uma briga
do alfabeto, que felizmente terminou bem...
Outros temas abordados foram a complexidade da língua portuguesa, as dúbias
interpretações das palavras, a alfabetização das crianças e sua importância para
o relacionamento destas com o mundo.
Ficou bem claro que as letras dão sentido à vida porque contribuem para um caminhar
mais seguro, a negação do obscurantismo, a busca da felicidade e o trabalho do homem.
Finalmente, foram lembradas as Escrituras, os Livros Santos e seus efeitos sobre
a espiritualidade e as demais ações do homem. Ficou muito bem demonstrada a íntima
relação das letras com a emoção e os sentimentos do homem.
A CAPPAZ agradece a todos os participantes, que demonstraram efetiva competência ao
abordar este tema e inquestionável amor às letras.

Conselheiro Lafaiete/MG


 




69ª CIRANDA MENSAL CAPPAZ



INTRODUÇÃO CIRANDA MENSAL
"LETRA
É VIDA!"
Sílvia Araújo Motta

Escrever é instigante, ler é gratificante quando a experiência passa ao leitor e ao ledor as entrelinhas da discrição para escrutinização do conteúdo do texto.
O veredicto categórico segue seu caminho na VIDA, mas a flexibilidade inteligível só é permitida quando o anonimato do autor dá-lhe a oportunidade do discernimento para imortalizar a obra registrada nos anais da vida terrena: a leitura cognitiva que encaminha à crítica-textual da alfabetização.

Leio tudo e me arrisco // sem risco de arrepender// no consciente, petisco// só o que o ego defender//.
Seja na leitura ou escrita a vida deve ter poesia que pode transformar vidas. Em torno de instituições literárias, através das letras, pode-se contribuir ao desenvolvimento de valores humanos, políticos e sociais, com atuação nos diversos segmentos organizacionais de uma nação com relações diplomáticas no exterior.

No analfabetismo vejo a morte que ronda a falta de liberdade, dos ignorantes que se anulam ou se deixam enganar pelo PODER DE QUEM OS DOMINA. No sentido da VIDA vejo a interligação com a morte, como irmãs independentes, mas que exigem referência da gestação da inteligência. Com toda certeza, um caráter fraco, não resiste ao poder que corrompe os espíritos menos dotados que não clamam por justiça nem da vida adquirida com o conhecimento que se difere do ostracismo do analfabeto político, que cruza os braços, estende a mão e se satisfaz com pequenas migalhas materiais.
VIDA deve irradiar PAZ, confiança, fé, esperança e caridade. Morte inspira a oração cristã:
“PAI seja feita a Vossa Vontade, assim na terra como no céu”.
No dia do Analfabetismo façamos dos sonhos a realidade do povo brasileiro, ter o prazer de ver seus filhos em escolas onde sejam respeitados e seus professores, remunerados com bons salários, não sendo pagos com esmolas. Os analfabetos são Cidadãos, que possuem DIGNIDADE HUMANA, pois são iguais perante a Constituição Brasileira.
Na Educação, depositemos esperança às crianças, jovens e adultos para que, letrados e alfabetizados, possam politicamente vencer os obstáculos do mundo tomando atitudes pelas causas imortais.

Confrades e Confreiras da CAPPAZ, a LETRA é imperativa para a programação da VIDA que nos guia pela LUZ do conhecimento, entre tristezas, frustrações e desesperos que devem ser desfeitos. LUZ universal, luz do íntimo, do espírito, da alma, do coração, metafísica fora da qual habitam as trevas exteriores citadas nos Evangelhos.
LETRA é VIDA cantada em prosa e verso com reflexos do sol e da lua, LETRA é LUZ que salva o Homem das trevas. “LUZ DO CAMINHO, VERDADE E VIDA”.

SILVIA ARAÚJO MOTTA-Confreira da Regional de Minas Gerais
http://www.cappaz.com.br/silviaaraujo.htm

Belo Horizonte/MG

 


PARTICIPANTES

01  Ângela Torino Paletti  54
02  Audelina Macieira  39
03  Carlos Reinaldo de Souza  37
04  Celeste Farias  50
05  Daniel Brasil  19
06  Deomídio Macêdo  12,13 e 14
07  Diná Fernandes  47 e 48
08  Eda Thereza Piccinin Bridi  55 e 56
09  Elder Carlos dos Santos  24
10  Eliene Dantas de Miranda  20 e 57
11  Elio Cândido  11
12  Eloísa Antunes Maciel  09
13  Estela Frutos Braud  06
14  Fátima Peixoto  36
15  Fernando Alberto Salinas Couto  41
16  Gerusa Guedes  28
17  Glória Dávila Espinoza  25
18  Humberto Rodrigues Neto  42
19  J.J. Oliveira Gonçalves  46
20  Jonas Krischke Sebastiany  40
21  José Maria de Jesus Raimundo Silva  43
22  José Otoniel  38
23  José Pereira  31
24  Josué Ramiro Ramalho  26 e 27
25  Joyce Lima Krischke  10,17 e 58
26  Kátia Claudino Caetano Pereira  34
27  Kauane  51
28  Luiz Menezes de Miranda  22 e 23
29  Marcelo de Oliveira Souza  08
30  Marina Martinez  21 e 35
31  Michelle Szyndrowski  52 e 53
32  Odilon Machado de Lourenço  03 e 04
33  Paola Rhoden  18
34  Paulo Rodrigues  16
35  Roseleide Santana de Farias  30
36  Sandro Nicodemo  49
37  Sérgio, beija-flor-poeta  32
38  Sidney Santos  07
39  Sílvia Araújo Motta  05
40  Sônia Rêgo  44 e 45
41  Tânia Maria de Souza  01 e 02
42   Vera Passos 15
43   Vera Trindade  29 e 33

 


PARTICIPAÇÕES



ABERTURA
01
LETRA É VIDA
Tânia Maria de Souza

Letra faz sílaba
que faz palavra
que faz frase
que faz oração
que faz período
que faz parágrafo
que faz história
que faz a alegria.

Alegria
de quem lê
de quem decifra
de quem sente
de quem entende
a história lida.

A história lida
é aventura
é paixão
é ternura
é dor
é prazer
é emoção
é a vida!

A vida minha
a vida sua
a vida do autor
a vida do personagem
a nossa vida!

Viva a letra que faz vida!

Balneário Camboriú/SC



02
LETRA É VIDA



TELA - ARTISTA PLÁSTICA TÂNIA MARIA DE SOUZA
Balneário Camboriú/SC



03
Vida, uma arte...
Odilon Machado de Lourenço

“E por trezentos e sessenta dias
Trabalhar e comer! Martírios juntos!”
Fragmento do poema Gemidos de arte. Augusto dos Anjos.

Ler o mundo nas vivências cotidianas do presente
Desses dias tão cheios da esperança que se sente
Estar na vida assim olhando entorno
Como alguém folheando livros do passado ausente
Viver bebendo água em muitas fontes
E saber algumas delas não sacia a sede que se sente
Ver atentamente quais os versos que consentem
Depois fechar o livro sem ilusões claramente.

04-11-2014.
Balneário Camboriú/SC

04
Canção para o tempo*
Odilon Machado de Lourenço

É vida esses olhos que se abrem às cores da aurora
Essa força pulsante arrimada nos músculos suados da faina
É vida a chuva que cai molemente sobre as cores da relva
E vai fazendo brotar a beleza que guarda o húmus da terra
É vida o sol lancinante a pintar de levezas as flores mais belas
Cantando em seus raios sublimes a cor dos afetos e demais aquarelas
É vida essa luz estrelada ondeada no céu e ventos no mar
Transcende a voz salinada suas vagas de versos para a lua fitar
É vida o caminho das gentes com olhares de paz por aí a viver
Sulcando na marca dos passos maiores abraços envolvidos no crer
É vida essa árvore augusta que traz na família suas flores de amor
E vem suspendendo seus frutos adoçados de abraços e muito calor.
04-11-2014.
*À Irineu Neto Guedes Machado.

Balneário Camboriú/SC

05
IDAS E VINDAS ESCRITAS E LIDAS
Sílvia Araújo Motta/BH/MG/Brasil

As idas e vindas registradas
provam a força gravitacional
cósmica e interna VITAL,
palavras ditas ou escritas
no movimento espiral
geram energias e harmonias
apesar do calor do amar;
entrecortadas alegrias
impedem operacionalizar
intenções preservativas.
Recebo os efeitos benéficos
da maior estrela com seu brilho,
que aguça meus sentidos,

Ao receber uma mensagem,
no impulso desmedido,
por vontade racional de VIVER.
As idas levam esperança,
as voltas trazem lembrança
e o círculo vicioso natural
mostra caminhos do início;
As idas levam gosto do mel,
as voltas trazem o néctar
do beija-flor na estação:
o retorno é imprescindível;
as idas deixam um TEXTO,
as voltas trazem pretexto,
para o encontro incrível;
as idas podem ter décadas,
as voltas trazem segundos
que se revelam num olhar!
As idas transformam-se em dor,
as voltas trazem puro amor
do círculo emotivo a girar;
as idas recebem passe livre,
nas voltas, BILHETES à mão
da poltrona com numeração;
as idas, em verdade, vão ativas
as voltas trazem justificativas
de missão e responsabilidade;
As idas em qualquer viagem,
nas voltas, também exigem
uso do cinto de segurança.
As idas, às vezes MAL ESCRITAS...
nas voltas provam existência
do milagre da luz e das curas.
As idas indicam as caminhadas
que proclamam VIDAS futuras;
nas voltas, doação da Paz anunciada.
As idas pedem muita coragem,
as vindas pedem passagem
para ESCREVER tal história;
as idas levam fragmentos da lição,
as vindas provam pensamentos,
alegrias, diamantes na memória.
Letra é vida, é luz, é canção.

Belo Horizonte-MG

06
LETRA É VIDA
Estela Frutos Braud

De repente faz sentido, as letras tem vida...
Tudo muda, na existência antes e depois dessa magia...
E deslumbrados descobrimos que é dividida
O que era antes e o que nos vem com a grafia.
Outro mundo surge com palavra escrita,
Através dela podemos estudar, aprender...
Para uns há que nada mais divirta
Que mergulhar num livro, uma narração percorrer...
É com letras que se escrevem notícias,
Fazem cartazes de anúncios e nomes de lojas...
Cartas de amor com palavras carícias,
Grafitagens destruidoras expressão de corjas.
A letra com melodia nos encanta, é música;
A letra inspirada na poesia nos enternece;
A letra em um bom livro leva-nos a mais busca;
A letra em má informação, emburrece, entristece...
Mas é a partir de quando uniram som e grafia,
Que houve na humanidade grande salto,
Puderam registrar seus costumes e história,
Acumulando assim tanto conhecimento.
Vive a letra em biografias, aventuras, romances
Quando viajamos através delas em pensamento.

Balneário Camboriú/SC

07
MOÇA
Sidney Santos

Meu melhor poema
Não tem dimensão
Também não tem esquema
É feito com coração
É tão pequenininho
Que é difícil de ver
Quatro letras de carinho
Meu poema é V o c ê!
Santos/SP

08
Letras é Vida
Marcelo de Oliveira Souza, IWA

Nascemos e a palavra é proferida
Olhamos para a nossa mãe querida
Letras do alfabeto e nosso o nome é o preferido
Letras e laços se formam.

Crescemos e aprendemos
Amamos e escrevemos
O nosso destino
Entre letras e desatinos
Trilhamos o nosso caminho.

Amamos e erramos muito
Escrevemos sobre isso...
As letras pairam na nossa cabeça
Muitas palavras... e nos transformamos.

Com a nossa transformação
Passamos a escrever mais
E terminamos

Escrevendo para todo mundo.

Marcelo de Oliveira Souza, IWA

09
“LETRA É VIDA”...
ELOISA ANTUNES MACIEL

           Embora haja um relativo consenso sobre o denominado sentido restrito da “letra fria” – e essa concepção remonte à época dos sofistas gregos, cujas palavras eram (apenas) revestidas de aparente significação moral, convém atentarmos para outro sentido em cujo bojo se expressa uma insofismável verdade: Se a letra mata, o espírito vivifica... Em outros termos: se ardilosamente a escrita é usada para “matar” iniciativas, sonhos – e, talvez, a própria liberdade e a emancipação humana – o espírito, ou seja, a dimensão imaterial e emancipadora subjacente na própria letra tende a vivificar e redimir...

           Tomemos por exemplo a expressão bíblica “Se com ferro ferires, com ferro serás ferido”... (s.n.t). Se, na forma, essa expressão se constitui uma ameaça velada – com o restrito poder de reprimir uma ação violenta, sem, contudo, esclarecer suas implicações, a letra, uma vez propiciada sob “o espírito esclarecedor das relações causa-e-efeito”, entre outros requisitos emancipatórios (reflexão, comprovações sob prismas confiáveis e outros), tenderá a promover um autêntico pensamento emancipatório, tendendo a libertar o sujeito pensante do jugo da dita( e superada) “letra morta”... E esse processo se instaura e se qualifica através de eficazes leituras de realidades frente às quais esse sujeito interage no seu contexto de vivências e experiências, sob diversos prismas e situações vivenciais...

           Com esse propósito, os (bons) projetos de letramento assumidos na área da Educação Básica e, mesmo, através de iniciativas complementares, tem visado ao alcance desse propósito libertador, visando, portanto, à desmistificação da “letra fria” e, por conseguinte, a VIDA qualificada, digna e emancipada, propiciada pela “letra viva” – plena de espírito emancipatório e vivificador que tende a qualificar um processo sempre ascendente e multifacetário ao alcance da verdadeira autonomia, da liberdade e da realização do ser humano no rumo à sua destinação como ser histórico único, insubstituível; sujeito, esse, fadado a uma destinação não menos única no seu contexto histórico e social.

           Que a letra se faça, portanto, elemento vital, conferindo à VIDA o seu pleno sentido existencial!

São Martinho da Serra/RS

10

   ALFABETO - PALAVRAS... LETRA É VIDA!
Joyce Lima Krischke

Letras  - A até Z - escrevo agora
Usarei muitas letras sem demora!
Letra - A - que  escrevo  Amor
Expressa felicidade...   calor
Letra - B - escrevo  Bondade...
Ela, nos leva  afabilidade
Letra - C - escrevo Casa... lar
É lugar onde prefiro estar
Letra - D -  escrevo...  vamos  Dançar?
Algo que me faz  feliz é  bailar!
Letra - E - lembra o Estudo
Hoje, muito vale pra o mundo
Letra - F- ah! Escrevo  Fada
Figura de estória...  lembrada!
Letra - G -  de galinha ou de Gato?
Se for gato, ele caça o rato!
Letra - H - escrevo Habitar
Sinônimo da  palavra morar
Letra -  I - revela  o Idioma
E, “quem tem boca vai a Roma”
Letra - J -  Joyce escrevo meu nome
Que da minha memória não some
Letra – K - de Krischke meu sobrenome
Letra - L Lima outro sobrenome
Letra -  M - lembra Maria Mãe de Deus
E todas as Mães da Terra e dos céus 
Letra -  N - meu desejo Navegar...
Sim, num navio muitos mares cruzar
Letra - O - lembro que Ouvir faz bem
Oh!  Somos no planeta mais alguém
Letra -  P - é Palavra  semeada
Seja ela bem...  ou mal lançada
Letra - Q - ai, que Queijo gostoso!
Prefiro o mineiro- mais famoso
Letra -  R - para Rimar o poema
Letra preferida no meu tema
Letra - S - o Silêncio ela traz
É um veículo de Amor e Paz
Letra - T - penso logo em Trabalho
Quem vivencia não comete ato falho
Letra - U - uso pra dizer União
Palavra que levo no coração
Letra- V - para falar de Vida
Estrada longa e rua florida
Letra  -  W -  de Watt, unidade elétrica
Cuidado  pra não ficar tétrica
Letra  - X -  Xarope tosse vai passar
Bebo, é remédio  bom de tomar
Letra -  Y
-  “Yolanda... estava certo
De que me sentiria descoberto”
Letra - Z - pela Paz e Bem
Zelar
Letra é Vida! Vamos Pazear?

Balneário Camboriu/SC-09/11/2014-  23:30

11
LETRA É VIDA!
Elio Candido

Pensador vai da instigante tarefa, ou da presunção
E, voltado está para si mesmo, ou a formalização.
Num universo que se faz a própria poesia.
Simultânea é a busca, letras em harmonia.
A fuga momentânea do eu, a imaginação.
Domínio da mente, ou a própria paixão.
O argumento, a edição, a presença do passado
Reedição do que se falou, que por tempo foi calado.

Letra é do mundo o argumento.
E a face maior da comunicação.
Terminologias, edição, complexidade.
Retrato das normas, vida e realidade
A imagem, a fuga, a sentença de prisão.
É!
Virtudes do fazer.
Instinto de cada ser à criação.
Demonstração à posse do saber
A platéia a nos assistir, com critica e malhação.

Ibiá/MG

12
SEU MENINO, SEU AMOR, SEU POETA
Deomídio Macêdo

Minha mãe! Quem diria que um dia,
aquele menino franzino e pacato,
que sentia dificuldade em aprender o B A B Á,
que levava preocupação para o lar...
A professora falava, ele é bom no futebol,
mas em Matemática e Português, tenha dó.

Meu pai, alfaiate, costurava sem parar,
e, ali perto, me colocava pra estudar.
O meu medo de errar, não me deixava concentrar
e, quando ele perguntava B O – BO, LA - LA,
eu respondia, sem pensar: C A S A
Até que rimava e a régua estalava,
enquanto meu pai falava:
casa o quê, moleque: BOLA.
Era disso que entendia,
mas ninguém compreendia.
Passa, passa, passa o tempo,
fui crescendo e aprendendo
em busca de novos conhecimentos.

Salvador-BA

13

Minha mãe!
Quem diria que, um dia,
estaria, aqui, na Ciranda mensal da CAPPAZ, relembrando do meu passado, minha infância, para dizer, com alegria,
sou poeta, sou ator, seu menino,
seu amor que escalou os Montes Claros das Minas Gerais, Terra de Tiradentes, dos Inconfidentes,
de Thomas Antônio Gonzaga,
de Marília de Dirceu,
das Cartas Chilenas,
De Cláudio Manoel da Costa
Terra do velho Chico que traz esse gigante:
Psiu Poético

E como seu menino não fica quieto,
Continua alargando os horizontes,
E espalha sua alegria ainda mais longe.
No Belvedere, bela vista do Belo horizonte,
Descobre o Belô Poético.
No Alto Paraopeba e Alto Piranga,
O Abril Poético.
Em Salvador o Projeto Fala Escritor.
A CAPPAZ em Balneário Camboriú – SC

Observe! Seu menino cresceu
E, através desses faróis poéticos,
Irradia poesia para o Brasil e o mundo.

Deomídio Macêdo

Salvador/BA

14
Porque Letra é Vida!
Deomídio Macêdo

Mãe
Poético sou eu;
seu filho,
seu menino,
seu amor,
o homem
o ator e o poeta

Deomídio Macêdo

Salvador-BA

15
 Letra é VIDA
Vera Passos

Na redoma da memória, um filme DIVINAL!
Uma menina desenhava a magia, no solo do quintal
Chão batido, flores coloridas, paisagem genial
Consoantes e vogais se juntavam no amor fatal. 
Espalhava na sala, sonhos no papel,
Letras de jornal, rabiscos sem nexo, fonemas à granel,
Na sacola, lápis, tintas, talões reciclados, eram o farnel
Fez singelas figurinhas, fotografadas no pincel
Eram belas descobertas, desfilando no carrossel
Os versos do Poeta, as estórias encantadas e o cordel
Abriram horizontes viajados a tropel
Jogou sementes no caminho e estrelinhas no céu.
A menina que sonhava, pintou letras no mural
Fez do sonho de criança, fantasia real
Fez da letra sua vida, das palavras o ganha pão
Da escola profissão, do alfabeto, seu ideal
Fez da LETRA seu labor, da  labuta, sua missão

Salvador/BA

16
Palavras – 05/01/2014
Paulo Rodrigues

Gosto de palavras!
Palavras que reinventam a vida
ao desfazer a rotina dos caminhos
e redesenhar a existência.

Gosto de palavras!
Palavras famintas pela serenidade da infância
ao contemplar na espelho da maturidade
o branco nas páginas da existência,
os amores esquecidos
e os sonhos abandonados
ao trilhar a rotina da vida
pelo sustento da família.

Gosto de palavras!
Palavras aflitas pelas calças e saias
para saltar as pedras do caminhos
e tampar os buracos das vidraças
depois do futebol das crianças.

Gosto de palavras!
Palavras desejosas pelo carinho
dos olhares enamorados
que ignora a urgência da vida
e o saldo negativo na conta bancaria
ao ficar sempre formoso e sorridente
para sua amada.

Gosto de palavras!
Palavras ansiosas para quebrar as regras
e viver o proibido
ao rejeitar os conselhos paternos.

Gosto de palavras!
Palavras inquietas para conquistar
novas amizades,
novos amores,
novos horizontes,
em buscar de novos sonhos.
Mas sempre serena ao findar cada poema.

Sorocaba/SP

17
14 de Novembro - Dia Nacional da Alfabetização
PROFESSORA DO B-A - BA*
Joyce Lima Krischke

Sim, sou professora!
Sempre serei professora.
Sou aquela que muito usou o giz.
Professora que da vida é aprendiz.
Professora do B, A, BA... Do um mais um,
Professora que estudou aluno... um a um.
Alfabetizei encarcerado
Que na escola não era lembrado...
Ah! Quanta saudade da escolinha...
Escrevendo com giz: Que Gracinha!
Alfabetizei na capital e interior
Com carinho e muito amor!
Professora... Ser professora sempre eu quis!
Professora do lápis, da borracha e do giz,
Soletrando as letras, feliz a cantar,
Conjugando dia após dia o verbo PAZEAR...

*Releitura pela autora do poema - Sou Professora, em 14/11/2014.
(Para minha ex-aluna - Miraci-in memorian
e para os meus ex-alunos apenados Antonio, João e outros, cujos nomes não recordo.)


Balneário Camboriú-SC

18
As letras
Paola Rhoden

Juntam-se em grupos,
Pequenos ou grandes,
E parece,
Que trazem ao mundo, instantes,
Que transformam,
Reformam,
Mudam a vida, ou os passos,
De quem as conhece.
Com as letras eu faço,
Você faz, mudanças em tudo,
Nas cores, no sorriso,
Pois mudar é preciso.
Só elas têm o poder,
De deixar o pensamento correr,
Em busca de sonhos,
Risonhos.
Poderosos ou fracos,
Se deixam levar pela magia,
Que em seus dias,
As Letras podem fazer.

Brasília-DF

19

Ler é Vida!*
Daniel Brasil

Leitura é necessária
Por isso é que eu leio...
Não  se deve ter receio
Gente extraordinária
Desde a leitura primária
Já se encontra saída...
Leitura deve ser vivida
Também compreendê-la
Cada letra é uma estrela
Que ilumina para vida!

A Leitura é  um prazer...
Para quem se habilita
Lendo a vida é bonita
Com um novo aprender
Assim se pode vencer,
O mais difícil obstáculo
Vira-se num tentáculo
Para chegar nesta luz
Que a mesma me conduz
Neste lindo espetáculo!


Pior analfabeto...
É quem não entende
Ou não compreende
Aquele teor Concreto
Quem lê é mais correto
Até no jeito de falar...
Cada frase ao pronunciar
Já se nota a sabedoria
É uma estrada de guia
Por onde se quer chegar!


Por isso que é bom ler
Para um mundo Melhor
Nunca terá vida pior
Pois então quero dizer
Agente pode vencer
Fazendo boa leitura

Ler é formosura
Aumenta inspiração
Da leitura tiro lição...
Aumentando a cultura!

 *no improviso

Porto Alegre-RS

20
Letra é Vida
Eliene Dantas de Miranda

Alfabetizados desde que nascemos.
Mãe, a primeira a nos ensinar:
Mamar, degustar, falar papai, mamãe...
Emitir os primeiros sons.

Na escola, aprende-se o abecedário,
Organização, denominação e posicionamento
Das letras, disposição das frases,
Dos textos por onde absorvemos conhecimentos.

Conjugamos então os verbos:
Crescer, conhecer, falar, escrever,
Acumular ideias, desenvolver pensamentos.

Amar, viver, sofrer, perdoar e morrer.
Palavras presentes em toda vida,
Do nascer ao por do sol, pois “Letra é Vida”.

São Paulo/SP

21
VERBO VIVIDO
Marina Martinez

Viver é conjugação diária do presente.
(Affonso Romano de Sant’Anna)

Viver. Verbo regular de alguma conjugação.
Conjugo a ação de viver de modo regular.
No meu infinitivo pessoal
busco o passado mais que perfeito
mas só encontro, de modo imperativo,
mazelas de um tempo desfeito.
Descubro o futuro do pretérito,
regido pelo “se” alternativo
que diz o que poderia ter sido
se não ocorresse distorcido.
E, ao conjugar a ação, no presente,
tento ver o futuro, escondido.
Será um tempo verbal ativo
ou, como sujeito passivo,
deixarei meu presente ser passado
e meu futuro não ter indicativo?

Marina Martinez
Porto Alegre/RS

22
BRIGA NO ALFABETO
Luiz Menezes de Miranda

Em uma briga alfabética
Para compor as estrofes
De uma obra literária
Letras se espalharam ao chão.
Como a vírgula estava no meio
Certos versos perderam o sentido
Acentos, alheios a tudo
Apenas observavam a discórdia
A oração de mãos juntas
Dizia para a poesia
Só nos resta rezar
Eis que de repente
Surge o travessão
E na sua interlocução
Em discurso direto
Em pose de substituição
Dos parênteses, vírgulas e dois-pontos.
Determina.
Ponto final
Componha-se o Poema.

Luiz Menezes de Miranda
Salvador-BA

23
COMPLICADA LÍNGUA PORTUGUESA
Luiz Menezes de Miranda

Português língua complicada
Bem difícil de entender
Se pronuncia de uma maneira
E se usa outra forma para escrever

São acentos de todos os lados
Um para lá outro para cá
Tem até o chapeuzinho
Para a turma colocar

A vírgula, mal colocada
Dá dupla interpretação
Temos que ter muito cuidado
Para não termos decepção.

Tem ponto final.
Para o texto terminar
Também tem interrogação
Se você quiser perguntar

Tem ponto e vírgula
Que separa orações coordenadas
E a exclamação
Que nos causa surpresa danada

Fica difícil de entender
É complicada no decifrar
Tem texto ou redação
Para que se possa interpretar

Tem o gerúndio, mas só no tempo
Advérbio que atribui
E só no verbo se classifica
Preposição é variável

O travessão é um horror
Mudar conversa do interlocutor
Tem o antônimo e o sinônimo
O sujeito e o predicado
Oras bolas!
Vá ao raio que o parta
Com essa língua complicada

Luiz Menezes de Miranda
Salvador-BA

24
A importância da alfabetização
Elder Carlos dos Santos

Alfabetização, esta grande palavra - um polissílabo - demonstra um momento muito importante no desenvolvimento deste ser de fala, que é o humano. Desde sua origem, o termo revela isso: Alfa e Beta são as duas primeiras letras do alfabeto grego (equivalentes às nossas A e B). Alfabeto que também tem origem etimológica nestas duas letras. Portanto,alfabetização é o processo de entrada do sujeito no universo da língua escrita. Refiro-me especificamente à língua escrita, pois já nos relacionamos com a língua nativa desde muito antes disso. E com a linguagem, de forma mais abrangente. Antes de aprender a ler e a escrever, o sujeito já fala e compreende. Antes de falar e compreender, o sujeito já é falado...
Antes de entrar na linguagem escrita (e lida), o sujeito já entrou no mundo da linguagem, através do qual absorve e compreende os valores da cultura na qual se insere. Processo cultural tão básico e importante que se confunde com o natural. Culturalmente natural ou naturalmente cultural? Não importa muito o sentido em que ocorre, mas sim sua abrangência e a possibilidade que este mecanismo oferece para o partilhamento de significados. E, através da alfabetização, todo esse universo ganha formas de demonstração na escrita.
Etapa fundamental do processo educativo, a alfabetização, essa entrada na linguagem escrita, surpreende quem passa por ela, articulando símbolos a sons e ideias, o que favorece um salto qualitativo nas formas de ser-estar no mundo. Uma criança, ao ler “O besouro viu a rosa”, além de se apropriar da palavra escrita, também sabe que ela corresponde(ou pode corresponder) a uma ideia, uma representação. Desta forma, suas ideias podem ser representadas através da escrita e toda escrita com a qual se depara, a partir de então, passa também a representar ideias. Um nível diferenciado de leitura de mundo se inaugura. É a consolidação de um processo de entrada no código linguístico, que se iniciou desde antes dela nascer. A partir daí, todo amontoado de símbolos incompreensíveis passam a fazer sentido, é uma nova descoberta do mundo. É como um processo de iniciação simbólica, que garante aos novos iniciados a capacidade de se relacionar com o mundo através destes símbolos.
Importante é mencionar o quanto essa descoberta dá poder de ação sobre esse mesmo mundo, pois favorece aquisição de conhecimento, através da filosofia, ciência, arte. O conhecimento, esse bem precioso, dá ao sujeito poder de transformação social. A leitura é um grande propiciador desse conhecimento, o processo de alfabetização é o que instrumentaliza a aquisição desta capacidade. A partir do momento em que o sujeito leitor-escritor se apropria de novos conteúdos, dialoga com eles aumentando sua compreensão de realidade. Isto, por sua vez, favorece a transformação desta realidade. Assim sendo, a alfabetização, a capacidade de leitura e escrita que ela favorece, são elementos que propiciam o empoderamento dos sujeitos, dando-lhes possibilidades de decifração e transformação do mundo em que se inserem. É base de constituição para a autonomia, pois só é possível exercer escolhas livres através da informação.
Ressalta-se desta forma a importância da redução do analfabetismo com um importante alerta. Para que haja transformação social, com melhora da qualidade de vida da população, faz-se necessário investimento maciço na educação, englobando o combate ao analfabetismo. Para garantir que todas as pessoas tenham acesso a esse poder de transformação de suas próprias vidas e, igualmente, da sociedade.

Elder Carlos dos Santos
Salvador-BA

25
Letanías de una sombra
Gloria Dávila Espinoza

Sé de la penumbra en vuelos y hielos pétreos
que en gritos escarban a mis carnes y a sus huesos
y en su sed de zarpar los vientos atizan
su magma en odios infernales
y cuando epitafios se escriben en mi nombre
danzo conmigo y con todos mis demonios
y después de tanto más no poder
canto en silencios sepulcrales
en donde nudos de sierpes
son falanges llamando a mis almas todas.

En teorías y razonamientos
de Empédocles escruto mi muerte;
porque soy polvo del espécimen desierto,
desde el exilio disparo al sol
y al borde de todos mis abismos
en vorágines y fauces que anudan
desteñidas sonrisas,
en tanto voy a verme exhalando mis esencias
apenas soy mariposa desnuda
sin alas ni pigmentos.

Y, después
de berrear al hartazgo
soy el fuego que perfila el nombre
de las sombras del mal,
como eco en sus rocas perdidas
volveré
a miradas extasiadas
para ser:
el agua,
el fuego,
la tierra
y el aire de Anaxímedes
por donde se escudan mis lenguas.

Escribo en mis ojos
los mares que jamás anudan calzados
porque ellas no la cubren,
en clavos y maderos y en pies y olas
soy talladas rosas de verano; y
a pesar que ellas no saben nada de nada,
y desiertos irrumpen tragedias
mi patria, es el río.
Apenas transito lo inhabitable
me lanzo hiriendo silencios
en donde soy acordeones en ancianos pieles.
Descubro que no hay edad sin embriaguez,
Ni muertes sin la mía;
mientras visto cenizas
voy fagocitando esquinas
en tantos mis plumas acuáticas se erigen.

Por manías de saberme abismos,
pervivo en el tiempo
como popa de un barco
zarpando en un tren como escudo
en donde mi lengua es logia negra
y sus mantos, fauces gritando a sus piedras…
¡Piedad…!
Ten piedad por mí...
y aún, al borde del miedo que escupe la roca
el amor me devasta para ser la antorcha
que me erige en su grito
en ese mismo grito
la noche inunda mis pasos
para hundirme su daga en mi alma
al filo de mi coraza.

Dormito en mi garganta
mientras la roca erosiona mi nombre
hasta el morir
la noche astilla mi rostro
para darme espejos de pequeños hombres
mi musa es música de cuervos
en cantos de alacranes al rojo vivo
trashumantes anquilosando mi iris
fluyen como el germen del caos
en los odios que se escriben en mi piel
epígrafes del mar.
No hay gruta cerrada ni llaves en caminos
el mundo escribe su epitafio
con mi nombre; por vez nona.

Te debo,
Sí, te debo todo lo que soy:
Hiel, musgo, ciénaga
estío en fuegos fríos
piedras y acantilados;
y al final de mi voz
en donde el péndulo es sicario
aun mi sangrar no sea más la rosa
el mar será la sangre huyendo de mi aorta.

Me oirás caer, y gritaré con el tiempo
como espuma en orillas de monzones
correré tras la penumbra del fuego
tras espuelas y hielos pétreos
tras vientos en vientres pañuelos
tras el tallo que es apenas mi voz
el eclipse será mis ojos,
sus piedras mis manos, sus ríos
y en tanto mi eje no sea el mundo
no habré parido mil veces en sábados
la sed de los caminos…

Tú dirás...
Mejor así.
Porque la roca sea en su cáliz
la piedra tallada
la piedra feroz cargada a mi pez
y mi rostro iluminado los pellejos viejos
del corazón de plumas de un águila rapaz
el perdón de penumbras
será mis pensamientos infinitesimales
en donde el céfiro no sea sino
la memoria de una fábula antigua,
y yo…El hervidero apocalíptico
en siete cabezas girando en letanías de una sombra.

Peru

26
 Letra é Vida!
Josue Ramiro Ramalho
 
No templo onde se cura feridas
Fervores de amores então
As letras criam mais vidas
Sentidas por meu coração
 
A vida segue um rumo
Lá onde tudo acontece
Com palavras até me aprumo
Enquanto letrar também me aquece
 
Sim! minhas palavras dão vida
Nos templos por onde passo
Enquanto estou a criar
 
Eu nunca perco a saída
Criando mais um compasso
Com as letras que a vida me dar.
 

Josue Ramiro Ramalho
Salvador/BA

27
Estuda Criança
Josue Ramiro Ramalho

Um menino vai andando
Vai andando devagar
Corre corre menininho
Para escola estudar

O estudo é importante
Ouça o que vou dizer
Estuda criança estuda
Isso faz você crescer

Um conselho vou lhe dar
Pra leitura é bom saber
Nessa vida o que importa
É estudar até vencer

Se alguém tenta interferir
Não dê importância não
Pois querer sempre estudar
São coisas do coração

Nas voltas que o mundo dar
Junte letras em cada mão
E Nunca pare de estudar
Também ensine ao seu irmão

E quem aprende a lição
Muita coisa é bom saber
Estudar é sempre bom
Para o futuro então vencer!

Josue Ramiro Ramalho
Salavdor/BA

28
Letra é Vida!
Gerusa Guedes
 
A!  Bom Comer Doce,
É Folgado, Gastas Hoje. Isso!
Jeito, Lindo! Meu.
Não!
Ou, Por Que Recordo?
São Todos Uns  Velhos,
Xispa!
Zangado...
 
Alfabetizar é decodificar as letras,
Tirar toda  a escuridão do ser.
Mostrar caminhos certos do saber,
indica horizontes por facetas.
 
Ler é um privilégio do alfabetizado,
Lvro na mão do ignorante é raro,
Quem não ler vive na escuridão. Claro!
Aprenda a ler  meu amigo Amaro.
 
Letra é vida!
Pra ser vivida!
Aprendendo o a,b,c.
Escrevo eu amo você.
Gerusa Guedes
 
João Pessoa- PB

29
De grão em grão
Vera Trindade.
 
Um passo
Dois passos
É um ser em movimento.
Uma letra
Duas letras
É alguém se revelando...
Uma palavra
Duas palavras
É a humanidade interagindo:
No amor
Na justiça
No segredo da felicidade mútua.
 
Salvador-BA

30
Letra e Vida!
Roseleide Santana de Farias

Letra é a vida do ser humano em abundância,
Envolve o seu intelecto e as nossas emoções.
Tendo o espírito o poder de assim expressar
Realidades, seus sentimentos, as percepções,
Além do que lhe assoma os olhos e o coração.

É o espírito humano a registrar edificações...

Vivência, experiência no ontem, hoje e depois,
Intensas ações que sensibilizam, transformam
Décadas de busca no aprimoramento humano,
Almas afins a suavizar a dos que sofrem, amam.

As letras têm formas, beleza, sons, cores, magia,
Ondas a se espalhar nos instrumentos ou papel!

Envolve os sentimentos de paixão, alegria, amor,
Vivificação, ternura, criatividade, tristeza, fervor,
Ondas de fantasia, claves de sol, escrita musical,
Luzes benéficas que nos ajudam a amenizar dor,
Unida ao destino, carma, efeitos, ação colateral!
Intenso sofrer, os íngremes caminhos ao passar,
Redenção traz ao espírito que anseia encontrar
                                  (PAZ e BEM na Terra e no Céu!

Cabedelo- PB- 17/11/2014

31
Letra é Vida!
José Pereira

No jogo das letras
Quis eu aprender
Uma frase elegante
E dedicar a você

Se as letras são vidas
Nossas vidas delas vão depender
O que seria da humanidade
Se as letras ela não conhecer

Nascemos sem conhecimentos
Deus nos dá a vida e o saber
Nas letras a formação acadêmica
Para melhor podermos viver

Viva as letras com alegria, usemos o:

Amor eterno
Boa vontade
Caritas, Verdade!.

Cabedelo- PB

32
Letra é vida!
Sérgio, beija-flor-poeta

Calada a boca nunca irá sentir
os lábios tremer a cada palavra
que faz renascer a própria vida

escrevo-te os silêncios, entrelinhas
que se prendem no meu respirar
os segredos a revelar a felicidade
sob o manto de um coração ardente
vida que se queima e vira cinzas

Esfinge, o teu nome é poesia.

Sérgio, beija-flor-poeta

33
Letra é Vida!
Vera Trindade
 Na palavra
Um sentimento
No olhar um mundo aberto
No sorriso uma cantiga
Letra é vida
 No gesto
Um encantamento
Nas mãos – o espelho d´alma
Pois o saber é uma grande espiga
E letra é vida
 No papel
Rastros do tempo
Para a vida – uma luz eterna
Em cada letra canta Minerva:
Letra é Vida!

Salvador/BA

34
Letra é vida!
Kátia Claudino Caetano Pereira

Letra é o sinal gráfico de especial
Significado
Pode ser manuscrita ou impressa
De formas as mais diversas
Ela representa em união o sentido
Do que se quer dizer
Em palavras é formada o seu conjunto
E assim expressa tudo do aprender
Ao saber

Desde a sua formação a civilização
Do mundo teve sua expressão
Fez-se com ela a História
Inciaram-se as mais primitivas
Escolas
Até aos mais importantes colégios
Abrindo caminho às universidades
De Ensino e Graduação

Sem ela não teríamos como formar
Os atuais e os de então professores
Em níveis científicos e conhecimentos
Gerais
Com esse sinal agrupado teve-se como
Transmitir aos aprendizes todas as matérias
Essenciais à sociedade
A escrita, dando origem aos livros

Deles vieram os mestres, juizes e advogados
Também os médicos à saúde dedicados
Outros à Ciência obstinados
Em busca da Geografia, Astronomia
E a composição da Poesia
Resumindo-se, entre tantas
A leitura do Livro Sagrado, a Bíblia

Kátia Claudino Caetano Pereira - Kátia Pérola
- A Poetisa –

Ourinhos/SP

35
Bilhete de Desistência
Marina Martinez

Cheguei a olhar a tal luz no fim do túnel.
Ou um túnel no fim da luz? Olhei e não identifiquei.
Pensei em seguir e verificar o que lá existia.
Afinal, todos iremos embora, é questão de tempo.
Exatamente por isto, do tempo, recuei.

Até breve, Morte, mas não agora. Outro dia.
Desejo ainda escrever,
olhar meus queridos que estão deste lado.
Os outros, que já partiram, me desculpem.
Vê-los mais tarde eu pretendia.

Quero, como disse Quintana,
andar em ruas que nunca percorri,
abraçar amigos e, quem sabe, inimigos;
retornar devagar ao que fui
e àquilo que quase deixei.
Amar, sofrer, pular, viver, rir à beça.

Morte, aguarda mais um tempo.
Não te sintas contrariada
com meu escasso empenho em te seguir.
Deixa-me respirar minha vida um pouco mais.

Afinal, se a última palavra é sempre tua,
com todas as letras,
por que toda essa pressa?

Marina Martinez
Porto Alegre/RS

36
Letra é vida!
Fátima Peixoto

As letras registram nossos pensamentos,
Quando juntas formam-se frases,
As frases formam os registros das nossas histórias,
A oralidade se perde no ar,
Com o tempo se esquece de que se falou, de que se ouviu,
Com as letras agrupadas, podemos registrar,
contar e recontar o que acontece ou aconteceu,
Assim, são escritas as nossas histórias.

Cabedêlo-PB

37
LETRA É VIDA
Carlos Reinaldo de Souza

Com apenas quatro letras,
posso dar sentido à vida:
o A é a primeira letra;
o M surge, em seguida;
logo depois vem o O;
eis finalmente o R,
a quarta letra do AMOR!

Conselheiro Lafaiete-MG

38
Letra é vida
José Otoniel

Letra é vida quando escrita
Lida e bem interpretada
De início podemos considerar
Que nas Escrituras Sagradas
A letra é o fundamento
De toda História desde
O livro Gênesis, ao final
Com o Apocalipse
Inclusive nos Evangelhos
Narrando a Vida de JESUS
E o que ELE nos disse

A letra é o sinal mais valioso
Que dá vida a todo Ensino
A começar do ABC
Que abre o caminho para
Tudo que temos de aprender
Que seria ou como existiria
O professor, médico ou escritor?
Como teríamos na nossa trajetória
Livros dedicados aos assuntos
Científicos, poéticos e outros mais?...

A letra é a vida de toda nossa história
Sem ela nossa existência em matéria
De Conhecimento, seria uma coisa morta
De tudo que sabemos a LETRA é o que
Mais importa
A escrevemos em conjunto, expressamos
Nossos sentimentos e criamos nossos
Argumentos
Quem não a escreve ou a ler
Jamais terá como defender seus direitos
Desde o "Dia de Nascer"
Portanto quem não sabe, trate logo de aprender!...

Jandira - SP

39
Letra e vida
Audelina Macieira

Um dia escrevi no meu caderno palavras sofridas
tinha lá sofrido uma perda muito grande na vida
meu pai foi embora e levou minha alegria e deixou
só tristeza na hora.

Mas, o tempo fez apagar da memoria todo aquele sofrimento
e no lugar da dor veio acalento, uma aprendizagem infinda
que me fez acreditar na vida, então segui em direção a fé
que me deu força para vencer a decepção.

hoje, mais madura entendo que não é possível caminhar
de encontro ao vento, sem ter no coração elementos
que nos fazem ser tolerantes e compreensíveis
ao um irmão, entendermos que nenhum de nós
é Deus, somos apenas humanos.

Salvador Bahia

40
LETRA É VIDA
Jonas Krischke Sebastiany

Letra é voz
Pode ser hieróglifo
Pode ser mangá
Pode ser rupestre
Pode até ser garatuja
Letra escrita
Letra lida
Letra falada
Letra ouvida
Letra gesticulada
Letra assistida
Letra pensada
Letra telepatia
Letra que expressa
Letra que expressa
Que impacta
Que burocratiza
Que ama
Que odeia
Que absolve ou pune
Que (auto) sentencia
Ou silencia.

Brusque-SC

41
LETRA É VIDA
Fernando Alberto Salinas Couto
 
Letra é uma pura semente
de palavras, frases, textos,
livros, obras importantes,
contos suntuosos, nobres,
de rico teor ou modestos.
Através dela se descobre,
com sabedoria e razão,
em cada novo tema lido
e movido por forte emoção,
da vida o próprio sentido.
Por isso toda leitura lapida
e sabemos que letra é vida.
 
Rio de Janeiro - RJ

42
SEM A LETRA “A”
Humberto – Poeta

Eu topo, sim, esse jogo
esse torneio de fogo
de escrever um tropo ou mote
de modo que ninguém note
presente nesse letreiro
o seu símbolo primeiro.

Nele me inspiro e vou indo
neste meu esforço infindo,
que é rude como um desterro,
pois se eu cometer um erro
fico longe do sucesso
e do prélio me despeço.

Nem me ocorre o leve medo
de um cochilo vil e tredo,
pois meu empenho é insistir
pro meu bom nome incluir,
sem tropeço ou titubeio,
no pódio deste torneio!

São Paulo-SP

43
Letra é vida
Jose Maria de Jesus Raimundo silva

Letra é vida...
Letra é encanto...
Letra é amor.
Com as letras escrevemos a história,
Deliciamos com as estórias, navegamos nos romances.
Desenhamos o nome da mulher amada.

Poetizamos...
Cantamos...
Vivemos.
Letra é vida.
E avida é um livro aberto.
Composto de inúmeras palavras,

Felicidade, alegria, emoções, família, filhos (as),
Netos, bisnetos, casa, fazenda, rios, mares.
Letra é vida...
E Deus nos deus privilégios,

De amar...
De cantar letras por letras lindas melodias.
com as letras adoramos e agradecemos ao Criador,
Mergulhamos no mundo das estrelas,
Damos nome a elas.
Com as letras construímos o mundo de hoje,
Eternizando-o para o amanhã.

Varginha- MG

44
Letra é Vida
Sônia Rêgo

Letras que unidas
formam uma vida.
Eternas escritas que
guardam o mundo.
Ternura nos recados
e bilhetes de amor
Risos depois de uma
carta bem escrita.
Amores, de namorados
que enfeitam terra e céu
Sonhos realizados,
escritos no papel.

RJ – 25/11/14

45
Letras (acróstico)
Sônia Rêgo

L eve e suave vou escrevendo
E ternas palavras que vão descrevendo
T ristezas que formaram um coração...
R aras alegrias, belezas escondidas.
A mores, músicas, cores e emoção.
S onhos concretizados de uma vida.

RJ – 25/11/14

46

Porto Alegre/RS

47
Letra é Vida (ABC Poético)
Diná Fernandes

A _A carta de ABC, tão singela e poderosa,
B _Bagunçou meu cerebelo, logo me tornei pretensiosa.
C_ Conhecendo o alfabeto e o que poderia com ele fazer,
D_ Derretida de paixão pelas letras, que prazer!
E_ Explicitar meu sentimento através do “escrever”!
F_ Foi como um flash clareando a negritude, indicando um caminho.
G_ Galguei mais um degrau, quando a primeira palavra pousou no pergaminho.
H_ Horizontes longínquos vislumbrei, ali mesmo no meu caderninho!
J_ Jus fiz ao aprendizado, formei a primeira frase,
K_ Karamba! Fiquei eufórica, em êxtase!

Letra que dá forma e vida à palavra,
Mais uma transformação que enriquece a lavra
Nessa vida quem não ler à mente trava

O_ O saber engrandece, traz o mundo às nossas mãos.
P_ Palavra tem poder, Bem (dita) ou mal (dita) pode virar ação.
Q_ Que não se use para denegrir, é sagrada, e é transformação!
R_ Rasga o véu da ignorância, abre as portas, facilita acesso!
S_ Sem uma boa verbalização também não haverá sucesso!
T_ Todo ser racional precisa aprender para ler e conhecer,
U_ Usufruir dos seus direitos através do saber.
V_ Vaga sem perspectiva àquele que nada quer aprender
X_ Xô ANALFABETISMO! O homem iletrado tem mente vazia
Z_ Zen é quando a mente está plena de palavras e ideias.

Paraíba

48

Paraíba

49
Letra é Vida
Fotocolagem
Sandro Nicodemo
SP

50
De onde me vem a inspiração para escrever????
Celeste Farias

"Será que encontro nos cantos dos pássaros, no sol ao amanhecer, no cheiro das montanhas, no sabor da água, no verde do mar, no azul do céu ou nas estrelas a brilhar?
Na beleza do luar, no brilho do olhar ou nas perfeitas canções de amor?
Será que me inspiro na existência do ser, na amizade a florescer, na pureza de uma criança, nas doces lembranças ou nos poemas de esperança?
Talvez nos sentimentos mais profundos, na saudade dos amores, na sensibilidade das flores ou nas palavras que ouço dizer...
...é difícil saber de onde me vem a inspiração para escrever!"

Belo Horizonte - MG

51
Letra é Vida
Arte sobre Telha de Cerâmica
Kauane

52
Decoração - Balões na Piscina ao Luar
(Evento OAB-BC)
Michelle Szyndrowski

Balneário Camboriú/SC

53
Decoração - Confraternização em Noite Havaiana
(Evento OAB-BC)
Michelle Szyndrowski

Balneário Camboriú/SC

54
Letra é vida, seu amor em mim.
Ângela Torino Paletti

Qual sina,
não ensina a viver bem?

Qual reza,
não termina dizendo, amém?

Qual suspiro,
não diz que te quero bem?

Qual olhar,
não busca alcançar o além?

Qual esperança,
não vive no coração de alguém?

Qual lição,
não se aprende a repartir o bem?

Em qual vida,
não impera o amor por alguém?

Ema qual "letra",
está inserida a lição da vida?

No amor e na dor
no princípio e no fim...
Nas " letras" que se iniciam
seu amor por mim!...

Itamonte - M.G

55
LETRA É VIDA
Eda Thereza Piccinin Bridi

Letra é vida
Alimenta a alma
Aconchega o coração
Expressa a razão.

Letra é a arte
De escrever inspirações
De expressar sentimentos
Desejos, sonhos, emoções
Alegrias, dores, amores.

Ler
É apropriar-se de saberes
De novos conhecimentos
De novas informações
De novos dizeres.

Ler
Exercita a inteligência
Explora as “entrelinhas”
Abre os horizontes
Amplia a visão de mundo
O mundo das ciências,
das técnicas, das teorias
O mundo da mística,
da filosofia, da poesia
O mundo da imaginação,
da utopia, da fantasia.

Ler
Provoca a magia de escrever
De criar, de poetar
De historiar, de viver
De evocar o belo
De exaltar mensagens de luz, paz e amor.

A arte de escrever
Sublima as mentes
Revela um mundo interior
Dá vasão à espiritualidade
Ao encanto das belezas da natureza
Das construções humanas.


A arte de escrever
Agrega autênticas amizades
Que amam a vida
Que amam as letras
Agrega amigos do bem na CAPPAZ
Como a poetisa Joyce faz.
Obrigada, cara amiga, pelo espaço
Nesta nobre Confraria
E canto meus versos com galhardia:

Nos caminhos de minha doce vida
Encontro muitos anjos...
Anjos artistas, anjos poetas,
Anjos do amor, anjos da paz.
Entre um “milhão” de anjos amigos
Encontrei os anjos amigos da CAPPAZ.

Para em coro dizer: “LETRA É VIDA”.

Sobradinho-RS

56/57/58
Letra é Vida
VÍDEO - CRIAÇÃO COOPERATIVA

Texto Autoria - Eda Thereza Piccinin Bridi
Gravação- Voz/Declamação - Eliene Dantas de Miranda
Arte vídeo - Joyce Lima Krischke

https://www.youtube.com/watch?v=0klMqWFVDmA&feature=youtu.be


 


SELO DE PARTICIPAÇÃO



 









|| Página Inicial | Voltar | Livro de Visitas ||


Arte e Formatação Joyce Lima Krischke
Exclusivo para CAPPAZ - Confraria Artistas e Poetas pela Paz
Todos os direitos reservados