71ª Ciranda Mensal CAPPAZ
ENCERRAMENTO E AGRADECIMENTOS
Marina Martinez

Nessa Ciranda Mensal coube-me a honra de fazer o encerramento.

Como sempre, cada confrade ofereceu suas palavras, todas com significado coletivo, contendo, porém, muita subjetividade, aquela, especial, emanada do coração de quem ama o que faz. E todos nós  amamos escrever.

Que nas próximas Cirandas possamos continuar a sermos CAPPAZes, pois o mundo em que vivemos hoje necessita, além de muita consciência social, da paz e luz das letras que lançamos ao ar.

Paz e Luz a todos

Porto Alegre, 31/01/2015





71ª CIRANDA MENSAL CAPPAZ
ABERTURA

VERANEIO INSPIRADO...
ELOISA ANTUNES MACIEL


            Veraneio... Expressão que pode assumir múltiplas acepções. Desde simples descanso à concretização de um projeto especial- como uma viagem há muito adiada... Pode, ainda, designar uma simples estada em praia preferida, ou outra opção de descanso-lazer. E, conforme a decisão do veranista, poderá incluir planos de alguma atualização, ou participação em projetos que variam conforme o binômio “oferta-procura”, dependendo das aspirações, aptidõe e predisposição de seus aspirantes.

             Sob essa perspectiva, algumas considerações poderão ser tecidas à guisa de sugestão a determinados candidatos a cursandos, a começar por uma análise introspectiva de suas “aptidões reprimidas” – ou simplesmente inexploradas:

                    Quem sabe – a partir dessa análise, surja (ou ressurja) a descoberta do que vulgarmente tem-se chamado de veia literária... E dessa descoberta – ou redescoberta venham a emergir produções que, embora modestas, podem expressar/sugerir idéias cujo valor intrínseco permitirá apreciar sua validade, sugerindo determinados procedimentos a que sejam aperfeiçoadas (ou, talvez “enquadradas” em gênero ou aprimoradas em outro aspecto específico)...

                  Vale lembrar uma expressão recente, proferida por renomado mas modesto escritor – cujo nome ele não autoriza  reproduzir a esmo... Eis sua afirmativa:

“                 Na grande maioria das pessoas residem escritores natos, requerendo um toque de apoio, incentivo e instruções oportunas, pois todos nós somos escritores em potencial... Ainda que muitos escritores natos nunca tenham escrito algo”. (s.n.t.).

              Quem sabe se você - confrade ou confreira da CAPPAZ – está incluído nessa promissora maioria, ainda desconhecida?  Revele-se, portanto... Seus conceitos de paz, entre outros – não menos nobres- merecem ser revelados e, portanto, reconhecidos por seus pares e outros presumidos admiradores... Mãos à obra! Anime-se e... Vá em frente!

                   Feliz veraneio!




PARTICIPANTES


01- Andrade Jorge - (24)
02- Angelina Albetina de Borba - (73)
03- Audelina Macieira - (64)
04- Branca Tirollo - (09)
05- Brita Brazil - (03/04)
06- Carlos Reinaldo de Souza- (43)
07- Celeste Farias - (41/42/49)
08- Daniel Brasil - (25 e 26)
09- Deomídio Macêdo - (22)
10- Eda Bridi - (60)
11- Eduardo Torto - (07)
12- Elder Carlos dos Santos - (52)
13- Eliene Dantas de Miranda - (40/50)
14- Élio Cândido de Oliveira - (57)
15- Estela Braud - (10/37/38)
16- Fátima Peixoto - (61)
17- Fernando Albeto Salinas Couto - (16)
18- Gislaine Waechter - (78/79)
19- Haydée Lima - (30)
20- Humberto Rodrigues Neto - (08)
21- J. J. Oliveira Gonçalves - (12/44)
22- João Kleis - (74)
23- Jonas Krischke Sebastiany - (71)
24- José Otoniel da Costa - (53)
25- José Pereira da Silva - (62)
26- Josue Ramiro Ramalho - (33/34)
27- Joyce Lima Krischke - (02)
28- Judite Krischke Sebastiany - (23)
29- Kátia Claudino Caetano Pereira - (66/67)
30- Luiz Menezes de Miranda - (45/46)
31- Malú Ferreira - (51/59)
32- Marcelo de Oliveira Souza - (17)
33- Maria Júlia Guerra - (31/32)
34- Marina Martinez - (47/48)
35- Michelle Zanin - (29/63)
36- Mirian Arceno Rocha - (80)
37- Mirna Weydmann - (18)
38- Narciso Nilo Sebastiany - (68)
39- Nena Sarti - (56)
40- Neneca Barbosa - (39)
41- Odilon Machado de Lourenço - (19/20)
42- Paola Rhoden - (11)
43- Paulo Rodrigues - (15)
44- Regina Kreft - (35/36)
45- Reginaldo Meana - (75/77)
46- Retijane Popelier - (69)
47- Rosana Carneiro -(27/28)
48- Roseleide Santana de Farias - (58)
49- Sidney Santos - (06)
50- Sílvia Araújo Motta - (72)
51- Silvia Silva Benedetti - (13/14/70)
52- Tania Maria de Souza - (21)
53- Varenka de Fátima Araújo - (54/55)
54- Vera Passos - (01/05/76)
55- Vera Trindade - (65)




71ª Ciranda Mensal CAPPAZ

Participações




01.
Se minhas lágrimas falassem...
Vera Passos


Se minhas lágrimas falassem pintariam estrelas nas vielas, trariam o encanto em forma de aquarelas, adornariam de verde as vias paralelas aportadas nos becos.

Se minhas lágrimas falassem trariam os amores perdidos nas estradas e fariam dos meus braços redes sob as velhas palmeiras, desfraldadas como bandeiras.

Se minhas lágrimas falassem navegariam em mares longínquos, mergulhariam em águas profundas onde a luz não se atreve alcançar

Se minhas lágrimas falassem entrariam em sono profundo voariam em outras dimensões onde pudessem encontrar a paz desse mundo.

Se minhas lágrimas falassem vagariam pelas ruas como um vagabundo e lá semeariam as flores mais belas que o vento trouxesse.

Se minhas lágrimas falassem trariam  a luz aos olhos lacrados  pela ignorância  e abririam caminhos onde a sabedoria pudesse acasalar.

Salvador-BA



02.
Alegrias de Verão
Joyce Lima Krischke


“Vejo no jardim/A flor nascer/Num dia azul/
Penso em você/ Então, digo pra mim:/
Maravilha viver... ’

Da minha varanda vejo- sol de verão
Entrar pelo telhado de vidro
“Solbrilhanti” habita meu coração
O seu nome? Ah, não é Isidro.

Sim, alegrias de verão plantadas...
Verão que floresce primavera.
Minh’alma é plena de floradas
É verão: ser uma rosa quisera!

Não importa tombos e quebrada
Viver a vida em paz,  fazer o bem...
Tempo de amor... Espera encantada!

Alegrias de verão...  Olhar pra trás
O que passou deixou marcas além...
Oh, sorrir... para o -HOJE- que a vida nos traz!

Balneário Camboriu-SC



03.
VERÃO!!!!!
BritaBRazil


Sendo Solar como Sou
Vim à Terra em Janeiro
Num RIO quente, fervente
E até agora aqui estou.

Quero o bafo dos ventos quentes
me aquecendo a pele e a alma
quero a alegria das praias cheias
dos que tem tempo pra serem felizes.

Sou Janeiro, sou Rio, sou Aquário, sou verão!
Quando tudo fica mais belo, brilhante e colorido.
Os mares mais calmos, verdes, e mornos.
E meu coração trabalha pela cidade,
em ebulição!

E Viva o VERÂO!

Rio-RJ



04.
Alegrias de Verão
BRitaBRazil




Rio-RJ



05.
Saudades... talvez
Vera Passos


Sinto saudades das  imagens que não vejo
Não, não é loucura, eu estou à procura
Não é apenas sonho meu, é o alvo que almejo
Mesmo que eu me vire do avesso, eu sei que existe.
E em algum lugar que desconheço, realizarei o que desejo.
Há caminhos que ainda atravesso
Guerras que no momento pelejo
Sinto falta de amigos que não vejo
Das músicas que não ouço
Dos encontros que fugi
Dos carinhos que não tive
Tenho saudades dos seus beijos

Salvador-BA



06.
O Mais Importante
Sidney Santos


Nas voltas que a vida dá
Parei só por instante
Um minuto pra pensar
O que era mais importante

As águas verdes do mar
A paz serena dos monges
Um verso pra se cantar
A brisa que vem de longe

As frutas de doces sabores
Manta em noite de frio
Um arco-íris de cores
As cachoeiras claras do rio

O sol em pleno verão
Sangue em veias e artérias
O bater do coração
A alma para matéria

Nas voltas que a vida dá
Parei só por instante
Um minuto pra pensar
O que era mais importante

E de tudo que está acima
Essencial é o que afirma
Tudo perde valor
Se na vida, não se tem um amor!

Poeta Dos Sonhos

Santos-SP



07.
Paz
Eduardo Torto


Quero Paz.
Não! Queremos a Paz!
Para que a humanização,
Se humanizar...

Paz para compreender...
Paz para nascer compreendendo...
Paz para entender...
Paz para viver entendendo,

Paz...! Em vez de um lamento; um sorriso...
Paz...! Em vez de uma discordância; uma afeição...
Paz...! Em vez de uma odiosidade; uma ternura...
Paz...! Em vez da guerra, a resignação...

Paz para humanidade internalizar a solidariedade...
Paz para as melodias se tornarem mensagens...
Paz para a vida ser calma, paciente e inteligente...
Paz para o mundo ser consciente...

Paz para nós termos uma nova oportunidade...
Paz para nós termos uma nova vida...
Paz para nós termos uma nova sociedade...
Paz para nós termos um novo planeta!

Eduardo Torto Meneghelli – Palestrante

Balneário Camboriú-SC



08.
Hebreus VS Assírios
(Isaías - 37:7 - II Reis, 19:7)
Humberto Rodrigues Neto


No Velho Testamento, em “Isaías”,
há um fato interessante a analisar
de invasões que então eram correntias
sem que o leigo as consiga interpretar.

Portanto, a todo espírita compete
dissecar, sem paixões e sem delírios,
o item trinta e sete, alínea sete,
sobre o cerco a Israel pelos assírios.

Rabsaqué, com suas tropas invencíveis,
já atingira as fronteiras dos hebreus,
mas destes, os profetas mais sensíveis
clamam aos céus pelo poder de Deus!

Então lhes vem a fala do Senhor:
“Não temais e confiai na vossa fé;
dentro dele um espírito hei de pôr
que fará ir embora a Rabsaqué,

que ao ouvir sobre si certo rumor,
dará então início à retirada;
e já em sua terra, sem glória e honor,
farei com que ele caia morto a espada”!

É claro que os espíritos influem
nos que se encontram vivos e saudáveis,
e os maus por muitas vezes se imiscuem
nos nossos atos vis ou reprováveis.

Todo descrente as suas razões reveja
e com falsas assertivas não se iluda,
pois nem Deus – diz a Bíblia – pestaneja
de a um mau espírito pedir ajuda!

São Paulo- SP



09.
(Trívioletra Individual)TI): Água
Branca Tirollo


Á gua cristalina // brota na mina // escorre na serra.
G uia caminhos // molha a terra // corre para o mar.
U medece o ar // raízes nascem // caules crescem.
A rranjos na pauta //  vida cantante //  notas dissonantes.

Piracicaba- SP



10.
Adeus
Stella Braud


Cessou no vazio e dor a esperança deste enlevo:
Fora de meu elemento, alegria, em meu choro escrevo
Aceitando, não veio com o sinal de continuidade.
Cada qual segue seu natural itinerário...
Houve esperança, carinho, afinidade,
Teve seu tempo, findou sem mistério,
Mais um banal desencontro, na dura realidade.

Balneário Camboriú- SC



11.
Os momentos mais
Paola Rhoden


Um sol vibrante
Calor constante
Mais luz, mais cor,
Gente sonhando,
Com mais amor.

Chuva caindo,
Gente sorrindo,
Um chá da tarde.
Jovens cantando,
Fazendo alarde.

Alguns no mar,
A velejar.
Vidas à parte,
Estão tentando,
Viver é arte.

Sombra da árvore,
Frescor do mármore,
Mais união.
Vamos levando,
Doce verão.

Brasília- DF



12.
Sonhos de Verão...
(Versos para Dilane!)
J.J. Oliveira Gonçalves


Sonhamos ledos Sonhos de Verão
E os Sonhos pintamos de Dourado!
Na pele, ainda guardo a Sensação
Da tua mão na minha - lado a lado!

Um dia, intempestiva Tempestade
Nos dá do cruel Destino seu recado!
Mói os Sonhos - elegendo a Saudade
A fiadora do mais triste Legado!

Já é de novo Outono e sinto o gosto
De tua boca em flor - e setembrina
Com teu beijinho doce de menina!

Ao som de "Caminito" a Alma suspira
Dedilha o coração dorida Lira...
Uma lágrima sutil me lambe o rosto!

Era Verão em nós... Duas Crianças
Semeando, (sem saber!), desesperanças!

Porto Alegre-RS



13.
Sou CAPPAZ
Silvia Benedetti




Porto Alegre-RS



14.
Levando a Vida
Silvia Bendetti


A vida levo na boa
Antes dela me levar
Temporal não me atordoa
Chuva é feita pra molhar...

Cobrança nunca me assusta
Só gosto de quem me quer
Ser alegre, nada custa
Sopa eu tomo na colher...

Não corro contrário ao vento
Busco o rumo da emoção;
Sempre dando"tempo ao tempo",
Seguindo minha intuição...

Enfrento as dores, tristezas,
A falta de lealdade;
Detenho-me nas belezas,
Que tecem felicidade.

Porto Alegre-RS



15.
Casa dos sonhos
Paulo Rodrigues


Sonhos
Uma casa grande com varanda,
um belo jardim de flores coloridas
e um grande  quintal.
Varanda com uma rede
para em noite de luar
contemplar as estrelas
brincarem de carrossel
no azul do céu,
na suave brisa da manhã
contemplar a vida desabrochar
no horizonte
e na tarde morena
saborear belas histórias de amor
nos doces versos dos poetas.
Um belo jardim
com flores coloridas e fragrantes,
onde beija-flores levam
a vida de flor em flor
e borboletas amarelas
e passarinhos cantores
banham-se felizes
na água cristalina da fonte.
E um quintal bem grande
para nossas crianças
reinventarem o mundo
na inocência do olhar
enquanto brincam
feito criança
de amarelinha,
pique - esconde,
pega-pega.

Sorocaba-SP



16.
Alegrias de Verão
Fernando Alberto Salinas Couto


Crianças correndo na praia.
Água de coco gelada.
Gurias usando mini saia.
Jovens jogando pelada.
Tudo, em meio à multidão,
relembra alegrias de verão.

As contas de luz mais altas
e as de água também.
Na areia, pseudo atletas.
O Sol, logo cedo, vem
queimar os mais branquelos
e dourar corpos mais belos.

O coração, sempre aquecido,
seja de noite ou de dia,
sente-se sempre inspirado
e qual fonte de muita poesia.

Alguns detestam o calorão,
perdendo o sorvete a derreter;
outros não conseguem viver
sem as tais alegrias de verão.

Rio-RJ – 16/01/15



17.
Lavagem do Bonfim
Marcelo de Oliveira Souza


Hoje a cidade decreta um mini-feriado, todos os cantos levam à Colina Sagrada, vemos pontinhos brancos se mexendo e convergindo num só lugar.

Cada um vai por seu motivo, a maioria vai pelas festividades, a dita junção de religiões é o grande  motivo, principalmente no turno da manhã, mas durante o início do ano a procissão já começara, pois muitas pessoas vão fazer os seus pedidos ou renovar a sua fé.

O lugar é muito bonito, apesar de ser frequentado por muitos   “flanelinhas” como o resto da cidade eles estão cada vez mais ousados e não aceitam pouco dinheiro.

Já ao cair da tarde não recomendamos para as pessoas, principalmente para os turistas, pois a violência aumenta muito, bem como o nível de álcool no sangue.

O interessante que o Senhor do Bonfim não é o padroeiro da soterópolis, quem tem esse difícil trabalho é a Nossa Senhora da Conceição.

O que recomendamos sempre é cuidado e moderação, pois a comemoração pode-se mostrar muito intensa e bonita, principalmente vista de cima, contudo de baixo a coisa muda de figura, pois o calor é intenso, só não maior  que a violência que de fato é uma mácula para uma festa religiosa e tão popular.

Marcelo de Oliveira Souza, IWA

Organizador do Concurso Literário POESIAS SEM FRONTEIRAS

Salvador-BA



18.
Elogio ao Rei
Mirna Weydmann


Hoje, quando Você acordou o meu dia, eu nem notei.
Imagino, agora, minha vida sem você!
Simplesmente não haveria Vida
Quando traz luz, traz calor, traz vida, traz cor!
Como não reverenciá-lo?
Quando ardes, na minha pele,
e como se me convidasse à senti-lo.
Impossível ignorá-lo!
Reinas absoluto, quando a cor cinza se
desmancha na tua presença!
Organiza o Sistema ao teu redor
Aquece e Ilumina espécies vivas deste planeta
minúsculo, caótico e dependente de seu eterno despertar.

Balneário Camboriú- SC



19.
Cozinha
Às cozinheiras do restaurante Tempero e Sabor
Odilon Machado de Lourenço


Lulas vão fritando na dança do óleo que ferve o verão
Panelas fumegam vapores de arroz, carnes, feijão...
Alguém vai lavando saladas na água corrente do mesmo verão
Descascam as frutas e cortam em pedaços a flor coração
Têm pratos que levam lasanhas, bobó e salmão
Outros carregam temperos dourados da cor do açafrão
Desenhos decoram coloridas saladas que brotam ao verão
Enfeitam, aguçam e dão toques de amor, gratidão
São assim tão bonitos na forma, no gosto e visão
Dando às línguas que os tocam o sabor do verão.

Balneário Camboriú- SC 09-03-2014.



20.
Motocicletas
À Paula e Tiago
Odilon Machado de Lourenço


Seguindo as linhas do asfalto vinha na estrada o rumor
Era um barulho de aço abrindo o fio do motor
Na estrada vinham rompendo - distâncias, ventos, visões...
As motos cruzando estradas, campos, trilhas, areões
Acelerando em relâmpagos vão as motos e seus pilotos
movendo às margens sua cor
Vão juntando-se na estrada, nos cafés, nos paradouros
Rente ao chão deixam poeiras, parados cantam canções
São rumores de manadas correndo na imensidão
São asas abrindo alto o voo do mergulhão
Em montanhas vão subindo, ruindo grandes trovões
Labirintos encurvados rondando a queda se vão
Passam túneis, trilhos, serras, desenhos de amplidão...
Vão rumores se elevando na tensa voz do pistão
Rodando o veio da estrada rasantes vozes se vão.

Balneário Camboriú- SC 24-04-2013



21.
Yin sem Yang,
mista, 0, 70x0,70m
Tania Maria de Souza




Balneário Camboriu - SC



22.
OPÇÕES
(Deomídio Macêdo - 20-01-15)


Pode o condenado falar?
Claro, sim, pode falar.
Você prefere em pé, sentado ou deitado?
Ele apenas chora!
Enquanto o coração pára.
Manchando a sociedade humana.
O condenado cala-se pra sempre.
Ele não pode falar.

Salvador- BA
20-01-15



23.
Alegrias de Verão
Judite Krischke Sebastiany


Em geral não curto o verão.
Dias muito quentes abafados
pressão baixa, respiração pesada.

No verão gosto da brisa do anoitecer
fazendo contraste com o dia quente.
Brisa na praia ou na serra - interior.

Brisa com cheiro de mar, ou de flor.
Lembranças lindas da infância:
brincar de pega-pega, esconde-esconde

Conversar na varanda... amenidades
Somente curtir nossa amizade.
Cultivar paz amor serenidade.
 
Alegria de verão tem água:
piscina, praia, chuveiro ...
pedras de gelo, suco, sacolé.

Alegria vem do coração, do desejo
da capacidade de ver e sentir
da capacidade de apreciar.

Pára tudo ! Nao faz nada.
Curte, aprecia, sê feliz.

Porto Alegre-RS



24.
Sonho de Verão
Andrade Jorge


Sonho de verão,
Lua de papel,
Estrela de vidro,
Noite irreal
E eu no meio
Dessa chuva!

O rio se fez
E desceu
Seguiu aquele caminho,
Abriu seu leito,
Fez sua marca;

Noite de verão,
Fez sua marca,
Abriu seu leito
Seguiu aquele caminho
E desceu,
O rio se fez
Dessa chuva,
E eu no meio!

Noite irreal
Estrela de vidro
Lua de papel
Sonho de verão...

Jundiaí- SP



25.
Aluno dos Passarinhos
Daniel Brasil


Sou aluno dos passarinhos
Na escola da liberdade
Ouço a musicalidade
Tendo o vento por maestro
Nesta vida me adestro
Com a sensibilidade

A natureza nos propina
Todas estas sinfonias
A brisa em poesias
Suavizando nos afaga
A brandura se propaga
Quando nos acaricia

Sou filho da Natureza
Contemplo seu esplendor
Pois se eu nasci cantor
Ouvindo a passarada
Anunciando a madrugada
Mais um dia de louvor

Pois eu agradeço ao Pai
Por ter feito o universo
Nas rimas eu submerso
Fazendo agradecimento
Largo nas asas do vento
A inspiração do meu verso

Porto Alegre-RS



26.
VIDA É MORTE, MORTE É VIDA
Daniel Brasil


Estou falando em algo
Mesmo que não te importe
É assim que eu enxergo
A vida para essa sorte
É deste jeito que penso
Que meu pensar me conforte
Alguns até vão achar graça
Em cada segundo que passa
É um passo pro lado da morte

Ganhamos o sopro da vida
Para cumprir a trajetória
Todos nascem com um destino
Com sua própria história
Vida e morte são expressões
Gravadas em nossas memórias
Vida comparo um ritual
Morte é bênção Celestial
Quando se alcança vitória

A vida aqui neste plano
Às vezes tem grande surpresa

Porto Alegre-RS



27.
Apenas Buscando
Rosana Carneiro


Indo ao mercado da ironia da vida, buscar ilusões, já que a realidade me obriga.

Procurar no topo da montanha de esperança, a satisfação de fincar a bandeira da paz e da justiça, perdidas no caminho.

Alimentar-me de um breve perfume de brisa, já que o vendaval de desilusões destruiu minha plantação de amor...

Tudo conforme o esperado, nada combinado.

Apenas buscando ilusões na prateleira do mercado da ironia da vida.

São Paulo- SP



28.
A LISTA DE DELÍCIAS
Rosana Carneiro

 
Os primeiros raios de Sol
Ondas pequenas do mar
Nuvens brancas no céu azul
Pétalas de margaridas
Plantação de girassol
O voo do beija flor
Risco de estrela cadente
Perfume de vento feito brisa
Pegadas na areia feito carimbo
Gotículas de orvalho na flor
Som do cintilar das estrelas
Gotas de chuva na janela
Sorriso de criança
Coceira no dedinho do pé
Sopro delicado ali na nuca
Beijo molhado embaixo da lua
Banho de chuva no verão
Banho de imersão no inverno
Flores na janela num dia de domingo
Borboletas brincando na beira do caminho
Pássaros gorjeando em final de tarde
Aplausos no final da frase
Noite com lua cheia
Manhã calorenta de janeiro
Sentir o olho no olho
Ainda tem espaço pra continuar
Mas vou deixar você imaginar...

São Paulo- SP



29.
O Manifesto da Paz
Michelle Zanin


O mundo grita
Aclama solidariedade
Em um movimento perpetuo
Busca a união
A desqualificação de nomenclaturas
A quebra de barreiras
A desmistificação de fronteiras
É chegada a hora de resolver diferenças
Somar qualidades
Subtrair insanidades
Para entender a sanidade
Restaurar o velho
Para reestabelecer o novo
Trabalhar o cooperativismo
Deixar de fazer arranjos
Afinal, não somos somente estatísticas
Somos estáticos
Capazes de realizar o que para muitos são devaneios
Juntos mudaremos o significado de utopia
Chegou o tempo anunciado pelo profeta
Não podemos nos resumir a dizeres
É necessário agir
Lutar com o cerne
Interagir com a compaixão
Presente na psique
Paz não é um pássaro
Que voa despreocupado pela imensidão azul
E observa com delicadeza as sublimes atitudes
Também não é reagir contra o malefício
Contra atacar o tiro que sai do fuzil com uma belíssima sentença
Às vezes palavras são inúteis, é necessário
uma integração composta de ações
Engana-se quem vê no branco o poderio de transmutação,
uma cor inexpressiva não pode carregar o fardo da humanidade
Convenhamos, paz é complexibilidade
É a união de fatores que compõem o todo
E gera sensibilidade
Sensibilidade que há muito não é sentida
Pelo mundo que anseia
Um terno momento de reflexão
Redimir para igualar-se
Encaixar-se perante a potestade
Recuperar a excitabilidade
Para atenuar-se
Redescobrir a consciência
Querer encontrar-se
Para tornar-se paz.

Araraquara- SP



30.
O Manifesto da Paz
Nuances de verão
Haydée Lima


A praça hoje foi a cidade inteira:
o mágico
o bêbado
o violinista.
Da cartola:a flor
o lenço
o coelho.
Da garrafa:o esquecimento
a mágoa
o vício atroz.
Do violino: afinação
acordes
a canção completa.
E
chega o fotógrafo e sua máquina,
o repórter e sua caneta
aprontam  ângulos, pegam instantâneos
do poeta absorto, catam palavras exatas
para dar à praça o sinônimo certo:
a síntese do verão e o universo da cidade.
Amanhã: os jornais serão levados pelo vento
contendo: fotos – poemas
as graças a vida
suas quimeras e tragédias
E
ainda as marcas dos corpos
que aqueceram pelos bancos
os corações gelados da noite
da praça da cidade do verão.

Santa Maria- RS


 
31.
Maria Julia Guerra


Chuva de verão
O amor não resistiu
Ao canto das águas.

Maria Julia Guerra (Maju Guerra).

Salvador- BA



32.
Estrela cadente
Maria Julia Guerra (Maju Guerra)


Céu escuro, a lua já se pôs.
Passa apressada a estrela cadente
A me desejar boa sorte.

Salvador – BA



33.
Sorriso de Amor
Josue Ramiro Ramalho


Observando o infinito vi
Inquietas ondas no mar
Nuvens passando suavemente
Pássaros voando alegoricamente
E tão belas flores a desabrochar
Vi estrelas lá no céu tão cintilantes
Namorando uma lua estonteante!
E pessoas cheias de amor para ofertar
Dasfraldei o resvalar da noite
Com o orvalho da manhã
E tão extasiado estava
Que abri todo o meu sorriso
Para a primeira criança que passava
Foi então que descobri...
Que o amor tem forma de DEUS!

Salvador-BA



34.
Meu Jardim
Josue Ramiro Ramalho


Ontem vi brotar flores em meu jardim
Botões de rosas, margaridas, jasmim
Tertúlias se abriam quase sorrindo
Num simples instante me vi no paraíso
Girassóis em pétalas bem amarelas
Belíssimos lírios tambem encantavam
Sorrisos brancos entre tantas camélias
Lindas orquídeas que ornamentavam
Meu coração batucava feliz
Naquele jardim cujo espaço abri
Que até provocava certo gozo em mim
Angélicas florindo, encanto feliz
Tulipas brotando bem no meu nariz
O êxtase vibrando em todo jardim

Salvador-BA



35.
Tua Poesia!
Regina Kreft


Exalas um perfume que agitas minha alma
Exaltando a mágica lua, em muito afeto
As nuvens voando ao encontro do sol em saltos
Que sobressalto que me dá, minha alma chama!
Misterioso enigma da minha imaginação
Tuas palavras tão perfeitas e verdadeiras
Traz um encanto escondido em poesias,
Tu és encantado, parece um anjo em liras!
Tão suave, discreto, quase nem se faz notar
Teu poetar é envolvente em palavras inteligentes
Tua face tão discreta sabe acalentar, nada pedes!
Magia e mistério, essa timidez, fusão completa
Do homem poeta, talento e discrição
Fazem da tua alma um ser em evolução!

Joinville - SC



36.
Abra as portas
Regina Kreft


O tempo navegou na ilha da saudade
Quantos sonhos esmigalhados
Quantos ecos emudeceram!
Aqui absorta... No tempo passado.
Respiro o ontem, que caminhou implacavelmente.
Canto a música que me envolveu tão docemente!
Deixe-me sonhar que nada mudou!
Apenas abra as portas do teu coração!

Joinville - SC



37.
AS CARTAS
Estela Braud


Com carinho manuseadas,
Beijadas, lidas e relidas,
Guardadas em laços atadas,
Eram as cartas esperadas.
Falavam de amor e saudade,
Tinham perfume, sinceridade,
Esperança segura de continuidade,
Palavras de um ser a outro que entende.

Balneário Camboriú-SC



38.
OS SITES DE RELACIONAMENTO
Estela Braud


Nesta época instantânea, o que se espera?
Tudo  veloz, talvez fantasiosa cara,
Num perfil perfeito servindo de moldura,
Quantos enganos na busca de ternura...
Sentindo vazio no meio da multidão,
Acontece corrida ágil e medrosa de simulação,
Manto alegre disfarçando esperada solidão,
Como sangra e dói se enganando esse coração.

Balneário Camboriú-SC



39.
O Sol no Ocaso
Neneca Barbosa


Esconde-se o sol por trás da colina
Toca o sino ao longe na igrejinha
Nos ninhos as aves dormem juntinhas
Aguardando a estrela matutina.

A saudade bate intensamente
No coração que canta a melodia
Que um dia fez parte da sinfonia
De um amor que nascia docemente.

É nesta hora que no céu é pintada
Uma tela com cores do arco-íris
Projetando imagens na minha íris.
Em êxtase admiro da sacada.

Finais de tardes chegam à mente
São tantas histórias a contar
Lembranças começam a chegar
As lágrimas rolam lentamente.

Neste momento a brisa do vento
Beija minha face com carinho
Agradeço e sigo meu caminho
Juntando todos os meus fragmentos.

João Pessoa- PB



40.
Alegrias de Verão?
Eliene Dantas de Miranda


Primavera aqueceu o coração
Trouxe flores, calor, satisfação...
Verão escaldante, de luz e alegria
Extasiantes momentos de euforia

Acolhido foi sem restrição
Invadiu como um doce sonho.
Ao sair, restou dor e solidão
Peito ferido em uma canção

Recebido com abraço de irmão,
Foi saindo de fininho da vida
Despetalada! procurei  explicação

São Paulo- SP



41.
Efêmero sentir
Celeste Farias


Sairei daqui
E viajarei
Para a efemeridade
Dos vastos dias
Onde não aja papel,
Tampouco poesia

Lugar bem distante
Do amor, da canção
Do ser humano
E conscientemente
Não irei dormir
Para não acordar

Vou velejar
Pelo mar amarelo
Passear na grama
Subir nos galhos
Do jardim vermelho
Sem pássaros

Me vestirei de nudez
Na insensatez de voar
Pelo céu da ilusão
Com os meus arredios
Cavalos cinzas

E passearei pelas
Nuvens de tristeza
Lançando as inúteis
Palavras ao vento
Ao som fatal
Do esquecimento
Adeus!
Viajarei para bem
Longe do meu EU
E me esquecerei
Da inútil emoção
Que a alma sentira.

Belo Horizonte, 04/01/2014



42.
Cheiro de Amor
Celeste Farias


Em olhares cruzaram
O momento em abraço
Inusitável sensação

Eu e você, ali...
Inspirados pelo toque,
Seu perfume em mim

Um adeus, até mais
Restando o aroma no frasco
Para um dia ser apreciado

Enamorados, apaixonados
Vivendo à distância
Em vozes e teclas virtuais

Saudade maldita
No inverno, sofreguidão
De lembranças não vividas

Os dias se passando
A paixão esquentando
Duas almas em brasa

O encontro dos corpos,
Esquentou o café no bule
E transformou em cafezal

Paixão, amor e canção
Energias vibram em ebulição
Corpos ardentes, contentes

Eu e o amor, aroma de vida
Vivendo em sutilezas
De sentimentos e certezas

Momento do adeus,
Até mais, até breve
Aos dias entregues...

As nuvens passaram
O sol se foi, a lua chegou
A lua se foi o sol voltou...

No peito a saudade
Na expectativa de chegar
O próximo reencontro

Mas antes da primavera
Veio o olor de flores
Em vaso presente

E hoje no Templo tempo
Estamos nós, embriagados
Desse Cheiro de Amor.

Belo Horizonte - MG, 08-12-13



43.
As Quatro Estações do Ano
Carlos Reinaldo


Eu amo o sol de verão,
ele transmite calor,
que aquece meu coração,
com muita paz, luz e amor!

Gosto também do outono,
folhas caídas no chão,
frutos ocupam o trono,
esta é uma boa estação!

A primavera, porém,
traz alegria das flores,
portanto fala também,
de paz e belos amores!

Resta o inverno tão frio,
mas rico de sentimentos,
caminha assim como um rio,
levando a dor e os tormentos!

Eu amo as quatro estações,
elas me trazem o bem,
embalam as emoções,
merecem a nota cem!

Conselheiro Lafaiete



44.
Estrela de Verão!
(Ao nosso Moleque “Chuvisco”!)
J.J. Oliveira Gonçalves


Fundo a Alma me dói... E o coração
É folha ao sabor da Tempestade!
Há lágrimas na voz... E esta Saudade
Que é nova em tão velha Emoção!

Nublou-se onde havia Claridade
Em réquiem se vestiu minha Canção!
Agora, menos um: mais Solidão
Melancolia eu sou... no fim da tarde!

E vai capenga a vida e alquebrada
Leva hesitante o passo, na calçada
Os meus olhos vazios querem chorar!

Mais Um me falta, agora, na Matilha
É Estrela de Verão que no Céu brilha
Veio trazer Amor... e Amor levar!

Porto Alegre, 27 de janeiro/2015. 17h
jjotapoesia@gmail.com – www.cappaz.com.br



45.
Encharcado de Estrelas
Luiz Menezes de Miranda


Em uma tarde de verão
Na praia de Cacha Pregos
Bem no canto da ilha
Resolvi olhar o por do sol

Fiquei enamorado
Adentrei à areia
Mergulhei no mar
Sair encharcado de estrelas

Salvador- BA



46.
Violão
Luiz Menezes de Miranda


Se meu violão falasse,
com toda certeza
faria uma declaração de amor
para minha poesia.

Se minha poesia tocasse,
a música saberia o que sinto,
seis cordas e cinco dedos
uma linda canção.

Salvador- BA



47.
Verão
Marina Martinez


Verão que há flores,
sol, riso.
Verão que há cores,
luz, calor.
Verão que há fruto.
Verão também chuvas,
luto e fome.
Verão que há dor e cortes,
corpos sem nome.
Verão ameaças do céu.
Verão morrer até os fortes,
terror, peste, degradação.
Verão do verão algumas faces:
as banhadas pelo sol, acolhedor
festejando a vida, sem dores,
e as terrificadas, em perene sobreaviso,
inseguras, arremessadas ao leu,
respirando migalhas, desesperança, prostração.
Olhem com cuidado e verão.

Porto Alegre



48.
Balas
Marina Martinez


Sempre gostei de balas.
Azedinhas, hortelã, goma.
Hoje, fui avistada por uma. Perdida.
Mesmo sem eu estar num mangue!
Sem bússola, destroçou outra vida
O sabor da bala? De sangue!
Como estou? Em coma!
Pressinto crianças a minha espera,
vultos abismados com a morte.
Partirei com elas, já sabem o caminho.
Talvez, juntas, tenhamos melhor sorte.

Porto Alegre



49.
A Felicidade
Celeste Farias


A minha felicidade tem sabor de vida,
Cheiro de flores e aroma de brisa.
Ela é meiga, momentânea e companheira,
Passa comigo noites inteiras e longos dias,
Mas foge quando em mim vê tristeza
Pois a felicidade não é incerteza,
É a real contemplação da presente alegria!

Belo Horizonte- MG



50.
As Estações da Vida
Eliene Dantas de Miranda


Quando criança  a vida
Era felicidade plena
Primavera em flores
Com visões  multicores!

No verão da existência
Calor da paixão se instala
O Amor abrasa o peito
Incertezas vem e abala.

Sorrateiro vem o outono
Passos largos, sofreguidão
Secam folhas, caem  flores
Dissabores vem, solidão

Gelado inverno d’alma
Parado fica-se a pensar
Saudades sim de outror
Tristeza vem  em relembrar

Primavera: cheia de amor
Verão: vigor e emoção
Outono: triste solidão
Inverno: dor e reflexão

Primavera e Verão
Inverno e o outono
São ciclos da uma  vida
E as estações do ano.

São Paulo, 16/04/2010



51.
Tarde de Verão
Malú Ferreira


Decerto que o mar obedece a direção do vento.
Decerto que jamais conseguirei adentrar
Suas profundezas e mistérios.
Usufruir a totalidade do grau
Que irradia e aquece.
Decerto que a brisa chega, aproxima-se
Com seu véu noturno
Impregnado de metáforas
E silencio íntimo.
Nutre viventes e espíritos
Dos seus ancestrais.
Decerto que a brisa toca-me.
Mesclando gotículas
Emocionais.



Salvador -BA



52.
Sol
Elder Carlos dos Santos


Luz intensa
Cor brilhante
Coroa refulgente
Espectro faiscante

Astro de fogo
Que inunda nosso orbe
Pleno de energia
Desde antes dos tempos

Além de estrela
É símbolo
Rei
Divindade

Rompe as trevas da noite
Traz ao mundo a novidade
Obedecendo ao seu chamado
A semente apenas germina

Vem à tona
Sem saber como
Somente o faz

Incandescência que cruza o céu
Como carruagem de rútilo
Iluminando caminhos
E convocando à vida

Para os abismos da consciência
É farol
Presença inefável
Que a tudo atinge
 
O sol que aquece a terra
É o mesmo
Que desperta a alma.

Salvador- BA



53.
Alegrias de Verão
JOtoniel Poeta


As alegrias de verão tem como motivação
O sol astro rei  considerado sua maior razão
Aquece o planeta terra trazendo ao corpo melhor
Aclimatação
Reclama lugares próprios à saudável refrescação
Entre tantos o mar com sua praias e macia areia
Fazendo os seus frequentadores sonharem até com
A sereia
As mulheres como se fossem uma delas com o desejo
De amar tornam-se em seus anseios "Meio-Peixe-meio
Mulher”
Os homens desprendidos dos rotineiros compromissos
Sentem-se ansiosos e pensam consigo próprios: “É assim
Que a gente as quer...”

Bem servidos nos melhores bares e restaurantes
Saciam suas ânsias da boa bebida e exóticas comidas
A essa altura suas amigas ou mesmo já namorada
Presentes curtem alegres ficando até elegantes
E aos poucos vão se liberando desinibidas
Após tamanha liberação aguardam-nos adequados
Alojamentos
E finalmente dos sonhos consideram-se a pessoa
Amada

Outros (as) soltam-se a se divertir com outras modalidades
Visitam parques de diversão
Exercendo outras esportivas e proveitosas atividades
Ciclismo, caminhadas a pé , treinam o futebol
e também mantém boa conversação
Curtem atualizadas ou tradicicionais e clássicas apresentações musicais
Entre tantas outras opções a mais
Posso afirmar com franqueza do meu coração:
Essas são “ As alegrias de Verão “

Jandira-SP, 29 de JAN/2015.



54.
A Bahia fica um passo do paraíso
Varenka de Fátima Araújo


Serra grande e Pé da serra
Uma Serra grande que caminha
Pode gritar ao vento
No limite da caixa tórax

Que a mata é verde, verde musgo
Amo o verde da nossa mata
Embriagada no seu esplendor
Perambulo entre cheiros verdes

Descendo a Serra grande
O Pé da serra banhada pelo mar
Entre o sal das ondas e matas
Estou perto do paraíso.

Salvador-BA



55.
Em um Certo Dia de Férias
Varenka de Fátima Araújo


Eis um banco, no improviso uma tabua quebrada
Sorri como estivesse em Brasacolina
Afronta o homem com sua voz:
Olá ruiva aqui só tem loucos
Sim, na verdade sou ruiva
Me sinto estrangeira na cidade do carnaval
Rasgando o sol com nuvens vermelhas, fogacho

E um tal mendigo sedente por dinheiro
Sacode a mão cheia de moedas
Tinha sido nobre , perdeu o título
Os jovens passam, não sabem da sua força
Das mãos enrugadas de um casal de idade avançada
Aí vai, ela com carinho, ele envergonhado
O estranho é o contraste da mocidade
Mas eu penso, um dia serei velha.

Salvador- BA



56.
Infantilidades
Nena Sarti (Maria Helena Sarti)


Alegria, assim alegria mesmo só na criança, e ainda quando é bem amada, alimentada, atendida.

Fico observando os mundos ao redor do mundo. O sorriso franco, a risada inteira, a gargalhada gostosa é da criança. Adulto fica mais difícil. Ficam atrelados às brincadeiras: o preconceito, a timidez, o medo de parecer ridículo, e outros acompanhantes desagradáveis ao bom e velho contentamento.Em nossos dias o riso é nervoso, tremulo, falso. Sorrimos, rimos, gargalhamos apenas para fazer parte do grupo, da comunidade, da tribo.Difícil encontrar as alegrias de outrora até dentro de nosso ser.

Fica-se horas em contemplação procurando no bem querer uma risada transparente. E quando se tem mais de sessenta então? Rir e gargalhar de quê, se os jovens que passam por você olham e começam a rir?

Pessimista? Não! Realista! As alegrias são fotografias em álbuns rustidos de lembranças.

Há dias que sorrimos apenas por estarmos vivos assistindo as infantilidades. Essas sim, alegrias de Verão!

Campo Grande- MS



57.
SE EU PENSASSE NO AMANHÃ
Élio Cândido de Oliveira


Dos atos, das providências, do acompanhar, da presença, da palavra assim descrita, um sorriso, a não demonstração de cisma ou susto pelas condições do paciente são formas de caridade e, mais que isso, ajuda.

A voz não pode demonstrar emoção, frustração pelo estado físico e nem mesmo o psíquico; estabelecer de vez um dialogo, se não normal, aproximado; fazer, então, como pessoal, interagir às citações como aquelas que tão bem nos agradam.

O acometido por um mal, uma doença, em sua maioria, prefere estas moléstias não referenciar e sim ocupar tempo e espaço com coisas alheias. Mesmo orações devem, por sua vez, consistir em oportunidade de verificação e aceitação do atingido.

Dosar citações; o leito é encargo, o nível de tolerância é de cada um e o desespero também.

Viver é a arte em que os instantes se tornam únicos, fazem de nós viajantes aprendizes de um tudo, da alegria, do sofrimento e da paz que criam em nós alento e, forçosamente, nos levarão ao caminho da  eternidade.

Ibiá-MG



58.
SOL DE VERÃO
Roseleide Santana de Farias


O sol que nos aquece aqui chega todo dia,
Não importa seja inverno, outono, verão!
Se a chuva vem, nos refresca e traz alegria,
Os nossos pensamentos tristes logo se vão.

Sempre advém o sol luminoso e traz magia,
Com a brisa refrescante que chega do mar.
Soprar do vento, brisa fresca, e nas árvores
Passarinhos pousam com seu alegre cantar.

Os bem-te-vis, rolinhas, sibito, beija-flores,
Outras tantas belas aves, não sei os nomes.
Ao encantar-me o belo constante alvoroço,
Pergunto ao meu amado, ao vê-los passar!

Amamos a chuva, sol, árvores, o azul do céu.
Meu amor a proteger os ninhos, o nosso Lar.
Aqui pousa as aves, verdes sombras acolhem
Homem, mulher, crianças, e bichos também!

Benditos sejam o sol e a chuva a semear vida!
O que será de nós quando eles nos faltarem?
Se chove ou faz sol em demasia, sofrimentos.
Todos choram de dor: aves, homem, animais!

Cabedelo-Paraíba



59.
DORME A NOITE*
Malú Ferreira


Sobre uma desorientada terra.
Horas febril, horas encabulada
Horas rebelde....
Por vezes;
Forçada as guerras
Através de ações, palavras.
Ruídos profundos deslizam
Infiltra neurônios
Mesclam as canções
Extraídas das emoções.
Bendita Terra!
Devolva ao mundo “Esperanças”
De poetiza-la em versos
Em plena Primavera.

*Antologia CAPPAZ - Interfaces de Amor e Paz
Volume 5 - Ano 2014




Salvador-BA



60.
Alegrias de Verão
Eda Bridi


A primavera despediu-se
Levando
As temperaturas amenas
E o perfume das flores.
Que pena!
Também o pólen e as alergias.
Cessam lá em casa
Os espirros em sinfonia.

O verão chega
Trazendo alegrias
É Natal!
Presépio... Luzes...
Anjos cantam “Noite Feliz”
A família reúne-se para a Ceia
E brinda o amor, a união.
Chega de mansinho o Bom Velhinho
com mensagens de paz
e presentes.
Todos contentes
A confraternização, o abraço,
Outro abraço.

Ah! O réveillon.
Pirotecnia colore o céu.
Champanhe... Todos brindam:
Ano Novo, vida nova!
Mil desejos, mil promessas
Não podem ficar ao léu.

Alegrias de verão
Vestibulandos comemoram.
Na fachada das casas
“Bixo Farmácia”
“Bixo Ciências Contábeis”
“Bixo Advocacia”
São tantos “Bixos”... felizes
Concretizando sonhos.

Sol de verão. Alegria na praia.
Sob guarda-sóis coloridos
O bate-papo descontraído.
Crianças fazem castelos na areia.
Jovens e suas pranchas desafiam
a força das ondas gigantes.
E a beleza do mar
Em noites de lua cheia
É tanta grandeza!

Quanta alegria nos salões
Confetes, serpentinas, tamborins
Divertem-se os foliões
É carnaval!

Na virada da noite
Quarta-feira de Cinzas.
Quaresma. Tempo de reflexão.
Logo, os ventos de outono
Levam as alegrias de verão.

Sobradinho- RS



61.
O encontro com o mar
Fátima Peixoto


Caminho lentamente,
Agradeço toda beleza,
molho os pés,
Sinto a brisa que toca meu rosto,
O sol que aquece meu corpo,
Sento na areia,
Meu olhar fixo no horizonte,
Admirado, pasmo,
Beleza incomparável.
O banho lava minha alma,
Renova energia,
Deixo que as ondas levem
Cansaço, pensamentos negativos, desilusões
tristezas...
E outras ondas tragam,
calmaria, acalento, felicidade!!

Cabedelo- PB



62.
Sol de Verão
José Pereira da Silva


É verão!...
Encanto-me com os primeiros raios de sol,
Que transmitem energia e calor,
Aquecendo as copas das árvores,
Germinando nos galhos a flor.

Flor que seca,
Semente que cai,
Dando vida a outro ser,
Na vida que a semente traz.

Suave brisa da manhã,
Que aquece aves e ninhos,
Enquanto da floresta a mãe,
Traz alimento para os seus filhinhos.

É tarde!...
O sol a se esconder no horizonte poente
Para nascer ao amanhecer
No horizonte nascente,
Trazendo nos seus raios energéticos,
Saúde para toda a matéria existente.

Preserve a floresta!...
Morada das aves e animais,
Lugar de encanto e beleza,
Que nos dá Saúde, Alegria,
Amor e Paz!

Cabedelo- Paraíba



63.
Utopia Brasileira Pátria
Michelle Zanin


O Brasil dos meus sonhos é um lugar onde tenha educação, saúde,
todos tenham uma boa qualidade de vida,
podendo se sustentar e não usando da violência para poder viver.
O Brasil que eu sonho é um lugar onde há amor com as pessoas,
e pequenas atitudes sejam feitas por amor e preocupação
e não por interesse.
No país ideal, os governantes são pessoas boas
que não se preocupam somente com eles
mas querem acima de tudo ver a população bem, feliz.
Nesse país, não há favelas, as pessoas são educadas,
todos utilizam o transporte público, que é de excelente qualidade,
para ir para o seu excelente emprego,
onde se ganha um salário digno, capaz de sustentar uma família.
As crianças que nascem, têm um lindo sorriso no rosto,
pois sabem que terão uma boa vida,
onde poderão sonhar e ver seus sonhos se tornarem realidade,
independente de raça, crença ou classe social.
Nesse país, os animais convivem em harmonia com os seres humanos,
são respeitados e a cultura é uma relíquia admirada por toda população.
Esse é o Brasil que sonho para as futuras gerações,
mas infelizmente sei que esse sonho é quase impossível de se realizar,
pois o ser humano sempre pensa em si mesmo,
nunca está disposto a abrir mão do que tem
e do que acha certo para ver o próximo sorrir.

Araraquara- SP



64.
Amanhã II
Audelina Macieira


Amanhã não teremos mais o brilho
apagado em nosso olhar
será um brilho límpido, ordenado as frescuras do dia.
Será um amanhã de flores abertas, rosas vermelhas
crisântemos e tulipas multicoloridas.
Amanhã será indispensável viver
e absorver o sonho.

Amanhã será um dia lindo
um dia de sol
sorrindo com dentes alvos
como a neve.
Amanhã será assim.

Salvador- BA



65.
Magias do verão
Vera Trindade


Assim que fez sol no coração
Nasceu um poema
Na sombra da tua pele
Que tinha DNA tropical

É na América do Sul
Sob a linha do equador
Oh, baby! onde os rios se abraçam
Onde as marés se agitam
Onde os homens gritam o carnaval

Porque foi dentro da poesia
Que o sol queimou a razão
E se abriu um imenso girassol
Que fez girar o sorriso da estação:
Verão...
Verão...
Verão.

Salvador-BA



66.
A PLANTA E O AMOR JUNTOS CRESCERAM
Kátia Claudino Caetano Pereira
(Kátia Pérola)


O amor da vida
Dá energia
Dá dor, mas também alegria
Não deixa de ser um desafio
O mais nessa hora é pouco
Atirar-me em seus braços
É tudo que eu queria
Viver a realidade
Não só em sonhos
Como sonhamos na poesia
Tudo que você diz é sincero
Acredito
Ponho fé
Agora, a gente tem que saber por o pé
Viver de anseios é ousadia
É melhor ousar
Do que ficar sem amar
E sem mar prá navegar
A vida é um jogo
Não se sabe se é para perder ou para ganhar
Temos que arriscar
É bom provar...
Plantei um pé de jacarandá
E cheguei a conclusão:
Ele (o amor) já quer andar
Crescendo igual à árvore que acabei de plantar
Temos que regar
Somente assim ele vai vingar
Dar bons frutos
E a gente saborear.

Ourinhos -SP



67.
SONHA, OH, MINH'ALMA...!
Kátia Claudino Caetano Pereira
(Kátia Pérola)


Sonha Pérola aflita!
Flutua no espaço
Com o vento a rugir
Enquanto teu corpo
Estremece
Nesta noite de dor
Causada pela solidão
Que transparece ser
Infinita

Sonha Pérola querida!
Vieste ao mundo, apenas
Por vir, do verdadeiro amor
Cujo sabor não terá
Como prová-lo

Sonha Pérola bendita!
Podes por empréstimo
Tomar a luz do luar
Mas jamais como ela
Haverás de ter a serenidade
De vê-la aos teus pés beijar
De joelhos o teu amor
Implorar

Ao brilho dela podes
Até despertar do teu sono
Oh, Pérola sonhadora
Com a tua alma noite e dia
A gritar...
De paixão teu corpo
Perambulará vinte e quatro
Horas
No final, sobre a terra
Linda criatura!
Sem teu sonhado amor
Sobreviverás!

Ourinhos –SP



68.
Amigos e Amizade!
Narciso Nilo Sebastiany


Feliz é a pessoa quando tem muitos amigos para compartilhar de suas conquistas, alegrias, tristezas, dores, perdas ou qualquer situação que se apresentar na sua vida. "Amigo é aquele que saiba conhecer o que dói no outro" (do livro a presença de DEUS de RICHARD SIMONETTI, pag. 91). O verdadeiro amigo aprende a se doar a quem é amigo e, quando necessário sabe consolar ou sabe dizer como procurar ajuda. Ser amigo é também não ter preconceito racial. Ninguém é melhor em perfeição ou inteligência do que aquele outro ser. Ser amigo não quer dizer ser correspondido. A gente não faz amigos, a gente os conquista pela nossa maneira de ser ou agir, pelos nossos princípios de vida. Na amizade verdadeira existe sempre a vontade de ajudar o outro. "um irmão é um amigo que DEUS te dá, um amigo é um irmão que o teu coração escolheu" (autor desconhecido). Pessoas vaidosas, prepotentes, que atraímos e que demonstram falta de maturidade, mesmo que queiramos, não serão amigos sinceros e sim talvez aproveitadores. Assim, muitas vezes, devemos reformular nossas verdades para aqueles pretensos amigos, para os quais, falta a humildade e a honestidade necessárias e tão importantes na construção da pessoa de maneira a não gerar sofrimentos     consequentes a uma má amizade.

Sobradinho- RS



69.
A Dança do ‘"Seu’" Leon e "Dona" Celina
Retijane Popelier


Meu pai era um homem muito forte e minha mãe, que não consigo adjetivar, era minha vida. Eu não sabia disso assim, exatamente assim, quando era criança, mas hoje sei.
Ambos trabalhavam muito, mas as vezes eu os via dançando.
Sim, dançando.
Essa lembrança permanece na minha memória como uma melodia. Eles gostavam de dançar valsas, lindas, tão lindas, e dançavam como o príncipe encantado e a cinderela. Como era lindo vê-los dançando.
E isso acontecia de repente, sem programar, sem combinar.
Eu e meu irmão, brincávamos no jardim, e a vida seguia seus dias quando lá pelo meio da tarde de um dia qualquer o silêncio e a tranquilidade da época era rompido pelos acordes da antiga vitrola que trazia, para meu encantamento, o Danúbio Azul ou a Valsa de Strauss, entre tantas outras.
Eu parava de brincar para ficar olhando para eles e sempre que essa lembrança volta ao meu pensamento me emociono.
Eu dançava junto com eles naquele momento, de extrema ternura e amor e assim tive minha infância embalada, pela imagem vigorosa de meus pais trabalhando, pela alegria do jardim e das brincadeiras, pela companhia indispensável de meu irmão e pela beleza das valsas e das danças do ‘seu’ Leon e da ‘dona’ Celina.

Balneário Camboriú/SC



70.
Belo Entardecer
Sílvia Silva Benedetti


Neste belo entardecer
A primavera me habita
E os pássaros cantantes
Rimam acordes de amor.

Neste belo entardecer
A brisa mansa que passa
Beija meus cabelos brancos
Tece poemas de amor.

Em tudo reina harmonia
Neste sonho-fantasia
De luz paz... esplendor.

Há em tudo uma esperança
E o meu lado de criança
A Deus,faz prece,louvor

Pela graça de, na vida,
Ser poeta e... comovida
Escrever temas de amor.

Porto Alegre-RS



71.
Pecados
Jonas K. Sebastiany


Meu pecado é encontrar a pessoa exata
No momento errado
Meu pecado é uma questão de fuso horário

Meu pecado é buscar incessantemente
A intensidade dos sentimentos
Meu pecado é uma questão de tesão

Meu pecado é querer ser constantemente
Uma pessoa coerente
Meu pecado é uma questão de humor

Meu pecado é encarar a vida
Com angustiada pressa
Meu pecado é uma questão de ritmo

Meu pecado é desprezar
A racionalidade das paixões
Meu pecado é uma questão de lógica

Meu pecado é desejar o pecado
Da maneira mais ardente
Meu pecado é uma questão de  amor.



72.
CAPPAZ Completa Jubileu de Açúcar*
Silvia Araújo Motta


Compondo sonhos, asas levam paz...
Plena harmonia, puro bendizer,
planos concretos, temos na CAPPAZ;
sempre irmanado ao doce bel-prazer.

Dois mil e oito, conta o que nos traz:
Em Porto Alegre, berço faz-nos crer,
felicidade estende a mão refaz
tudo que o BEM supera e faz vencer;

Nestes seis anos, mostra seu valor,
perdão, justiça...lema vem provar,
adocicado fruto tem sabor.

Amor, ternura, abraços, luz, enfim,
no JUBILEU de AÇÚCAR, vim brindar!
Vamos buscar a PAZ no mundo, SIM.

Belo Horizonte, 9 de abril de 2014
silviaraujomotta@yahoo.com.br

(*)Dentro do Soneto nº 5631, o Noneto Teatral nº9,
didático-histórico-jogral-toante-cantante
e/ou com instrumento musical  (Coro de rimas:A-A-C-E-E).
Conferir nove SOLOS de instrumentos musicais,
com o verso declamado durante o solo do instrumento.


Belo Horizonte-MG



73.
Meu Amor
Angelina Albertina de Borba


O meu olhar se distancia do objeto e te encontra
No teu olhar me sustento, me aqueço, me embriago
Nesse embalo me percebo
E sou você em mim
Sustento essa leveza
e meu ser internamente vibra
em paz e harmonia.

Balneário Camboriú/SC



74.
Descuido de Deus
João Kleis


O planeta estava se transformando. A massa ardente que escapara de alguma fornalha do Universo, girando violentamente, fora captada pela atração do Sistema Solar e agora passava a ser uma grande bola que se solidificava.

Ventos violentos sopravam em todos os quadrantes, esfriando aos poucos a brasa viva e fazendo os gases dela desprendidos, serpentearem em todas as direções do céu formando as nuvens. 

Aos poucos, tudo foi se acalmando e o Arquiteto do Universo começou a trabalhar a Sua Obra. Fez os mares, a luz, a noite e o dia, os animais, os peixes, os rios e tudo o mais que existe em nosso globo.

Trabalhando incansavelmente, o Grande Escultor dava forma às coisas e procurava ser o mais preciso em todos os detalhes, pois que, era Sua ideia fazer uma experiência nova e que se aprovasse, iria fazer-lhe um grande bem. Criaria um ser a Sua semelhança e o faria habitar ali, tendo desta maneira alguém para dialogar.

Fugiria assim, um pouco da solidão milenar em que vivia.

Imaginou tudo de bom para este ser que viria tomar conta de Sua Obra Prima, pois era Seu desejo, que nada faltasse ao mesmo.

Todas as coisas maravilhosas de nosso mundo foram criadas nos momentos mais felizes do Ser Supremo, alegre por ter em breve com quem se comunicar.

Em Suas divagações, imaginava o homem vivendo no paraíso que para ele fora criado e o quanto tudo isto, seria bom para este ser privilegiado.  

Lembrando-se de que a solidão é muito triste, Deus também pensou em alguém para fazer companhia à criatura que estava prestes a surgir e, num momento de grande inspiração, imaginou a mulher.

Mas, esta segunda criatura que receberia Dele os dons da formosura, precisaria de um lugar onde pudesse livremente expor o seu corpo aos raios do sol e gozar as delícias da brisa amena soprada pelo vento do mar.

Com o dedo indicador, fez Ele uma leve curva numa certa parte do globo terrestre criando uma linda enseada, onde as águas verdes do mar vinham beijar a branca areia da praia, brilhando sob os raios do sol.

E, foi antevendo a beleza incontestável de nossa linda Camboriú que o Criador de todas as coisas, extasiado, descuidou-se e deixou escorregar por entre Seus dedos, bem no meio da enseada, um pouco da massa que ficara em Suas mãos quando projetava este lugar encantador.

Quis apanhá-la, mas observou ter ela se  transformado num minúsculo rochedo que completou de forma harmoniosa a beleza paisagística daquele belíssimo lugar. Deixou-a ficar.

Foi assim, que surgiu esta nossa linda ilha.

Balneário Camboriú/SC



75.
Sonhando
Reginaldo Meana


Sonhe criança, busque no seu sonho
O mundo pintado de azul
Com traços verdes de esperança
Sonhe criança, corra o tempo passa

Vá depois da chuva brincar nos campos
Salte, mas salte muito e corra
Sentindo o cheiro do pó molhado
Lembre de todas as chuvas

Um dia entenderás o sentido da natureza
E o poder que ela sempre tem sobre nós
Vá minha criança, veja toda essa beleza
Traga para dentro de si, inspire a arte de viver

Saiba criança que o poeta estará sempre acordado
Buscando as palavras e inventando os sonhos
Saiba criança que a arte de poetar
É um singelo jeito de pintar a paz contida...
Em nossos corações.

São Paulo/SP



76.
Sol de Verão
Vera Passos


Nessa Península linda, o sol é presença máxima
Muda cada página da matina, desmantela a rotina
Pele bronzeada, cabelos encaracolados,
A  luz nos anima, o calor alucina...
Raios de sol invadem a vidraça e desmancham a cortina
O alvorecer nos derruba da cama da noite que termina
Pássaros canoros iniciam a sinfonia, colorem o ar
Nos ensinam,  viver melhor e curtir a adrenalina
Sol de Verão,  banho de mar, passeio na areia,
Barcos singrando mares, cumprindo o labor
Retratam as  férias, encontros, viagens, amor...
Basta abrir as janelas e vislumbrar a paisagem
Nessa surpreendente  viagem, a VIDA.

Salvador- BA



77.
Jasmim!
Reginaldo Meana
(Para meu pai)


Jasmim que enfeitas os dias
E perfumas as noites... jasmim!
Tu és testemunha dos que aqui passam
E daqueles que já passaram (pelo jardim desta casa).

Estático observas o amor...
O amor que recebes dos que aqui vieram
E daqueles que ainda virão... (imperas de alegria).
Vês a pequena casa simples... cheia de amor

Lembras-me os momentos felizes
Que aqui vivi ao lado de meu velho pai.
Lembro-me com nitidez as risadas contagiantes
Que só ele sabia tirar de nossos corações.

Folhas verdes dão-me a esperança...
De continuar o legado desse professor
Flores brancas vejo em ti a paz...
Ah! Pai sinto neste perfume a tua presença.

“In” Tempo de Amor
Direitos autorais - ISBN 85-903148-2-0
2004 - página-58




78.
Belas Artes ( Barco)
Óleo sobre tela
Gislaine Waechter




Balneário Camboriú/C



79.
BELAS ARTES
Gislaine Waechter


Esboço...
linhas confusas
cores misturadas
paralelas verticaladas
páginas viradas...
Esboço...
traços de um amor
que desabrochou com ardor
que se encheu de cor
que cresceu com esplendor
que se mantem com sabor...
 
Esboço...
pincéis na mais bela obra
a vida, o amor, a rosa
a perfeição a união,
a paz e a ternura
todo o bem d'uma paixão...

Balneário Camboriú/SC



80.
CANA DE AÇÚCAR
Mirian Arceno Rocha




( Óleo sobre tela)
Dimensões: 0,50X0,70
Capa da Antologia CAPPAZ
Vol.5 - Interfaces de Amor e Paz - 2014


Camboriu-SC





SELO DE PARTICIPAÇÃO









Música de fundo

MARAVILHA VIVER (What a Wonderful World)
Simone


Vejo no jardim
A flor nascer
Num dia azul
Penso em você
Então,digo pra mim:
Maravilha viver...

Onde nasce a luz
Se escurecer
E a noite cair
O sol vai nascer
Então,digo pra mim:
Maravilha viver...

Atrás do arco-íris
Por certo existe a paz
Com todas as pessoas
Que pela vida leva e traz
Eu sinto a emoção
Da dor e do prazer
Porque meu coração
Está com você

O mundo vai seguir
O tempo correr
Eu sou feliz
Tenho você!
Então,digo pra mim:
Maravilha viver...













|| Página Inicial | Voltar | Livro de Visitas ||




Arte e Formatação Joyce Lima Krischke
Exclusivo para CAPPAZ - Confraria Artistas e Poetas pela Paz
Todos os direitos reservados