INTRODUÇÃO

Deixo-lhes, a título de Introdução à 80ª Ciranda Mensal CAPPAZ, as palavras de Malala Yousafzai:
"Uma criança, um professor, um livro e uma caneta podem mudar o mundo".
A frase é da mais recente ganhadora do Prêmio Nobel da Paz, uma paquistanesa de 16 anos.
Dia 12 de outubro, comemora-se o "Dia da Criança" e, Dia 15 de outubro, comemora-se o "Dia do Professor".
As comemorações, acima citadas, estão reunidas em um só tema, nesta Ciranda Mensal CAPPAZ.
Paz e bem...

Balneário Camboriú/SC, 07/10/2015

Joyce Lima Krischke- Presidente Fundadora CAPPAZ



PARTICIPANTES

01- Akasha de Lioncourt (07 e 08)
02- Carlos Reinaldo de Souza (33 e 34)
03- Daniel Brasil (15 e 16)
04- Deomídio Macêdo (25)
05- Eda Bridi (19)
06- Eliene Dantas de Miranda (28)
07- Eloisa Antunes Maciel (01)
08- Estela Braud (29)
09- Fátima Peixoto (17)
10- Fernando Alberto Salinas Couto (21)
11- Gerusa Guedes (32)
12- J.J. Oliveira Gonçalves (02 e 22)
13- José Otoniel da Costa (27)
14- José Pereira da Silva (20)
15- Josue Ramiro Ramalho (13)
16- Joyce Lima Krischke (03 e 11)
17- Judite K. Sebastiany (23)
18- Leandro Flores (26)
19- Marcelo de Oliveira Souza (05 e 06)
20- Marina Martinez (31)
21- Paola Rhoden (04)
22- Regina Kreft (10 e 14)
23- Rosana Carneiro (18)
24- Roseleide Santana de Farias (12)
25- Tânia Maria de Souza (24)
26- Vera Passos (09)
27- Vera Trindade (30)




PARTICIPAÇÕES



01–
CRIANÇA, PROFESSOR E LIVRO – UMA TRÍADE INDISSOCIÁVEL
ELOISA ANTUNES MACIEL


A criança engatinha, põe-se em pé...
Observa ao seu redor a realidade que a ela se apresenta.
Interpreta essa realidade a seu modo, colhendo o significado a ela perceptível:
nesse estágio de seu desenvolvimento está a fazer a sua primeira e relevante leitura,indispensável à sua inserção no mundo das diferentes leituras que se seguirão:
a leitura básica da realidade que a cerca, na qual ela se insere. Nessa primeira e significativa leitura estará requerendo a presença de alguém que a assista na condição de primeiro professor – ainda que este não detenha a titulação de um professor habilitado para tal. Esse alguém pode ser o pai, a mãe, um irmão/irmã...
E, ao ser por este assistida, a criança tende a esbanjar perguntas, ora confirmando o que já perguntara, ora invertendo a ordem do seu “discurso de perguntas”... E os porquês são abundantes nessas abordagens...
É a importante fase da primazia da leitura da realidade observada e abundantemente explorada...
E à base das referências colhidas nessa fase, a criança atinge a chamada “idade escolar” – ou de escolarização formal.
E a figura do professor se apresenta num contexto ao qual ela traz suas referências anteriores – que tende utilizá-las como “âncora” em sua nova etapa de aprendizagem, etapa, essa, que a introduzirá no mundo da leitura simbólica, tendendo inicia-la no processo de letramento (no contexto da alfabetização propriamente dita).
E o professor terá a incumbência de introduzi-la – e conduzi-la – nesse segundo e relevante processo.
E é nesse contexto que ela será apresentada ao LIVRO, desde suas modalidades mais simples, avançando gradativamente para uma maior complexidade – tanto física quanto de conteúdo.
E enquanto o processo de letramento avança, o livro tenderá a proporcionar – lhe leituras mais avançadas, aprimoradas e indispensáveis a concretização de uma aprendizagem bem sucedida nas diversas áreas de conhecimento nos planos científico social, artístico, entre outros. É o velho e bom livro
– sempre atualizado a proporcionar ao aprendiz e seus professores uma inserção crescente no universo do SABER, sob os diferentes ângulos de realidades permanentemente renovadas...
Enfim, a tríade iniciada através de uma “ingênua” leitura da realidade pela criança da chamada “fase pré-escolar”, é dinamizada através da atuação efetiva do professor, que ensina e orienta, e potencializada através do livro, que viabiliza a amplitude e a diversidade de saberes que tendem a culminar com a formação plena do ser humano na sua trajetória rumo à sabedoria universal.
Portanto, alegremo-nos com a justa e merecida homenagem prestada a essa tríade em datas que tendem a concentrar-se no mês de outubro e, dessarte, efetivá-las por muitos anos, tendendo a garantir a sua perenidade no tempo e no espaço.

São Martinho – RS



02-
A CRIANÇA-INTERIOR!
J.J. Oliveira Gonçalves


A criança-interior é aquele eu-criança que trazemos dentro de nós, e que nos acompanha até o fim de nossos dias.
Ela permanece viva, desde que tenhamos consciência de que ela está, ali, dentro de nós. Ou, fica adormecida, se esquecemos dela. Morrer ela não morre, dentro de nós. Todavia, esquecê-la, abandoná-la ou rejeitá-la, é, também, uma morte. Quantas vezes, ela quer se manifestar e é reprimida? Quantas vezes, sua voz sonoramente infantil quer falar, mas só ouve: cala-te! Quantas vezes, essa criança quer brincar, quer correr, quer cantar, quer mesmo nos abraçar, nos beijar, mas só o que recebe é um estúpido “não”!
Infelizmente, num mundo de materialismo exacerbado, de vaidades e ostentações, onde o ser humano faz questão de ser mais “ser” do que humano, a criança-interior vive reprimida, sufocada, amordaçada por quem dela deveria cuidar. Por quem deveria falar com ela, brincar com ela – no mínimo, sorrir para ela. Esses imperdoáveis maus-tratos a machucam, a tornam infeliz e medrosa, e a fazem definhar. Eis a condenação à morte dessa criança-interior.
Pois, ainda que ela não morra, sabe que foi condenada à morte. Essa é uma violência covarde para a qual não existirá perdão.
Afinal, qual a Pena para quem mata, deliberadamente, uma criança? Pior: para quem a tortura, antes de matá-la, aos pouquinhos?
Com certeza, o autor engordará, em muitos “quilos-espirituais”, o seu “karma”. Não foi o próprio Jesus que avisou que, para entrarmos no Céu, teremos que, de novo, ser crianças?
Pessoalmente, nunca descuidei de minha criança-interior. E quanto dessa criança-interior se manifesta na companhia – também criança – dos animais?
No encantamento pela Mãe-Natureza? No vôo e no canto dos pássaros? Nos fofos bichos de pelúcia, em uma pequena estante – uma espécie de local sagrado – onde mantenho e cultivo minha criança-interior? No prazer e na alegria que sinto por outras crianças? (Tanto que, há cinco anos, tentei adotar uma menininha de três anos, em Santa Catarina. Infelizmente, não logrei tal intento.
Seria um alento para minha vida e eu poderia fazer por ela o que fiz por minhas filhas – e disso tenho certeza.
Amanhã, é “Dia das Crianças”. Que sejam felizes! Que bom que fossem tratadas como crianças que são e, não, como adultas. Ao serem tratadas como adultas, foge-lhes os sentido e a “roupagem” de crianças, que deveriam ser.
Tornam-se tristes e robotizadas miniaturas. Vítimas de pais e mães que, cá, para nós, não entendem nem de paternidade nem de crianças.
Quem sabe, Cosme e Damião, possam fazer com que esses pais e essas mães possam enxergar além do próprio umbigo, além da enganadora aparência, além do deletério materialismo – vício consumista e destruidor
Creio que já está passando do tempo de pais e mães olharem para dentro de si e enxergarem – a lhes sorrir – sua sempre bela e inocente criança-interior! Essa criança – tão invisível quão latente dentro de nós!
Ela é doce, tátil, bela e onipresente. E, mesmo, Consoladora – quando choramos. Basta que a enxerguemos. Que a toquemos.
Que a Amemos! Simples assim.

“Minhas palavras são como as Estrelas... Jamais empalidecem!”
(Grande-Chefe Seattle)


Porto Alegre, 11 de outubro/2015. 11h55min
jjotapoesia@gmail.com



03-
Relembranças da Professora de Crianças*
Joyce Lima Krischke


Recordo: muitos anos já passaram...
Hoje, relembro o quadro, o lápis e o giz
Materiais que professoras usaram.
Sim, ser professora sempre eu quis!

Vejo... crianças mal alfabetizadas
Escrevem pouco e leem menos, também.
Usam o PC com matérias formatadas
Sem visualizar o horizonte além!

Onde estarão minhas alunas-crianças?
Uma eu vi, do meu filho professora.
Mais algumas, professoras... nas andanças...
Outra, na escola, vi supervisora.

Lembro, entre alunos vi um prefeito!
Ah! Alunos que guardo no coração...
Também, os vi cursando de Direito.
Para todos fiz o meu poema-canção.

Relembranças... Professora de Crianças,
Dos tempos difíceis e das bonanças!

Balneário Camboriú/SC, 08 de outubro de 2015-10-08
* Releitura do Poema da autora- Recordações de Professora
(In - Interfaces de Amor e Paz- Vol.6-Antologia CAPPAZ- 2015- pg.74/Ed. Nova Letra)




04-
Mês da criança
Paola Rhoden


A criança,
segue os passos,
de quem lhe ensina a viver.
Tem esperança,
aconchega no regaço,
de quem melhor lhe querer.
As letras, com muito amor,
quem lhe passa é o professor.
Assim, nos livros,
ora lidos, ou esquecidos,
que sempre lhe estão à mão,
aprende o que fazer,
seguindo o coração.
Não há como separar,
o mestre, o livro e a criança,
pois todos eles nasceram,
para juntos caminhar.

Brasília DF



05-
Dia das Crianças 2013
Marcelo de Oliveira Souza,IWA


Quando recebemos o presente de sermos pais, temos que perceber essa jóia bruta, pode ser polida de diversas formas, com muito calor até a pedra rachar, ou mesmo deixarmos com outros joalheiros descuidados.
A criança é um serzinho que precisa de muita atenção e cuidado para que não saia da sua trilha, o ato da paternidade e maternidade, é tão complexo e importante que deve ser dividido entre o casal, onde ambos têm que entrar em sintonia para que a música saia melodiosa.
Como vivemos em uma sociedade onde a família está se dissolvendo, encontramos diversas opiniões de como se educar os seus filhos.
Os pais enquanto filhos tiveram determinada educação, muitas vezes mais rígida, esses provavelmente são os mais permissivos;
outros apesar dos avós serem liberais, têm postura ainda mais liberal para com os seus filhos, existem outros que sabem dosar entre o liberal e o antiquado, infelizmente são os mais questionados, apesar de serem os corretos.
Essa miscelânea comportamental torna-se complicado até para os pais, imagine para os rebentos, contudo temos que perceber que a criança só quer mesmo ser criança, ela observa o comportamento dos amigos, dos pais e dos irmãos mais velhos entre outros , tentando copiá-los...
Como a família do século XXI é modificada por tantos fatores citados e por outros não enumerados, pois esse texto fatalmente transformar-se-ia em livro, notamos que na maioria das vezes o destino familiar é uma provação divina, que devemos fazer o melhor possível, mas o que não podemos fazer é deixar de tratar a criança como criança, como nós ela erra muitas vezes, mas diferentemente delas, nosso erro pode se tornar fatal para quem está começando a arte de viver sobre a terra.

Salvador - BA



06-
Dia dos Professores
Marcelo de Oliveira Souza,IWA


Nesses dias em que a violência cresce linearmente em todos os cantos do país percebemos que não só nos horrorizamos com esses atos, mas somos complacentes e até cúmplices de toda essa celeuma.
O grande problema é que a nossa educação está sendo desvalorizada, a educação primordial que recebemos dos nossos pais está sumindo, assim como tudo que delimita o limite para a criança e adolescente.
Como os pais em sua maioria não estão encontrando tempo para os seus filhos, estão repassando a responsabilidade de educar para babás e professores.
Os professores por sua vez estão cada vez mais desvalorizados, desmotivados com a política publica de educação, parece até que tem uma orquestra desafinada trabalhando para deseducar as pessoas, os inúmeros projetos educacionais, quando passam são relegados a terceiro plano, computadores em escolas publicas realmente são utilizados, mas a forma que é feita essa utilização é duvidosa; merenda escolar tem que ser coisa séria, assim como distribuição de livros didáticos e para-didáticos.
Toda essa problemática é apenas uma amostra de como a claudicante educação brasileira precisa de atenção, de motivação, de projetos que saiam do papel, o professor não precisa de certificações que diminuam a auto-estima do profissional de educação ou qualquer outra forma de punição ou de seleção que segregue-os ao ostracismo.
O dia dos professores está aí, sem motivos para comemoração, somente protestos e lamentos contra as perdas de interesse, de salário e de tudo que possa melhorar uma educação que perece a cada dia, mas eles estão aí, sonhando com dias melhores e com que a educação passe a ser a principal plataforma de qualquer um que possa se candidatar a alguma coisa, porque sem educação não existe país, não existe união, respeito ou qualquer coisa que possamos chamar de desenvolvimento.

FELIZ DIA DOS PROFESSORES

Salvador- BA



07-
Criança que precisa amar
Akasha De Lioncourt


I
Sou criança e sou travessa,
Preciso de formação.
Meus pais me ensinam sem pressa,
A ser um exemplar cidadão.
Possuo muitos direitos,
Saúde, lazer e educação,
Esses direitos geram deveres
É o que diz a nossa Constituição.

II
Adoro cantigas de roda,
E também de girar no dedo o peão,
Foi brincando desse jeito
Que tornei-me um campeão.
Não preciso de enorme riqueza
Para ter plena felicidade
Descobri que a rara beleza
Cabe em qualquer lugar ou idade.

III
Sou pequeno, sou carente
Sou um aprendiz de gente
Que lutem por nós, isso é urgente,
E nos permitam crescer de forma decente.
Protejam-nos dos maus intencionados.
Nos ensinem a reconhecer a maldade.
E que a nossa tenra idade,
Não nos impeça de crescer com dignidade.

IV
Que o amor seja um pilar,
Dentro e fora de nosso lar.
E com ele possamos evoluir
Para esse planeta salvar.
E que nos ensinem a respeitar.
A natureza e os animais.
Porque sob o olhos amorosos de Deus.
Somos todos seus filhos iguais.

Guarulhos- SP.



08-
À Mestra com Carinho
Akasha De Lioncourt


A você que me ensinou os primeiros passos...
Me fez acreditar sempre que eu seria capaz...
Deu-me carinho, afeto, dedicação...
As primeiras letras ajudou-me a desenhar...
As vacinas escolares e meu medo de injeção
Os machucados e o sangue...
Eu tinha pavor então...
Lembro-me da Cartilha Caminho Suave...
O alfabeto todo colorido...
As musicas infantis hei de carregar
Para aos meus filhos ainda ensinar...
Ah, mestra, você era cheia de Luz
Fortaleceu-me o caráter,
Deu-me raça e nobreza...
Cidadania aprendi,
Amar meu próximo também
Respeitar acima de tudo,
Lutar sem pisar em ninguém...
Mestra, se todos fossem iguais a você
Não teríamos tantas crianças nas ruas
Abandonadas,
Largadas
Exploradas,
Lavando carros
Vendendo doces...
Roubando,
Matando...
Sendo mortas...
Se houvessem mais mestras como você,
E educação fosse levada a sério
Criança estaria na escola,
E jamais em lápides no cemitério...
Obrigada por fazer da sua vida
Uma parte da minha.
(para minha primeira professora, Sílvia,
que aos seis anos me ensinou lições para uma vida toda...
e a todos os mestres que, como ela,
fazem desse mundo um lugar menos repleto de dor e sofrimento.
Parabéns pelo Dia do Professor!)

Guarulhos- SP



09-
Às crianças
Vera Passos


Vocês me revelam lembranças
Gravadas na infância e em mim se libertam
Suas asas de luz, me tiram da cruz.
São jóias na Terra, são flores despertas
Que ao amor me conduzem
São sementes de paz, que ao ódio desfaz
São cestos de beijos que amo e desejo
Que regam minha alma e não esqueço jamais.
Vocês me ensinam a vida de graça
Mostram-me o valor do abraço, na raça
Vocês são o aroma que inebria as praças
Nem fome, nem guerra, só riso e bonança
Nem choro, nem dor, nem agouro ou pirraça
Espalhem no mundo sinais de esperança
Cultivem a alegria e dominem a PAZ.

Salvador BA



10-
Ser Criança!
Regina Kreft


É dar passos pequenos,
enfeitar corações com o sorriso
mais puro que se pode sentir.
Deus abençoe todas as crianças.

Joinville- SC



11-
Professora
Joyce Lima Krischke

(excerto)





12-
A Criança, o Professor e o Livro
Roseleide Santana de Farias


Ai quem me dera eu sempre ter...

Colos e sábias lições para o bom aprendizado.
Redimir-me na possibilidade de assim ser uma
Infanta feliz, protegida, confiante, bem amada!
Aqui sou grata, à minha terra, as ações do céu,
Neste solo pátrio à que um dia me confiaram.
Cresci, eu sonhei, desiludi-me, não vivi ao léu;
Amei, me aprimorei, e encontrei o idealizado.

O destino e as Graças, têm me dado alegrias...

Professores eu tive, tenho, e também fui, sou!
Restam-me as ações onde sempre peço á Deus,
Ondas de Luz e inspirações no meu bem querer,
Frescores de brisas, ternura calma e a gratidão,
Essências de nossa Fé que removerá montanha,
Sopro de vida a cada dia meu, seu, a se renovar
Silente e compreendido na força misericordiosa,
Onde perduram a confiança nas ações do tempo,
Repleto de esperanças na força do Teu perdão!

Eis que no Livro encontro salutar conhecimento,

O caminho que me leva ao saber e às boas ações.

Libertar-me eu posso de minhas dores, limitação,
Impregnadas por vidas passadas além no Tempo.
Verdades, marcas no meu inconsciente e caráter,
Registros do meu passado doloroso, tendências,
O meu espírito buscando através do amor e a dor,
           (o resgate da minha, da sua, sublime ascensão).


Cabedelo/PB 12/10/2015



13-
APRENDENDO A LIÇÃO
Josue Ramiro Ramalho


Nas ruas por onde eu passava
Com um caderno na mão
Um livro que nele estudava
Aprendendo qualquer lição
Quase sempre era aplaudido
Mas nunca fiquei iludido
Pois tinha a minha razão
Estudar sempre era a meta
E nunca medi esforço
A lição vinha completa
E o meu mundo era um colosso
Quase nunca usei borracha
Pois o professor sempre ensinava
Jamais apagar o meu esforço
Dever de criança é estudar
Isso eu fazia muito bem
Nas folgas podíamos brincar
Sem nos importar lá com quem
Assim fui crescendo maneiro
feliz até sem dinheiro
Mas sem dever a ninguém
Papel e lápis nunca faltavam
Para a gente escrever
As aulas meu mundo mudava
Isso tenho a agradecer
Estudar foi sempre exemplo
Nunca deixei ser passa tempo
Pois minha meta era vencer
Aqui cheguei com muito esforço
E toda lição estudada
Na vida nenhum remorço
Ética e moral compondo estrada
Posso afirmar: Sou vencedor!
Lutei, venci com muito amor
Concluo feliz minha jornada.

Salvador Bahia



14-
Criança!
Regina Kreft


É beber água pura
É sonhar com os presentes
É caminhar sorrindo
É viver a vida em sonhos
É escutar histórias
É levar no coração todas as cores
Do arco íris, é sorrir sempre,
É chorar por nada,
É pedir Proteção da mãezinha,
É brincar com qualquer coisa
É sentir a felicidade, sem
Ter consciência da realidade!
Ser criança é ser anjo presente
Aqui nesta terra tão carente
Dessas pessoinhas que emanam
Sentidas energias até os céus!

Joinville SC



15-
Preciosidade de Outubro!
Daniel Brasil


Dia quinze de outubro
Deste dia eu me lembro
Aprendi lendo livro
Conforme minha mão alcança
Lendo um livro de Criança
Destes que enaltece
Quem a criança conhece
Tem uma lição para a vida
Livro professor e criança
Nenhum profeta duvida
Quinze e Doze
São pra mim mesma data
Uma com outra se relata
Na mesma confidência
Professor e aluno competência..
Outubro ninguém te mata...
(De improviso)

Porto Alegre RS



16-
Hoje dia do Professor
Daniel Brasil


Uma profissão iluminada
Mas na realidade é piada
O seu tão mísero salário
Cada governo mais vigário
Sempre, sempre desvaloriza
Esta profissão tão precisa
Surrupiada pelo salafrário!
(De improviso)

Porto Alegre- RS



17-
Professor é ser facilitador de sonhos
Fátima Peixoto


Apaixonado pelo ato de ensinar
Ensina e aprende,
Trabalha com a formação humana,
Passa exemplos e valores,
Vivenciando os conhecimentos adquiridos,
Na vida e nos livros de grandes educadores.
Crianças, adolescentes, jovens e adultos,
Responsabilidade de motivar, educar e ensinar,
Não por obrigação,
Não só para colocar uma nota,
Não só para aprová-los no final de ano,
Mas para que sintam que o aprender ...
Nos leva a outros horizontes
A vida é uma grande aprendizagem,
Aprendizagem significativa
Que usamos para sobreviver,
Aprendemos o que nos dá prazer
Aprendemos quando nos apaixonamos,
Pelo que é ensinado,
E pela competência de quem ensina
Ser Professor é ser um facilitador sonhos,
É ajudar as crianças, adolescentes, jovens e adultos,
A lançarem voos cada vez mais altos,
É acreditar que você é responsável por uma geração melhor,
Mais justa, mais humanizada.
Faça sua parte Professor!!!
O mundo será bem melhor com seu compromisso,
Competência e dedicação...
Não podemos deixar de sonhar,
Nem deixar de facilitar, alimentar os sonhos
Das nossas crianças, adolescentes, jovens e adultos,
Para que os sonhos se tornem realidade.
Já que nossos governantes não priorizam,
A formação da população,
Quanto mais ignorantes,
Voto trocado por um quilo de feijão.

Cabedelo- PB



18-
A PROFESSORA
Rosana Carneiro


Aos 8 anos de idade
Já sabia, a menina
Que fazer aprender
Era a sua sina
O tempo foi passando
E o ideal se aprofundava
A menina acreditando
Que o destino lhe traçava
Era a vocação
Que na veia corria
Sabia que ensinar
Ensinar o destino seria
Nos seus sonhos não importava
Se ouro ou prata ganharia
O que mais lhe interessava
Era com amor que ela faria
Uma profissão difícil
Sem lucros ou vantagens
Lidando com vidas
Cria laços, amizades
É num carinho nos cabelos
Que a professora ensina
Um abraço, um sorriso
Criança, a obra mais prima...
A menina cresceu
Formou-se e exerceu
Aquilo que ela queria
O sonho realizou
E num gesto de ternura
Quando se chega na tenra idade
Que olha no Facebook
E quanto lhe dá saudade
Alunos que a fizeram
Chorar de felicidade
Ser reconhecida após décadas
É receber amor de verdade...
VALEU A PENA SER PROFESSORA DE TODOS VOCÊS.
O MAIS GOSTOSO DE TUDO É QUE LEMBRO DOS OLHOS DE CADA UM,
DA LETRINHA MEIO TREMIDA, DOS PISÕES,
DOS ESPIRROS QUE RECEBI, DOS ABRAÇOS,
DAS CARTINHAS E O MAIS IMPORTANTE DE TUDO FOI QUE,
EU QUIS ENSINAR, MAS QUEM APRENDEU COM VOCÊS, FOI EU !!!!!

São Paulo- SP



19-
VOCAÇÃO
UM SONHO DE INFÂNCIA
Eda Bridi


A menina magrela, tagarela,
cabelos louros, longos, cacheados,
tinha um ideal.
Admirava a professora Ermelinda, linda,
voz suave, gestos delicados, elegante,
usava vestidos de seda, brincos de ouro.
A menina magrela imitava a Ermelinda.
Reunia as crianças da vizinhança
e brincava de aula com a esperança
de um dia ser professora igual a ela.
A menina magrela cresceu, virou normalista.
Uniforme: saia azul marinho, blusa branca,
lacinho vermelho na gola.
Estudiosa, dedicada, determinada.
Concluiu o Curso.
No percurso a marca da vocação,
escreveu no coração e no papel a mensagem:
Se fores capaz de passar por uma flor emurchecida
sem lhe dar água, não tentes ser professora,
darias um passo em falso.
Foi aplaudida, laureada.
Formada chegou à escola radiante.
Acolheu os alunos com o coração, a alma e a mente,
disposta a ensinar, educar, amar.
No olhar de cada criança encontrou o desafio
que a incentivava.
Nos braços de cada criança encontrou o abraço
que a fortificava.
Na voz de cada criança encontrou a melodia
que a encantava.
No sorriso de cada criança encontrou a felicidade
que buscava: ser professora!

Sobradinho- RS



20-
A Criança, o Professor e o Livro
José Pereira da Silva


Ao mestre da educação,
Efetivo ou particular,
No passado ou no presente,
É um orgulho ensinar.

No meu tempo as crianças
Tinham bastante atenção,
Amor, carinho e respeito,
E bem mais educação.

Tinham zelo pelo livro,
O qual era bem cuidado,
Não rasgavam, não amassavam,
Não deixavam desprezado.
No fim do ano, nota dez,
Era esse o resultado!

Nome feio, violências, palavrão,
Isso nem pensar!...
Se por acaso acontecesse,
No castigo iam ficar!

Agradeço ao professor,
Que ensina com amor,
Carinho e dedicação,
Transformando a criança
Em um homem cidadão.

Mestre é todos os mestres
Que nessa vida passou,
Aos pais, tios, tutores, avôs,
Que aconselham ao bem e faz,
Orientando ao bom caminho
A ser um cidadão da Paz!

Cabedelo-Paraíba- 14/10/2015



21-
INDO PARA A ESCOLA
Fernando Alberto Salinas Couto


Feliz, triste ou assustada,
vai a criança para a escola,
onde já está a lhe esperar
a professora ou o professor...
inicia-se uma nova jornada,
seu livro é levado na sacola
e ela sabe que vai estudar,
para ter, um dia, mais valor.
No caminho, as coleguinhas
vão chegando, alegremente,
com euforia de um anjo puro,
acompanhadas ou sozinhas,
elas sabem que é importante
prepararem-se para o futuro.
No livro está toda semente,
pelo mestre, a ser tratada,
para a grandeza de um país
e o progresso fluorescente
nos corações da criançada...
INÉDITO

Rio de Janeiro -RJ 13/10/15



22-
Aquarela...
J.J. Oliveira Gonçalves


Lembranças do meu tempo de criança
Saudades em meu peito embevecido!
A cantiga de roda era uma dança
Dos jogos infantis, hoje, esquecidos!

Ó, Deus, quanto vai longe esta andança?
Fizeste-me um menino encanecido!
Cerro os olhos... Memória não se cansa
E um suspiro evola, vai... perdido!

A Chuva na vidraça ela me espia
Uma sabiá na Chuva é Melodia
O Vento canta e dança sua Canção!

Minh'Alma era criança e eu sorria...
E ouvindo enquanto escrevo o violão
Ai, brinca... canta e chora o coração!

(Chove lágrimas a Chuva... à janela:
Aonde a menininha e o canto dela?)

Porto Alegre, 08 de outubro/2015. 10h52min
jjotapoesia@gmail.com - www.cappaz.com.br



23-
Crianças que vejo pela janela
Judite K. Sebastiany


Olhando pela janela do meu quarto
Vejo lá embaixo na grama, no pátio
Crianças brincando de esconde-esconde.
São meninos e meninas muito alegres
Correm, gritam, vivem uma aventura
Imaginam situações e se encantam.
Lembram-me uma distante infância.
Penso na leveza própria da criança.
Que é um tesouro a preservar.
Lembro-me de uma inundação em casa.
E a filha dizendo: Oba! Uma piscina!
A outra filha pedindo: Não chora!
Noutra casa: TV, games, internet...
Comodismo que envenena, suga energia,
Destrói o alegre convício da infância.
Vamos voltar a brincar de roda,
Esconde-esconde, casinha, mímica...
Paralítico, desenho com giz na calçada.
Vamos conviver, socorrer a infância
Brincar pra valer, pra viver, ser.
Antes que não nos reste vida, energia.

Porto Alegre- RS



24-
Criança + professor + livro
Tânia Maria de Souza


Uma criança é uma esperança
Um livro é uma dádiva
Um professor é um sacerdócio.
Quando os três se reúnem,
em perfeita harmonia:
uma luz resplandece,
os horizontes se ampliam,
o milagre acontece.
(Inédito)

Balneário Camboriú- SC



25-
A Criança, o Professor e o Livro
Deomídio Macêdo


Mensurar o tempo da nossa existência, é incrivelmente fantástico.
A criança de outrora se transforma em um homem vencedor.
Menino introspectivo, tímido na sua essência infantil.
Caminha lentamente buscando conhecimentos, saltando no trampolim das letras, palavras e frases gramaticais, mergulhando no oceano do saber.
E assim, com todas as suas dificuldades, vai galgando a escada do aprendizado.
Professores, professoras percebem a timidez do jovem e o ajuda através dos livros, seguir de cabeça erguida em busca do horizonte que o despertará.
A maturidade o espera no oceano consciencial e nessa oportunidade, lança no papel os seus contos e prosas.
Nessa estrutura educacional, se encontra com homens e mulheres de letras, que o abraçam carinhosamente, fortalecendo sua escrita, sua forma de romancear estórias e histórias que tua mente capta das suas inspirações.
Mensurar o tempo da nossa existência, é incrivelmente fantástico!


Salvador- BA



26-
Por que o professor é tão discriminado no Brasil?
Leandro Flores


De todas as profissões, talvez, a mais significativa é a do professor. Todos nós de alguma maneira dependemos de orientação para montarmos a base necessária de produção de nossas ideias.
E isso se faz a partir da infância até a velhice. Não existe uma idade de autossuficiência em que se descarta a necessidade de ter um professor como orientador.
Por mais que o mundo evolua, e as informações se disseminem com mais facilidade, por mais que a ciência se multiplique e a tecnologia cada vez mais se reestruture, nada substitui o ato de ensinar. O professor é o verdadeiro senhor de seu tempo. Queira ou não queira ele é um provedor de opinião. É um vendedor de sonhos e o principal arquiteto das personificações humanas.
O destino de qualquer aluno se molda na escola com o seu professor.
Ninguém constrói nada sem antes passar por uma orientação de um profissional como o de um professor.
Então por que essa classe tão importante para qualquer sociedade não é vista com bons olhos no Brasil?
Ser professor quase nunca estar em prioridade para nenhum estudante. Alguns até reconhecem a sua importância, mas raramente almejam seguir carreira ou coisa assim. Outros simplesmente hostilizam essa profissão, mesmo dependendo diretamente dela. Os motivos das rejeições são os mais variados possíveis: baixos salários, subordinações por diferentes partes, falta de autonomia em salas de aulas, violência, humilhação, medo, impotência diante de um sistema educacional ultrapassado e sem qualquer possibilidade de auto renovação, perseguição política, etc. Será que esses jovens têm razão em não quererem para si esses tipos de problemas?
Do jeito que se encontra nosso sistema público educacional brasileiro, com certeza. Ninguém merece passar a vida toda dentro de uma sala de aula quase sem prestigio e ainda por cima, tendo que se curvar diante de um sistema caótico, sendo a principal vítima desse sistema e não poder fazer nada para mudar a sua realidade.
Hoje em dia, o professor vive em um estado de apreensão, encurralado sem ter a quem recorrer. Os governos não tomam atitudes, a sociedade, especificamente,os pais dos alunos que utilizam o sistema público de ensino, geralmente costumam comparar a educação de seus filhos com a que teve no passado, e por isso a aceitação por conta das facilidades e a expansão do ensino como todo. E eles, os professores, acostumaram com esse tipo de processo que a maioria acha normal.
Eu penso que já passou da hora dessa classe se restabelecer nesse país como uma profissão de referência. O governo, a sociedade e toda classe de educadores precisam estar em harmonia.
Os olhos têm que estar voltados única e exclusivamente para uma só palavra: educação. E educação de qualidade, onde professor e aluno estejam satisfeitos para produzirem bons resultados.
Chegou a hora também de se pensar em novo sistema educacional mais adequado para nossos tempos. O professor precisa estar preparado para que possamos fazer desse país uma nação civilizada, onde a educação, a arte, a cultura sejam o centro crucial desse novo processo.
Valorizem os professores, esse é o nosso grito!


Salvador BA



27-
A CRIANÇA, O PROFESSOR, O LIVRO
José Otoniel da Costa (Poeta Otoniel)


Disse-nos a Beata Madre Tereza de Calcutá:
"Os melhores professores são as crianças."
Com elas aprendemos a melhor maneira de
Convivermos com mais humildade, tratando-as
Com o máximo carinho e respeito, pois, nelas
Vemos a esperança de um mundo melhor
Cabe ao Professor a Missão de transmitir os
Ensinamentos necessários a Educação, Conhecimento
E exemplar conduta
É dessas que vem os cidadãos (as) do amanhã
O livro é o condutor dos citados elementos, quando
Nele é mostrado com claras definições a forma mais
Correta e meios de dar-se toda a instrução de como
Existir e coabitar numa Sociedade mais séria e bem
Mais justa em cumprimento às regras da Disciplina e
Da Moral
Com mais amor, união e direitos concedidos de forma
Igual.

Jandira- SP, 18 de outubro de 2015.



28-
Professores
Eliene Dantas de Miranda


Sempre que vejo crianças
com uniforme e material escolar,
lembro-me do primeiro dia que entrei no Grupo Escolar.
Saia de pregas, sandálias nos pés e uma fita no cabelo,
Lá ia a menina esguia cheia
de sonhos e fantasias encontrar sua professora
que belas lições ensinar-lhe-ia.

Tarefa nobre do professor:
preparar o aluno para uma vida de
leitura, escrita e convivência em grupo,
enfrentando para isso a má remuneração,
condições precárias de infra estrutura como:
falta de carteiras, instalações péssimas etc,
além de ter que percorrer grandes distâncias.

Que seria de mim sem a atenção
e a dedicação dos mestres?
Hoje o que tenho, o que sou
e o conhecimento que adquiri ao longo dos anos,
agradeço ao professor porque sempre me ensinou
e me acompanhou na vida estudantil.
Parabéns Professores!

São Paulo- SP



29-
CRIANÇA NET
Estela Braud


Achamos extraordinário que crianças pequenas já dominem tablet,
Alternem seus filmes, saibam falar com seus avós pelo skype.
Ficam horas coladas a personagens da vez, repetindo, repetindo... menos trabalho.
Adolescentes reunidos estão todos ligados em seus aparelhos "conversando".
Jovens também preferem teclar a falar. Mostram suas informações, riem e só?
Adultos dirigem, assistem palestras, fazem refeições ligados em seus aparelhos.
Belos exemplos que são, sempre atentos a negócios, contatos iguais.
Que era é esta em que conversar não significa troca de olhar?
Estas crianças irão gostar de ouvir histórias, contar, comunicar?
Para essa geração não vejo interesse por poesia, melodia, que dó.

Balneário Camboriú SC



30-
A criança, o professor, o livro, a caneta...
Vera Trindade


Na semeadura do saber
Há um livro aberto para se ler
Há uma criança cheia de sonhos
Há um professor apontando o mundo
Com uma caneta
Da marca GIZ
Para alguém que escreve PAZ.
Na semeadura do saber
Há tanta coisa querendo ser
Há uma quadra
Querendo ser quadro
Há um cigarro
Querendo ser giz
Entre os dedos do mau aprendiz.
Na semeadura do
Há tanta coisa que dá prazer:
A busca do conhecimento
A realização
O senso crítico
O discernimento...
E o poder de argumentação
De alguém que a ninguém se iguala
Quando diz e escreve:
Eu sou Malala.

Salvador, Bahia



31-
De crianças, professores e livros
Marina Martinez


Muito foi dito sobre crianças, professores e livros e fico imaginando algo diferente para dizer. O quê? Não sei ao certo.
Considerando uma relação natural, linear, esses três elementos estão interligados: criança escola; escola professor; professor ensinamento; ensinamento livros; livros, professores, crianças.
O que considero interessante é como, na vida real e não na ideal, algumas situações transmutam-se: professor aprende com vivências, muitas vezes sofridas, dos alunos; alunos possuem livros mas não os entendem, leem mas não compreendem, o texto torna-se um perigo a ser enfrentado, decifrado, decodificado.
Nessa altura, o mestre passa a ser o inimigo, aquele que atormenta a criança para que ela aprenda e, com passar do tempo, esse inimigo cansa e desiste, o livro é posto de lado e a criança segue, ano após ano, em trajeto deficitário, o qual em nada lhe facilitará a vida.
Se sou pessimista? Creio que não: apenas realista, observando diversos fatos que ocorrem, hoje, na área educacional. Com o avanço da tecnologia, ocorrem mudanças rápidas nessa tríade, algo que, muitas vezes, dificulta o processo de instrução, em especial nas camadas de menor renda, nas quais a alimentação é escassa, as doenças florescem, o acesso à escola é difícil e os professores não possuem recursos para aprimorarem-se.
Sei que há profissionais que enfrentam cobras e lagartos (literalmente) para ensinar e algumas crianças caminham muito para chegarem à escola, muitas vezes descalços. Confesso que essas pessoas me comovem, pela tenacidade e pelo desejo de crescimento, seu e dos seus tutelados. O que mais posso dizer?
Não sei fazer apologias ou elogios, enaltecer o Dia desse ou daquele para mim, todos os dias são dias de todos, mas entendo esse princípio e não posso nem quero alterá-lo. Minha criança interior sabe agradecer, melhor do que eu, a todos àqueles coautores de sua formação e a todos os livros nos quais aprendeu a ler e entender. Hoje, não estou professora, mas sei que sou e serei sempre mentora, em especial, de vidas. Sinto que essa criança de olhos expressivos, mestres especiais e livros mágicos serão meus cúmplices derradeiros.

Porto Alegre - RS



32-
A CRIANÇA , O PROFESSOR E O LIVRO!
Gerusa Guedes


O mês de outubro é festivo,
Dia 12 é o dia da criança,
Dia 15 é dia do professor
Dia 20 é dia do poeta
Do artista que escreve e publica livro.

A criança, da vida é o início,
O professor é o seu destino,
Jamais há de se separar do livro.

Por isso eu digo: A infância,
A educação e o livro são
Essenciais no mundo dos vivos.

A INFÂNCIA É UMA FASE LINDA!
A EDUCAÇÃO GLORIFICA!
O LIVRO EDIFICA!

Viva a sua infância, dela não abdique
Brinque, brinque , brinque e brinque
Viva o professor que a mente ilumina
Viva o livro que ensina o a,b,c, da vida...

Cabedelo-PB



33-
À Primeira Professora
Carlos Reinaldo de Souza

(Dedicado à Professora Maria de Lourdes Horta,
No Centenário do E.E. Domingos Bebiano).


Eu me lembro, era pequeno,
ia à Escola estudar;
gostava do rosto ameno
da professora, a falar!
Era boa e carinhosa,
nos gestos, muita bondade;
não era muito vaidosa,
mas era linda, é verdade!

Ensinava com doçura,
com a voz terna e amiga;
estava sempre à procura
do saber que nos abriga!
Quanta saudade eu tenho
da professora querida;
então, nestes versos venho
trazer saudade incontida!

Conselheiro Lafaiete - MG



34-
O Professor, a Criança e o Livro
Carlos Reinaldo de Souza


Outubro doze, Dia da Criança,
outubro quinze é do Professor,
ambos merecem nossa confiança,
garantem um futuro promissor.
O livro é importante auxiliar,
do professor que dele extrai lições,
e da criança que vai estudar,
literatura, regras e equações.
Cada um segue assim o seu caminho,
o professor, eterno guardião,
e a criança busca o seu ninho.
Juntos assim, criança e professor,
formam com o livro perfeita união,
todos em busca do mesmo valor.

Conselheiro Lafayette MG, 18 de outubro de 2015.






AGRADECIMENTOS E ENCERRAMENTO
Eda Thereza Piccinin Bridi


Hoje, 20 de outubro, encerra a 80ª Ciranda Uma criança, um professor, um livro e uma caneta podem mudar o mundo.
Todos temos as mais vivas recordações da criança, feliz, alegre, o encanto da família que fomos. O aluno estudioso, comportado ou sapeca... Todos temos a nossa história. Que bom recordá-la! Também recordar nossos professores, especialmente os alfabetizadores que nos orientaram para o domínio das letras, pois Letra é Vida.
Não é possível desunir a criança e seu professor, que com as ferramentas mais preciosas, livro e caneta, são artífices de obras literárias importantes que podem mudar o mundo.
Esta é uma feliz ocasião para homenagear os confrades professores, com um acentuado tom de carinho à Presidente Fundadora da CAPPAZ, Joyce Lima Krischke, minha queridíssima colega de docência na Escola Normal Pio X, Sobradinho, nos anos 1960. Quanto de nós ficou em cada normalista. E quanto delas está em nós. E nesse envolvimento vamos construindo um mundo melhor.
Agradecemos a participação das caras confreiras e caros confrades, que com seus textos e poemas construíram essa Ciranda, contribuindo para o belo, para a arte e a felicidade nossa e de nossos leitores.
Abraços fraternais de Paz e Bem.


Sobradinho - RS




SELO DE PARTICIPAÇÃO












|| Página Inicial | Voltar | Livro de Visitas ||

Arte e Formatação Joyce Lima Krischke
Exclusivo para CAPPAZ - Confraria Artistas e Poetas pela Paz
Todos os direitos reservados