PARTICIPANTES

CIRANDA TEMÁTICA


01- Aila Maria Brito (07)
02- Carlos Reinaldo de Souza (16)
03- Celso Corrêa de Freitas (03)
04- Daniel Valente (17)
05- Deomídio Macêdo (13)
06- Dilson Ferreira (08)
07- dinapoetisadapaz (06)
08- Eda Bridi (15)
09- Eloísa Antunes Maciel (02)
10- Fernando Alberto Salinas Couto (09)
11- Josimar Cardoso (14)
12- Letícia Rocha (12)
13- Marcelo de Oliveira Souza (04)
14- Odilon Machado de Lourenço (10)
15- Soninha Poetisa (01)
16- Suely Sabino (05)
17- Vera Trindade (11)




TEMA LIVRE

01- Aila Maria Brito (13)
02- Andrade Jorge (16)
03- Antonio Carlos de Paula (15)
04- Danaiel Brasil (06)
05- Dilson Ferreiera (10)
06- dinapoetisadapaz (04)
07- Edvaldo Nunes (18)
08- Fátima Peixoto (03)
09- J. J. Oliveira Gonçalves (05)
10- Joyce Lima Krischke (01)
11- Marina Martinez (20)
12- Neneca Barbosa (14)
13- Odilon Machado de Lourenço (12)
14- Palmira Heine (09)
15- Pinho Sannasc (17)
16- Regina Kreft(22)
17- Rosana Carneiro (21)
18- Sílvia Benedetti (11)
19- Sônia Rêgo (08)
20- Valter Bitencourt (07)
21- Vera Passos (02)
22- Wellington Costa (19)





CIRANDA TEMÁTICA

01.
O Mestre e o Livro
Soninha Poetisa


O que dizer do Professor?
Um mestre orientador, que faz dos seus dias,
Momentos de sacrifício com amor,
Professor é um sonhador como um poeta,
Sonha em ministrar suas aulas,
Para jovens interessados, em um futuro promissor.

Escolhe os livros certos para um aprendizado mais adequado,
Experimentando a cada dia, um novo jeito de ensinar.
Imprescindível para todos os interessados.

Professores precisam de melhores condições de trabalho,
Para um país crescer, não tem atalho, o mestre tem que ser respeitado.
Onde existir alunos interessados a aprender,

Lá estará o mestre, cheio de vontade,
Todos são Cuidadores dos filhos da nossa Pátria.

Dourados/MS



02.
O Mestre e o livro…
Eloisa Antunes Maciel


O mestre instrui e ensina…
E o saber dissemina…
O livro instrumentaliza
E o saber viabiliza…

Se o Mestre o saber domina,
O livro também ensina:
Do Mestre faz-se instrumento
Como um “servidor atento”…

E se o Mestre sinaliza,
O livro faz-se baliza
No plano da ilustração:
Ambos cumprem sua missão

Mestre e livro em sua rotina
Na senda que se ilumina,
Cumprem sua destinação:
Promover a Educação…

São Martinho da Serra/RS, outubro/2016.



03.
Para o Professor Fernando Lavaquiel Biosca
Celso Correa Freitas


O tempo que passou não tirou de mim a saudade daquele período no qual estudei no Colégio de Pádua em Santos Antonio de Pádua nos anos de 1967,1968 e 1969 onde comecei a tomar jeito na vida e olhar de forma diferente o mundo e ver que nele, eu não era o centro do universo e que ele seria melhor se eu fosse melhor, conforme conselho do velho e eterno mestre Lavaquiel Biosca.
Ao deixar o Colégio de Pádua, gravei no meu coração o reconhecimento ao papel enriquecedor dele na formação do meu ser social e intelectual para toda a minha vida.
Nas estradas que percorreria e em cada encruzilhada (*) que eu estivesse, algo aprendido no velho casarão e na Colina do Farol, me seria útil na solução de qualquer problema, não importando o seu tamanho.Eu tinha um ESTO VIR comigo, um SABER CONSCIENTE a me guiar.“As encruzilhadas da vida, são artimanhas do destino, para que possamos chegar ao lugar que nos cabe e nele sermos o que sempre fomos, desde o princípio"

"Eu cresci com aqueles que foram meus mestres, e continuo crescendo com os que são meus amigos. Com eles cheguei aos meus poemas, aos meus livros, e o meu universo poético ainda se expande. Sou um Ser poético e Cappaz.


Praia Grande/SP



04.
O Mestre e o Livro
Marcelo de Oliveira Souza,iwa


O mestre segura o livro
Pondo-se a ensinar
Alunos põem-se a sonhar,
No futuro, onde devo estar?

O livro passa a folhear
O mundo aberto a espreitar
Conhecimento em letras
A dançar...

O Mestre regozija-se
Do caminho que vão traçar
Médicos, professores
Engenheiros, escritores...

Num leque aberto
Todos têm opções
Começando desde cedo
Aprendendo lições.

Salvador/BA



05.
O mestre e o livro
Suely Sabino (Simplesmente SYS)


Mestre é o canteiro fértil
Fértil recebe as sementes
Sementes doadas por um livro
Livro que foi e é,

É o solo mais nobre
Nobre repartiu o que tem
Tem tantos exemplos para doar
Doar conhecimento a vida,

Vida que ensina quem quer
Quer sabedoria leia
Leia até as entrelinhas
Entrelinhas faz uma história,

História que mistura elos
Elos e ecos se encontram
Encontram o melhor caminho
Caminho para permanecer,

Permanecer sendo o mestre
Mestre do livro que é
É um pouco de todos os mestres
Mestres é terra fértil.

Cel. Fabriciano/MG



06.
O Mestre e o Livro
dinapetisadapaz


Mestre tem tudo a ver com amor,
Amor ao livro, ao discípulo,
Discípulo esse que despreza
Despreza e desvaloriza

Desvaloriza o mestre
Mestre que é formador
Formador e disso se orgulha
Orgulha de ver o aluno

Aluno evoluindo
Disseminando o saber
Saber que engrandece
Engrandece, leva ao sucesso

Sucesso tem quem estuda
Estuda e pensa no amanhã
Amanhã será também
Também um multiplicador

Multiplicador do saber
Saber que perpetua
Perpetua no ser
Ser que agradece

Agradece empenho do mestre
Mestre que é quase pai
Pai dos primeiros
Primeiros ensinamentos

Ensinamentos a ser seguidos
Seguidos para trilhar
Trilhar brilhante caminho
Caminho do Bem, da retidão

Retidão que valoriza
Valoriza o ser humano
Humano é respeitar o Mestre
Mestre que ensina com amor.

Várzea/PB



07.
O Mestre e o livro – Indissolúveis
Aila Maria Brito


Livro - texto manuscrito
pelo mestre adotado
Conteúdos bem dotado
De um saber belo e infinito.

Funde a cuca o pupilo
Chega o mestre e "desopila"
Bom aluno não vacila
Tira a dúvida com estilo.

O mestre é compreensão...
O livro, fonte precisa
Pro futuro da nação.

Sem livros não há pesquisa
Nem também educação
Da ignorância, é a divisa

Cocal/PI



08.
Profissão: "Professamor"!
Dilson Ferreira


Sou mestre, um baluarte da educação
Que se preparou dias e dias à fio
"Hoje pronto pra enfrentar o desafio"
Fazer parte do magistério da nação.

Prometo cumprir com a minha diretriz
Matar a fome de aprender da criança
Ministrar o que quer dizer "esperança"
Pra que seja a ordem e progresso do país.

Quero ser artífice do semear o saber,
Paciente com o aluno incompreendido
Ensinando-o como é bom ler e escrever.

Após o íngreme caminho percorrido,
O único laurel que quero ganhar, é ter
A consciência do dever cumprido.

Natal/RN



09.
O Livro e o Mestre
Fernando Alberto Salinas Couto


O livro é uma coisa a toa,
sem o mestre a decifrar
suas linhas à toda pessoa
que deseja aprender
o que ele nos quer falar,
ainda que sem saber ler.

Livro e mestre, inseparáveis,
revelam importante lição,
um saber profundo e puro...
Dois pilares indispensáveis
para o bem de uma nação...
Seiva de progresso no futuro.

Rio Janeiro/RJ – 23/10/16



10.
Lendo imagens do amor
Odilon Machado de Lourenço


Livros abertos chamem-me!
Seremos nós o bando de pássaros
Nossos voos terão as asas da escolha

Livros abertos voem em mim!
Tragam-me os lugares mais belos
A paz percorrida em minhas mãos

Livros abertos encenem mestres do amor!
Rodopiem nos teatros a realidade das ruas
Recitem belas vozes nas tintas do teu passar

Sejamos elevadas páginas, maestria, nada menos!
Verbos divinizem mestres trazidos em nós
Livros abertos voemos juntos nessa tarde

Em noites pintaremos estrelas, dormiremos ao léu!
Teremos a sabedoria banhando nossos lábios
A visão da aurora virá num verso de sol.

Maceió/AL-23-10-2016.



11.
Professor(a)
Vera Trindade


Se o princípio veio com o verbo,
é porque Deus soube escolher todas as coisas.
É assim que, dentre as palavras mais importantes,
floresce cada vez mais o verbete EDUCAR,
por ser fruto da mais nobre ação humana.

E foi assim que, um dia, o Planeta Terra se transformou numa grande lousa onde a razão se instalou e não quis mais sair, porque tudo mudou:
O soldado que guerreava, desistiu...
O homem que ora dormia, acordou...
E a criança que tinha fome, se alimentou do saber.

Isso só foi possível graças a sua contribuição de professor(a).

Parabéns!

Salvador/BA



12.
O Mestre e o Livro
Letícia Rocha


Dentro do processo socioeducativo, vê-se quão importante é a figura do mestre na vida do educando. E nesse intercâmbio, nessa troca de ideias e aprendizado, surge de forma bela e didática o livro. Esses dois recursos se locupletam e promovem a educação. Esse fenômeno que tem como objetivo promover a paz.
Assessorado pelo livro, o professor é capaz de despertar no aluno o ato de pensar e de questionar de forma crítica e reflexiva. Nesse ato amorável, pode-se fazer com que o aluno se eleve, estimulando-o a busca da perfeição, o despertar da consciência, promovendo assim o progresso integral do ser. É através do livro, que o professor juntamente com o educando, possam ler nas entrelinhas, trazendo as camadas textuais à superfície, no sentido de entender de forma clássica a essência da ideia que ali persiste em evidenciar uma ideologia que possa vir a promover o crescimento moral, intelectual, e biopsicossocial do educando.
Sabe-se que a educação é a mola propulsora que impulsiona de forma afetiva o engrandecimento da sociedade. E o professor é o instrumento de mediação que juntamente com o livro vêm promover o crescimento do educando, na construção de um mundo melhor.
“Ao mestre com carinho.”


Salvador/BA



13.
O Mestre e o Livro
(Deomídio Macêdo)


Na escola de seus sonhos, o garoto debruça sobre seu livro, que o conduz pelos caminhos do conhecimento.

A sua farda infantil, engomada, retrata a dedicação que sua mãe tem para com seu filho: Bermuda azul, blusa branca, tênis confortável, gravata, também azul, com três listras brancas, demonstrando que o menino estudava a terceira série.

Ao sentar à carteira escolar, suas pernas ficam suspensas ao ar por ser ainda um menino pequenino.

A proporção que estuda, mergulhando no mar do conhecimento e do saber, se prepara para o futuro promissor.

Os anos avançam. Seu corpo vai se modificando, e as listras da gravata aumentam gradativamente, a proporção que avança nas séries subsequentes.

Como numa mágica, percorrendo o túnel do tempo, visualizamos o sol que brilha no céu azul celeste. E naquele belo dia, vamos nos deparar com o mestre experiente, adentrando a sala de aula repleta de alunos e alunas.

Ao perceber o mestre, todos fazem silêncio em respeito ao professor amigo e solidário.

Bom dia – cumprimenta os seus alunos e alunas com serenidade. E os estudantes num só coro respondem: Bom dia professor!

O mestre senta em sua cadeira, cravando seus pés ao chão, e ali observa com carinho, numa visão extraordinária, todas aquelas crianças sorridentes.

Por um instante, deixa seus pensamentos voarem para seu passado, percebendo em sua tela mental as cenas de sua vida: Sua mãe, a escola que o acolheu com carinho; o menino da terceira série, que bailoçava as pernas por não alcançarem o chão, e nessa dinâmica mergulhava em seu livro que era o amigo inseparável.

Nessa viagem espetacular, lágrimas rolam dos seus olhos, numa saudade benfazeja de um passado tão distante, que culminou numa grande vitória.

Agora ele estava ali, como mestre, assumindo uma turma, repassando os conhecimentos adquiridos, graças a junção maravilhosa: DO ALUNO E DO LIVRO.


Salvador/BA



14.
O Progresso e o Professor
Josimar Cardoso


O que seria do mundo se não houvesse progresso
O que seria do progresso se o homem não buscasse aprender
O que ser do aprendizado se não fosse o professor
O que seria do professor se ninguém lhe desse o seu devido valor.

Para que possamos progredir um dia na vida
Precisamos muito do livro para que possamos ler
Para que entendermos o que o livro nos informa
Antes teremos que ensinamentos possamos ter.

O que seria de nós se não tivéssemos um professor pra nos ensinar
O que seria do professor se não tivesse amor a educação
O que seria do nosso futuro sem um mestre a nos ensinar
Certamente teríamos um mundo onde não haveria progresso, evolução.

Se hoje o mundo evolui a cada dia que se passa
Demos graças a Deus por nos dar tanta sabedoria
E ao professor que nos deu o ensinamento de todo dia
Porque se não fosse ele e seu livro não sei se hoje eu fizesse essa poesia.

Cabedelo/PB



15.
O Mestre e o Livro
Eda Bridi


Ser mestre. Ser professor. É vocação que nasce com a gente. Vai longe o tempo que eu era criança. E tinha um sonho. O sonho de ser professora. Reunia meus irmãos e as crianças da vizinhança para brincar de aula. Como era prazeroso imitar minha professora! Ensinava “os meus alunos” a soletrar e escrever as palavras uva, ovo, Ivo, Eva e outras tantas da Cartilha “Queres Ler”. O livro que abriu para mim o mundo das letras.
E o sonho tornou-se realidade. Na noite festiva de 16 de julho de 1960, no amplo auditório da Escola Normal Sagrado Coração de Jesus, de Santa Cruz do Sul, no Rio Grande do Sul, recebi o diploma de Professora do Ensino Primário. Laureada, toga e beca e anel com uma estrela de brilhante sobre a pedra de diamante negro, simbolizando “a luz do saber”, uma inesquecível cerimônia!
No mês seguinte, emocionada, estreava na mesma escola onde cursara o primário, o Grupo Escolar Lindolfo Silva, em Sobradinho/RS – minha cidade, sob o olhar atento de uma turma de alunos, ávidos de aprender, “páginas abertas” à “luz do saber”. Aí, sim, eu era, de fato, professora!
Concluí o curso universitário e passei a lecionar na Escola Normal Pio X. Tornei-me uma gerenciadora de sonhos de futuras gerenciadoras de sonhos. Mais uma vez, certifiquei-me que escolhi a profissão certa, a de partilhar o compromisso de educar, de cultivar a vida nos seres humanos que são colocados sob a responsabilidade do professor dentro de uma sala de aula: trabalhar conhecimentos e valores, com carinho, dedicação e muito amor. Amor de mestre!
E, hoje, aposentada das atividades de magistério, não da vocação, vejo o livro-papel compartilhando espaço com o livro-virtual. E permeio esse espaço, dou vazão às minhas ideias e sentimentos, participando da Academia Centro Serra de Letras e escrevendo semanalmente para o Jornal Gazeta da Serra, coluna Letras & Fatos. E sob o carinho de nossa querida presidente fundadora, Joyce Lima Krischke, sou Sócia Honorária e participo das Cirandas e Antologias da Confraria Artistas e Poetas pela Paz. Com muito orgulho!


Sobradinho/RS



16.
Mestres e Livros
Carlos Reinaldo


Livros são mestres passivos,
que dão lições variadas,
mestres são livros ativos,
ensinam coisas ousadas.

Livros e mestres são elos,
unem saber e emoção,
com gestos sempre singelos,
ensinam com devoção.

Todos leitores e alunos,
louvam dos mestres o saber,
mestres, eternos tribunos,
livros nos fazem crescer.

Assim, na roda da vida,
o mestre ensina com amor,
no livro encontra acolhida,
no bem está seu fulgor.

Cons. Lafaiete/MG



17.
O Mestre e o Livro
Daniel Valente


Disse o livro ao mestre:

Permita-me que eu construa estradas,
que eu faça uma criança sonhar
e que eu namore a eternidade.

Permita-me mudar a nação,
construir a história,
desbravar florestas.

Permita-me impulsionar
a humanidade,
as pipas e os barcos de papel.

E que eu preserve as estrelas,
a memória da cidade,
toda literatura seja asa.

Tudo o que precisas fazer
é folhear as minhas pétalas
e distribuir a flor do conhecimento
a todos os povos...

Manaus/AM

(Convidado especial de Dina Fernandes)





TEMA LIVRE

01.
Boêmio Sabiá
Joyce Lima Krischke


Madrugada... ouço um som especial.
Esta melodia é sensacional!
Oh! É a volta do Boêmio Sabiá,
que as três da madrugada veio pra cá.

Na selva de pedras chegou.
Pau Brasil - no galho pousou.
Seu trinar me trouxe inspiração
e, também, saudades no coração...

Ah, quando ele cantava no Jardim!
Hoje, canta onde tocam clarim,
na árvore símbolo da CAPPAZ.

Sol espia... no quartel alvorada.
Boêmio Sabiá sai em revoada,
com pombas brancas, anunciando Paz!

Porto Alegre/RS, 22 de outubro de 2016.



02.
Conversa com O Divino
Vera Passos


Meu Deus quem matou a infância?
Quem deu pouca importância à fantasia, à correria...
O vai-e-vem do portão, o aperto de mão?
Quem trancou as ruas com balas de fuzis?
Quem matou a paz do nosso País?
Quem criou tantos Brasis?
Da fome, da guerra, dos abandonados?
Quem roubou as rosas dos namorados,
O piscar de olhos, a troca de figurinhas,
Os beijos roubados na escola?
Quem cometeu esses desatinos?
Quem furou a bola dos meninos?
Tirou das meninas as bonecas, as tranças,
Os laços de fita, as cantigas de roda, a dança?
Quem ensinou as mulheres a encherem a cara
E estragarem o alimento do neném?
Quem foi o idiota que deu arma à criança,
Estimulou a vingança e matou a esperança?
Quem encheu as ruas de amargura e solidão,
E teve a coragem de reeditar a escravidão?
Trouxe a droga, a violência e a submissão?
Quem foi o escroque que inventou a ostentação?
Quem foi o vil, o chupim que roubou a inocência?
Eu peço perdão e paciência para suportar esses loucos,
Que destroem a vida no Planeta.
Se vestem de capeta e adonam do viver.
Eu peço luz, sabedoria e resiliência, para não perecer.

Salvador/BA



03.
Inspiração
Fátima Peixoto


Tudo muito estranho
Não consigo entender,
De repente fica tudo distante,
Já não sinto mais você
Espero que volte,
Os dias passam,
Um vazio invade minha alma,
O que aconteceu?
Fico a perguntar,
Volta pra mim,
Preciso escrever.

Cabedelo/PB



04.
Noite e Lua
dinapoetisadapaz


Tenho noite e lua,
tenho sol e dia...

o sol me acorda
a cada manhã e me faz olhar
para o cume dos montes
lá onde mora a solidão.
lá onde a noite escura
joga seu manto,
abafa o grito das trevas.

Meus olhos se fecham,
não gosto de solidão...

A lua melancólica
e pálida se insinua
entre a densa neve
que anuncia a aurora
fosca e fria.
E recolhem-se...!
E dormitam... noite e Lua!

Várzea/PB



05.
Da Mágoa...
J.J. Oliveira Gonçalves


A Mágoa é uma queda e é uma Ferida
É um poço sem fundo e é um desencanto!
É uma Lágrima avolumada em pranto
É uma Morte roendo a própria Vida!

A Mágoa é o Abismo e é o Quebranto
Irmã da Perda é a Dor mais dolorida!
É a rima machucada e sem guarida
É o Cisne no Adeus do Último Canto!

Que me disser que não conhece a Mágoa
Olhe em meus olhos tristes rasos d’água
Leia os versos de *Augusto – por favor!

Depois, d’Alma consulte seu Oráculo
E há de ouvir: a Mágoa é esse Tentáculo
Que o coração trespassa e sangra o Amor!

Ah, a Mágoa... tão letal quão corrosiva
Os Sentimentos queima: é Água-Viva!

Porto Alegre, 26 de fevereiro/2016. 08h25min



06.
Primavera
Daniel Brasil


Quando chega setembro,
Em seguida vem a primavera,
Até mesmo a atmosfera...
Com as flores fica perfumada,
Adoça-se o canto da passarada...
E se abranda a própria fera!

Os campos ficam verdejantes,
Arvoredos enfeitados de flores,
Salpicando o chão esses primores...
Com florzinhas multi coloridas...
E nestas multidões de vidas,
É um imaginário universo de amores!

O aroma espraiando-se pelos ares...
No âmago brota sentimentos profundos,
Todos os seres tornam-se mais fecundos,
Com a chegada desta fêmea estação...
Brotam sentimentos em cada coração,
Em nossos interiores, fantasiamos mundos!

Bem vinda queridíssima primavera...
Estação linda e tão colorida,
Esquenta, esfria, em contrapartida
Tu nos apresenta um espetáculo,
Das estações és um tentáculo...
Dando vivas à própria vida!

Porto Alegre/RS



07.
Ilusão
Valter Bitencourt


Penetro na sua dor
Como gelo
Nessa noite
Vaporosa.
- É pedra!
Magoar um coração
Que tanto ama?!...
Sinto um tédio,
Num estado esquizofrênico,
Te vejo
Entre lírios nebulosos,
Cantando fantasias.
Vida nebulosa!
Tudo me rodeia
Esvaecido,
De overdose,
De amor...
- Fugaz!

Salvador/BA



08.
Letras
Sônia Rêgo


Letras que unidas
formam uma vida.
Eternas escritas que
guardam o mundo.
Ternura nos recados
e bilhetes de amor.
Risos depois de uma
carta bem escrita.

Amores, de namorados
que enfeitam terra e céu
Sonhos realizados,
escritos no papel.

Rio Janeiro/RJ



09.
Sou
Palmira Heine


Sou rosa menina, sou estrela sem fim
As vezes não caibo aqui dentro de mim.
Sou alma felina, sou estrada que vai
Às vezes transbordo
no verso que sai
Sou tão calmaria
Sou fogo também
Às vezes me escrevo
em poemas que vêm
Sou só uma semente
Sou gota de orvalho
Às vezes me teço
num velho retalho.

Salvador/BA -2016 10:03



10.
C A U T E L A . . .


"Não se pode acreditar que é possível
ser feliz procurando a infelicidade alheia."
(Sêneca)


C A U T E L A, ( não faz mal a ninguém!)
Dilson Ferreira

Cuidado, se lhe dão nas costas tapinhas
Quem diz ser sempre seu amigo, cuidado
Cuidado que o perigo reside ao lado
Pois, veja quais são suas ervas daninhas.

Cuidado com o adular demasiado
Com certas raposas que comem galinhas
Cuidado com os conchavos, picuinhas,
Pois o Mestre precisa ser consultado.

Cuidado com a bebida que lhe dão
Com o salafrário que profana a lei
Sanguessuga a sugar sangue da nação.

Então, ter cautela é bom; disso bem sei
Pro seu bem-estar rogo sua atenção:
Depois não diga irmão, que não lhe avisei!

Natal/RN



11.
Passageiro
Silvia Benedetti


Não quero pensar no tempo
Aquele que é o tempo
Para aqui permancer.
Se fico pensando nele,
Ele passa e não percebo
E... deixo de viver...

O tempo vai e não volta
Correndo, segue varrendo
Os sonhos que a gente tem.
Que passe o tempo e dê tempo
De desfrutar o meu tempo
Com coisas que dão prazer.

Que o tempo, se dê um tempo
Ao recado que lhe deixo...
Pedindo o tempo do bem
Pois ele é que me convém.

Porto Alegre/RS



12.
Ave liberta
Odilon Machado de Lourenço


Um pássaro vermelho voando no azul...
Nos ares
Por cima dos mares
Em todos os blues
Um pássaro forte voando nos Nortes ventados do Sul
Rasgando correntes, habitando as alturas mais altas do blue
Seu voo é sereno, ligeiro, arteiro, viveiro de amor
Seu mundo se amplia aos sentidos dos mundos habitantes da luz
Suas asas vermelhas de penas voantes se estendem no azul
Seus olhos contemplam além da beleza
Seus olhos são nus.

Maceió/AL



13.
O Amor' como Refrão de uma Canção (Rondel)
Aila Maria Brito


Queria que o mundo, enfim, ouvisse
Com muito carinho e atenção,
Que o amor, entre nós, ressurgisse,
Como o refrão de uma canção;

Que fosse ímpar, em solução,
E em nós, o peito revestisse,
Queria que o mundo, enfim, ouvisse
Com muito carinho e atenção;

A paz, enfim, ‘brado rugisse’,
E nos tirasse da aflição,
E a um mundo novo conduzisse,
... Muita alegria no coração,
Queria que o mundo, enfim, ouvisse!

Cocal/PI



14.
Momentos
Neneca Barbosa


Os momentos da vida são preciosos
Saibamos vivê-los de forma intensa
Vamos encontrar caminhos sinuosos
Mas, nossa liberdade, sim, é imensa!

A vida nos traz momentos de felicidade
Levando-nos à conquista dos sonhos
Pra sermos fortes nas dificuldades
E jamais pensarmos em dias tristonhos.

As chances chegam, mas são fugidias
Podemos detê-las na ribanceira
São chamas do fogo que no dia a dia
Tremulam aquecendo-nos na lareira.

Todos estamos na escola da vida
Aprendendo com ela cada lição
Lembranças, saudades são vividas
Até chegarmos à última estação.

E o amor faz parte desses momentos?
Ah, sem ele a vida não teria cores
Não desabrochariam os sentimentos
Que fluem no jardim dos nossos amores.

João Pessoa/PB, 06/10/2016



15.
Frágeis Corações!
AC De Paula


a ilusão é cor- de- rosa,
alguém pode dizer: Pôxa!
porém se a cor não lhe agrada,
pode ser vermelha, ou roxa,
não vai fazer diferença,
não vamos criar conflito,
pode ser azul - petróleo,
amarelo - ovo - frito,
há coisas mais importantes
nesse tal cotidiano
recheado de surpresas,
ansiedades e tensões,
a vida é uma roda viva
que atropela os sentimentos,
sem motivos ou razões,
fazendo sangrar no peito
esses frágeis corações!

São Paulo/SP



16.
Legado da Vida
Andrade Jorge


Levo da vida
o olhar plácido, sereno
da rainha madrugada
aquarelando um novo dia;

Levo da vida
a expressão vitoriosa do dia
ao entregar-se ao acalanto
dos mistérios da dama noite;

Levo da vida
as letras que escrevi,
e fecho o livro
cujos versos já foram olvidados;

Levo da vida
um sorriso, um abraço,
o beijo não dado,
e o amor nunca declarado;

Levo da vida
o carinho de uma mão
que afagou minhas dores,
na certeza do breve reencontro;

Levo da vida a nudez
com a qual vim ao mundo,
e se lágrima houver, seja pra aliviar a saudade
de quem ficou.

Não levo da vida
a ingratidão,
a incompreensão,
nem a falsa amizade.

Diadema/SP



17.
Pra bem Viver
Pinho Sannasc


Esteja bem com você,
Em paz com a sua consciência...
Grato pelo que tiver,
Feliz com a sua aparência...

Pense no que vai dizer...
Haja com inteligência!
Busque sempre aprender...
Cresça com as experiências!

Procure não se aborrecer...
E, julgue com benevolência.
Faça por merecer...
Trate com deferência.

Ajude com o maior prazer.
Não espere qualquer recompensa...
E se a vida, não sorrir pra você
Ainda há tempo... Tenha paciência!

Salvador/BA



18.
Desejo de Amigo
Edvaldo Nunes


Encontre tuas águas,
Como um bálsamo que escorre
E nelas mergulhe
Rumo a uma vida que não morre.

E que sejam de tuas cores
Para que navegue com tranquilidade
Rindo agora de outrora dores
Justificando o que se diz eternidade.

Aviste o porto que será teu
E que seja tua segurança
E nele atraque
Para que descanse com naturalidade
Porque o destino assim agradece.

João Pessoa/PB



19.
Primavera sem flores
Wellington Costa


Vivi quatro décadas de idade
Passou por mim a juventude
Sem se despedir, deixou saudade,
Sendo-me ingrata e rude.

Começo, daqui pra frente,
A descer a escada da velhice
O corpo, cansado já sente,
Saudade da meninice.

Do amor que pensei ter
Ficou o abandono, sozinho,
Deixando como lençol o sofrer
Que não agasalha o carinho.

Olhei pra frente, e vi a curva,
Que o destino me fez na vida
Deixando-me a visão turva
Apressando a minha ida.

Da vida subi a escada,
Pra cantar como andorinha
Minha alma deixou de sofrer calada,
Pelo amor que eu já não mais tinha.

Cabedelo/PB



20.
Até Quando?
Marina Martinez


Cidade com nome de menina,
Mariana tinha até um rio. Doce.
Hoje, águas viraram lama
e o que era doce virou latrina.
Mariana fenece no barro,
lamaçal que percorre outros leitos,
ameaça outras cidades,
outras vidas extermina.
A natureza, exasperada,
agita com força o berço esplêndido.
E o gigante, outrora impávido colosso,
estarrecido, chora, a relembrar antigos feitos.

Porto Alegre/RS - Nov/2015



21.
Momento Mágico
Rosana Carneiro


Quando o sentimento é eternizado no momento mágico que se situa, fica para sempre a sensação de que foi pouco o que se viveu.
Muitos momentos mágicos foram eternizados e a chama eterna ainda fica queimando quando se abre um dos compartimentos da memória e se tenta, ao menos, sentir apenas o aroma daquilo que se ausentou, restando apenas o lamento de que o eterno poderia ser tudo, menos utopia.


São Paulo/SP



22.
Deixei!
Regina Kreft


Deixei lá no passado as lágrimas
Deixei a mágoa, a tristeza.
Deixei as páginas do livro fechadas
Deixei uma porta entreaberta!

Viajando nos sonhos do agora
Viajando nas asas da poesia
Viajando nestes caminhos indecifráveis da vida!
Viajando com uma rosa: chamada alegria!

Saudando a vida com imensa gratidão!
Saudando a paz, com grande esperança!
Saudando a todos poetas nesta edição!

O ano silencioso, está a se despedir!
O amor sereno e altruísta, a nos invadir!
Caminhos de fé, nos faz prosseguir!

Joinville/SC





ENCERRAMENTO E AGRADECIMENTOS

Mais um encontro mensal virtual realizado, graças ao esforço de cada participante onde cada um discorreu sobre a Ciranda Temática “ O Mestre e o Livro” dando ênfase à importância do trabalho do Professor, da missão de repassar seus conhecimentos àqueles que desejam absorver o aprendizado.
Agradecemos a todos que se empenharam em a Ciranda acontecer expondo seus pensares também com temas livres, agradecemos ainda ao poeta convidado: Daniel Valente que nos trouxe um belo texto.

Diná Fernandes
Coordenadora Nacional das Cirandas






SELO DE PARTICIPAÇÃO








MÚSICA DE FUNDO

To Sir With Love
Compositores: Don Black, Marcus London
Interpretação: Lulu

Those schoolgirl days
Of telling tales and biting nails are gone
But in my mind
I know they will still live on and on

But how do you thank someone
who has taken you from crayons to perfume
It isn't easy but I'll try

If you wanted the sky I would write across the sky
in letters that would soar a thousand feet high
To Sir with love

The time has come
for closing books and long last looks must end
And as I leave
I know that I am leaving my best friend
A friend who taught me right from wrong
and weak from strong
That's a lot to learn

What, what can I give you in return
If you wanted the moon I would try to make a start
but I would rather you let me give my heart
To Sir with love



Ao mestre com amor
Compositores: Don Black, Marcus London
Interpretação: Lulu

Aqueles dias no colégio feminino
De contar contos e roer unhas se foram
Mas, na minha cabeça
Eu sei que eles ainda acontecem sem parar

Mas como você agradece alguém
que tirou seus giz de cera para perfumar?
Não é fácil mas tentarei

Se você quisesse o céu, eu escreveria nele
com as etrelas a mil pés de altura
Ao mestre, com amor

Chegou a hora
de fechar os livros enquanto longos e últimos olhares permanecem
E enquanto eu viver
Saberei que estou deixando meu melhor amigo
Um amigo que me mostrou o certo do errado
do fraco para o forte
Isso é tão dificil de aprender

O que eu posso lhe dar em troca?
Se você quisesse a lua eu tentaria levar as estrelas
Mas eu, eu prefiro dar meu coração a você
Ao mestre, com amor











|| Página Inicial | Voltar | Livro de Visitas ||

Arte e Formatação Rosângela Coelho
Fotos do Top de autoria de Joyce Lima Krischke
Exclusivo para CAPPAZ - Confraria Artistas e Poetas pela Paz
Todos os direitos reservados