INTRODUÇÃO

Estamos iniciando nossa 96ª Ciranda Mensal CAPPAZ, nossa alegria é este contato com todos confrades e confreiras, poder ler e sentir nas entrelinhas das poesias, um pouco dos pensamentos, ideias, sensibilidade de cada um, mesmo sendo um contato virtual, sentimos todos próximos, mesmo quando um confrade ou confreira termina sua missão entre nós, ficam suas poesias, seus escritos para nos alegrar o coração. Temos o poder de espantar a tristeza, de trazer a alegria para dentro de nós, colorir nossos dias, olhar e se encantar com o que está ao nosso redor, celebrar a vida, a amizade, o amor, a paz. Convidamos todos para dividir sua alegria, seu entusiasmo, através dos seus escritos, suas poesias, participando na nossa ciranda, você pode escolher o tema ou falar de alegria, alegria que contagia para a paz e para o bem.

Fátima Peixoto
Diretora Pedagógica
Cabedelo/PB






LISTA DE PARTICIPANTES

Ciranda Temática


01- Ac de Paula(02)
02- Aila Maria Brito (25)
03- Andrade Jorge (05)
04- Carlos Reinaldo de Souza (06 e 18)
05- Daniel Brasil (24)
06- Deomídio Macêdo (15)
07- Dilson Ferreira da Silva (01)
08- dinapoetisadapaz (17 e 20)
09- Eda Bridi (22)
10- Eloísa Antunes Maciel (12)
11- Fernando Alberto Salinas Couto (07)
12- José Maria de Jesus Raimundo Silva (23)
13- José Otoniel da Costa (26)
14- José Pereira da Silva (09)
15- Josimar Cardoso (19)
16- Lúcia Silva (08)
17- Marcelo de Souza Oliveira (16)
18- Nena Sarti (14)
19- Odilon Machado de Lourenço (13)
20- Roseleide Santana de Farias (10)
21- Sílvia Benedetti (04)
22- Vera Passos (03 e 21)
23- Vera Trindade (11)
24- Joyce Lima Krischke (27)




Tema Livre

01- Aila Maria Brito (10)
02- Conceição Castro (09)
03- Dilson Poeta (03)
04- dinapoetisadapaz (08)
05- Edvaldo Nunes (01)
06- J. J. Oliveira Gonçalves (02)
07- José Otoniel da Costa (11)
08- Josimar Cardoso (04)
09- Lúcia Silva (06)
10- Odilon Machado de Lourenço(07)
11- Vanda Ferreira (05)







PARTICIPAÇÕES

Ciranda Temática


01.
CASA DE BAMBA!
Dilson Ferreira da Silva


Deitado na rede ouvindo Martinho,
Chico da Silva, Agepê, João Nogueira,
O tal do samba invenção brasileira,
Que o bamba rebola e faz burburinho.

Rodam mestre-sala e a porta-bandeira,
Abre-alas que lá vem "brasileirinho"
No samba-canção, pagode, chorinho,
Pro deleite da massa pagodeira.

Tá no pé, no sangue e no coração
Ritmo da avenida, alegria, prazer,
Que agita na bandeira da nação.

Som dos bares, batucada e lazer...
Um cantor no cavaquinho ou violão,
Sambando para as classes de "A" a "Z".

NATAL/RN.



02.
ALEGRIA
Ac de Paula


alegria eu vim complicar o simples,
talvez simplificar o complicado,
porém não sou louco nem varrido,
disso eu estou convencido,
isso é fato consumado!

não adianta botar fogo na cabeça
procurando encontrar a solução,
também tire o meu nome da lista
eu já disse ao analista
que eu não sou maluco não?

pra me integrar nessa tal de estrutura
da conjuntura do cenário mundial,
fiz um verso diferente
Incluído obviamente
no contexto universal!

São Paulo/SP



03.
De novo é carnaval
Vera Passos


É carnaval de novo em todo canto e lugar
O som que nasce do povo se espalha pela Bahia
É gente de todo Mundo vivendo de festejar

Nas ruas e avenidas, vestidas ou sem nuas
Sorrisos e fantasias no sol ou em noite de lua
Correndo atrás do trio tem gente a pipocar

Desfilam encantando a cidade
Curtindo a liberdade nas ladeiras ou mar
A galera aos beijos e abraços
Esquecem o cansaço e vivem o melhor carnaval

Tomara que a fantasia seja a alma da festa
E contamine o gênio do mau
Para que não se perca a harmonia
E a fantasia seja real

Salvador/BA



04.
Momento de Glória
Silvia Benedetti


Acordes, vibraram no ar –“Volare!”
A plateia silenciosa, surpresa.
Ela então adentra no salão
Desenvolta, rodopia... dança!
Navega majestosa entre ondas
Que a saia vermelha insinua.
Na coreografia improvisada
Lembra menina debutante e feliz
Dia de festa –sua festa de 80 anos

Segundo momento
E o “Lamento Cigano” fala à alma...
Ela desliza oferecendo flores
Aos seus amores: esposo e filhos
Acelera o ritmo e gira pelo salão
Enquanto “ segura” o pranto – emoção.
Rainha, enquanto dança
Descarta angústia e temores
Ousada... fez do sonho antigo
Seu momento de glória

Porto Alegre/RS



05.
SAMBA DE ENREDO
Andrade Jorge


Eu quero fazer samba enredo
falar sob acordes do cavaquinho,
cantar sem receio, nem medo,
no embalo do surdo de primeira
tum- tum- tum
entra o surdo de resposta
tum-tum tum-tum
repenique faz a proposta,
malacacheta enche a harmonia,
quero naipe de tamborim,
hoje é o dia,
apita meu Mestre!
Alô comunidade quero falar:

Este batuque é o samba
do homem que errou,
bate tambor cala essa dor;

Este samba é o batuque
do poeta que não soube amar,
vibra tamborim põe sentido em mim;

Este samba é a harmonia
do homem que se escondeu de si mesmo,
repica pandeiro me refaça por inteiro;

Este batuque é a sensação
do poeta que vive só emoção,
entra afoxé e bota razão e fé.

A Escola de Samba Unidos da Desilusão ta na rua,
porém o Mestre-Sala ta sozinho
esta bailando a consciência,
a Porta-Bandeira preferida
perdeu a paciência
e foi desfilar em outra avenida.

Diadema/SP



06.
Alegria, bem-vinda!
Carlos Reinaldo


Sentimos em nossa vida,
momentos bem diferentes:
tristeza, és tão dorida,
trazes as dores pungentes.

Mas, os momentos de luz,
sempre irradiam prazeres,
temos a paz que seduz
e nos concede poderes.

Sempre pensando no bem,
que a paz produz em teu ser,
o homem sente, também,
felicidade e prazer.

Assim, o homem vibrante,
recebe, com energia,
uma gentil visitante:
bem-vinda és, alegria!

Cons. Lafayette/MG



07.
ALEGRIAS DE CARNAVAL
Fernando Alberto Salinas Couto


Quantos Pierrôs e Colombinas
invadem nossas praças e ruas,
extravasando as suas alegrias,
se encontrando pelas esquinas,
ao pôr do Sol e nascer das Luas,
pois passam rápidos esses dias?

Dias de brincadeiras e ilusão,
quando afogam-se as mágoas,
entre personagens fantasiadas.
Farra na avenida ou no salão,
entre pessoas falsas ou boas
que sambam desinteressadas.

Abusos jamais levados a sério,
considerados tolas gracinhas,
eis que tudo parece festa banal,
ao som de velhas marchinhas.
Nesse cadenciado mistério,
vivem-se as alegrias de carnaval.

Rio de Janeiro/RJ, 21/02/17



08.
Gratidão
Lúcia Silva


Acordei com o beijo da felicidade
A Deus, orei agradecida
Por essa oportunidade
Do milagre da vida.

Quero nesse dia curtir
As belezas da natureza
Deixar meu coração sorrir
Com o cantar dos pássaros.

Quero tocar uma flor
Com sua beleza me encantar
Como o beija-flor
Sentir o seu perfume.

Nos braços do vento rodopiar
Na dança da vida
No bailado do amor
Quero para sempre me entregar.

Currais Novos/RN



09.
Carnaval em família
José Pereira da Silva-02/03/2017.


Carnaval bom foi na minha casa,
Não teve vinho nem cachaça,
A cerveja foi moderada,
A alegria foi dobrada.

Encontro familiar, amor e paz,
Com música, filme e poesia,
De mesa farta e descanso
E um biriba no fim do dia.

Carnaval de praia e pescaria,
De peixada á beira mar,
De dormir tarde da noite,
Um dominó se jogar.

No encontro de parentes
Na casa que é da família,
Pode ter carnaval melhor,
Mas não tem maior alegria.

Nessa paz e o nosso carinho,
Amor fraterno e harmonia,
Não tem carnaval melhor,
Do que o carnaval em família.

Cabedelo/PB



10.
Uma prosa poética ao Carnaval
Roseleide Santana de Farias Silva


Um lindo pássaro eu vejo voar ao longe no céu azul cabedelense...! Absorto e de asas abertas, ele tem o olhar complacente, plana, esvoaça; e observa a terra dos homens em sua inquietude e dor, o choro plangente na luta humana, o seu sofrer ao buscar realizar seus sonhos de alegria, amor e paz.

No percurso da vida terrena eis que buscamos a felicidade, o prazer, a nossa zona de conforto, os reconhecimentos e boas amizades. E às vezes através dos meios escusos, seguimos as inúmeras trilhas nas quais nos perdemos, por não esquecer as mágoas, vaidades, ambições, e agirmos com ações inescrupulosas, ferindo e nos sobrepondo sobre os outros.

A alegria e o prazer e a ambição no viver, podem vir de “n“ formas: saudáveis e perenes, radiantes, para quem as utiliza com virtudes e sabedoria. Uns se enriquecem nos sentimentos do Bem, mas outros vêm a cair no efêmero; e despencam nos abismos profundos a lhes trazer sofrimentos.

Se buscarmos a história humana em quaisquer de suas áreas sociais, apesar de muitos semearem a paz e o bem; eis o trajeto humano á nos envergonhar com os seus atos de violência na busca pela tal felicidade.

Nos prazeres dos vícios há o engano e a tristeza, a morte em todas as idades, emanados dos sentimentos do poder, quando prevalece o egoísmo nas ambições ao “ter” e nos deixamos dominar pela indiferença e perversidade.

Discriminação, injustiça, abuso, sede do poder, corrupção, ambições e fanatismos, têm trazido sombras e dores dilacerantes á nossa humanidade. E assim resultando os riscos de extinção da vida no planeta Terra, o homem em seus atos vis, tem a alma escrava do dinheiro, a vaidade, o luxo e a crueldade.

Mas, eis que ouço e vejo soar as alegres trombetas dos arautos da alegria! A festa do Carnaval á chegar com a sua ilusão, história e fantasia.

No passado distante e na vida atual há possível felicidade durante o carnaval, e vejo também a imprudência, os acidentes, tumultos, desordens, prejuízos, excessos, mortes.

Assim sempre foi e por enquanto será a nossa caminhada humana, muitos seres humanos buscando a sua felicidade e o seu “bem” da forma que o concebe, nem sempre encontrando a paz em suas ações. Estamos ligados um ao outro, “a semeadura é livre, mas a colheita é obrigatória”. Aprendamos a ter a paz em nossas ações! Se o homem constrói, destrói, tem o livre arbítrio de semear o bem e o mal na terra, chorar, sorrir, amar e odiar; busquemos o bem através da ternura, a simplicidade da vida na alegria de amar.

Que o Carnaval traga a oportuna alegria, serenidade no feriadão, momentos de lazer, encontro de parentes e amigos, descanso nos lares, nas praias curtir passeios de barco, sentir o cheiro do mar e sua areia macia, as águas quentinhas sob o sol brilhante e o céu bonito. Á tardinha e à noite brincar ao som dos frevos e das marchinhas, lembrar o “Bloco Bem te Vi” e o “Carnaval do Forte”, dançar no “Verde e Branco do Cabedelo Clube”, rir com as engraçadas fantasias e loucuras do “Bloco das Donzelas da Beira do Cais”. Usufruir um carnaval seguro, saudável, alegre, fraterno, cheio de paz.

São tantas formas de ser feliz e usufruir as bênçãos e maravilhas que vêm do céu...! A beleza espargindo o seu colorido com tantas nuances e formas perfeitas! O dinheiro pode ser um excelente instrumento á ser utilizado para o bem, sentir a beleza do riso, perfume das flores, promover o bem-estar e a alegria entre parentes e amigos, exercitar a magia da ternura, compreensão que vêm da misericórdia, visualizar a cooperação que nos chega, pois, as coisas mais importantes da vida nos veem gratuitamente: o ar, a água, o solo, que nos alimentam.

O ser humano cria o seu próprio ambiente que é o seu espelho, onde quer que ele esteja. Atos de bondade, o canto, a música, o riso, têm uma linguagem universal poderosa; e diante da Luz de um espírito cordial, amoroso, mas também acender quando é preciso o fogo da indignação diante das injustiças, tornam assim mais fácil superar as terríveis adversidades e alcançar a paz e a felicidade. Não podemos ser felizes sozinhos.

Que os ritmos possam acender na alma a chama da amizade. Os céus se alegram ao ver o povo feliz e se abraçar sorrindo, amando, cantando e dançando. Esqueçamos por três dias os males da vida, suas carências de amor e de justiça social. Usufruamos a paz, a harmonia e a fraternidade.


Cabedelo/PB



11.
Alegria, minha doce alegria...
Vera Trindade


De onde tu vens?
E aonde tu vais?
O que guardas contigo?
O que não queres mais?
És tu a fantasia, que me veste por dentro?
És tu a euforia depois de cada lamento?

Oh, doce menina,
Que me veste de cores!
És também a colombina,
Que brinca e se esconde
Dentro dos meus dissabores?

Oh, doce alegria,
Leva tudo que é triste!
Deixa aqui teu sorriso de criança feliz!
Sopra uma linda canção
Que diz tudo de mim!
É o sopro da ilusão
Do simulacro sem fim.

Salvador/ BA



12.
ODE. À ALEGRIA GENUÍNA...
Eloisa Antunes Maciel


Na mente juvenil ela flutuava...
E se anunciava como uma euforia...
Se alguém sobre sua origem perguntava,
Dizia ser variante da Alegria...

Se sobre a mente adulta ela pairava,
Seu nome diferia na ocasião:
Essa alegria se modificava,
Sob a influência da ponderação...

E o ciclo vivencial dessa alegria
Se contemplava entre as gerações.
E desde a tenra idade sugeria
As mais diversas manifestações...

“Bandos da noite” a cantar a Lua,
E forasteiros a dançar aos pares...
Arruaceiros a cantar na rua,
E aventureiros a sambar nos bares.

E o Carnaval essa alegria exalta
Em blocos, nos salões e à beira mar...
E em nome da alegria se ressalta
A liberdade de compartilhar...

E outras formas vão se entronizando,
Como expressão loquaz dessa alegria...
Essa mensagem vai-se revelando
Por gestos e canções – e alegoria...

Mas a alegria, enfim, é um sentimento
Que embala sonhos e aspirações...
E embora vivenciada num momento,
Conforta e gratifica corações...

São Martinho da Serra, fev. 2017



13.
Alegrias para dias e noites
Odilon Machado de Lourenço


Fruta apanhada
Banho de cachoeira
Sol nascendo, sol se pondo
Tantas coisas...
Criança brincando
Gente dançando
Lua brilhando, estrelas brilhando
Tantas coisas...
Conversas de amigos
Caminhada na praia
Comida feita pela mãe, comida feita
Tantas coisas...
Água pura descendo pela sede
Mundo em paz
Abraço da amada, abraço de amigo
Tantas coisas...
Plantas nascendo
Campos de flores
Lavouras de amor, lavouras para todos
Tantas coisas...

Maceió/AL



14.
O som do carnaval
Nena Sarti


A batida dos tambores,
O choro da cuíca,
O chocalho ritmado,
Faz-nos sentir um bocado,
As histórias já contadas
Entre risos e temores.
Fica-se esperando o surdo
Falar mais alto na cadência
E captar a essência
Do passado não vivido.
É uma alegria contagiante
Aquela animada bem antes
Pelos nossos ancestrais.
Passeando pela avenida
Recordando antigos carnavais.

Campo Grande/MS.



15.
AS DUAS FACES DA MOEDA
Deomídio Macêdo


MM nasce, a criança chora, provocando uma explosão de alegria no plano material.
MM nasce, a criança chora, provocando uma triste comoção no plano espiritual.
MM morre, o espírito deixa o corpo, provocando uma triste comoção, no plano material.
MM morre, o espírito deixa o corpo, provocando uma explosão de alegria, no plano espiritual.

Alegrias e tristezas
Eis a questão
nas duas faces da moeda!

Salvador/BA



16.
Carnaval
Marcelo de Souza Oliveira


A alegria chegou
O trio elétrico passou
A multidão também,
Alguém ficou
Caído no chão!

Uma arma de encontrão
Furou o pulmão
Todos gritando
Indo atrás da atração.

Gente de montão
Felicidade de milhão!
Em todo lugar uma transmissão!
Em outros lugares empurrão...

Ali no cantinho um chupão
Mais à frente cervejão!
O malhado valentão
Terminou na prisão,

Levou um cachação!...
Todo mundo vira multidão
Camarotes do barão
Folia bem diferente, não?

Mas também tem o folião
Dos blocos e do arrastão...
Nas cinzas ainda não basta, não!
A tristeza do cordão

Que virou cordeiro,
Trabalhou e dançou
Mas acabou sem dinheiro na mão!
Mais triste ainda quem gastou...

E nem chegou a brilhar
Mas terminou a quarta feira
Beirando o caixão!
Esperando a reencarnação

Para voltar à folia
Com toda energia
Ver tudo recomeçar!

Salvador/BA



17.
Alegria de Carnaval
dinapoetisadapaz


Quantos sonhos
Salpicados de purpurina,
Quantas almas,
Amores passageiros,
Unidos pela serpentina...!

O sorriso colorido,
Tem brevidade marcada,
A fantasia rasgada,
A máscara jogada ao léu,
A paixão que se foi nas cinzas,
O corpo ao sabor do vento
Jogado em qualquer esquina...
Mas, a alma regalada.

Várzea/PB



18.
Um pedido à Alegria.
Carlos Reinaldo de Souza


Ó Alegria, tu és um sentimento,
com tal poder e com tamanhas glórias,
levas embora todo o sofrimento,
assim conquistas as mais belas vitórias.

Afastas toda mágoa e tormento,
iluminando as minhas trajetórias,
não sofra eu nenhum aviltamento
e sejam minhas dores transitórias.

Às vezes tu pareces tão distante,
então me ponho aflito a procurar,
nunca te ausentes, nem por um instante.

Agora, nestes versos finalmente,
vou te pedir, se muito não custar,
fiques comigo, hoje e eternamente...

Cons. Lafayette/MG



19.
BRINDEMOS A FELICIDADE!
Josimar Cardoso


Tim tim brindemos a vida seja lá como ela for
Tim tim brindemos nossos dias e cantemos com fervor
Tim tim brindemos a natureza, sua beleza multicor
Tim tim brindemos a felicidade e também ao amor.

Tim tim brindemos o nosso próximo com a taça da alegria
Tim tim brindemos o carnaval e também a folia
Tim tim brindemos ao nosso Construtor do Universo
Por nos ter concedido viver feliz mais um dia

Tim tim brindemos a nossa família e nossa Nação
Tim tim brindemos a vida e também nosso irmão
Tim tim brindemos tudo que é belo inclusive ao nosso rincão
Tim tim brindemos a poesia por ela ser a voz de nosso coração.

Cabedelo/PB



20.
Alegria (Rondel)
dinapoetisadapaz


Habita dentro de mim,
Uma alegria constante,
E em meus lábios carmim,
Um sorriso contagiante.

Difere da tristeza, sim,
Que enfeia o semblante,
Habita dentro de mim,
Uma alegria constante.

Causa bem estar sem fim,
Depura-me num instante,
Aguda qual som do clarim,
Essa alegria constante,
Habita dentro de mim.

Várzea/PB



21.
Carnaval
Vera Passos


Bate no peito uma luz
Me segue, me rega e me seduz
Na pista da Barra me abraça,
Me agarra, me leva ao mar
Eu sou seu presente
Sou sua Iemanjá
Do farol até Ondina
Sou sua menina
Se tudo for legal
Faremos da nossa vida
Um eterno carnaval

Salvador/BA



22.
ALEGRIA & GRAÇA
Eda Bridi


Pensou alegria, pensou carnaval. De imediato, nos vem à mente a festa do Rei Momo. Foliões divertem-se pelos salões, confetes, serpentinas, tamborins ... Quanta alegria! Quanto brilho! Mas, o clima carnavalesco, na virada da noite de terça, dá lugar à Quarta- feira de Cinzas. Inicia o tempo da Quaresma, tempo de recolhimento, de encontrar na meditação a paz que leva o coração a inebriar-se na alegria.

“Sorrir, um cristão é sempre alegre”! Propõe o Papa Francisco, na Quaresma, entre os atos de caridade que ele mencionou como manifestações concretas de amor. Também propõe: “Cumprimentar com alegria as pessoas que você vê todos os dias”.

Inspirada nas palavras do Papa, dediquei-me a observar com mais atenção as situações envoltas em alegria. No último domingo, à tardinha, eu estava na calçada, em frente ao prédio onde resido, quando ouvi gostosas risadas e vozinhas de crianças, um menino e uma menina, gêmeos, de dois aninhos, acompanhados por sua jovem mãe. Conversavam e riam com tanta espontaneidade, que me cativaram. Perguntei-lhes o motivo da alegria. “Brincadeiras”!

Permaneci na calçada. Outras pessoas, amigas, passaram por lá, e sempre um bom “bate-papo”, alegre e descontraído. Mas, houve um encontro que tocou fundo meus sentimentos. O de uma amiga que passeava, numa cadeira de rodas, acompanhada pela filha e o neto. Esbanjava bom humor. Recordamos momentos que vivenciamos no Lions Clube, principalmente nas confraternizações e campanhas beneficentes. Ela disse-me: “Tenho 87 anos e tenho a alegria de viver”!

Outro dia, recebi de minha prima uma rosa amarela. De acordo com a psicologia das cores, o amarelo significa luz, otimismo, alegria, e simboliza o sol, o verão, a prosperidade e a felicidade. Mas, mais que a cor, foi a alegria de, segundo voz popular, estar recebendo uma graça.

Do poeta Luiz Coronel, em Dicionário Amoroso, Alegria & Prazer – A alegria é riacho. O prazer, catarata. O prazer aspira o pó. E deixa a alma em sucata. A alegria é sem afrontes. É dar de comer aos pássaros, colocar os pés na fonte.

Concluindo, que a alegria seja um “riacho de mansidão” no convívio com as pessoas que amamos, e que nossos pés se banhem na “fonte do amor” e andem no caminho da felicidade, da paz e do bem!


Sobradinho/RS



23.
Alegria
José Maria de Jesus Raimundo Silva


Tua presença preenche o vazio da solidão,
Deixa a saudade à distância,
A paz reina e o amor floresce,
com mais força e graça.
Tudo e alegria...
Entusiamos...
Satisfação.
Alegria de poder te abraçar,
Tocar tuas mãos,
Acaricia-la...
Beija-la.
Alegria de poder dizer eu te amo.
Fitar teus olhos...
Sentir teu calor.
Sentir tua presença.
A qualquer hora do dia,
Em qualquer parte do mundo.

Varginha/MG



24.
ALEGRIA, ALEGRIA...
Daniel Brasil


Alegria, Alegria...
Alegria de viver,
Bom se fosse sempre
Desde o dia amanhecer...
Durasse todas as horas
Até chegar o anoitecer...

Alegria, Alegria...
Alegria por amar,
E que nesta vida levo...
O meu viver a sonhar...
Poesia no coração,
E um mundo para cantar...

Alegria, Alegria...
No interior e capital,
Alegria com amizades...
Perante a todo pessoal...
Alegria mesmo sozinho...
Ou pulando Carnaval...

Alegria, Alegria...
Assim eu posso dizer,
Levando a vida feliz,
Ao mestre agradecer
Não poderei ser feliz
Se eu não souber viver!

Porto Alegre/RS



25.
Alegria... Alegria!
Aila Maria Brito


Veste a tua alegria,
e vamos cair na folia,
Da felicidade!

Xô melancolia!
Pra longe a saudade,
Hoje, só felicidades!

Vamos nos dar as mãos,
Numa corrente de paz;
E celebrar a união,
De um povo capaz,
De acolher o irmão.

Sejamos felizes então!
A você meu abraço,
Um aperto de mão;

Uma proposta te faço:
Alegria... Alegria...

Plante essa semente!
Você é capaz!

Cocal/PI



26.
HOMENAGEM “IN MEMORIAM”
Carnaval! ... Carnaval!!!!
J Otoniel Poeta


Carnaval em si próprio nada de mal
Extravasa-se o instinto animal
As regras de vida em sociedade
Ganham a tão sonhada liberdade
Aparentemente os que dele participam
Consideram que ali está a verdadeira
Felicidade
Quanta felicidade! Quanta espontaneidade
Nada melhor para camuflar da vida
A desigualdade
Esquecer do mundo os que sofrem injustiças
Da indiferença, do desprezo a vista de todos
Uma ferida
Portanto é bem melhor festejar indiferentes
A de tantos a miséria
Imaginar em tal assunto seria uma coisa séria
Estando livre dela tem-se mesmo é que se comemorar!
Que importa aos carnavalescos a dor alheia?
Demonstrar a pompa do luxo e da riqueza
Da beleza de muitos, até o coração incendeia
Saciados, ocupando posições de nível elevado
Não interessa a esses aquele marginalizado
Sem emprego, sem moradia, sem ter o que
Comer
O bom mesmo é pular de alegria!
Quem vai pensar no outro de barriga vazia?
A luxúria, a vaidade, o exibicionismo
Tem muito mais valor
Raciocinar ao contrário sem dimensão
Seria o dissabor
Tanto dinheiro esbanjado é natural
Não seria o resultado de frio egoísmo?
Não deve-se nem pensar porque é Carnaval!
Jamais! ... Pode-se justificar aos que muito tem
Com a exploração do Evento o lucro é certíssimo
Outros e mais tantos outros virão
O que importa é que é Diversão
Do Turismo uma Fantástica Promoção
Uma demonstração de que o Brasil
É e para sempre será uma grandiosa Nação!...
... Um Samba em meio à bela Canção!!!

Jandira/SP, Fevereiro de 2012.



-27-
Alegria não é só carnaval
Joyce Lima Krischke



Balneário Camboriú/SC






PARTICIPAÇÕES

Tema Livre


01.
A TERRA DE DEUS
Edvaldo Nunes


Forças que Deus me dá,
Que agradeço
E que tenho de retribuir, sendo bom.

Forças que não vêm de graça,
Uma vez que as mereço,
Já que as peço,
Já que as cultivo.

Podem vir das luzes que acendo e que clareiam,
Ou sejam das plantas que adubo e que crescem.

Podem vir das paredes que construo e que me protegem,
Ou sejam das amizades que faço e que frutificam.

Esses amores que aparecem vindos de Deus
E que me satisfazem,
São como um mostrar o que é vida,
Como se viver fosse só alegria,
Rindo das estradas abertas,
Às vezes meras passantes de desejos
Em ambições mesquinhas da humanidade;
E eis que em mim a terra nesses momentos
Interliga-se assim de modo racional,
Mas, que, viva, não deixa de ser simples,
Esnobando em abundância o puro ar da paz.

João Pessoa/PB



02.
Metades Minhas...
J.J. Oliveira Gonçalves


Metade do que fui ficou, contigo,
E trouxe, cá, comigo, esta metade
Que fez da Solidão mudo jazigo
E rabiscou na lápide: “Saudade!”

Destas metades minhas – é verdade
Ficaste co’a melhor... Veio, comigo,
Aquela que é tristonho fim de tarde
Que dói, doído, assim, feito Castigo!

Castigo por querer-te e por deixar-te
Ai, tão viçosa Flor – na flor da idade
Era eu jovem demais... E fui covarde!

E desde, então, me entrego a cantar-te
Em cada verso e rima, a confessar-te:
Te Amo, ó, Casto Amor, da mocidade!

Porto Alegre, 17 de fevereiro/2017. 13h



03.
"Cada qual sabe amar a seu modo;
o modo, pouco importa; o essencial
é que saiba amar." (Machado de Assis)


SONETO PARA ELA!
Dilson Poeta


Ela chegou e se apossou de mim
E eu era ainda sonhador menino
Sem saber qual seria meu destino
Mas, crendo não ser a vida um jardim.

Ela veio para mudar meu tino
E eu já rapaz buscando um querubim
Me fiz cantor, poeta, amante e enfim,
Trovador da lua e do sol à pino.

Ela diz não me abandonar jamais
Que realizando a minha fantasia,
Comigo estará nos dias finais.

Ela até agora fez companhia
Nos meus dias, noites, risos e ais,
Porque ela é a minha amada poesia.

Natal/RN



04.
AMEMOS UNS AOS OUTROS!
Josimar Cardoso


Amemos ao nosso próximo como amamos a nós mesmos,
Nunca é fazer demais quando por ele tivermos zelo
E com este gesto poderemos assim conquistar,
O respeito e o carinho daqueles a quem possamos nos doar.

Nunca é demais fazermos alguma coisa para quem precisa,
Mesmos que esta pessoa por nós não se sinta agradecida,
Porque quando praticamos só o bem em toda nossa vida,
Certamente seremos muito mais felizes podes crer.

Um gesto de carinho que a alguém possamos assim fazer
É como plantar a semente do bem para depois florescer
E dessa flor chamada amor em nós pode bela crescer,
E deixarmos muito mais fortes e sadios assim posso dizer.

Nada na vida é muito mais belo do que sentirmos a felicidade,
Quando cuidamos de nosso próximo com muito amor de verdade,
É um gesto muito mais nobre quando praticamos a solidariedade,
Pois só assim seremos muito mais humanos com esta nossa sinceridade.

Estendermos nossas mãos para quem precisa ser amparado,
Dê sempre que puder um forte abraço a quem estiver ao seu lado,
Pois praticando este simples gesto sentiremos muito mais amados,
E certamente pelo Construtor do Universo seremos muito abençoados.

Cabedelo/PB



05.
Acendo vela
Vanda Ferreira


Lua cheia de sorte
invade meu país-natalidade.
Celestialidade-mundo-luz
chove maravilha.

Presente do tempo presente,
clara vela, história acesa,
chama caminho longo,
percussão das mãos.

Rebrilha destino,
rastro de amor ventila sorrisos,
pavio incandescido.

Vermelho-fogo labareda na sala de festa de meu coração.

Acendo vela,
canto dádivas,
declamo contemporaneidades,
divas, heróis, ídolos.

Campo Grande/MS



06.
Pássaro rumo ao infinito
Lúcia Silva


Um pássaro voando
Na imensidão do infinito
Entre a folha verde sobrevoando
Com o seu canto bonito.

Entoa louvores ao Criador,
Deus da vida e da verdade,
Que a tudo fez com amor
Para o bem da humanidade.

Ó homem sem piedade
Não o impeça de entoar
O canto da liberdade
E de voar faceiro pelo ar.

Permita ao seu coração se converter
Na beleza do seu leve planar
Harmonize seu viver
Com a suavidade do seu cantar.

Currais Novos/RN



07.
Um berço em meio aos cocais
Odilon Machado de Lourenço


De tantos berços no mundo
Que berço quereis nascer?
Num berço de mais respeito
Mais amor, mais poesia...
Pode ser bem simplesinho
Nem ouro, nem manjedoura
Pode ser da cor da aurora
De sol que nasça vibrante
Com ondas azuis cantantes
Nas areias do pontal
Por ventura ainda traga as cores da liberdade
O caráter da verdade, da ternura das manhãs
O verde desses coqueiros
Desse mar que são teus olhos
Desse mundo que se alonga e afunda bem de mansinho
Como a espuma dessas águas que à praia vem se deitar.

Maceió/AL, 21-12-2016



08.
Desamor -Tauto poema
dinapoetisadapaz


Dor de desamor desperta desatino
Dói demais, desencadeia demência
Desilude, deturpa destino
Dilacera, desfaz decência

Desalentada, devo dizer,
Devaneios desfeitos, definhamento.
Dependente, dobrada a decrescer
Despida dos dias dourados, desencorajada.

Doce degustação dantes;
Desejo desbragado decaiu
Desdém, desafeto degradante
Desanimada, derrotada, dor demoliu.

Declaro diluição d’alma
Degredo destruiu, degenerou
Desengano devorou dama
Desencantada; desistiu... Definhou!

dinapoetisadapaz



09.
O TEMPO ACORDADO DORME
Conceição Castro


Era uma vez uma era longínqua
onde trocávamos cartas
Envelope branquinho com listrinhas verdes e amarelas
Por vezes eu enviava um beijo
de batom...
Lia e relia aquelas palavras que sabia
eram suas
Tocando nas letras
Chegava a ler a sua expressão...
Há pouco tempo
a noite cedeu lugar
a um novo dia
E agora podia
ouvir a sua voz ao telefone
E até ouvir o barulho de um beijo estalado
Doce barulho
Falávamos horas
Uma vez o relógio chegou a marcar três...
Até duvidei,
pois nem senti o tempo passar...
Viva! Chegou o whats app!
Agora falarei e ouvirei sem limites,
Escreverei e lerei também
Tudo em tempo real
Não só para você,
mas para todos os nossos amigos!
Assim pensei que fosse...
Mas o que vejo na minha tela
são sempre mensagens padronizadas
Copiadas e coladas
Escritas e faladas
por alguém que nem sei quem é...
E o pior de tudo
é que vêm como se fossem suas,
Como se fossem também dos nossos amigos,
com a sua identificação, com a identificação deles
Quando as leio,
nunca sei o que é verdade ou mentira
Socorro ME TIRA daqui
ME TIRA...
Sou careta,
Gosto mesmo é de carta
com envelope branco e listrinhas verdes e amarelas...

Salvador/BA



10.
AMOR DE CARNAVAL... (VOCÊ CRÊ?)
Aila Maria Brito


Chegaste, junto ao som do carnaval
Pintando em cores vivas a atmosfera
Como estandarte, a flor, da primavera
Jardim de amor, surgindo em festival

Chegaste, e o amor pintou angelical
Trazendo ao peito, o ritmo da paquera
E ao meu olhar, o encanto que impera
Um coração, com tom especial

Chegaste, como o brilho do luar
Trazendo a luz do amor a me aquecer
E junto ao samba, meu peito a cantar

Canção que a vida, me fez merecer
E assim chegaste amor... como olvidar?
Se o nosso amor, foi belo e pra valer?!

Cocal/PI



11.
HOJE, 8 DE DEZEMBRO DEDICADO A VIRGEM MARIA SANTÍSSIMA, MÃE DE DEUS E NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO
JUREMA - PE - (Minha Terra Natal)
José Otoniel ( IN Memorian)


Ai, ai, ai! … Jurema querida, ferida, sofrida!
Quantos foram aqueles sobre a tua face pisotearam
Quantos que sobre o teu solo gozaram as suas vidas
Quantos que não agradeceram o teu confortável clima, tuas frutas, sombras, e produtos alimentícios
Extraídos do teu sagrado solo de produtivas terras, enfim o teu abrigo
Tuas águas do açude público, a doce da Lajinha e do Cacimbão
Para beber e servir de higiene e tantas outras utilidades?
Lembro com saudades a tua Igreja Matriz, dedicada a Nossa Senhora da Conceição
Tocam febris no meu coração!
Onde fui batizado, crismado e casado religiosamente
Recordo-me das escolas particulares do ABC e do Curso Primário
Muitos e bem muitos sobreviveram graças a tua, no passado, grandiosa Feira Semanal aos sábados Encantavam-se com tuas Festas do Natal e de Fim-de-Ano, sobre o teu solo abençoado
Assim como as tradicionais festas comemoradas conforme ditava o Calendário Anual
Teus filhos, que se amavam... Outros se odiavam
Deste conforto a todos, que em ti habitaram
Outros, para sempre, descansam na tua profunda terra sepultados
Muitos, antes, mudaram-se para outras plagas
A tentar, aventurando-se a outras sortes
Esses, distantes, lembram dos teus encantos
Dos dias vividos na alegria, tristeza ou dor!…
… Venceram!
E recordam, prestando a ti, como tributo
Às épocas desfrutadas em ti!
SALVE JUREMA BENDITA!

Jandira, 11 de setembro de 2015.






ENCERRAMENTO

Hoje, seis de março de 2017, encerra-se mais uma atividade da Ciranda Poética Mensal da CAPPAZ, inspirada na alegria, o descanso e a paz durante o período carnavalesco.
Parabenizamos a todos os poetas da CAPPAZ que participaram e a Coordenadora da Ciranda, a nossa amiga e confreira Diná Fernandes, que através de sua dedicação a CAPPAZ, tem nos provocado com ótimos estímulos à criatividade e ao fazer poético.

Carinhosos abraços a todos,
Roseleide Santana de Farias Silva.
CAPPAZ, Regional Paraíba
Cabedelo-PB.







SELO DE PARTICIPAÇÃO








MÚSICA DE FUNDO

Alegria
Especial para o Cirque du Soleil
Compositor: René Dupéré


Allegria
Come un lampo di vita
Allegria
Come un pazzo gridar
Allegria
Del delittuoso grido
Bella ruggente pena, seren
Come la rabbia di amar
Allegria
Come un assalto di gioia

Allegria
I see a spark of life shining
Allegria
I hear a young minstrel sing
Allegria
Beautiful roaring scream
Of joy and sorrow
so extreme
There is a love in me raging
Allegria
A joyous, magical feeling

Allegria
Come un lampo di vita
Allegria
Come un pazzo gridar
Allegria

Del delittuoso grido
Bella ruggente pena, seren
Come la rabbia di amar
Allegria
Come un assalto di gioia
Del delittuoso grido

Bella ruggente pena, seren
Come la rabbia di amar
Allegria
Come un assalto di gioia

Allegria
Como la luz de la vida
Allegria
Como un payaso que grita
Allegria
Del estupendo grito
De la tristeza loca
Serena
Como la rabbia de amar
Allegria
Como un asalto de felicidad

Del estupendo grito
De la tristeza loca
Serena
Como la rabbia de amar
Allegria
Como un asalto de felicidad

There is a love in me raging
Allegria
A joyous, magical feeling


Alegria
Como um raio de vida
Alegria
Como um louco a gritar
Alegria
De um delituoso grito
Duma triste pena, serena
Como uma fúria de amar
Alegria
Como um assalto de felicidade

Alegria
Vejo uma faísca de vida brilhando
Alegria
Eu ouço um jovem menestrel cantando
Alegria
Belo grito rujir
De alegria e tristeza
Tão extremo
Um amor furioso em mim
Alegria
Um feliz e mágico sentimentos

Alegria
Como um raio de vida
Alegria
Como um louco a gritar
Alegria

De um delituoso grito
Duma triste pena, serena
Como uma fúria de amar
Alegria
Como um assalto de felicidade
De um delituoso grito

Duma triste pena, serena
Como uma fúria de amar
Alegria
Como um assalto de felicidade

Alegria
Como a luz da vida
Alegria
Como um palhaço que grita
Alegria
De um estupendo grito
De uma tristeza louca
serena
Como a raiva de amar
Alegria
Como um assalto de felicidade

De um estupendo grito
De uma tristeza louca
serena
Como a raiva de amar
Alegria
Como um assalto de felicidade

Um amor furioso em mim
Alegria
Um feliz e mágico sentimento













|| Página Inicial | Voltar | Livro de Visitas ||




Arte e Formatação Rosângela Coelho
Exclusivo para CAPPAZ - Confraria Artistas e Poetas pela Paz
Todos os direitos reservados