INTRODUÇÃO

Ao ser convidado para fazer a abertura da Ciranda “9 Anos CAPPAZ – Jubileu de Cerâmica ou Vime” – traço estes rápidos fragmentos de memórias da quente tarde de 9 de Abril, de 2008, quando a Confraria foi fundada, em Porto Alegre/RS. Ao mesmo tempo, convido a todos – confrades e confreiras – que teçam, também, versos e prosas sobre esta bela e significativa data para todos nós. Nós que seguimos as Pegadas das Sandálias de São Francisco de Assis, não só em nome do Lema de Paz e Bem, mas buscando praticar esse Lema – sobre o qual se assentam, tão bem, os Princípios Morais, Fraternos e de Igualdade, da CAPPAZ.


Tons de Outono e a CAPPAZ...

Cá, pra mim, também, nada acontece por acaso. Acontece por uma causa, ou por várias. Tal crença é válida, portanto, quando recordo que a CAPPAZ nasceu no Outono e no mês de Abril. E, tanto Outono quanto Abril, tem significado especial, para mim. Todavia, tal significado é de origem espiritual, pois encarnam aquilo que a gente não sabe explicar. Não sabe porque não pode. Claro, o Outono tem aqueles tons e sobretons poéticos que inspiram o coração do poeta e encantam sua Alma – Etérea e Sonhadora... Desde menino, li que o Outono é a Estação dos Poetas, Escritores, Pintores, Compositores... Concordo. E, apesar de ter nascido num verão, e vivido e revivido as Quatro Estações que Deus distribuiu no Planeta-Azul, sei que o Outono já nasceu, comigo... dentro de mim. O Outono e o Inverno – com certeza! Eis que, para minh’Alma e meus Sentires, o Outono simboliza a Beleza e o Mistério da Transmutação da Vida, e o Inverno simboliza a Beleza do Aconchego no outro... Podendo o outro ser uma pessoa ou um bichinho – é claro. Enfim, nesta filosofia diária com que discuto, tacitamente, com meus pacientes botões, posso afirmar que a CAPPAZ nasceu bem nascida, na Estação em que nasceu: o Outono! Afinal, CAPPAZ não significa “Confraria Artistas e Poetas pela Paz”?

Hoje e sempre – enquanto eu estiver caminhando neste Plano Terreno – hão de me aflorar, à memória, doces Lembranças da fundação da Confraria, ao murmurar das águas do Guaíba, naquela tarde quente e ensolarada de 9 de Abril de 2008. Lá, rodeado por Mãe-Natureza e por pássaros cantores, o Amor, o Idealismo, a Coragem e a Paz-e-Bem franciscanos foram Cúmplices fiéis e devotados que, de mãos dadas, confundiram-se com os alicerces sobre os quais se assentaram Sonhos e Ideais: no rumo das Coisas Fraternas do coração e dos Sentimentos Generosos da Alma! Carrego, sempre, aquela tarde, comigo. Com suas Luzes e com suas Sombras – eis que entendo a Vida como um fero, intrincado e belo Jogo de Sombra e Luz! (Diuturno e complexo Aprendizado!)

Os 9 anos da CAPPAZ marcam mais um passo importante da CAPPAZ – na busca do fortalecimento de Ideais de Paz e de Amor à Natureza e aos nossos tão sofridos e desprotegidos irmãos animais, ou seja: na Luta Pacífica pela salvação de nosso maltratado Planeta-Azul! Se os homens poderosos do Mundo tivessem olhos-de-ver a Beleza Universal deste Poema, deste Óleo-Sobre-Tela e deste Cântico que DEUS nos oferece, todos os dias, por certo o Planeta estaria a salvo e os animais seriam respeitados! Entretanto, parece-me que esse Homem-Melhor ainda não nasceu – lamentavelmente! Quem sabe, nesta Utopia maluca que me move, esse Homem-Melhor já esteja a caminho... Quem sabe?

Com meu franciscano abraço – sempre!
J.J. Oliveira Gonçalves/JJotaPoeta/CAPPAZ.

Porto Alegre, 16 de Abril/2017. 15h
jjotapoesia@gmail.com – www.cappaz.com.br






PARTICIPANTES (Índice)

01- Aila Brito (05)
02- Carlos Reinaldo de Souza (09)
03- Deomídio Macêdo (11)
04- Eda Bridi (12)
05- Fátima Peixoto (13)
06- Fernando Alberto Salinas Couto (10)
07- João José Oliveira Gonçalves (16)
08- José Pereira da Silva (08)
09- Josue Ramiro Ramalho (03)
10- Joyce Lima Krischke (06)
11- Marcelo de Oliveira Souza (02)
12- Marina Martinez (17)
13- Nena Sarti (04)
14- Roseleide Santana de Farias (07)
15- Varenka de Fátima Araújo (14)
16- Vera Lucia Passos Souza (01)
17- Vera Trindade (15)





PARTICIPAÇÕES

-01-
9 ANOS
Vera Passos


Passamos em todos os cantos, pássaros viajantes
Foi-se o deserto por quarenta anos
Vão-se as guerras, há milhares de tempos
As dores esvaem-se
O sofrimento, a escravidão, a segregação.
Foram-se os dias da infância
As esperanças estão semeadas no peito
Regamos a alma que nos conduz
Vida afora enlaçados aos amigos
Cercados das lutas e da luz
O amor companheiro dileto, nos seduz
Nos afasta do chão , apaga o breu
Dentro de nós mergulha a PAZ
Os anjos do Universo
Investem nos versos
Dos artistas CAPPAZes.

Salvador/BA



-02-
Outono e Cappaz
Marcelo de Oliveira Souza


Quando estamos com sono
Relutamos a acordar
Depois de uma festa intensa
Custa levantar,
A vida tem dessas coisas
Para a gente recordar
A primeira namorada,
O beijo furtivo,
De uma forma desvairada

Tudo é bonito
Com a alma iluminada
Assim surgiu a Cappaz
Valorizando a paz
Encanteime-me a sonhar
Um mundo perfeito
Na arte de rimar.
Depois de um lindo verão
Puz-me a acordar
O outono com sua beleza
Veio nos presentear
Com essa entidade de letras
Que nos faz fluturar!

Salvador/BA



-03-
Mundo CAPPAZ
Josue Ramiro Ramalho


Clique na imagem para ampliar.



Salvador/BA



-04-
Bodas de cerâmica ou vime
Nena Sarti


Nove anos juntos com cappacidade e maleabilidade,
Resistência às agruras e às intemperes do tempo.
Um casamento de mentes e ideias parecidas
Onde o poema faz formas e informam as nações
De que a amizade é necessária e possível.
Assim como a cerâmica é submetida
A altas temperaturas e manuseada
Com cuidados representando ainda
Assim a delicadeza,
Em cestos de vime as palavras
Permanecem maleáveis
Para em rede anunciarem
A PAZ!

Campo Grande/MS-2017



-05-
- Tons de Outono e a Cappaz -
Aila Brito


Chegou abril; surgiu a ideia, em tons outonais -
[Confraria CAPPAZ!
Convidativos à renovação, poéticos corações,
Entregaram-se, mormente, à paz e bem.
De mãos dadas, artistas e poetas, exprimem
maturidade, e unidos festejam bodas de vime!]
[Salve!
Ó, estação dos poetas! Tudo é beleza em teu olhar:
Árvores decíduas, nostálgicas, inspiram;
- Do verde ao amarelar das folhagens,
do marrom ao seu quedar - mutações de corprimeiro,
que vem como doce brisa, encantar almas,
Desfolhar ilusões... Inspirar o amor.
Alegria... Alegria...!
Nasceu sob o olhar atento dos poetas,
E entre os braços dos artistas,
“Confraria artistas e poetas pela paz - CAPPAZ”
Hoje, nove anos de existência - PARABÉNS!

Cocal/PI



-06-
JUBILEU NOVE ANOS CAPPAZ *
Joyce Lima Krischke (Presidente fundadora licenciada)


Por ocasião do nono ano de fundação da Confraria Artistas e Poetas pela Paz- CAPPAZ- comemoramos o Jubileu de Cerâmica e de Vime, esses elementos foram os escolhidos para esta comemoração jubilar por serem materiais resistentes e delicados ao mesmo tempo, representando bem ambos os lados do funcionamento da CAPPAZ.
O Vime é um material maleável, e maleabilidade é sempre necessária durante o funcionamento da CAPPAZ, e significa também resistência. Ao chegarmos ao Jubileu de Cerâmica e Vime, percebemos que a CAPPAZ já está resistente, e que já enfrentou chuvas, trovoadas e também, floradas e luares mágicos.

A Cerâmica também é colocada como símbolo de resistência. Ela é submetida a altas temperaturas, mas mesmo com todo esse calor, ela representa delicadeza, e deve ser manuseada com muito cuidado, e é com essa cautela simbólica que a CAPPAZ deverá continuar suas atividades.

Vime e Cerâmica, são colocados como destaques característicos desse Jubileu, para que a CAPPAZ se espalhe pelo mundo distribuindo Paz e bem, resistindo aos ventos contrários, resistindo e aos vendáveis no decurso do tempo, com delicadeza, muita paz e amor.
Paz e Bem sempre!


Porto Alegre, 24 de abril/ 2017-06h28min



-07-
"9 Anos CAPPAZ - Jubileu de Cerâmica ou Vime"
Roseleide Santana de Farias


Jubileu de Cerâmica ou Vime em tempo de Páscoa.
Unidos comemoremos os nove anos alusivos ao nascer
Benéfico da Confraria de Artistas e Poetas pela Paz.
Inesquecível porque entre nós há de permear-se a busca,
Lenitivos e alegrias dos belos encontros poéticos
Entre os confrades estimulados ao amor e à misericórdia,
Unção necessária ao Bem, estímulos às adesões e amizades.

Desenvolver a compreensão e a fraternidade nos corações
Estimula á criatividade de um ser que fluirá feito sol de verão.

Centrados nos dediquemos á este apoio e as oportunidades,
Excelentes do projeto das Cirandas Mensais CAPPAZ.
Riquezas nós encontramos nas inspirações aos poemas,
As almas se enriquecendo com os fachos de luz.
Menções honrosas aos temas que nos elevam aos primores
Icones da poesia em seus testemunhos patrióticos de vida,
Coragem, fé e ideologias libertárias, têm nos proporcionado
Admiração, conhecimentos ás belezas da criatividade poética.

Onde estamos neste mundo de violência, agonia e corrupção,
Unidos nós estejamos com mãos entrelaçadas ao amor e á união.

Venhamos todos nessas Cirandas velejar, rimar, sonhar, cantar...!
Incensos sejam derramados sobre os poemas que ao nascer serão
Miríades de estrelas e pontos de luz ao mundo hostil, e que nesse
Entrelaço de amizades, poesias, esperança ao amor e a Paz,

Sejam aprimoramentos á vida e ao nosso belo país!


Cabedelo/PB



-08-
Aos nove anos da CAPPAZ
José Pereira da Silva


Ser CAPPAZ de aprender
Ser CAPPAZ de perdoar
Ser CAPPAZ de dar amor
Ser CAPPAZ de amar.

Ser CAPPAZ é o que procuro
Nessa vida não enfraquecer
Com esperança, fé e gratidão
Agradecer á você.

Ser CAPPAZ é absorver
O incentivo á cultura
E mensalmente
Sentir o prazer de escrever.

Para o crescimento de um ser
É preciso se dedicar, ser capaz,
Para aquele fruto ser saudável
E boa semente germinar.

Ser CAPPAZ é uma filosofia
Onde as diferenças é preciso vencer
Vamos viver em harmonia
Para na vida termos prazer.

Parabéns á CAPPAZ
A sua ideologia que nos estimula
Ternura, beleza, poesia
No mundo carente de paz e boa cultura.

Cabedelo/PB



-09-

A Cappaz passo a passo
Carlos Reinaldo de Souza


O teu passado é de glórias,
teu caminhar, destemido,
encerra muitas vitórias,
derrotas não tens sofrido.

Tu foste sempre altaneira,
nas lutas foste audaz,
em tudo és a primeira,
prova que tu és capaz.

Nós orgulhamos de ti,
do teu presente pujante,
com a graça de um colibri
e teu jeitinho atuante.

Tens o perfume das flores,
do coração, a ternura,
que afasta todas as dores,
trazendo amor e candura.

Quem te conhece um dia,
de ti não esquece jamais,
passa a viver com alegria,
não tem mais dores nem ais.

É muito bom ser Cappaz,
para cantar e prosar,
fazer poemas de paz
viver a vida e sonhar.

Aos meus irmãos mui queridos,
eu digo, com emoção,
a vida tem três sentidos,
a paz, o bem e a união.

Por fim, então, meus amigos,
vou algo mais lhes dizer,
tem a Cappaz os abrigos,
que a todos vão proteger.

Termino, pois, nove trovas,
saudando a nossa Cappaz,
são nove anos de provas,
nesta cruzada de Paz!

Conselheiro Lafaiete/MG



-10-
NOVE ANOS DE CAPPAZ
Fernando Alberto Salinas Couto


Em Porto Alegre, cidade alegria,
exatamente, nove anos atrás,
paladinos de toda arte e poesia
fizeram do sonho uma realidade.
Confraria Artistas e Poetas pela Paz,
um lindo exemplo de prosperidade.

Foi naquele comecinho de outono
que, inspirados, em mesmos ideais,
homens e mulheres, iluminados
criaram esse grupo tão fraterno
que vejo crescendo mais e mais,
por integrantes sempre abençoados.

É por isso que eu quero deixar aqui
gratidão pela confraria que conheci...
Eu agradeço por tudo que ela já fez
e agradeço só por existir, ó CAPPAZ.

Rio de Janeiro/RJ, 20/04/17



-11-
JUBILEU DE CERÂMICA
Deomídio Macêdo


A nomenclatura traduz a importância da Confraria CAPPAZ.
Nove anos se passaram de versos, prosas, contos... numa conquista de ternura e amor.
O berço da gestação poética, cintila desde abril de 98 para todo o Brasil e o mundo, a arte brasileira no canal CAPPAZ, que propõe a Paz e o Bem para o planeta azul.
Artistas, poetas, poetisas!
Vamos cantar:
“Parabéns a você”!
“Ciranda, cirandinha, vamos todos cirandar”!
“É pique! é pique! É pique! É hora! É hora! É hora! Ra tim bum!
CAPPAZ! CAPPAZ! CAPPAZ!
JUBILEU DE CERÂMICA OU VIME!
A VOCÊ NOSSOS PARABÉNS!

Salvador/BA



-12-
CAPPAZ - NOVE ANOS
Eda Bridi


Cerâmica e Vime, Bodas delicadeza pura qual poema!
Alvissareiros festejemos essa data, pelo Bem e pela Paz!
Parabéns a você, Joyce, amada presidente fundadora!
Poesia nos une, confrades e confreiras, na alegria.
Arte, arranjo de letras em versos, revela nossos sentimentos,
Zelando e cultivando o belo, todos, em harmonia.


Sobradinho/RS



-13-
Parabéns CAPPAZ !
Fátima Peixoto


Um amigo me apresentou
A CAPPAZ , paz e amor,
Durante esses anos,
Meu coração conquistou,

Conheço muita gente decente
De vários estados do Brasil,
Deixei o meu Nordeste
Fui bater no Sul do país

No estado de Santa Catarina
Lá em Balneário Camboriú
Fui muito bem recebida,
Que só saudade deixou

Conheci a Fundadora,
Dra Joyce mulher guerreira,
Parece até ser nordestina,
Pra ter tanta garra nas veias.

Depois mais um lançamento,
Esse foi lá na Bahia,
Ficou gravado no peito,
Os momentos poesias.

Sentir abraço apertado,
Agora pessoalmente,
Troca de calor humano
Que anima a alma da gente.

As amizades cresceram,
Um dia também recebemos.
Esses poetas renomados,
Orgulho para nossa Cabedelo.

Cabedelo/PB



-14-
9 Anos Cappaz
Varenka de Fátima Araújo


Ah! Cappaz sobre seus anos
Quanto é difícil a subida nas montanhas
Salve, poeta e organizadores
Umas palavras que eles proferem
Paz, harmonia, natureza, amizades e muito mais...
E, servem para acalentarem
Seguem na jornada, ardorosos
Derrama, suas palavras nas Cirandas
São nove anos de existência com dedicação
Para a Cappaz chuvas de palmas.

Salvador/BA



-15-
A Arte da Paz
Vera Trindade


É o traço angular da sementeira do bem
Onde a mais bela flor vence os próprios espinhos
Entre rosas e cactos dormem redemoinhos,
Projetando em silêncio suas cantatas do além.

E assim a guerra feia não vinga, não vem...
Quando a paz é graveto a construir belos ninhos
E faz o homem cantar o canto dos passarinhos
E faz o mundo abraçar seus rivais, seus vizinhos.

Pois é lírio sem canteiro, é um novelo de lã.
Deixa, ó paz, o teu sopro nesta vida fugaz!
Deixa aqui o teu rastro nesta terra pouco sã.

E a ti perguntarei: o que há em mim que te apraz?
Sendo tu caminho e luz e meu sol da manhã
Não há duas alternativas, é receber-te e ser Cappaz.

Salvador/BA



-16-
CAPPAZ - 9 Anos!
J.J. Oliveira Gonçalves


Há 9 anos, no dia 9 de Abril, nascia a CAPPAZ. E nascia bem nascida, bem gaúcha. E já com um sabor lírico, romântico: ao marulhar das águas do Guaíba. E nascia, ainda, sob um toque sutil: o toque da própria brisa que vinha do rio, a contracenar com o Sol brilhante e o forte calor daquela tarde. Embora o Outono já se mostrasse adulto em sua presença, nesta Porto Alegre dos Casais.

9 anos... E cabe, aqui, aquela expressão bem mais antiga do que eu: parece que foi ontem... Pois, é... parece. Mas já se passaram 9 anos. 9 anos tecidos de lutas várias e diárias. Com alegrias, com certeza. E, também, com algumas dificuldades e certos dissabores. Como não sei escrever o que não sinto – e nem padeço do exercício da vaidade e da hipocrisia – posso afirmar que poderiam ter sido de alegrias dobradas. E de dissabores subtraídos. No entanto, também não posso desconhecer que vivemos num mundo terreno – não vivemos num céu. Que a vida é uma dádiva e uma oportunidade – à qual não é dado o devido e ajustado valor. É complexa, eu sei. Mas é nessa complexidade que estão postas as Grandes Lições que devem ser praticadas – e não, apenas, decoradas, como se não tivéssemos o poder do raciocínio e da coragem. (Saber de cor o discurso e não praticá-lo, de nada vale!) Quanto ao bicho-homem, é mister que se volte sobre si, reestude sua figura e reflita sobre seu protagonismo neste Planeta-Azul. Infelizmente, esqueceu-se que tem – mais do que um Dever – uma Missão em sua rápida passagem, por aqui. É preciso que nasça um homem melhor, um homem novo. Todavia, (segundo as Leis do Xamanismo), para que nasça o novo é preciso que se destrua o velho. Que esse “homem-velho” se desapegue de sua mentalidade jurássica. E que se transforme no “homem-novo” que Deus espera e deseja que esse homem seja! Largue da vaidade exacerbada de se crer, realmente, sapiens. Deixe de se vangloriar de que, efetivamente, é ser-humano, quando, na verdade – e ele mesmo sabe – é muito mais ser e muito menos humano! Só assim ele aprenderá a Amar e a Respeitar – verdadeiramente! – a Mãe Natureza e os nossos manos animais! Fora disso, sua palavra será tediosa e repetitiva balela. E sua razão de ser será, apenas, uma triste farsa! A PAZ – tão citada e decantada – não acontecerá, nunca, se o homem não fizer gestos e obras concretas para que ela aconteça. A PAZ será, então, mera e tristonha Utopia! Afinal, o Sonho não pode ser somente o sonho quando dormimos – e que se dissipa quando acordamos. O Devaneio não pode ser somente aquelas vontades, aqueles Desejos, aqueles Sonhos que sonhamos de olhos abertos. E a Utopia não poder ser somente aquele Sonho impossível de realizarmos! Porém, se quisermos viver só de Utopias, o que fazemos, realmente, neste mundo? Para que viemos a este Plano, então? Tão somente para vivermos e morrermos – nada mais? Não teria sentido!

9 de Abril de 2017... Manhã de Domingo de meu Pai Oxalá. O céu estendeu seu poncho cinzento sobre esta Querida (e maltratada!) Porto Alegre destes últimos tempos. Há uma chuvinha fina e intermitente. De vez em quando, algum passarinho dá o ar da graça. Frente ao PC, muitos e díspares pensamentos povoam-me a mente. E há cansaços das tantas andanças pelos Caminhos da Existência! Há uma Bandeira da Cor-da-Alma tremulando no Infinito. No Infinito de meu ser incompreendido e envelhecido de poeta. Entretanto, apesar da Dor Existencial que carrego em minhas entranhas, há, ainda, uma leve e inexplicável Esperança no coração. E uma Sensação de Paz em meu Espírito! Acredito ser a Sensação de que faço o que posso – dentro do que posso e do que me é permitido fazer. Com minhas Vestes Imaginárias de Franciscano: sempre tecendo um Hino de Amor à Mãe-Natureza e aos Irmãos Animais! A Natureza me inspira! Os animais me encantam! São Francisco de Assis me fascina!

Há 9 anos, a Confraria Artistas e Poetas pela Paz nascia. Parabéns, a toda a Família CAPPAZ! Todos somos importantes. Só não o é quem assim não se autoconsiderar. Portanto, todos podemos comemorar mais este aniversário da Confraria: o Nono! Na intenção do coração. Na pureza da Alma. Na Filigrana do Pensamento. Enquanto escrevo estas palavras, a manhã vai chegando ao fim. E esta crônica, também, deixando um Parabéns Especial à nossa Presidente-Fundadora – minha pessoal Amiga Joyce: uma mulher batalhadora, idealista, sábia e humana!

Com meu abraço franciscano, um Brinde à Vida e à CAPPAZ!!


“Minhas palavras são como as Estrelas... Jamais empalidecem!”
(Grande-Chefe Seattle)


Porto Alegre/RS, 09 de Abril/2017. 12h



-17-
BODAS DE VIME
Marina Martinez


Por sua composição delicada, de varas moles e flexíveis, o vime apresenta características de resistência e durabilidade. Pode compor artesanatos e móveis criativos, confortáveis e duradouros. Verga mas dificilmente quebra.

Definição básica mas, no meu entendimento, pertinente à data. Estamos, há tempos, amarrando laços inventivos, aconchegantes e imperecíveis. Por vezes, algumas tristezas nos vergam, mas reagimos e voltamos a juntar letras, verbos e emoções, seguindo adiante, cada um a seu modo. Construímos, reformamos, criamos, desconstruímos, trocamos.

São nove anos disseminando poesia, prosa e sentimentos. Não é pouco!

Para mim, e creio que para muitos confrades, esse é um momento importante, considerando nosso objetivo de três letras e inúmeros significados: PAZ!

Para não cometer indelicadeza, deixando de mencionar pessoas importantes e queridas, quero agradecer à Joyce e ao JJ a oportunidade de mostrar que sou CAPPAZ e de poder me congratular com a Confraria em mais esse evento.


Porto Alegre/RS







Encerramento e Agradecimentos

O sucesso da continuidade do funcionamento da CAPPAZ é fundamentado nas suas finalidades e objetivos de Paz e Bem, preconizados no seu texto Regimental.
“Artigo 11 - A CAPPAZ tem como finalidade principal a promoção da Paz por meio da cultura, contribuindo para a divulgação e desenvolvimento da Cultura de Paz e a produção de conhecimento sobre a temática.
Parágrafo único - As finalidades da CAPPAZ estão vinculadas na operacionalização das idéias e ideais de seus ícones.”
“Artigo 12 - A CAPPAZ objetiva preparar-se, progressivamente, para, no âmbito de sua competência, contribuir com o conhecimento, a divulgação e o desenvolvimento da Cultura de Paz, através da poesia, da literatura e das artes, como elementos de expressão e promoção da Paz no Brasil e no mundo.”
“Parágrafo único - A CAPPAZ, concomitantemente, nas suas ações integradas, objetiva à conscientização da preservação e manutenção dos recursos naturais do meio ambiente, como instrumento de manutenção da vida no Planeta Terra.”


Nossos agradecimentos aos confrades e confreiras da CAPPAZ, que participam efetiva e eficazmente das atividades e ações pazeadoras da Confraria, ESPECIALMENTE DAS PARTICIPAÇÕES NAS CIRANDAS OU ENCONTROS VIRTUAIS MENSAIS, nos termos de seus compromissos assumidos ao ingressar na CAPPAZ.
É através das Cirandas que estamos, diuturnamente, semeando: a semente da Paz que, pouco- a- pouco, brotará aos que lançaram suas palavras em terra fértil, com muita Paz, muito Amor e Fraternidade.

Nossos agradecimentos aos que acolheram o nosso convite para a participação nesta Ciranda, comemorativa dos nove anos de fundação da CAPPAZ a seguir nominados:
Aila Brito, Carlos Reinaldo de Souza, Deomídio Macêdo, Eda Bridi, Fátima Peixoto, Fernando Alberto Salinas Couto, João José Oliveira Gonçalves, José Pereira da Silva, Josue Ramiro Ramalho, Joyce Lima Krischke, Marcelo de Oliveira Souza, Marina Martinez, Nena Sarti, Roseleide Santana de Farias, Varenka de Fátima Araújo, Vera Lúcia Passos Souza e Vera Trindade.

PARABÉNS, CAPPAZ, PELA EDIÇÃO DA 98ª CIRANDA MENSAL!

PARABÉNS, CAPPAZ, PELO TRANSCURSO DE NOVE ANOS DA SUA FUNDAÇÃO!

Balneário Camboriu/SC -08/05/2017

Joyce Lima Krischke
Presidente Fundadora





SELO DE PARTICIPAÇÃO







MÚSICA DE FUNDO

CAPPAZ - FOME DE PAZ
Letra e música: Dido Oliveira

Eu sou CAPPAZ
De fazer um mundo melhor
Eu sou CAPPAZ
Pois eu sei que não estou só
Eu sou CAPPAZ
De enxergar com o coração
Eu sou CAPPAZ
Quando estendo a minha mão

Vamos cuidar do planeta
Vamos buscar solução
Sem guerras, sem mais violência
O mundo precisa é de paz

Eu sou CAPPAZ
De fazer um mundo melhor
Eu sou CAPPAZ
Pois eu sei que não estou só
Eu sou CAPPAZ
De enxergar com o coração
Eu sou CAPPAZ
Quando estendo a minha mão

Quem tem fome de paz, não espera
A fera é mais que voraz
A fome mata mais que a guerra
A omissão também não fica atrás

Eu sou CAPPAZ
De fazer um mundo melhor
Eu sou CAPPAZ
Pois eu sei que não estou só
Eu sou CAPPAZ
De exergar com o coração
Eu sou CAPPAZ
Quando estendo a minha mão




COMENTÁRIOS

Gostou da ciranda?? Então deixe seu comentário abaixo.
Por gentileza somente comentários sobre a ciranda.













|| Página Inicial | Voltar | Livro de Visitas ||



Arte e Formatação Rosângela Coelho
Exclusivo para CAPPAZ - Confraria Artistas e Poetas pela Paz
Todos os direitos reservados