INTRODUÇÃO

Fim de ano com mais Esperança no coração para todos , O natal significa renovação , vida e fé. O que marca o mês de dezembro é a reunião das famílias tradição que está se perdendo aos poucos, não é o presente em si, é lembrar daqueles irmãos que estão por ai sem ter o pão na mesa, sem cama para dormir e sem dignidade para existir. Quando pensamos no natal, pensamos em Jesus e no seu nascimento consequentemente pensamos nos seus ensinamentos. Amar seria conforme Deus menino a lei maior, então o mundo seria bem melhor para todos se olhássemos a nossa volta e parássemos um pouco ainda que um momento essa nossa ciranda torta e abrisse a porta para um mundo menos desigual. Que neste fim de ano, todos façam silêncio um pouco e pensem, não somente problemas e aceitem a vida devagar e busquem a paz que existe em algum lugar em nós. Sim ela existe se compartilharmos a esperança no ato da solidariedade e na felicidade de estar praticando o bem . O natal vem e vem também o amor então plantaremos sementes de compaixão e receberemos um novo ano puro e a renovação da vida se fará em cada dia.
Obrigada pelo convite.

Audelina de Jesus Macieira dos Santos
Confreira Efetiva de Salvador/BA





PARTICIPANTES

01- Aila Brito (08 e 09)
02- Andrade Jorge (49)
03- Carlos Reinaldo de Souza (24, 27 e 44)
04- Celso Corrêa de Freitas (33)
05- Deomídio Macêdo (29)
06- Dilson Ferreira (10 e 11)
07- dinapoetisadapaz (14 e 15)
08- Eda Thereza Piccinin Bridi (50)
09- Eloísa Antunes Maciel (02)
10- Fátima Peixoto (34)
11- Fernanda Esteves (32)
12- Fernando Alberto Salinas Couto (03 e 04)
13- Geraldo Lafayette (42)
14- J.Augusto Silvério (Zito) (48)
15- J.J.Oliveira Gonçalves (36, 37, 38 e 39)
16- Jacira Pereira da Silva (23)
17- José Pereira da Silva (20, 21 e 47)
18- Josue Ramiro Ramalho (12 e 13)
19- Joyce Lima Krischke (25, 26 e 28)
20- Marcelo de Oliveira Souza (01)
21- Mariângela Repolês (16 e 17)
22- Marina Martinez (40 e 41)
23- Nena Sarti (30 e 31)
24- Rosângela da Silveira Coelho (07)
25- Roseleide Santana de Farias Silva (18, 19, 45 e 46)
26- Sílvia Benedetti (35)
27- Tânia Maria de Souza (05)
28- Valter Bitencourt Júnior (06)
29- Vera Passos (22)
30- Vera Trindade (43)





PARTICIPAÇÕES

-01-
A ENERGIA DO FINAL DE ANO!
Marcelo de Oliveira Souza, IWA


Enfim esse ano cheio de provações vai chegando ao fim, onde nosso país está passando por muitas dificuldades, por inúmeros motivos.
A gente parece que está a cada ano disputando uma corrida e quem estiver vivo ou com suas faculdades íntegras é o grande vencedor.
Em todas as esferas a gente vê plantada uma dificuldade e se a gente não pensar realmente que existe um Deus, que tudo isso não é por acaso, a gente também não chega com nossa integridade ao final do ano, cujas as energias positivas vão sendo recarregadas, conseguindo enxergar um mundo que pode melhorar.
Assim é o Natal, nascimento e renovação, onde a esperança num Cristo renascido é a fonte de todo o nosso festejo, sobre o qual também temos que insistir em passar para os nossos descendentes, pois o presente nunca será melhor do que a presença.
A presença do nosso melhor amigo, parente, família... pois o Natal acima de tudo é a fonte de energia que habita em cada um de nós, onde quanto mais repassamos, mais essa energia multiplica-se, nos corações de todos!
Assim desprendo-me um pouco dessa minha energia impregnada nas palavras, desejando mais uma fez um Feliz Natal e um Ano Novo cheio de Paz!


Salvador/BA



-02-
SÚPLICA DE NATAL
UMA ROGATIVA OPORTUNA.
Eloisa Antunes Maciel


Senhor! A Humanidade rememora
A data que relembra o teu Natal...
Evoca, neste dia - desde outrora-
O teu poder sublime e divinal...

Senhor! A poesia admirável
Do teu Natal ressurge a todo ano...
Faz-se lembrança sempre venerável,
E faz-se apelo ao coração profano...

E vem a renovar o chamamento
Que dirigiste para os fariseus...
E lembra que mudaste os sentimentos
De Saulos, Madalenas e Zaqueus...

Renove-se a visão da manjedoura
Em que surgiste para a Humanidade...
E que persista viva -- imourredoura,
Tua lição grandiosa de humildade...

Enfim, que tua mensagem cristalina,
A que legaste para o Mundo Velho,
Ressurja - como aurora matutina
Pela vivência do teu Evangelho!

São Martinho da Serra/RS



-03-
NOSSO NATAL
Fernando Alberto Salinas Couto


Luzes brilham por onde se for,
comunicando a festa vindoura.
Muitos enfeites, como cristal,
lembram que o Nosso Senhor
nasceu em uma manjedoura
e, agora, celebramos o Natal.

Eis que aquela humilde criança,
por rudes estradas percorridas,
seria o mestre da esperança
pra eternidade de nossas vidas.

Rio de Janeiro/RJ – 13/11/17



-04-
MUDANÇA DE ANO
Fernando Alberto Salinas Couto


Assim nós chegamos ao fim.
Mais uma chance, outro ano,
mudando onde se errou.
No palácio ou no botequim,
entre o sagrado e o profano,
o passado não tem mais jeito,
eis que mais um ano acabou.

As estrelas brilham lá fora
e no peito sem mais receios
ideais hão de se apresentar.
Mil sonhos vão renascendo.
Sei que é chegada a hora
de realizar muitos anseios,
pois novo ano vai começar,
com novas chances surgindo.

Rio de Janeiro/RJ – 13/11/17



-05-
A CHEGADA DO MIÚDO
Tânia Maria de Souza


Éramos três gatas velhas: duas de quatro patas; e eu, a de duas.
Eis que, sem esperar, e nem mesmo desejar, surge um menino sapeca, desmilinguido,recém arrancado das tetas da mãe, para tirar nosso sossego...
Ele veio no Natal: miudinho, magricela, tímido, cabia na palma da mão, mas já cheio de personalidade.
Seu nome devia ser “Natalino”. Mas entre Desmilinguido, Magricela, Branquelo e Miúdo, ficou “Miúdo” mesmo.
No início era meio tímido; pudera, com aquele tamanhinho só tinha que ter medo de tudo... Cheio de pulgas, ao lhe dar o primeiro banho, ele se apaixonou por mim: fez seu primeiro ronronar de alegria e eu comecei a me afeiçoar.
Estava combinado que ele seria levado, por uma amiga, a uma pessoa em Joinville. Eu não podia e não queria assumir mais um “filho-gato”...
Porém o tempo passou... Miúdo descobrindo o mundo e minhas fraquezas... Hoje Miúdo virou o homem da casa. Ou melhor, o menino, porque ainda é criança. Até arranhador pra ele brincar eu comprei, coisa que nunca fiz antes...
E assim vão chegando os afetos em nossas vidas: uns a gente busca, outros buscam a gente... Mas o fato é que ter um menino-gato em minha vida – mesmo com todo o trabalho que isso gera –, me traz muita alegria.
Por isso, quero agradecer ao pai do céu por esse presente lindo que Ele me deu no Natal de 2016, e desejar a todos os confrades e confreiras da CAPPAZ, bem como a todos os que estiverem lendo este texto, um FELIZ NATAL, com presentes de vida e amor, tipo esse que recebi no último Natal.


Balneário Camboriú/SC



-06-
MISTÉRIO
Valter Bitencourt Júnior


Exala no hálito
A brisa o frescor!
Há tantas coisas fugidias,
Em um cerco de maltrapilhos…
Neblinas que prendem o ver.
Estar e não estar.
Almas que flutuam
Como algodões
Cada um de nós morreremos
Para nascer de novo.

A vida renasce em Cristo
Em cada Natal!

Salvador/BA



-07-
Natal Curitibano
Rosângela da Silveira Coelho


Clique na imagem para vê-la com todos os detalhes.



Arte Digital utilizando recursos do Corel PaintShop Pro X7
Animação no Animation Shop Pro
Tutorial: Silvia Terêncio
Foto do Palácio Avenida em Curitiba/PR por Rosângela Coelho
Tubes diversos sem menção de autoria

Curitiba/PR



-08-
O NATAL E EU!
Aila Brito


Palavras... Meras palavras!
Anseio por sensibilidade;
Inspiro, cerro os olhos,
Sorvo minh’alma.
Empresto meus punhos,
Sou sentimento...!
Vem aqui de dentro,
Toda minh’emoção!
Sou EU, no meu SENHOR;
Meu SENHOR, que habita em mim...!
Não trago mirra, ouro, incenso;
Mas trago um ‘amor’
Latente... Não tenso;
Tranquilo... Por Cristo,
Irmão, Pai e Senhor!

Cocal/PI



-09-
Mensagens:


- Que neste Natal, possamos refletir nossas atitudes enquanto cristãos e filhos do mesmo PAI; herdeiros do mais belo e puro sentimento - AMOR. Que nossas palavras sejam transformadas em ações silenciosas; promovedora de paz e de esperança.

- Que nossos corações estejam abertos e revestidos do amor de Cristo, na prática solidária para com o irmão, e os meros presentes, sejam anseios secundários.

- Cristo nasceu; e com Ele, todo o amor, a bondade, a humildade... Que façamos jus à sua semelhança!

- Que este Novo Ano de 2018, nos conduza à sensatez, para que através do equilíbrio, possamos encontrar meios de alcançar a paz. E que não nos falte sobretudo, a fé, por meio da qual encontramos forças para suportar e superar dores, tristezas, decepções...!

Lembrem-se: "Deus é maior, do que tudo que nos acontece"!

Doe esperança e amor!

Feliz natal e Feliz Ano Novo!!!


Grande abraço a todos,

Aila Brito
Confreira efetiva de Cocal/PI



-10-
Dilson Ferreira da Silva


"Paz é a generosidade, e ter graça é
compreender o verdadeiro significado
de natal."
(Calvin Coolidge)


D E Z E M B R A N D O !

Agora, o pássaro canta tristemente
Arrancaram a sua árvore e seu ninho
Assim, também mataram seu filhotinho;
Meu Deus, quando é que vai mudar essa gente?

Agora, o planeta se acha perdidinho
Caos, crise, terror, morte, tão simplesmente,
O bom homem essa tribulação sente
E pergunta a Deus: - Pai, qual é o caminho?

Dezembro roxo, negro, qual seja a cor...
Natal chegando pra se doar o amor
Mas, quem está atento pra cristandade?

E a criança na sua carta de papel
Não pediu brinquedos a Papai Noel...
E sim, tão somente, PAZ pra humanidade.

08/12/2016 - DILSON/SPVA/NATAL/RN.



-11-
Dilson Ferreira da Silva


"Maior que a tristeza de não
haver vencido é a vergonha
de não ter lutado!"
(Rui Barbosa)


POEMINHA DA HORA!

Hora de pescar:
Não peixes... Não!
Pescar homens
De boa vontade
Para o caminho
Da verdade

Hora de matar:
Homens não... Nem animais!
Hora de matar a fome
De amar o homem
Fome de ler
Fome de escrever

Hora de festejar:
Não o novo "salário-mínimo"!
Mas, um feliz natal, então
Um próspero ano-novo
Muita paz e pão
Pro povo!!!

16/12/2016 - Dilson/Natal/RN.



-12-
NATAL DE MINHA INFANCIA
Josue Ramiro Ramalho


Quando comecei a entender as coisas, e já se vão muitos anos, foi ainda em tenra idade lá na cidade de Penedo, beira do São Francisco, divisa das Alagoas com o estado de Sergipe. Eu não conhecia Shopping Center, não ouvia ninguem falar em comprar chocolates, nem se falava em roubos, corrupção nem inflação. Também desconhecia a incidência de mendicância nas ruas ou praças da cidade. Lembro bem que todo alvoroço que se formava nas festas natalinas era para inaugurar roupa nova na igreja ou no parque montado na praça a beira do Rio. E para mim, a maior atração era a roda gigante. Como era bonito ver a cidade lá do alto! As luzes coloridas cercando todo o parque. As pessoas ficavam pequenas, vistas lá de cima. Mas tudo girava em torno da missa na igreja matriz. Depois da missa todo mundo podia tudo. Mas o melhor de tudo mesmo, era o que chamávamos a hora da"santa ceia". Que frase maravilhosa! Ainda hoje lembro com tanta euforia que me dá água na boca. Como minha familia era numerosa e, por maior que fosse a mesa, não cabia todo mundo, então se divida em duas ou três rodadas. Os mais novos, os adolescentes e os adultos. Eu era dos primeiros a saciar a fome. Mas ninguem reclamava pois tudo era abastado. Muita comida, muitas frutas, muita coisa boa? Que tempos bons! Natal sempre trouxe aos povos um espírito de paz e amor. Hoje, quando vejo o corre corre para se montar árvores de natal, para se comprar tudo nos diversos shoppings centers, o medo dos assaltos estampados nas pessoas pelas ruas, os preços explodindo nos supermercados, e os pobres, milhões de pobres, estendendo as mãos a mendigar pelas ruas, praças e avenidas... Bem, os tempos passaram, os tempos agora são outros. Mas o que é mais importante, é que o espírito natalino, esse continua em todos os corações e, (ainda bem), em todas as épocas de natal.


Salvador/BA



-13-
NATAL É TEMPO DE REPENSAR
Josue Ramiro Ramalho


Enquanto os sinos dobram nas torres
E toda cidade alegre festeja
Muitos se põem ao redor da mesa
Enquanto outros sofrem todas as dores

O natal parece que chega vibrante
Trazendo delicadas alegrias
Embebendo a todos, doces cantantes
Com felicidades de tão belos dias

Sim! Natal é tempo de se repensar
Acolher a todos que irão precisar
Das nossas melhores bonificações

A paz e o amor devemos sempre pregar
Aos mais carentes temos que ajudar
Confraternizando outras grandes ações

Salvador/BA



-14-
Natal
dinapoetisadapaz


Quando chega dezembro,
as ruas ganham novo colorido.
Nos lares, a euforia e o espírito natalino se faz presente.
mas é preciso que a euforia contagie os corações, pois
o mundo se prepara para o esperado e grande dia,
o aniversário do nosso “Deus Menino”.

É tempo de manifestação de FÈ,
de Renascimento, de Amor e Fraternidade.

Quisera Senhor, que todas as manifestações proclamadas,
No período natalino estenda-se por todos os dias,
que o homem violento aplaque a sua ira,
e entenda que a Paz é o nosso maior bem,
que a indiferença seja esquecida dos corações insensíveis,
e os laços de união fortalecidos entre as famílias e amigos.
Com mais amor nos corações, é possível termos um mundo melhor.

Feliz Natal pleno de Amor e Partilha.
Paz e Bem!

Várzea/PB



-15-
Feliz Ano Novo
dinapoetisadapaz


Brindemos todos o único motivo... A vida!!

Ano Velho, como o sol no horizonte, declina
para renascer prenhe de sonho e esperança.
Novos doze meses virão, assim, Deus determina.

E ao nascer do novo ano, clamemos por Paz e Amor,
Buscar o belo que nos rodeia escondido nas retinas...
É preciso refletir; avaliar os erros e se fazer pastor;

Pesar as ações, isentar com segurança o que declina
a Fé, Fraternidade, Harmonia, Sonhos e Esperança.
É com otimismo e coragem que o homem determina,

Redesenha uma nova tela tendo como arte final, o Amor.

Várzea/PB



-16-
Obrigada, meu Jesus
Mariângela Repolês


Reconheço Tua presença em rios
Tuas mãos santas e Teus olhos tão pios
amamentando ventos do caminho
secando lagrima de um menino.

Ah… conheço Teu amor reiterado
pela terra e pelo céu constelado
sem reservas e com tanta ternura
destinado a morrer sem amargura.

Em azul imóvel reino de paz
de Teu universo estrela fugaz
canta aura de luz por Tua presença.

Oh Deus meu! O Senhor do firmamento
que nascestes em dezembro opulento:
graças dou por Tua complacência.

Alvinópolis/MG



-17-
¡Gracias mi Jesús!
Mariângela Repolês


Reconozco Tu presencia en los ríos
Tus manos santas y Tus ojos tan píos
amamantando vientos del camino
secando la lagrima de un niño.

Ah… conozco Tu amor reiterado
por la tierra y por cielo constelado
sin reservas y con tanta ternura
destinado a morir sin amargura.

En azul inmóvil reino de paz
de Tu universo estrella fugaz
canta aura de luz por Tu presencia

¡Oh Dios mío! El Señor del firmamento
que naciste en un diciembre opulento:
gracias doy por Tu complacencia.

Alvinópolis/MG



-18-
Período Natalino*
Roseleide Santana de Farias Silva


Aproxima-se o Natal
Sinto cheirinhos, sabores
Doce energia se aproxima
Nessa beleza das cores.

Já vejo luzes multicoloridas
Minhas flores também se alegram
Com a chegança do verão
Se mesclando com a primavera.

Bem vindo seja o Natal
Que permaneça eterno no coração
Os familiares e os amigos
A agradecer, louvar, rogar proteção.

Não nos importa se foi neste dia
O nascimento do menino Jesus,
Mas a Sua mensagem de fé, alegria,
Trazida em vida e em sua dor na Cruz.

*texto inédito

Cabedelo/PB



-19-
IMAGENS DO NATAL
Roseleide Santana de Farias Silva


Imagens do Natal são diversas,
Memórias antigas no tempo
Ativadas a cada sino que toca
Glorificando á Deus á cada momento.
Enfeites, regalos na boca e no peito,
Notas musicais alegres ou tristes,
Selando o nosso pacto com o Advento.

Doe saber que a fome e a violência,
O medo e o abandono campeiam nos lares.

Natal simboliza sofrimentos, privações, alegrias.
Ao bom José e Maria as fugas nas perseguições.
Tempo de dor, violência, morte, a fé me torne forte
A não enlouquecer perdida, e abraço a esperança,
Lembro Jesus, exemplo e Vida vencendo a morte.


Cabedelo/PB



-20-
O NATAL*
José Pereira da Silva


É Natal de paz, amor, harmonia,
Solidariedade e fé.
Dividir com o irmão a alegria,
Mais amor aos idosos e à mulher.

É Natal de renovação, esperanças,
Presépios e ornamentação,
Mais amor para as crianças,
Alegria vibrando no coração.

Natal de fogos e de luz,
Sorrisos e compaixão,
A espera do mesmo Jesus
Que traz ao povo salvação.

Natal das festas e das flores,
Dos abraços e o dar às mãos
Em confraternização social,
Em verdadeira gratidão.

Natal do céu azul estrelado,
Da boa nova, “Anunciação”!
Do nascimento do menino Jesus,
Que traz amor entre irmãos.

*texto inédito

Cabedelo/PB



-21-
Rogativa de Natal
José Pereira da Silva


Senhor...
Na esperança de ver um natal com amor,
Harmonia, misericórdia e paz,
Eu peço em nome do Pai,
Do Filho e do espírito Santo,
Derrama as Tuas bênçãos
Nas famílias e no jovem infrator!

Senhor...
Alivie as dores dos que estão nos hospitais,
Ampare as crianças que sofrem
Com câncer ou a paralisia,
E os que nasceram doentes
Com a microcefalia!

Socorre Senhor
Os refugiados da guerra,
Que pela ambição do poder
Lhes foi tirado os direitos
Á moradia e a terra!

Senhor...
Que no aniversário
Do nascimento do menino Jesus,
A esperança e o amor
Se renovem na fé
Desse povo trabalhador!

É Natal...
Tempo de abrir o coração
E estender as mãos
Que constroem, curam, ensinam,
Plantam, colhem o trigo, o pão
E partilham doação!

Cabedelo/PB



-22-
Seria o meu Natal
Vera Passos


Seria Natal diferente de tudo que se pensa
Seres dos mais distantes rincões, dos mares diversos
Adentrando salas sem paredes, mesas imensas
Indo e vindo, como estrelas no Universo

Gente que nem arco íris, enchendo a pança
No rosto, sorriso de esperança
O mau ganhando distância
Sobrando respeito, trabalho e bonança

Seria um Natal multicor
A alegria dominando as praças
Sem filas para sobreviver
Sem guerras, sem dores, sem pirraças...

Seria num País independente
Recheado de gente decente
Escolas lançando sementes
De gente que ama gente

Independente da cor, da raça, do que pensa
O homem adquire Ciência,
Carrega sabedoria, faz renascer a harmonia
No acúmulo das experiências
Se meu Natal tornasse realidade
Seria felicidade, um dia, ver todos com nome
Não haveria a violência da corrupção
Nenhum ser humano morreria de fome

Salvador/BA



-23-
RENOVAÇÃO
Jacira Pereira da Silva


E a esperança se renova, é natal!
Um novo ano se aproxima
Desejos e esperanças em cada coração,
O amor renasce e nasce um natal menino,
Sobrevivendo aos instintos medonhos do cotidiano,
Qual mensagem desejar?
O natal é um menino refazendo seu destino,
Dando-nos a chance de olhar para trás
E mudar nossos defeitos, aflorar nossos desejos,
Espalhar amor e paz.

Cabedelo/PB



-24-
Promessa de Natal
Carlos Reinaldo de Souza


Sejas bem-vindo Jesus,
és do universo o Senhor,
ao Céu e à Paz nos conduz,
trazes o Bem e o Amor!

Tu és o Pastor da Esperança,
trazes mensagens de Amor,
ficam em nossa lembrança,
as bênçãos do Criador!

De um berço simples, singelo,
partem lições de valor;
não tens um rico castelo,
mas tens do Céu o esplendor!

E um dia, lá no infinito,
quando a Ti eu encontrar,
levarei muito contrito,
as obras que vou legar.

Enfim, ó Mestre querido,
recebas a gratidão,
do filho, triste e sofrido,
mas certo do teu perdão!

Lafayett/MG



-25-
Presépio
Joyce Lima Krischke




Balneário Camboriú/SC



-26-
Abertura Show Acendimento
Joyce Lima Krischke



https://www.youtube.com/watch?v=CamWxd8XF2w&t=199s

Balneário Camboriú/SC



-27-
JESUS OU PAPAI NOEL?
Carlos Reinaldo de Souza


A figura mágica do Papai Noel enfeita os lares, as ruas e as lojas, em todos os finais de ano. Antes, o culto a este velhinho simpático começava somente em dezembro, nas proximidades do Natal. Hoje, o alarido começa em novembro e as luzes, guirlandas e músicas natalinas invadem as casas, ruas e lojas, num espetáculo surreal. Papais Noeis gordos e magros, com suas longas barbas e sorriso farto, distribuem balas para às crianças que tiram fotos, sentadas em seu colo.
Enquanto isso, a figura de Jesus aparece tímida, às vezes até invisível, aos olhos das pessoas, distraídas com o Papai Noel ou simplesmente fazendo compras, num alvoroço infernal.
Não sou contra a figura do Papai Noel, meu herói da infância até os doze anos, quando descobri que ele não vinha em seu trenó, conduzido por cervos ou corcéis voadores, e entrava na minha casa pela chaminé do fogão à lenha. Foi quando fiquei sabendo que o Papai Noel era o meu próprio pai, que comprava os brinquedos, doces e chocolates, assim como os demais alimentos para a ceia do Natal. Naquela época, aquela doce ilusão se esvaiu do meu pensamento infantil e até chorei, diante da realidade.
Não vou discutir, aqui e agora, se esta competição entre o Papai Noel e Jesus deve continuar. Lembro, apenas, com grande pesar, que o Papai Noel realmente não existe, mas hoje, como antes, sua figura espalhafatosa ainda contrasta com a figura de Jesus, em seu berço humilde, esperando que os adultos e as crianças também o reverenciem.
Será isso possível para a humanidade, hoje em dia?
Será que o consumismo exagerado poderia ceder um pouco de espaço para que possamos nos reunir, elevar preces e destinar alguns minutos de reverência e adoração ao nosso Mestre e Salvador?


Lafayette/MG



-28-
Árvore Cantante
Joyce Lima Krischke



https://br.pinterest.com/pin/241153755030103468/

Balneário Camboriú/SC



-29-
O NATAL DE NINA
Deomídio Macêdo


Imagens natalinas brilham encantando as ruas da cidade.
As lojas repletas de brinquedos na avenida hipnotizam a garota que sonha.
As cenas produzidas em sua cabeça infantil vibram em harmonia nas ondas celebrais.
A criança se aproxima da vidraça e sua imagem refletida no vidro é iluminada pela lua que chora as misérias do mundo.
Lá está Papai Noel com sua roupa e gangorra vermelha, barba branca, sentado no seu trono, dando seu sorriso engraçado, acolhendo as crianças.
A mágica do natal a impulsiona para dentro da loja quase a correr.
Os pés no chão e as roupas simples denunciam sua classe social.
As pessoas passam para lá e para cá, como se ela estivesse invisível.
A menina observa tudo com carinho.
Seus olhos quase saltam das órbitas angelicais ao chegar bem perto de Papai Noel.
Os olhos do bom velhinho cruzam com os olhos encantador de Nina, e uma pergunta surge na cabeça do ator: O que fazer em prol deste anjo
E por um gesto de amor ele a chama com carinho.
Nina corre, numa cena exuberante, e pula no colo do bom velhinho.
O abraço aconchegante entre aquelas personagens chama a atenção dos transeuntes
Principalmente de Júlio o menino que vislumbra a cena ali apresentada.
O garoto cochicha no ouvido da mãe que entende a grandiosidade de seu filho.
Algum tempo depois, Papai Noel entrega a Nina uma linda boneca, desejando-lhe um feliz natal e um prospero ano novo.
Júlio e sua mãe agora sorri alegremente, envolvidos pela luminosidade da lua que feliz abençoa aqueles corações de boa vontade.

Salvador/BA



-30-
“Ábba”
Nena Sarti


Aba Pai!
Estou em ato de submissão,
Entrego minha existência, tensa,
Em nome da minha salvação.
Quero amém e sua licença.
Quando pequenino, sempre divino,
Reis te entregaram presentes estranhos,
Mirra de gosto amargo para um menino?
Talvez adivinhando em ti o lanho.
Incenso perfumado e brando,
Para fumegar tua divindade,
Ouro em sinal de comando
Entendiam da realeza a verdade.
Ábba!
Dá-nos hoje a mirra para passar na dor,
Sobre os que choram, para fechar o corte,
Aos abandonados para sentir o amor,
Encharcar a alma, fazer do fraco um forte.
Renascer nos corações o teu louvor!

Nena Sarti/2017-Campo Grande-Mato Grosso do Sul.



-31-
ANO NOVO PARA O POVO?
Nena Sarti


Essa comemoração não é tão nova como se pensa. Na Babilônia há registro de 2.800 aC, para homenagear a lua nova, ou a lua ressurgir renovada. A 2.000 aC festejavam na Mesopotâmia o novo ciclo da colheita, na primavera, mais ou menos em 23 de setembro. Os Gregos não ficavam para trás e comemoravam entre 21 ou 22 de dezembro. Em Roma acontecia a 753 aC no dia 1º. de março, e em 153 aC em janeiro. E assim caminhava a humanidade. A primeira manifestação com fogos de artifício foram Índia e China. Pular as sete ondas têm apenas 500 anos. Vestir branco apareceu somente em 1970 através do Candomblé, demonstrando na cor a paz e a purificação e entregando flores para a mãe Iemanjá Rainha do mar. E muito mais...

Então, que possamos nos renovar, mais uma vez, nesse ano que está por vir. Vestir branco no corpo, na alma, no espírito. Amar ao seu semelhante. Desejar ondas e ondas de realizações, cantar, dançar, pular, entregar as flores do querer bem à divindade de sua escolha.

Entender que você está vivo, viva, que deseja ser feliz e deixar a natureza cumprir o seu caminhar rumo ao infinito que ninguém conhece, não vê, mas sente quando o sol aponta apresentando mais um dia para ser feliz!

Feliz Ano Novo? Dependerá de você!


Nena Sarti- Campo Grande, Mato Grosso do Sul.



-32-
ADVENTO
Fernanda Esteves


Antecipo-me à morte anunciada
Num advento omisso de natais
É só o reflexo da minha fé cansada
De blasfémias de tantos carnavais

É farto o peru de tantos recheios
Na consoada rica e enfeitada
Lá fora uns olhos comem cheiros
que exalam da chaminé dos telhados

E há muita fome enquanto reza a missa
E o galo canta as 24 badaladas
O olhar triste da freira clarissa
A contrastar com a igreja engalanada

Não há menino num berço de palha
Mas há meus senhores...
Muita pobreza envergonhada!

Setubal/Portugal



-33-
NATAL
Celso Corrêa de Freitas


Natal!
É a natureza sorrindo
Num horizonte de paz.
Natal!
São poemas que anunciam
Um novo tempo,
Fonte de esperanças
Que brotam no coração da gente.

É cantar, é amar
Como o senhor nos ensinou,
É viver, é aprender.
A repartir este amor!

Natal!
É uma mão que se estende
A outra mão estendida.
São olhos que se olham
Com esperanças benditas.
É o peito que se inflama
Na luz que se irradia,
Daquela estrela divina
Que sempre nos guia.

Um feliz Natal, para todos que me rodeiam, que me permitiram nos bons momentos, crescer! E nos maus momentos, refletir para prosseguir!

HO HO HO HO... Que esse sorriso Natalino nos fortaleça em 2018, e que possamos ao longo do próximo ano que já nos bate a porta, fazer a nossa parte no contexto da nossa humanidade.


Praia Grande/SP



-34-
Fátima Peixoto


O natal chegou
O ano 2017 terminando,
Quero encontrar Papai Noel.
Para entregar minha lista de presentes,
Papai Noel será que Sr. pode trazer?
Um saco com paciência,
Quero distribuir com os impacientes,
Que se irritam por qualquer coisa,
Para os que não sabem esperar ...
Um saco de sensibilidade,
Para os que se acham donos do mundo,
E que acham que o dinheiro compra até o amor.
Um saco de afeto,
Para que as pessoas possam se amar mais
Para que se sintam acolhidas, amadas.
Um saco de verdade,
Para os que têm medo de enfrentar a vida,
E vivem escondidos na mentira,
Valorizem a sinceridade
Um saco de bondade
Para que os arrogantes
Para que saibam que precisamos semear o bem,
Um saco de amizade
Para podermos olhar para o nosso irmão com carinho,
Sem discriminação
Um saco de alegria,
Para os que têm a alma triste,
Possam encontrar um sentido para alegrar a vida,
Um saco de justiça,
Para que os que são injustos
Reconheçam que erraram
E peçam desculpas
Um saco de paz,
Para que os povos de todos os países se unam.
Em prol de mundo melhor.
Um saco bem grande de Amor
Para que cada um receba um pouquinho,
E multiplique com todos,
Assim teremos um 2018,
Bem melhor que 2017,
Papai Noel, perdão pelo tamanho da lista.
Vou confessar, vou ficar com um pouquinho de cada saco,
Sou um ser humano que procura melhorar cada dia

Cabedelo/PB



-35-
N A T A L
Silvia Bendetti


Os sinos tangem vibrantes
E os seus sons contagiantes
Anunciam que é Natal!
As casas bem decoradas
Com as ruas iluminadas
Anunciam que é Natal!
São cânticos de esplendores
São presépios com mil cores
Na evocação de Jesus.
São mensagens bem urdidas
E belas palavras ditas
Na evocação de Jesus!
O manto da Paz descerra
Tentando mostrar a Terra
Vivenciando o Natal.
As mesas postas as ceias
Árvores de presentes cheias,
Vivenciando o Natal!
Mas longe da fantasia
Da mentirosa utopia
Há pranto, há muita dor!
Há pobreza que esfomeada
Perambula pela estrada
Meandros do desamor.
Há descalabro e desmando
Tristes males dizimando
Enquanto chega Natal!
Há desvios de dinheiro
Esvaziando o celeiro,
Enquanto chega o Natal!
Natal! quanta hipocrisia
Enquanto a crueza fria
Despreza o ensino cristão,
Que irmana e não discrimina,
Que ajuda, ampara e anima
Na bênção da compreensão!
Meu Deus, se o Natal existe,
Mostra que ainda persiste,
A sementeira do amor !
E que vicejem exemplos
Da caridade nos templos
Do Mestre consolador.
Que haja Natal luzeiro,
Espargindo ao mundo inteiro,
A paz a fé e a razão!
Que haja Natal divino
Com as graças do Deus menino,
Nas sendas da perfeição .

Porto Alegre/RS



-36-
Em Brancas Nuvens...
J.J. Oliveira Gonçalves


Em brancas nuvens, o Natal passou
Em brancas nuvens, triste como eu...
Quantos Natais? Não sei. Nem sei quem sou
Só sei que este, ai, Deus, como doeu!

Neste Natal, o verso se esqueceu
E a Rima a brotar se recusou...
E a Alma, crê: ferida emudeceu
E o coração-poeta se calou!

Neste Natal, acordes de Saudade...
No peito de um menino – ensimesmado
Se esconde um coração despetalado!

Enfim, foi-se o Natal – triste e silente...
Ah, eu? Serei o eterno descontente
Um breve e silencioso fim de tarde!

(4 Ausências há... Recordações...
(Aos olhos meus: Doridas Emoções!)

Porto Alegre/RS



-37-
Feliz Natal!
J.J. Oliveira Gonçalves


  Quando recebi este papel, senti uma Ternura imensa! Meu pensamento voou no Éter do Tempo. A distância se desfez. E o Passado havia voltado. Estava, ali, à minha frente. Vivo. Belo. Intacto. Cenário de minha infância. De minha adolescência. Personagens em carne-e-osso. Com seus sorrisos pintados de alegrias, de otimismos e esperanças. Rostos familiares. Presenças amigas. Crenças de antigamente. Lá, quando os corações eram fraternos. E as Almas eram irmãs... umas das outras! Lá, quando o Tempo de Natal era outro tempo...

Ah, aquela Ternura que senti – e sinto, ainda, enquanto escrevo! – era uma Ternura Antiga. Uma Ternura palpável. Textura de Pétala e Cristal! Quem sabe, eu possa dizer – neste meu jeito maluco de ser e de escrever – uma Textura delicada de Saudade... Aquela Saudade que abraça a gente com braços gentis e mãos macias... E que nos beija com lábios-de-querer... doces e delicados. Ah, aquela Saudade que chega, de mansinho, com o zéfiro sutil e fragrante do entardecer... Desculpem se as Metáforas parecem loucas... Elas não são loucas. Eu é que sou irremediavelmente maluco! Já nasci assim, faz tempos! Tanto... que esta maluquice encaneceu, envelheceu, fez-se caduca...

O cenário pintado neste papel é de uma delicadeza e de uma leveza que se divide entre o singelo e o singular. Entre o espontâneo e o requintado. Aos humildes requintes de minh’Alma? Com certeza, uma Obra-Prima. Quando, adolescente, estudava Literatura, aprendi que Obra-Prima é a que brota da espontaneidade, da singeleza, da inspiração “pura” do artista. Claro, tem que arrebatar nossos Sentidos. Cativar o coração. Emocionar a Alma! Então, fico a pensar em quanto a Mãe-Natureza é pródiga em Obras-Primas! Num jardim, por exemplo: quantas coloridas, delicadas e perfumadas Obras-Primas... (Não é mesmo?)

Bem... Daqui a pouquinho, já é – de novo! – Natal! Jesus-Menino está quase a nascer... Abramos a Porta do Coração e as Janelas da Alma para recebê-Lo! Não somente hoje. Mas, todas as noites e todos os dias de nossas vidas! Ah, o Espírito de Natal não pode durar apenas 24 horas! Ou, então, soará como triste e materialista “slogan” comercial. Recebamos Jesus e Sua Sagrada Família em nossos corações! Montemos um Presépio aconchegante, dentro do peito. Recebamos, nele, os irmãos-animais que receberam e aqueceram Jesus – com o calor de seus corpos e a Mansidão de suas Inocências.


Porto Alegre/RS



-38-
Feliz Natal, Minha Criança-Interior!
J.J. Oliveira Gonçalves


Quando o Natal vai chegando, com ele vão chegando recordações... Chegam os primeiros Natais de minha vida. São alegrias curiosas e inocentes. São vozes na memória dos ouvidos. São cheiros de infantes relembranças. Porque lembranças e relembranças têm cheiros. Têm texturas que permanecem intactas, no Passado! Têm cores divertidas que acenam de um Cenário criado e pintado com esmero, (mas, naturalmente!), com tons verde-e-rosa de cálidas Saudades... Há sons festivos: gritões e buliçosos...

Quando o Natal vem chegando, vêm chegando, com ele, suspiros e Nostalgias – posseiros gentis do coração saudoso... Aves de arribação que vêm pousar nos escaninhos d’Alma... delicadamente. São tantas as cenas nesse cenário de Alegria e de Esperança! Tantos os risos. Tantos os abraços. Tantas as lágrimas molhadas de Emoção! Ah, pretéritos Amores de minha Vida! O Passado se faz tão presente que chego a lembrar de meus 8 anos... E dos Oito Anos de Casemiro de Abreu (que bem poderiam ter sido os meus!): Oh! que saudades que eu tenho/da aurora da minha vida/da minha infância querida/que os anos não trazem mais. Os versos esparramam-se em Sentimentos... cujas rimas contêm, desses Sentimentos, a musicalidade!

Tomado meu coração dessa Nostalgia doce e acariciante que trago, de nascença, escrevo estas palavras que embalam a Alma antiga e, paradoxalmente, ainda criança... Talvez, porque este pequeno texto eu escrevo para Alguém Especial... Alguém que veio a este Plano, comigo, e comigo irá embora, um dia... Para esse Alguém Especial que nunca esqueci, por mais adulto que eu tenha sido, e por mais que me tenham branqueado os cabelos. Esse Alguém Especial é minha Criança-Interior. Ela que, um dia, há de voar, comigo, para corrermos entre a intermitência colorida das Estrelas – sob o argênteo e sorridente olhar da Lua! Eis o Grande Sonho! O Sonho banhado de Azul, Infinito e Liberdade!

Neste Natal, agradeço a Deus pela Criança-Interior que me deu. Que nunca desistiu de mim. E da qual eu nunca esqueci. A ela devo o Poder e a Magia de me enternecer com a Beleza e a Inocência das crianças e dos animais. A ela devo a Alegria de me encantar com a Exuberância, a Generosidade e a Divinal Poesia da Mãe-Natureza!

Feliz Natal, minha Amada Criança-Interior!!
E que o Menino-Deus nos pastoreie o coração e ilumine a Alma!!


"Minhas palavras são como as Estrelas... Jamais empalidecem!"
(Grande-Chefe Seattle)


Porto Alegre/RS



-39-
5 Dores!
(Às Alminhas de “Jandynha, Joujou, Clarita, Polly e Pingo”!)
J.J. Oliveira Gonçalves


Esgrimi cinco vezes contra a Morte
E fui, nas quatro vezes, derrotado!
Perdi o equilíbrio, o chão e o Norte
Quebrei o meu florim de fracassado!

Lutei o Bom Combate: isso eu sei!
Mas isso a frustração não diminui
Que a pobre Alma – em vão! – dilacerei
Vencer o vil Destino: ingênuo fui!

Tombei a cada Morte... Fui ao chão
Ferida a Alma e exangue o coração
Cinco veze morri... de Dor sangrando!

Ah, Tempos de Natal... Do meu Jesus
Que sabe o quão pesada é minha Cruz
Esta que ainda carrego... me arrastando!

Que triste este Natal – sem 5 Amores:
Estrelinhas no Céu... Ai, 5 Dores!

Porto Alegre/RS



-40-
Natal feliz aos homens de má vontade
Marina Martinez


Neste Natal não falarei sobre homens de boa vontade. Muitas pessoas farão isso. Vou dialogar com aqueles de má vontade. Ou com os indiferentes. Por qual razão agem assim? Perderam suas ilusões, seus projetos, a capacidade de distinguir o bem (pessoal) do mal (coletivo)? Em que momento subiram em um pedestal, mirando semelhantes do alto de sua grandeza? Sinto, hoje, pessoas entranhadas em seus umbigos, querendo saber a razão de terem dores no pescoço. Que tudo isso tem a ver com Natal? Tudo! Ou Nada! A expressão ‘homens de boa vontade’ sempre reaparece nessa data. Quase chavão, parece dizer muito, esclarecendo pouco. ‘Paz na Terra aos homens de boa vontade.’ Se eles existem? Creio que sim. Mas acredito serem os de má vontade que gerenciam vidas nesse planeta. Percebo estarem espalhados pelo mundo inteiro, sob as mais diversas formas, desde chefes tribais até presidentes de grandes nações. Talvez um dia tenham tido boa vontade. Quem sabe tenham mudado ao longo de suas vidas ou já nasceram assim. Pouco importa, pois, Natal após Natal, sempre serão notícias. Aos homens de boa vontade, meu respeito. Aos de má vontade, sugiro levantarem os olhos do umbigo e entenderem que a vida não transcorre aos seu pés, mas a sua frente.

Aos homens de boa e má vontade, votos de respeito, desapego e paz!


Porto Alegre/RS



-41-
FIM DE ANO
Marina Martinez


Mais alguns dias e termina oficialmente mais um ano. Finda o ano fiscal, o contábil, o ano ocidental. Quantos outros fins de ano podemos ter, ainda? Quando bater meia-noite, espocarão fogos e champanhes ou qualquer outra bebida para fazer brindes ao ano que chega. Pergunto: e o horário de verão? Na dúvida, brindo duas vezes, abraço de novo meus afetos, renovo meus votos e ratifico meus pedidos feitos na hora arbitrada pelo homem. Existem outros “fins de ano” e me sinto autorizada (e às vezes compelida) a festejar (ou lastimar) qualquer um deles. Por exemplo, o ano novo budista é em fevereiro, se não me engano. O ano astrológico ocorre em março, o ano pessoal inicia um dia após a data de nosso aniversário. Nada me impede de comemorar estes novos anos, pois o que move a alteração do tempo é o que faço com ele e não o que permito que ele faça comigo. Posso, se assim quiser, projetar minhas expectativas a partir do ano novo chinês, por que não?

Quando me digo “autorizada” a festejar ou a fazer rituais de outras pessoas, o faço por direito adquirido pelo respeito por essas passagens, por seus ritos diferentes, mas que buscam sentimentos e emoções similares em todas as partes do mundo e, em especial, por serem difundidos, narrando como outros povos reverenciam sua fé e por perceber caminhos que conduzem a uma Força superior.

Em geral, a base dos rituais de final de ano, não importa a crença, é agradecer, pedir paz, saúde, força, prosperidade, renovar ou reforçar a vontade de ser melhor e de viver em condições dignas. Não importa se tomo banhos purificadores nas águas de algum rio ou mar sagrado, se deito flores e oferendas para seres míticos das águas ou dos ares, se oro em sinagogas ou em basílicas, se estou em um terreiro ou em uma capela simples no meio do campo. Tais lugares são importantes apenas para agregarem grupos de pessoas com crenças comuns, mas se tornam irrelevantes quando cada indivíduo se volta para si e analisa como é, o que faz e o como pretende ser no novo período que inicia.

Cada pessoa soleniza seu “fim de ano” (seja em que data for), em particular, consigo, de modo diferente. Mesmo aqueles que dizem ser apenas um dia após o outro e que nada muda; se assim pensam, pararam para refletir e, se pararam, ocorreu um segundo, quase imperceptível, de diálogo interior. Festas ruidosas em clubes, em família, com amigos, a sós, em retiros, dormindo: todos atravessam essa ponte, pois a cronologia não permite parar os ponteiros do tempo (os dos relógios, sim, mas isso não impede a continuidade da vida). À meia-noite de 31 de dezembro, ou em quaisquer outras datas, brindes, silenciosos ou ruidosos, oferendas, abraços e lágrimas simbolizam ser imprescindível apreender renovações, para que tudo, em especial o Homem, possa permanecer sempre o que foi: um buscador de si.


Porto Alegre/RS



-42-
O MISTÉRIO DO NATAL
Geraldo Lafayette


Os sinos dobram novamente, e tudo se repete
Como num primeiro instante, quando ainda infante,
Vivi o colorido Natal.

Sapatinho atrás da porta, Meias na janela
A esperar o Papai Noel que pela chaminé viria.
Chaminé que em minha casa nem tinha...

E mesmo assim, ele vinha,
Enquanto adormecido
Sonhava o Feliz Natal que seria.

Que sempre o era.
Manhã de 25, sempre uma manhã feliz.
Comida diferente da de todo dia,
Presentes, que nem sempre os que eu queria,
Mas sempre presentes que tão feliz me fazia.

E os Natais foram passando...
Com eles eu também ia e nem percebia.
Eu, Passando ou crescendo...
Mas com certeza perdendo ...
Perdendo a infância,
A inocência e a fantasia...

Muita coisa eu descobri sobre o Natal.
Primeiro, que o mistério do Natal
Não era a chaminé que não tinha...
Nem o Papai Noel que eu não conhecia...
O mistério do Natal,
Era a historia do Menino
Que nele nascia.

O Menino Deus
Que mais tarde na cruz morreria...
E por amor,
A humanidade salvaria.

Conselheiro Lafaiete/MG



-43-
A Saudosa Lapinha
Vera Trindade


Século XX. Dezembro. Um dos meses mais esperados pelos habitantes daquela vila. As crianças, já de férias, tinham uma nobre missão: providenciar os objetos para a construção da Lapinha (atual presépio). Os meninos cortavam as palhas de um tipo de palmeira muito comum no Nordeste – a palmeira sertaneja –, mais conhecida como pé de licuri ou de ouricuri, cujo nome científico é Syagrus coronata. Com as suas palhas, bem verdes, eles faziam uma bela cabana num dos cantos da sala de visitas. E buscavam, também, a areia do rio para formar o piso e búzios brancos do alto das serras para enfeitar toda a cabana.

Quanto às meninas, cabiam-lhes as tarefas de peneirar a areia, selecionar os melhores búzios, cortar papéis e fitas para a decoração do teto, que tinha o formato de um céu cheio de estrelas. Ao final, a matriarca completava com os itens mais importantes da Lapinha: o Menino-Deus na sua manjedoura, Maria e José, os Três Reis Magos e os animais – que não podiam faltar.

Na noite de Natal, as crianças sentavam-se diante da Lapinha e se deliciavam antes mesmo da própria ceia. Era uma noite de puro encantamento.

Sabia-se que havia, aqui e acolá, uma competição velada, capaz de “eleger” a Lapinha mais bonita. Isso despertava a atenção daqueles que participavam das Cantorias de Reis, principalmente no dia 6 de janeiro, data em que se deleitavam com belos cânticos e demonstrações de fé aos pés do Menino-Deus que, muito acolhido, renascia em sua segunda casa ricamente decorada: a Lapinha.


Salvador/BA



-44-
O Milagre do Natal
Carlos Reinaldo de Souza


Ao longe, no Oriente, tange o sino
e uma estrela anuncia Paz e Luz;
na manjedoura, jaz o Deus Menino,
linda cena que aos Reis Magos seduz.

No berço improvisado, um Pequenino
irradia Amor e o mundo conduz;
ouvem-se, então, os acordes de um hino
que maravilhas nos homens produz.

As mensagens da Estrela do Oriente,
transportando a Paz e a Luz do Senhor,
atingem todos os rincões do Ocidente.

Tocado por sentimento profundo,
o Homem, então, reverencia o Amor:
Paz e Luz mudam a face do mundo!

Conselheiro Lafayette/MG



45-
Prece do Natal


Oh, Senhor...!
Grande é a minha alegria e emoção
Sentir preenchido de ternura e amor
A minha alma a aquecer o coração.

Obrigada, Senhor...!
Por estar com os familiares, amigos,
Essas minhas queridas almas irmãs.
E juntos caminharmos por esta vida
Buscando juntos a nossa evolução.

Agradeço-Te, Senhor...!
Viver, sentir comemorações natalina,
Fibras do coração em vibração e luz,
Esperança, gratidão, beleza e cores,
Comemorarmos em alegria genuína.

Mas, Senhor...!
As almas daqueles que aqui na Terra
Sofrem o horror da fome, frio, solidão,
Eu também sinto suas terríveis dores,
O medo, a desesperança, sua aflição,
A atingir um ser no pequeno coração.

Neste Natal, Pai...!
Traz misericórdia, fé e paz ao planeta,
Aos pobres humanos que a fraquejar
Tropeçam no mal, ganância, egoísmo,
Nem imaginam o preço que irão pagar.
FELIZ NATAL E BOAS FESTAS Á TODOS!

Roseleide Farias
-Cabedelo/Pb-



-46-
Gratidão


Graças damos à magnifica vida plena,
Seja nos sentimentos, na alegria e dor,
Que nos faz amar e perceber, querido,
A ternura e a grandeza do nosso amor.

Graças damos pela chama da liberdade
E por vivermos assim em plena poesia,
Evitando o mal, as dores, a vil maldade,
Que possam vir á nos atingir algum dia.

Graças damos no conforto dos abraços,
Sentir boa segurança em nossa família,
Poder enxergar, louvar ao nosso Deus,
Através de todas as Suas maravilhas...!

Graças e preces somos ao contemplar
As magias do infinito céu e o belo luar,
Miríades de estrelas distantes a cintilar
Nos convidando a cantar, louvar, amar.

Graças damos á Deus Suas promessas
A nos falar de Esperança e Eternidade,
Gratidão, Fé, e que a vida, paz e festas,
Vençam a morte, mesquinhez, maldade.

Graças damos aos poetas e a sua sorte
Pela sensibilidade ao expor vida e morte.
Se melancólico ou feliz vêm falar de dor,
Também falam da ternura, rosas e amor.

Roseleide Santana de Farias Silva
- Cabedelo/Pb -



-47-
Prece natalina


Neste ano de sonhos e realizações,
Vamos agradecer á Deus pela vida,
Saúde e a paz aos parentes e amigos
E o bem que eles nos fazem!

Peço á Deus pelos pais e filhos
Que não puderam os sonhos realizar
E que as bênçãos divinas
Possam á todos alcançar!

É o pedido de um irmão
Que faz á Deus com fé e emocionado.
Que neste Natal e Ano Novo
Tenham os seus sonhos realizados!

É Natal...! Tempo de sentar,
Fechar os olhos e á Deus orar,
Pedir saúde, amor, esperança e Fé.
Mais humanidade entre os homens
Respeito ás crianças e á mulher!

FELIZ NATAL E BOAS FESTAS Á TODOS!

José Pereira da Silva
-Cabedelo-Paraíba-



-48-
NATAL
J.Augusto Silvério (Zito)


Era dia do meu aniversário.
Eu me sentia feliz como uma criança,
E vestido de humildade vim ao mundo
Para festejar juntos aqueles a quem Amo.
O dia que para mim era de alegria,
E eu queria reparti-lhes a minha alegria.

E vestido de humildade desci.
Parei em um lugar movimentado,
Arrumei-me bem, esfreguei as mãos,
E me preparei para receber as manifestações.

Mas... Não me notaram, sabe.
Estavam preocupados com as guerras,
Invejas calunias, destruições e ódio.
Vi gente que subiam montanhas,
Para se livrarem das águas que subiam,
E de lá empurravam os outros.

Vi pés que pisavam mãos.
Mulheres que se despiam rodeadas de gente,
Mulheres empacotadas ornadas de flores,
Enquanto no fundo dos templos,
Minha imagem permanecia esquecida.

Enfeitavam com flores a corrupção,
E esqueceram de me deixarem uma rosa.
Procurei no rosto das crianças um sorriso,
Para me alegar o aniversário,
Mas... Só vi lagrimas.

Os adultos com suas ambições e problemas,
Esqueceram-se das crianças que tanto amo,
Arrancaram-lhes o brilho dos olhos,
E plantaram a tristeza.
Então voltei ao meu lugar.

Ao contrario do sorriso que levei,
Trouxe lágrimas na face.
Voltei cabisbaixo como uma criança,
Que vê seu aniversário passar
Sem brinquedos, sem sorriso,
Ou ao menos um “olá”.

Aqueles por quem dei minha vida,
Esqueceram-se de mim
Ninguém se lembrou do meu aniversário,
E sorriu feliz.
Eu não queria festas, sabe.
Eu queria apenas vê-los feliz,
Todos de mãos dadas
Cantando uma só canção.

25 de dezembro, aniversário de Jesus Cristo.
Dê-lhe seu sorriso de felicidade como Presente de aniversário

Santa Rita do Passa Quatro/SP



-49-
PRESENTE DE NATAL
Por:Andrade Jorge


Pai Noel, eu quero um presente
bem bonitinho, que ande, corra e converse comigo,
Pai Noel, eu quero aquele que ta ausente,
O presente é o meu amigo.

Pai Noel, esse amigo ria, pulava,
contava estorinhas pra eu dormir,
sempre dizia que me amava,
e não me deixava o frio sentir.

Pai Noel, desse amigo nunca esqueço,
traz ele de volta, traz ... Vai!
Pai Noel! Ainda sou criança não mereço,
ficar longe de meu pai!

Dedico a todas as crianças cujo pai não está presente por circunstâncias da vida ou da morte.

Diadema/SP

-50-
É NATAL
Eda Thereza Piccinin Bridi


É Natal! Natal das Estrelas! O Natal de Sobradinho! (Minha cidade no Rio Grande do Sul) Uma enorme e linda estrela ilumina o canteiro central na Avenida João Antônio, e outras tantas multicoloridas brilham no alto dos arcos pela mesma avenida. Pinheirinhos, guirlandas, luzes, papais-noéis e trenós dão “vida” à Praça 3 de Dezembro, compondo um cenário que nos inspira a vivenciarmos o espírito natalino. Emocionante é, no silêncio da noite, acordarmos com músicas suaves, quase divinas, vindas da orquestra de papais-noéis, do alto da Casa da Cultura, anunciando a proximidade do Natal.

Como ficar indiferente se tudo fala de Natal, de amor, de paz, de acolhimento? Vivemos um clima especial, de convite para comemorar o nascimento do Menino Jesus.

Nas Igrejas e nos lares, a cada ano revemos a paisagem de um presépio, sempre terno e comovente. Maria, José e o Menino rodeado pelos pastores, pelos Reis Magos e por animais do campo. Os bracinhos de criança, carregados de ternura, se alongam em nossa direção para nos acolher e fazer-nos refletir:

É Natal, quando as famílias cultivam o diálogo, o entendimento, a compreensão, a harmonia e, acima de tudo, o amor!

É Natal, quando a solidariedade toma o lugar do egoísmo e as relações humanas se tornam elos de aproximação e pontes de fraternidade!

É Natal, quando crianças, velhos e doentes recebem os devidos cuidados da família e dos órgãos competentes!

É Natal, quando as drogas não são mais atrativos, e os jovens as substituem pelo gosto e pelo prazer da vida!

É Natal, quando o ser humano respeita a natureza e não polui a terra, as águas e o ar!

É Natal, quando a violência e a corrupção são banidas de nosso meio!

É Natal, quando as raças, os sexos, os credos não são motivos de discriminações!

É Natal, quando a palavra é anunciadora de paz, de perdão, de reconciliação, de esperança, de fé, de luz, de alegria!

Então é Natal! (Interpretação de Simone). O que você fez? / O ano termina e nasce outra vez / Então é Natal / A festa cristã / Do velho e do novo / Do amor como um todo / Então é Natal!

Feliz Natal e Abençoado Ano Novo! Para todos nós!


Sobradinho/RS





ENCERRAMENTO E AGRADECIMENTOS

A magia sublime do Natal se faz menção e motivação a que a perspectiva de um novo ano se revista de esperança, esta inspirada na mensagem sublime do Cristo e renovada há mais de dois mil anos...

E essa mensagem traz em seu bojo o fomento à paz universal e genuína como a fundamentar a denominação de “Confraternização Universal” atribuída ao primeiro dia de um novo ano – sugerindo que a genuína paz venha a efetivar-se a partir desse novo marco, gerando não apenas confraternização, mas a plena e fraternal união em âmbito universal irrestrito...

Devo dizer que percebi esse intento nas sublimes mensagens expressas nos belos textos dos amigos CAPPAZes nesta bela edição da Ciranda de Natal/Ano Novo... Desejo parabenizar a todos, não apenas à guisa de agradecimento, mas de sincero louvor às suas produções (poemas/textos) plenas de genuíno desejo de paz e esperança e, sobretudo, movidas pelo propósito de efetivar essa esperança em termos da real vivência dessa sonhada (e possível) Paz Universal. E que esse novo ano venha a contemplar nossas esperanças e estimular nossas futuras produções em busca desse sublime escopo.

Parabéns!

Eloísa Antunes Maciel
Confreira Efetiva
São Martinho da Serra/RS






SELO DE PARTICIPAÇÃO







COMENTÁRIOS











|| Página Inicial | Voltar | Livro de Visitas ||

Arte e Formatação Rosângela Coelho
Exclusivo para CAPPAZ - Confraria Artistas e Poetas pela Paz
Todos os direitos reservados