CAPPAZ - Confraria Artistas e poetas pela Paz




Editorial/02-2011
Poeta, Poesia, Poetar
Autoria: Deomídio Macêdo


Eis que os poetas e poetisas saíram a semear.

E enquanto semeavam uma parte das poesias caiu ao pé do caminho em rascunhos amassados, guardanapos de bares. Vieram os garis ágeis trabalhadores e as jogaram em um balde de lixo qualquer.

E outra parte caiu nas gavetas dos esquecimentos. As poesias eram férteis, poderiam germinar crescer dar bons frutos, mas foram queimadas nos abafamentos dessas gavetas.

E outra caiu em blogs, sites, panfletos, livros... vieram os leitores e as devoraram-na; e deu fruto: um a cem, outro a sessenta e outro a trinta,

Quem tem ouvidos de ouvir, ouça:

Os poemas têm que ser poetados, declamados, divulgados.

Poetas, poetisas vamos retirar a candeia debaixo do alqueire e mostrar os poemas para que todos possam ver.

Poemas que fazem a diferença, que possam transformar e elevar o homem para as esferas siderais em busca do Pai Maior e com isto modificar este planeta para melhor;

Poemas que tenham temas importantes para a humanidade.

Não precisamos nos preocupar com as críticas, elas sempre irão aparecer a favor ou contra, é o resultado do ofício.

Descubra o seu estilo, o modo de você poetar, declamar, pincelando o seu pensamento em folhas que os transformarão em pássaros que possam voar entre as estrelas.

E para que sua missão seja cumprida caberá a cada poeta, poetisa dar trinta, sessenta ou cem por um.

A sua consciência será seu guia.

(Poema baseado na parábola de Jesus: “O Semeador saiu a semear”) (Mateus, XIII, 3 a 9).


Deomídio Macêdo

Salvador/BA, 16 de março de 2011.


















Copyright® 2008/2015 - Confraria Artistas e Poetas pela Paz - Todos os direitos reservados
Formatação e layout por Rosângela Coelho

Site melhor visualizado pelo Internet Explorer
com resolução 1600x900px.