CAPPAZ - Confraria Artistas e poetas pela Paz




Editorial/01-17
CAPPAZ - 9 Anos!
Autoria: J.J. Oliveira Gonçalves




“A CAPPAZ é Árvore Dadivosa que se abre para as Forças do Universo...
A “Fênix” que sempre Renasce das próprias Cinzas”!
(JJotaPoeta)


CAPPAZ - 9 Anos!

Há 9 anos, no dia 9 de abril, nascia a CAPPAZ. E nascia bem nascida, bem gaúcha. E já com um sabor lírico, romântico: ao marulhar das águas do Guaíba. E nascia, ainda, sob um toque sutil: o toque da própria brisa que vinha do rio, a contracenar com o Sol brilhante e o forte calor daquela tarde. Embora o Outono já se mostrasse adulto em sua presença, nesta Porto Alegre dos Casais.

9 anos... E cabe, aqui, aquela expressão bem mais antiga do que eu: parece que foi ontem... Pois, é... parece. Mas já se passaram 9 anos. 9 anos tecidos de lutas várias e diárias. Com alegrias, com certeza. E, também, com algumas dificuldades e certos dissabores. Como não sei escrever o que não sinto – e nem padeço do exercício da vaidade e da hipocrisia – posso afirmar que poderiam ter sido de alegrias dobradas. E de dissabores subtraídos. No entanto, também não posso desconhecer que vivemos num mundo terreno – não vivemos num céu. Que a vida é uma dádiva e uma oportunidade – à qual não é dado o devido e ajustado valor. É complexa, eu sei. Mas é nessa complexidade que estão postas as Grandes Lições que devem ser praticadas – e não, apenas, decoradas, como se não tivéssemos o poder do raciocínio e da coragem. (Saber de cor o discurso e não praticá-lo, de nada vale!) Quanto ao bicho-homem, é mister que se volte sobre si, reestude sua figura e reflita sobre seu protagonismo neste Planeta-Azul. Infelizmente, esqueceu-se que tem – mais do que um Dever – uma Missão em sua rápida passagem, por aqui. É preciso que nasça um homem melhor, um homem novo. Todavia, (segundo as Leis do Xamanismo), para que nasça o novo é preciso que se destrua o velho. Que esse “homem-velho” se desapegue de sua mentalidade jurássica. E que se transforme no “homem-novo” que Deus espera e deseja que esse homem seja! Largue da vaidade exacerbada de se crer, realmente, sapiens. Deixe de se vangloriar de que, efetivamente, é ser-humano, quando, na verdade – e ele mesmo sabe – é muito mais ser e muito menos humano! Só assim ele aprenderá a Amar e a Respeitar – verdadeiramente! – a Mãe Natureza e os nossos manos animais! Fora disso, sua palavra será tediosa e repetitiva balela. E sua razão de ser será, apenas, uma triste farsa! A PAZ – tão citada e decantada – não acontecerá, nunca, se o homem não fizer gestos e obras concretas para que ela aconteça. A PAZ será, então, mera e tristonha Utopia! Afinal, o Sonho não pode ser somente o sonho quando dormimos – e que se dissipa quando acordamos. O Devaneio não pode ser somente aquelas vontades, aqueles Desejos, aqueles Sonhos que sonhamos de olhos abertos. E a Utopia não poder ser somente aquele Sonho impossível de realizarmos! Porém, se quisermos viver só de Utopias, o que fazemos, realmente, neste mundo? Para que viemos a este Plano, então? Tão somente para vivermos e morrermos – nada mais? Não teria sentido!

9 de abril de 2017... Manhã de Domingo de meu Pai Oxalá. O céu estendeu seu poncho cinzento sobre esta Querida (e maltratada!) Porto Alegre destes últimos tempos. Há uma chuvinha fina e intermitente. De vez em quando, algum passarinho dá o ar da graça. Frente ao PC, muitos e díspares pensamentos povoam-me a mente. E há cansaços das tantas andanças pelos Caminhos da Existência! Há uma Bandeira da Cor-da-Alma tremulando no Infinito. No Infinito de meu ser incompreendido e envelhecido de poeta. Entretanto, apesar da Dor Existencial que carrego em minhas entranhas, há, ainda, uma leve e inexplicável Esperança no coração. E uma Sensação de Paz em meu Espírito! Acredito ser a Sensação de que faço o que posso – dentro do que posso e do que me é permitido fazer. Com minhas Vestes Imaginárias de Franciscano: sempre tecendo um Hino de Amor à Mãe-Natureza e aos Irmãos Animais! A Natureza me inspira! Os animais me encantam! São Francisco de Assis me fascina!

Há 9 anos, a Confraria Artistas e Poetas pela Paz nascia. Parabéns, a toda a Família CAPPAZ! Todos somos importantes. Só não o é quem assim não se autoconsiderar. Portanto, todos podemos comemorar mais este aniversário da Confraria: o Nono! Na intenção do coração. Na pureza da Alma. Na Filigrana do Pensamento. Enquanto escrevo estas palavras, a manhã vai chegando ao fim. E esta crônica, também, deixando um Parabéns Especial à nossa Presidente-Fundadora – minha pessoal Amiga Joyce: uma mulher batalhadora, idealista, sábia e humana!

Com meu abraço franciscano, um Brinde à Vida e à CAPPAZ!!



Porto Alegre, 09 de Abril/2017. 12h
jjotapoesia@gmail.com – www.cappaz.com.br


















Confraria Artistas e Poetas pela Paz - Todos os direitos reservados
Formatação e layout por Rosângela Coelho