Nádia Cerqueira

Acorda, mulher! É o terceiro livro publicado por Nádia Cerqueira e o segundo livro de poesias. Este trabalho foi precedido pela publicação, no ano 2006, do segundo livro da autora, intitulado Alfredo da Luz, alegria de Irará, no qual faz uma homenagem póstuma ao seu pai, Alfredo Bispo dos Santos, precursor do trio elétrico na cidade de Irará, Estado da Bahia.

A obra é resultado da dedicação dessa habilidosa escritora e fruto da sua paixão pela poesia. Através de uma linguagem simples e eficaz, Nádia alia capacidade crítica a um gosto por fugir aos caminhos convencionais. “O livro serve como um alerta para as mulheres que amam, com os pés fora do chão, que acreditam em promessas, e vivem num mundo de ilusão”, destaca a autora.

A carreira de Nádia Cerqueira teve início com a publicação, em 2004, do seu primeiro livro de poesias, sob o título Pele Cor da Noite, com poemas que evidenciam os traços marcantes do seu trabalho: romantismo, sensualidade e valorização de suas origens. Sua contribuição como poetisa está vinculada à sua capacidade de envolver o leitor na atmosfera romântica e sensual dos seus poemas, aguçando a curiosidade com versos repletos de erotismo e uma leitura fácil e agradável.

Tais características se originam da leitura de livros eróticos, ainda na infância, por conta da impossibilidade de acesso a obras apropriadas para a sua idade que pudessem saciar seu apetite pela leitura. Essas foram às circunstâncias que levaram essa poetisa a ensaiar seus primeiros versos aos 10 anos de idade, sem pretensão de tornar-se escritora.

O historiador Vanderlino Santos na apresentação do livro afirma que o trabalho de Nádia “traz uma intensa combinação de amor, desejo e paixão. Nessa nítida demonstração de competência e estilo, Nádia Cerqueira consolida seu nome como um notável exemplo de dedicação à poesia”.

Confreira Efetiva.






NOVO MUNDO
Nádia Cerqueira

Sonho com um mundo novo
Sem dor, sem fome
Onde o ser humano
Não precise esconder
Seu nome

Sonho com um mundo
Sem gritos de agonia
Que desperte em cada um
Sua paz, sua alegria
Que a poesia saia
Do seu esconderijo secreto
Possa ser exposta em qualquer
Espaço aberto

Sonho com um mundo
Onde seja valorizado
Qualquer sentimento de amor
Que viver seja tudo
Mesmo sendo pobre
Que se cultive apenas
Os pensamentos nobres