AGRADECIMENTO

Agradecemos ao confrade Flávio Martinez Guebara a oportunidade concedida à CAPPAZ de participar da Roda Poética Radiofônica, na Webradiosol, dia 17 de julho/2010- Dia da Proteção às Florestas.
Dia 17 de julho de 2010, é - HOJE - considerado como um marco significativo na existência da CAPPAZ.
Agradecemos à confreira Eliene Taveira e ao confrade Fernando Alberto Couto, que organizaram o encontro dos poetas da CAPPAZ na Rádio.
Registramos com alegria o agradecimento da CAPPAZ aos confrades e confreiras que aceitaram o convite e participaram do magnífico Evento Radiofônico. Sem a presença deles não teríamos poemas, declamados na voz do confrade Martinez, não teríamos realizado o Evento.

Registramos com prazer os nossos agradecimentos aos que participaram enviando seus poemas para a Radiowebsol:

1-CELSO CORRÊA DE FREITAS
2-ELIENE DANTAS DE MIRANDA TAVEIRA
3-ESTHER ROGESSI
4-FERNANDO ALBERTO SALINAS COUTO
5-FLÁVIO MARTINEZ GUEBARA- Diretor da Rádio e Apresentador do Programa
6-JOYCE LIMA KRISCHKE
7-MARCO A. AMADO
8-MARLY FELICIANO TAMANI
09-SIDNEY SANTOS
10-SÔNIA DIAS FREITAS
11-ROSÂNGELA COELHO -Organizadora dos textos para edição no site -www.cappaz.com.br

Parabéns CAPPAZ o Programa foi um sucesso!
Balneário Camboriú/SC, 20 de julho de 2010.

Joyce L. Krischke- Presidente Fundadora-CAPPAZ

 

 

 
 

CELSO CORRÊA DE FREITAS

PAZ
Letra: Celso Corrêa Freitas
Música: Sonekka

Paz estado de felicidade tempo bom de se viver
de semear fraternidade momento de ser CAPPAZ.
Nossos ideais se fortalecem estando juntos como irmãos
determinados a mudar o universo pelo verso e pela paz.

Paz só depende de NÓS
e nós queremos ser
nesse mundo um só ser
CAPPAZ, CAPPAZ, CAPPAZ

Poetas e Artistas
a favor da natureza e poesia
transformando idéias em ações
e nos corações muita paz

LINHAS

Vejo uma linha,
no horizonte de um mar quieto,
plano e pleno.

Uma onda após outra rola,
se aventuram sobre a areia.
Recuam ou com ela se fundem,
vem a chuva e tudo molha.

Vejo linhas em tudo,
nas grades que me cercam.
nas imagens repentinas.
Nas palmas das minhas mãos,
no desenho da minha face,
no meu ser incorporando
angulos novos ao meu destino.

São linhas pulsantes se misturando,
nas minhas despertas retinas.

 

 

 

ELIENE DANTAS DE MIRANDA TAVEIRA

Louvor a Terra

Nesses versos sem métrica
Almejo a terra louvar
Alimento, e puro ar.
Fornece sem nada cobrar

Alimentos e remédios
Flores, néctar de beija-flor.
Lindos cantos a ressoar
Belas árvores, verde cor.

Mar um espelho pungente
Sol que aquece a alma
Cachoeira que acalma.

Feitiço clarão do luar
Estrelas refletem olhar
Poeta a terra louvar

 

 

 

ESTHER ROGESSI

O NOSSO PLANETA TERRA

Contemplo a amplidão do céu, mar, terra e ar...
Riquezas inarráveis, beleza infinita...
No céu voo alçado por um pássaro afugentado, pelo tiro disparado,
De um caçador irado, que nele não vê beleza...
Predador, contraventor, da bela natureza!
O nosso planeta terra se encontra ameaçado...
Caçadores, pescadores, e os tais incendiários,
que devastam nossos campos, tacam fogo no plantio,
da cana-de-açúcar ouço o assovio;
de um pássaro o triste canto!
Bem-te-vi, bem-te-vi...
Bem que vi o bem-te-vi, dizer ao homem desalmado
num falar codificado: Bem-te-vi! Bem-te-vi...
Nas matas descer o machado;
bem-te-vi... Troncos seculares tombados.
O planeta está irado... Os mares revoltados,
os morros e às encostas, invadidas, logo mostram
estarem sendo incomodados...
Quero voltar ao passado!

 

 

 

FERNANDO ALBERTO SALINAS COUTO

COMO SERÁ TEU DIA TERRA?

São projetos, leis e decretos
com que seres de sangues frios,
pela ganância e impunidade
mudam florestas em espectros,
desviam até os leitos dos rios,
conduzem ao fim a humanidade.

Ó Senhor! Quem hoje enterra
seu filho morto por inanição,
ergue ao céu seu triste olhar,
esperando a salvação da terra.
Acredita e com toda devoção
que tudo ainda pode mudar.

Ó Senhor! Ele não sabe rezar.
Seu algoz não sabe o que faz.
Então ouça quem sabe poetar
E atenda quem clama pela paz.

SP – 26/04/10

PERDÃO, MÃE TERRA !

Terra, perdoai esses meus irmãos...
Perdoai este teu filho também,
pois se não te feri com meus atos,
eu te magoei com minha omissão.
Da escória da cultura, refém
indiferente a todos os fatos.
Prostrado a ti, beijo este chão.

Quando meus avós contavam
lendas sobre a raça indígena,
eu não prestava muita atenção.
Hoje percebo que tentavam
revelar-me de onde se origina
o sangue puro desta nação.

Aqui ou no longínquo oriente,
na profundeza do mar,
nas entranhas da mata
ou mesmo no alto do monte,
a humanidade, filha ingrata,
ainda não aprendeu a te amar.

Terra amada, quanta loucura...
Estúpidos não te deram o valor;
por prazeres secaram teu seio,
aniquilaram toda tua água pura.
Hoje te imploro, por favor...
deixa-nos, ao menos, o oxigênio.

Mãe terra, este teu filho perdido
mo labirinto do falso progresso,
ainda pode, alguns pássaros ouvir.
Sei que mesmo com coração ferido,
como mãe, ouvirás este meu verso,
por isso o perdão, eu venho te pedir.

 

 

 

FLÁVIO MARTINEZ GUEBARA

DIRETOR DA WEBRADIOSOL E APRESENTADOR DO PROGRAMA

 

 

 

JOYCE LIMA KRISCHKE

Rainha da Floresta

Rainha da floresta, coroada!
Borboletas, pássaros cantores,
Peixes... seus eternos protetores!
Por todos eles é muito amada...

Suas asas movem-se felizes
Fazendo-a igual aos da floresta:
Árvore cortada… o que resta?
Seus frutos tinham belos matizes!

Sua luz brilha na noite escura...
Clareia caminhos aos animais
Não lhes conta as dores e nem ais.

Toda feita de Paz e candura!
Rainha da Floresta... escolhida
Por seres que mantém da Terra a Vida!

Balneário Camboriú, 17/11/2009- 20h01min

ADEUS MÃE-TERRA...
Joyce-Lu@zul

Minhas gaivotas onde estão?
Sua praia, pedaço de areia...
Nossas conversas sobre sereia...
Há aterro... corta-me o coração!

Perderam seu espaço... têm fome!
No lugar da praia há aterro
Gaivota foi pra o desterro?
Homem constrói e gaivota some

Quanto desamor à natureza!
Até sofá e fogão vi no mar!
Mas continuo... não canso de bradar:

Por favor, cuidem da Mãe Natureza!
Vejam o “bicho homem”: ele erra!
E gaivotas dizem: Adeus Mãe Terra...

Balneário Camboriú, 07/11/2009- 16 h 40min

Elegia - sem métrica - à Mãe Terra
(Para a “poetisamiga” Eliene Taveira)
Joyce-Lu@zul

Oh, Mãe Terra, de filhos desgarrados!
Ah, Mãe Terra, de irmãos “brigados”
Oh, Mãe Terra, deste-nos abrigo
Ah, Mãe Terra, acabam contigo...

Oh, Mãe Terra, dos rios poluídos
Ah, Mãe Terra, dos cortes proibidos
Oh, Mãe Terra, e os teus clamores?
Ah, Mãe Terra, sofres muitas dores?

Oh, Mãe Terra, dos cantos dos pardais!
Ah, Mãe Terra, não os ouço mais!
Oh, Mãe Terra, sem flores nos prados

Ah, Mãe Terra, não ouvem nossos brados!
Oh, Mãe Terra, deste-me a vida...
Ah, Mãe Terra, sinto-te sofrida!

Balneário Camboriú, 06/11/2009- 20h15min

 

 

 

MARCO A. AMADO


MÃE TERRA...

Fui pra lá...
Vim pira cá...
Rascunhei e rasurei...
Mas não encontrei
Uma forma alegre
De a Mãe Terra homenagear
Pois como me alegrar,
Se nós animais,
Que nos intitulamos racionais,
Agredimos e destruímos
Aquela que nos dá abrigo,
Fornece alimento e vida,

Lava nosso corpo e alma
Com suas águas puras e límpidas!
Acalenta nosso ser,
Através da natureza,
Com uma esplendorosa beleza?

Meus olhos marejados...
Observam que mesmo maltratada e açoitada
Ela mantém seu viço!
Mas até quando esta grande Mãe
Suportará tamanha agressão
E desmazelo?
Torço para que nós animais (irracionais)...
Sejamos capazes de reverter esta situação
Dando a está bondosa Mãe...
Oportunidade de recuperação.
Para que nossos filhos e netos
Vivam num mundo melhor...
Com uma natureza exuberante
Ar e águas limpos
Florestas multicoloridas
Rios e mares límpidos e repletos de vida
Aves em revoada
Uma verdadeira festa!
Onde o amor e paz
Misturam-se a esta
nova ordem
Transformando tudo e todos...
Que habitam nesta Mãe de grande coração...

Ilha do Governador (RJ), 25/04/10

AMOR, PAZ E PRESERVAÇÃO...

Não desejo que este rascunho...
Seja apenas, um ato de desabafo...
Ou considerado um simples manifesto...
Desejo externar num clamor...
Não a doença do planeta...
Mas a insanidade do ser humano...
Que destrói a natureza...
Contamina rio e mar...
Suja mata e floresta...
Polui o ar...
Fere a mãe terra...
Com tamanho desamor...
Está situação não prejudica somente o planeta azul...
Mas a todos os seres vivos...
E a nós principalmente...
Venho então por meio deste texto...
Mal escrito, que não respeita a métrica...
Fazer uma mobilização...
Pois é profunda a tristeza...
Que me assombra a alma...
E aflige meu combalido coração...
Pois não é só a saúde do planeta azul...
Que se encontra em risco...
Por isto a necessidade da
Conscientização...
Vamos dar as mãos...
Num enorme círculo...
Organizar uma grande comunhão...
Pois uma única voz...
Parece ecoar no vazio...
Mas milhares de vozes...
Transformam-se numa grande união...
Esta que terá o poder...
De espalhar-se como o vento...
Criar raízes...
Crescer e se multiplicar...
Será do planeta a consciência...
Mostrando aos poderosos...
Que nossa ciência...
Não é só feita para a destruição...
Mas sim em prol da criação...
Não sou contra o progresso...
Mas sim contra a ambição...
Que traz desenfreada-mente...
O sofrimento, guerra, fome e destruição...
Vamos através da força de nossa união...
Promover a educação...
Em pacíficos atos...
Evitando a nossa extinção...
Somos poucos bem sei...
Mas aos poucos...
Iremos atingir nosso objetivo...
Criar uma grande falange...
Fazendo com que nossos governantes...
Unam-se a nossas ações...
Esquecendo suas ambições...
Demonstrando que somos Cappazes...
De em pequenas ações...
Promover o amor, paz e preservação...

(Ocram 17/05/09)

COMUNHÃO...

Na Terra nua...
São lançadas promessas...
Nos úmidos verdes campos...
Que germinam do límpido afeto da alma...
Onde o tempo sob o musgo verde repousa...
De forma plácida e serena...
Na mais plena e bela comunhão...
Com os raios cálidos do sol...
Cumplicidade está...
Que causa até inveja ao meu coração...

(Ocram 10/09/04)

 

 

 

MARLY FELICIANO TAMANI

MINHA PAZ DA NATUREZA

Um suave encanto de tarde
uma deslumbrante magia de entardecer...
mistério da noite que cai silenciosamente
últimos raios do sol que vai fugindo
sinfonia de pássaros se recolhendo
linguagem muda da brisa serena e morna
linguagem de silêncio e meditação
...minha rede na varanda
ao pé da serra toda verde
do verde que fui buscar
meu lar, a mata e o céu estrelado
meu protetor...
eu vim pra ver
sentir e amar
o seu eterno verdor!


MAGESTADE MÃE TERRA

O sol a pino no céu límpido e majestoso.
Aqui, acolá, formando ramalhete frondoso
e atravessando campos de flores coloridas
vou colhendo perfumes e matizando a vida
suaviza o ar da manhã em gotículas de orvalho,
saltitantes e atrevidos, de galho em galho
clamam o canto dos pássaros, minha atenção,
anunciam o amor à esse apaixonado coração

contemplo extasiada o esplendor da mãe natureza,
da águia alçando o vôo em magistral beleza,
magnífico quadro pintado pelo autor da vida,
gerando nos recônditos de sua essência a sobrevida.

pendem frutos das árvores altivas e frondosas,
que mesmo ulceradas pelas pedras dolorosas
oferece ao predador seu alimento, sem medida
e a sombra amiga, muitas vezes imerecida.

a primavera faz sonhar com magnífico fadário,
conspira e trama para eu poetizar esse cenário,
curva meu espírito perante sublime dádiva radiante
nesse encontro de paz e harmonia exuberante.

que a cada novo dia possa eu me deliciar à contemplação
que deixo, muitas vezes, por falta de tempo e atenção.
Mãe natureza, criação abençoada do Pai Universal,
presente magnânimo de seu banquete espiritual!

 

 

 

SIDNEY SANTOS

Ainda o tempo SENHORA DO TEMPO

Terra planeta lindo
Pra todos vive sorrindo
Mãe de muitos segredos
Madrinha de todos meus medos
Em toda sua inocência
Comete uma inconfidência
No universo jóia mais rara
não pára

CORES DAS FLORES

No início deste enredo
Exaltando a pureza
Rosas brancas segredo
Paz por natureza

Para teu sorriso franco
Luz que sempre irradia
Lírios também em branco
Pra começar bem o dia

Da cor do vinho de França
Aumentando alegria
No champanhe a lembrança
De amor e simpatia

Dádiva e certeza
Com todo carinho e paixão
Rosas vermelhas, a beleza
Que nasce no coração

 

 

 

SÔNIA DIAS FREITAS

Natureza

A natureza não é apenas o lugar que Deus criou...
E deixou para nos cuidar...
Nela moramos, temos que zelar...
Afinal aqui é a nossa casa, precisamos cuidar...
Só depende de nos, todos dar as mãos...
Gritar a nação...
Vamos proteger nossa Flora, Nossa fauna...
Com todo o amor que temos no coração...
Vamos pedir ajuda a quem também tem o dever de proteger...
Mas não tirar de nossas mãos a responsabilidade também...
Vamos educar a quem precisa ser educado...
O que importa e cuidar da natureza...
E de tudo que dela faz parte.

Soninha Poetisa

 

 

 

 





|| Página Inicial | Voltar | Livro de Visitas ||

 

 

 

Arte e Formatação Rosângela Coelho
Exclusivo para CAPPAZ - Confraria Artistas e Poetas pela Paz
Todos os direitos reservados