Valter Bitencourt Júnior

Nasceu em Salvador/BA, 25 de junho de 1994, poeta, escritor, leitor de livros de vários gêneros, anarquista, ex-secretário da: Ordem dos Poetas do Brasil, deu aula no Projeto Patrulhando a cidadania, por 2 anos e meio de literatura, produção poética e conhecimento gerais, frequenta a Biblioteca Comunitária de Valéria Profº José Oiticica, atualmente está trabalhando na Pedreira Civil, membro do site Movimiento Poetas Del Mundo, e de muitos outros sites que envolve poetas de todas as partes do mundo e do Brasil, participa de uma Antologia feita por Valdeck Almeida de Jesus, e do Sarau da Onça, por Sandro Sussuarana, em 2011 participou do curso 200 anos de poesia, administrado pelo poeta Douglas de Almeida, na Biblioteca Pública da Bahia, participou de uma oficina de poesia administrado pelo poeta carioca Carlito de Azevedo.

Confrade Efetivo.






Paz
Valter Bitencourt Junior

Porque foram as ramagens de folhas
Que sussurraram vagarosamente
Sem que ao menos pedisse, e livre
Aceitei todo o aroma
Que exalava o vago perfume.
E todo o tecido de lã
Que costurava o vento.
Algodão a voar pelo ar
E um banho de neblina;
Surgia das cachoeiras,
Por entre os seixos, o disfarçar
Do dia, o esconder da beleza por
Entre o róseo de cada instante.
Eu a mim desmanchar por entre
As nuvens, moro por entre os castelos
Suntuosos, preso por entre a prisão da noite,
A minha imaginação pensa
Vivenciar cada elemento...

Sou uma criança, a brincar de barquinho
De papel...

Sinto-me sensível,
Sinto-me fraco,
Quero voar!